Sigmund Freud na dramática viagem para Inglaterra - Coisas Judaicas

Coisas Judaicas

Blog judaico

Post Top Ad

Sigmund Freud na dramática viagem para Inglaterra

Sigmund Freud na dramática viagem para Inglaterra

Share This
Sigmund Freud na dramática viagem para Inglaterra
"Aos 82 anos e com um doloroso câncer na boca, Sigmund Freud fez a última e mais dramática viagem de sua vida. 

A Áustria fora invadida pelas tropas de Adolf Hitler, que tinha uma opinião previsível sobre os estudos de Freud: "Decadente ciência de judeus". 

Com sua enorme coleção de antiguidades e livros, acompanhado da esposa, filhos e alguns amigos, Freud optou pelo autoexílio e chegou a Londres em junho. Ali seria tratado com respeito e carinho e acomodado numa elegante casa no bairro de Hampstead, mais tarde transformada em visitadíssimo museu.

Se não fosse a pressão de autoridades, como a princesa francesa Marie Bonaparte, que chegou a dar-lhe dinheiro p, para a viagem, e do presidente americano Franklin Roosevelt, Freud, provavelmente, teria tido um fim menos digno p, no campo de concentração de Theresienstadt. 

Sigmund Freud na dramática viagem para Inglaterra

Foto: Chegada a Londres, em companhia da princesa Marie Bonaparte.
 (Acervo: Biblioteca do Congresso, 
Washington D.C.; USA)
O cerco se fechava, cada vez mais. Seus livros eram queimados, em praça pública, a psicanálise tinha sido abolida do Estado nazista p, e sua casa, na Bergasse 19, num bairro aristocrático de Viena, era invadida, constantemente, pelos truculentos agentes alemães, que roubavam objetos e extorquiam dinheiro. Numa dessas visitas, a filha de Freud, Anna, foi levada para interrogatório, só voltando tarde da noite.

Freud se sentia amargurado, desde antes da subida de Hitler ao poder, em 1933. "Meu idioma é o alemão. Minha cultura e minhas conquistas são alemãs. Intelectualmente, me considerei alemão até perceber que os preconceitos antlssemitas iam aumentando,  na Alemanha e na Áustria. 

A partir daí, deixei de me considerar alemão. Prefiro definir-me como judeu", declarou numa entrevista de 1930. Quando a perseguição se agravou, após a anexação da Áustria pela Alemanha, Freud foi salvo por seu prestígio. Três de suas irmãs não tiveram a mesma sorte e morreram em Treblinka. 

A Inglaterra, país que Freud disse ter amado desde a primeira visita, aos 18 anos, tornou-se sua pátria adotiva por pouco mais de um ano. Morreu em 23 de setembro de 1939, quando a loucura nazista já levara o mundo à guerra."

Fonte: "Pai da psicanálise foge da loucura". O Globo, Rio de Janeiro, n. 14, 2000, Globo 2000.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião

Post Bottom Ad

Pages

Real Time Web Analytics