Hebraico uma língua ressuscitada das cinzas da história - Coisas Judaicas

Coisas Judaicas

Blog judaico

Post Top Ad

Hebraico uma língua ressuscitada das cinzas da história

Hebraico uma língua ressuscitada das cinzas da história

Share This
Hebraico uma língua ressuscitada das cinzas da história

Há pouco menos de 2000 anos, a cidade de Jerusalém foi queimada e arrasada, e o povo judeu viu-se exilado de sua terra natal. 

Como resultado desse cataclismo, a religião judaica mudou dramaticamente. Sem um Templo, os sacrifícios cessaram e foram substituídos pela oração. 

Da mesma forma, a língua hebraica também mudou drasticamente. Espalhados por toda a Diáspora, os judeus deixaram de usar o hebraico em seus assuntos diários. O idioma era reservado apenas para fins sagrados. Era a linguagem de oração na sinagoga, conhecida como lashon hakodesh (לָשׁוֹן הַקּוֹדֶשׁ), significando “língua sagrada”.

Os primeiros falantes nativos do hebraico moderno

Milagrosamente, no final do século XIX o hebraico foi trazido de volta à vida pelos pioneiros sionistas. Há quase 150 anos, o eminente erudito Eliezer ben Yehuda tirou o pó da língua arcaica da Bíblia, ajustando-a à vida moderna. Ele inventou centenas de palavras novas, expandindo raízes linguísticas antigas. Seu filho Ben-Zion foi o primeiro falante nativo do hebraico desde os tempos do antigo Israel. No começo, as pessoas burlaram desse projeto louco. Mas ele foi bem-sucedido! Esta é uma das contribuições mais importantes do Estado de Israel para a identidade judaica.

Eliezer Ben Yehuda considerado o pai da língua hebraica moderna. Nasceu na cidade de Luzki, na Lituânia, filho de Yehuda Leib e Fayga Perelman. Foi educado em uma ieshivá (seminário religioso), onde recebeu os preceitos do judaísmo ortodoxo e tomou contato com o hebraico, então considerado apenas como a “língua sagrada” do povo judeu. No fim da adolescência, conheceu os ideais do sionismo. Aos 17 anos, deixou a vida religiosa e passou a atuar no movimento sionista. Mudou seu sobrenome para Ben Yehuda e passou a trabalhar em prol do restabelecimento de um lar na antiga Terra de Israel e da união do povo judeu pelo uso do mesmo idioma.

Em 1881, Ben Yehuda, já casado, mudou-se para Jerusalém. Poucos anos depois, ajudou a fundar duas organizações – a Techiat Israel (Renascimento de Israel) e Safá Brura (Linguagem clara/simples) – com o objetivo de estimular o ensino e o uso do hebraico entre os imigrantes judeus que começavam a chegar à Terra de Israel. Também participou da fundação do primeiro jornal em hebraico da região. Foi na atividade de repórter e editor que começou a modernizar o idioma, cuja maioria dos termos remontava às épocas bíblicas. Várias palavras e conceitos de outras línguas, como o árabe, o russo, iídiche, o inglês e idiomas latinos foram incorporadas ao hebraico. 

Ben Yehuda também foi um dos criadores do Conselho da Língua Hebraica, que antecedeu a Academia de Língua Hebraica, e publicou o primeiro dicionário do Hebraico Moderno e Antigo. Foi um dos pioneiros do desenvolvimento do alfabeto hebraico em letra cursiva. Ao morrer, aos 64 anos, em Jerusalém, Ben Yehuda já tinha visto seu sonho tornar-se realidade. O crescimento da comunidade judaica na antiga Terra de Israel unida pelo uso do idioma hebraico remodelado e que continua a ser atualizado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião

Post Bottom Ad

Pages

Real Time Web Analytics