Header Ads

  • Breaking News

    120 judeus ultra-ortodoxos detidos em Israel

    120 judeus ultra-ortodoxos detidos em IsraelConflitos violentos: 120 judeus ultra-ortodoxos detidos em Israel.

    Milhares de judeus  ultra-ortodoxos atravessaram as ruas de Jerusalém em protesto contra a aplicação da lei de recrutamento militar obrigatório para todos os cidadãos israelenses e a recente detenção de objetores de consciência de sua comunidade.

    "Nós não queremos mudar a lei, queremos continuar a estudar a Torá (Bíblia), como fizemos há milhares de anos, e que o nosso Governo nos deixou viver em paz. Pela primeira vez, eles detiveram até dez dos nossos meninos ", disse o rabino David Ziherman, que participou da manifestação ao lado da estação central de ônibus.

    Há uma semana, grupos de "Haredim", judeus ultra-ortodoxos, demonstraram em diferentes partes da cidade e houve confrontos com a polícia, o que aumentou no quarto dia, quando outros dois alunos de Yeshiva foram presos. Estudo religioso judaico) que se recusaram a cumprir o pedido de recrutamento militar.

    O grupo religioso de direita chamado Faction de Jerusalém, o organizador dos protestos, declarou o chamado "Dia da Ira" e durante o dia houve manifestações freqüentes e cortes no trânsito.

    "Houve um aumento muito significativo na severidade das medidas tomadas contra nós, e responderemos do mesmo jeito", um representante desse grupo escreveu no site hebraico de Kikar Shabat, alinhado com a ultra-ortodoxia.

    Havia mais de 120 detidos, de acordo com o porta-voz da polícia.

    A polícia deslocou dezenas de homens, que estavam sentados na estrada, bloqueando o trânsito, causando a suspensão temporária do serviço ferroviário leve e deixando dezenas de ônibus vazios e não tripulados nas ruas diante da impossibilidade de para se mudar.

    No início deste ano, o Supremo Tribunal de Justiça rejeitou uma lei que isentava os homens ultra-ortodoxos de seus estudos religiosos do serviço militar alegando que era uma medida discriminatória.

    O tribunal suspendeu a sua decisão por um ano para dar tempo a uma nova redação da lei.

    Os ultraortodosos, que representam 10% da população, se recusam a servir por diferentes motivos; os mais extremistas acreditam que um estado judeu não deveria existir antes da chegada do Messias e que, portanto, eles não são afetados pelas leis do país.

    Outros argumentam que o estudo dos textos sagrados é tão importante para o país como o serviço militar, e outros querem evitar encontrar jovens soldados ultra-ortodoxos com comportamentos anti-religiosos. 
    EFE e Aurora

    2 comentários:

    Deixe sua opinião

    Post Top Ad

    Post Bottom Ad

    Web Statistics