Estudante contamina pertences de colega de quarto negra para forçá-la a se mudar

Estudante contamina pertences de colega de quarto negra para forçá-la a se mudar
Brianna Brochu foi acusada por crime de ódio nos Estados Unidos
Foto: Divulgação/Departamento de Polícia de West Hartford
Uma estudante branca de 18 anos foi acusada por crime de ódio e expulsa da Universidade de Hartford, em Connecticut, nos Estados Unidos, após contaminar a escova de dente e loções faciais da colega de quarto negra, além de outros pertences dela. Com isso, Brianna Brochu pretendia provocar a saída de Chennel Rowe, a quem ela se referia como "Barbie jamaicana". A decisão foi tomada por um tribunal nesta quarta-feira.
"Depois de um mês e meio cuspindo no óleo de coco dela, colocando molusco mofado em suas loções, esfregando tampões usados em sua mochila, colocando a escova de dentes dela em locais onde o sol não alcança, e muito mais, finalmente posso dizer adeus para a Barbie jamaicana", dizia o texto publicado no perfil de Brianna no Instagram, que já foi deletado.
Chennel contou, numa transmissão ao vivo no seu perfil do Facebook, na segunda-feira, que, ao ler a publicação, entendeu por que ela se sentiu mal diversas vezes, com muita dor de garganta, por exemplo.
"Eu me mudei porque senti que não era querida em meu próprio quarto", disse.
A história repercutiu nas redes sociais e internautas reagiram com revolta às atitudes de Brianna por meio do compartilhamento da hashtag #justiceforjazzy (Justiça para Jazzy, em português), sendo Jazzy o nome utilizado por Chennel no Facebook.
O post de Brianna, aliás, originou a acusação contra a universitária, conforme informou o "The New York Times". De acordo com o tenente Michael Perruccio, do departamento de polícia de West Hartford, o caso começou a ser investigado no último 18 de outubro. No entanto, foi somente no último sábado que Brianna se entregou. Ela já tinha antecedentes.
A jovem foi expulsa da universidade, onde 15% dos alunos da graduação são negros, segundo um comunicado emitido pela instituição. A ex-aluna também pode responder a um processo criminal devido a suas maldades.
"Brianna Brochu não é mais uma estudante da Universidade de Hartforg", afirmou o presidente da unidade, Gregory S. Woodward.
Chennel fez o vídeo para tirar dúvidas das pessoas referente ao caso e para expor o que ela passou durante o início de seu período na faculdade, já que ela é uma caloura. Apesar de a instituição de ensino ter decido expulsar a colega de quarto, a vítima frisou que, a princípio, a universidade tentou abafar a história.
"Se as raças fossem invertidas, tenho a impressão de que o rumo tomado seria outro", disse a estudante sobre o pedido que a faculdade lhe teria feito para manter-se em silêncio diante do fato.
A porta-voz da universidade, Molly Polk, afirmou que a instituição seguiu o procedimento padrão em uma situação como essa e "imediatamente relatou o caso à polícia".
"A universidade seguiu rigorosamente e rapidamente todos os processos legais relacionados a este alegado evento. As afirmações em contrário são baseadas em informações erradas", afirmou, também de acordo com o jornal americano. "Atos de racismo, viés, bullying ou outros comportamentos abusivos não serão tolerados neste campus", completou.
Share on Google Plus

About Coisas Judaicas

No Coisas Judaicas, fazemos de tudo para manter nossos amigos e visitantes bem informados. Todo mês, mais de 45 mil visitantes do mundo inteiro procuram nosso Blog para ler sobre:Judaísmo, Israel e o mundo judaico. É a nossa missão

0 Comentários:

Postar um comentário

Deixe sua opinião

[Fechar]

Receba gratuitamente o melhor conteúdo do Coisas Judaicas no seu e-mail e fique sempre atualizado.

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner