Por que rasgamos nossa roupa depois de uma morte? - Coisas Judaicas

Coisas Judaicas

Blog judaico

Post Top Ad

Por que rasgamos nossa roupa depois de uma morte?

Por que rasgamos nossa roupa depois de uma morte?

Share This
Por que rasgamos nossa roupa depois de uma morte?

Pergunta:

Qual é o motivo para o costume dos enlutados rasgarem a roupa na morte de um ente querido?

Resposta:

No nível mais básico, rasgar é expressar a dor e sofrimento pela morte. A Lei da Torá encoraja - na verdade ordena - tais expressões como parte do processo de luto.
Mas há também um significado mais profundo. O Judaísmo vê a morte como uma moeda de duas faces. Por um lado, quando alguém morre, é uma tragédia. Eles estão perdidos para a família e amigos, e há um sentimento de separação e distância que parece aestar distante de reparo. Por este motivo observamos um intenso período de sete dias de luto, durante o qual a família se senta em casa e sente aquela dor e a perda, seguido de um mês e até completar um ano de luto.
Mas com frequência, dentro daquela mesma dor, os enlutados têm uma crença de que “não é verdade” - que seu ente querido não se foi realmente. Isso não é apenas negação; de certa maneira estão certos. A morte não é uma realidade absoluta. Nossas almas existiam antes de nascermos e continuam a existir depois que morremos. As almas que se foram ainda estão conosco. Não podemos vê-las, mas sentimos que estão ali. Não podemos ouvi-las, mas sabemos que elas nos ouvem. Fisicamente, estamos separados. Além da superfície, nada pode nos separar.
Portanto rasgamos nossa roupa. Isso tem um duplo significado. Estamos reconhecendo a perda: nossos corações estão rasgados. Mas em última análise, o corpo também é apenas uma roupa que a alma veste. A morte é quando tiramos um uniforme e usamos outro. A veste pode ser rasgada, mas a essência da pessoa dentro dela ainda está intacta.
Sob nossa perspectiva mundana a morte é de fato uma tragédia, e o sofrimento vivido pelos enlutados é real. Mas quando eles rasgam as roupas, esperamos que dentro do seu sofrimento possam ter um vislumbre da uma verdade mais profunda: que as almas nunca morrem.
A chassidut explica que apesar de a alma judia se encontrar num nível elevadíssimo, sendo considerada uma partícula Divina, o corpo judeu tem uma fonte Divina muito mais elevada, sendo que somente através dele podemos cumprir a vontade Divina, que é cumprir Suas mitsvot justamente neste mundo material.
Na época da ressurreição, será revelado o nível espiritual do corpo, sendo que a alma deixará o Gan Eden e todos seus prazeres para desfrutar de um prazer muito mais intenso que é a verdadeira recompensa das mitsvot, que se dará justamente neste mundo material, com a alma dentro de um corpo.

POR ARON MOSS
Rabi Aron Moss ensina Cabalá, Talmud e Judaísmo prático em Sydney, Austrália, e contribui frequentemente com Chabad.org.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião

Post Bottom Ad

Pages

Real Time Web Analytics