Holocausto? Isso não era do meu departamento - Coisas Judaicas

Coisas Judaicas

Blog judaico

Post Top Ad

Holocausto? Isso não era do meu departamento

Holocausto? Isso não era do meu departamento

Share This
Holocausto? Isso não era do meu departamentoUma secretária do Ministro da Propaganda nazi afirmou até à sua morte (com 106 anos) que desconhecia a barbárie da Solução Final. 
Tentamos descortinar se era amnésia ou o cúmulo da distração e demos por nós em 2017.
Não deixa de ser simbólico que uma secretária de Joseph Goebbels, o Ministro da Propaganda do regime nazi, tenha morrido no Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, a 27 de Janeiro deste ano. Tinha 106 anos de idade. Este livro recolhe um relato escasso e despojado sobre o seu percurso e ascensão na estrutura do Estado alemão, antes e durante a II Guerra Mundial. E essa escassez de informações, emoções ou recordações também é fundamental para uma leitura ampla deste livro.
Brunhilde Pomsel nasceu em 1911, filha de um decorador. Os tempos difíceis moldaram personalidades áridas: “A obediência estava integrada na vida familiar; com amor e compreensão não se conseguia grande coisa. Obedecer e algumas artimanhas, mentiras e passar a culpa para outro, tudo isso fazia parte”.
O maior impacto deste livro – concebido com os depoimentos gravados em vídeo concedidos pela própria, e aqui reunidos pelo jornalista e especialista em Política Internacional Thore D. Hansen – é o constante (alegado) alheamento de Pomsel sobre tudo o que se passava. Apesar de trabalhar como secretária junto de uma das figuras gradas da hierarquia de Hitler, nada viu, nada ouviu, de nada desconfiava. Mesmo com os alertas que a cronologia maquiavélica ia deixando: “Todos pensam que sabíamos de tudo, de tudo. 
Não sabíamos de nada. Tudo foi feito em segredo e funcionou (…) Até que, em Novembro de 1938, aconteceu aquela história horrível, a Noite de Cristal.” Pomsel mostra tal distanciamento que chega a ser quase inverosímil: “Nunca vi um só transporte de judeus. Supostamente, os camiões carregados de judeus percorreram as ruas de Berlim, e não quero de forma alguma contestar isso, mas eu nunca os vi”.
O seu primeiro emprego foi com um advogado judeu. A estenografia foi a alavanca inicial para a carreira de secretária, bem como o encontro com Wulf Bley, um antigo oficial da Força Aérea, perfeitamente integrado no aparelho Nacional-Socialista em ascensão na década de 30.
Na parte final do livro, Hansen ensaia um paralelismo entre os discursos populistas que acondicionaram o ovo da serpente nazi e os dias de hoje, entre focos de renascimento ditatorial na Europa e um Presidente nos EUA que não contribui para a acalmia generalizada. Uma mistura entre “radicalização, num dos lados, e do outro, ignorância e desinteresse políticos”, sintetiza. No passado dia 24 de Setembro, terminadas as eleições na Alemanha, o líder do AfD, partido de evidente simpatia xenófoba (e terceiro mais votado, ingressando no Parlamento com 13,5% dos votos) assegurou defender “os pensamentos das pessoas comuns”. Onde é que nós já ouvimos isto?
É a própria Brunhilde Pomsel quem lança um alerta. “Quando nos sentamos em frente da televisão, aí já pensamos: mas não é possível o que se está a passar neste momento. Mas é possível. E será possível daqui a cem anos, não apenas cem anos, mas enquanto existir este globo terrestre em que vivemos. Faz parte da natureza humana”.
Uma Vida Alemã (****)
Brunhilde Pomsel e Thore D. Hansen
Objectiva
224 pp


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião

Post Bottom Ad

Pages

Real Time Web Analytics