Header Ads

  • Breaking News

    Os sete poderes espirituais da alma

    Coisas Judaicas

    A natureza da alma
    Toda alma humana possui 10 sefirot, ou poderes espirituais. Os primeiros três são intelectuais, enquanto que os sete remanescentes estão relacionados às emoções.
    Os três poderes do intelecto são a força primária motivadora do elemento Divino da alma. Os sete poderes emotivos são a força primária motivadora do elementos animalesco da alma.
    No estado animalesco da alma, os três poderes intelectuais obedecem os desejos materialistas dos sete poderes emotivos. Foi para corrigir esta "confusão" que as sete Leis de Nôach (Noé) foram outorgadas.
    Para a Humanidade, a "retificação" espiritual envolve o refinamento dos sete poderes inatos de emoção, através de um compromisso de cumprir os Sete Mandamentos de Nôach.
    Os Sete Mandamentos de Nôach
    Como dissemos, os Sete Mandamentos de Nôach correspondem aos sete poderes emotivos da alma. Estes, por sua vez, correspondem às sete partes principais do corpo.
    SefiráMandamentoParte do corpo
    Chessed (bondade)
    Proibição de adultério
    Braço direito
    Gevurá (poder)
    Proibição de assassinato
    Braço esquerdo
    Tiferet (beleza)
    Proibição de roubo
    Torso
    Netzach (vitória, eternidade)
    Proibição de idolatria
    Perna direita
    Hod (esplendor, reconhecimento, ação de graças)
    Proibição de blasfêmia
    Perna esquerda
    Yesod (fundação)
    Proibição de comer carne de animal vivo ou beber seu sangue
    Órgão da procriação
    Malchut (reino)
    Estabelecimento de um sistema legal
    Boca
    Que o adultério é uma perversão do amor e que assassinato uma perversão de poder é algo óbvio. O roubo é a perversão da beleza, pois a beleza é o traço que capacita a pessoa relacionar-se com outra com interesse e consideração.
    A verdadeira fé em um D'us representa a suprema vitória do homem sobre o mal (cujo único poder real é a habilidade do mal conduzir a fé de alguém), e o portal para a eternidade. A perversão da fé é a idolatria. Blasfêmia, o "sócio" da idolatria, é uma perversão do reconhecimento e expressão da alma do agradecimento a D'us.
    Enquanto os cinco primeiros e o último dos mandamentos de Nôach foram dados a Adam (Adão) no início da Criação, o sexto foi primeiro outorgado a Nôach após o Dilúvio. A Torá refere-se a Nôach como o tsadic (o justo), o alicerce (yessod) de sua geração. As dez primeiras gerações da humanidade haviam sido instruídas por D'us a serem vegetarianas. Após o Dilúvio, D'us permitiu a Nôach e seus descendentes comer carne de animais em geral, mas proibiu-os de comer membros amputados de um animal vivo, ou de beber sangue de animal vivo.
    O sétimo mandamento de Nôach é o único positivo. É o mandamento de estabelecer um sistema legal para julgar aqueles que transgridem os sete mandamentos prévios, desta maneira retificando e regulando a sociedade. Este mandamento corresponde ao poder de malchut (reino), pois a lei é a fundação de qualquer reino. Como dizem nossos Sábios: "a lei do reino é a lei a ser obedecida." Malchut recebe energia dos outros poderes da alma, como foi dito: "Todos os rios [os seis poderes] fluem para o mar [malchut]." No corpo do ser humano, malchut corresponde à boca, cuja função é dirigir e controlar a sociedade.
    Quando estes sete mandamentos são ordenados na estrutura sefirótica, familiar aos estudantes da Cabalá, temos:
    Gevurá
    Poder
    Assassinato

    Chesed
    Bondade
    Adultério

    Tiferet
    Beleza
    Roubo

    Hod
    Esplendor
    Blasfêmia

    Netzach
    Vitória
    Idolatria

    Yessod
    Fundação
    Ingerir membros amputados de um animal vivo






    Malchut
    Reino
    Estabelece um sistema legal



    Nenhum comentário

    Deixe sua opinião

    Post Top Ad

    Post Bottom Ad

    Web Statistics