Erdogan pede que Jerusalém Oriental seja reconhecida capital palestina - Coisas Judaicas

Coisas Judaicas

Blog judaico

Post Top Ad

Erdogan pede que Jerusalém Oriental seja reconhecida capital palestina

Erdogan pede que Jerusalém Oriental seja reconhecida capital palestina

Share This
Erdogan pede que Jerusalém Oriental seja reconhecida capital palestina

A líderes muçulmanos, presidente turco chama Israel de 'Estado de ocupação' e 'terrorista'.
Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, gesticula em discurso a líderes muçulmanos durante cúpula extraordinária - Emrah Yorulmaz / AP
ANCARA — O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, fez um fervoroso discurso a governantes muçulmanos nesta quarta-feira, reivindicando que a comunidade internacional reconheça Jerusalém Oriental como "capital da Palestina". Ele chamou Israel de um "Estado de ocupação" e "terrorista", em dias de alta tensão provocada pelo reconhecimento dos Estados Unidos de Jerusalém como capital israelense. Com a decisão de Trump, "Israel foi recompensada por todas as atividades que realiza", continuou Erdogan, garantindo que "nunca renunciará" a exigir "uma Palestina soberana e independente".

— Israel é um Estado de ocupação. Além disso é um Estado terrorista — declarou Erdogan durante a abertura da reunião da Organização de Cooperação Islâmica (OCI) em Istambul. — Convido os países que defendem o direito internacional e a Justiça a reconhecer Jerusalém ocupada como capital da Palestina.

O presidente palestino, Mahmoud Abbas, acusou Trump de ter "oferecido Jerusalém como presente ao movimento sionista", indicando que os Estados Unidos não têm nenhum papel a desempenhar no processo de paz.

— Jerusalém é e continuará sendo eternamente a capital do Estado da Palestina. E, sem isso, não haverá paz, nem estabilidade — acrescentou Abbas em seu discurso na cúpula.

LEIA MAIS: Por que transferir a embaixada dos EUA a Jerusalém é tão controverso?

Liga Árabe pede que governo dos EUA anule decisão sobre Jerusalém

Guarda é esfaqueado em estação central de ônibus em Jerusalém

Com apoio da base evangélica americana, o anúncio de Trump em 6 de dezembro passado provocou uma condenação quase unânime no mundo, assim como manifestações de revolta e indignação em muitos países do Oriente Médio. O encontro desta quarta-feira até o momento sinaliza a reação unificada mais forte contra a decisão americana.

Em resposta às críticas, a embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Nikki Haley, saiu em defesa de Trump, afirmando que sua decisão fará o processo de paz avançar no Oriente Médio. Em sua opinião, Trump é o primeiro presidente americano que teve a "coragem" de aplicar uma lei adotada no Congresso em 1995, que previa a transferência da embaixada americana de Tel Aviv a Jerusalém, mas que foi sistematicamente prorrogada por todos os presidentes desde então.

Presidente em exercício da OCI, Erdogan espera unificar o mundo muçulmano contra a decisão americana. A tarefa não será fácil, porém, já que a região se encontra profundamente dividida. Somado a isso, vários países — como a Arábia Saudita — buscam cultivar boas relações com o governo Trump, tendo como pano de fundo a hostilidade em relação ao Irã.
Curta nossas páginas nas redes:
http://www.facebook.com/judaicas
http://www.twitter.com/coisasjudaicas

Um comentário:

  1. Erdogan é um político populista. O populismo é uma das maiores mazelas da raça humana. Essão autoridade vai afundar a Turkia

    ResponderExcluir

Deixe sua opinião

Post Bottom Ad

Pages

Real Time Web Analytics