A Torá e a Responsabilidade de um Povo

                A Torá e a Responsabilidade de um Povo

No calendário judaico, depois de Pessach, temos a Festividade Shavuot.

A Torá foi dada ao povo judeu no Monte Sinai há mais de 3.300 anos. A cada ano, no Festival de Shavuot, nós celebramos o recebimento da Torá.

É interessante notar que não há tanta celebração familiar nesta festividade, mas costumamos passar a noite estudando.

A tradição rabínica conta que quando Deus falou no Sinai, o mundo silenciou – os pássaros não cantaram, as folhas das árvores não se mexeram. Desse profundo silêncio surgiu a voz de Deus e se o mundo voltasse a silenciar, voltaríamos a escutar o eterno eco da Sua voz.

Os rabinos também contam que a Torá recebida é o contrato de casamento entre Deus e seu povo, mas que pode ser mais bem descrito como um pacto, afinal, o judeu é um povo pactual. Um pacto que exalta obrigações sagradas. Um pacto que define o judeu como um povo com responsabilidade coletiva e com um propósito comum de obedecer a Deus, um Deus que agora não faz só milagres, mas cria, através deste documento, uma sociedade de liberdade e justiça, de compaixão e integridade, com mandamentos para que o rico ajude ao pobre e que o poderoso ampare o carente.

A Torá entregue no Sinai cancela débitos a cada sete anos, cria regras de conservação do meio ambiente e traz muitos outros conceitos que são a espinha dorsal do povo judeu.

De todas as civilizações ocidentais, o povo judeu é o único que se mantém tão intacto pois tem este fio condutor que o remete à antiguidade.
Em todas as épocas em que foi perseguido, o judeu não deixou de seguir a Torá e ter nela sua bússola moral. Mesmo quando não tinha direitos assegurados pelas nações onde vivia, o judeu sempre buscou cumprir seu papel social e sempre manteve organizações de ajuda porque a Torá exigia isso de seu povo.

Também, a Torá é o grande diferencial cultural do povo judeu. A simples missão de cada judeu saber ler a Torá implica na educação de seus filhos e na erudição do povo como um todo.
A tradição de releitura do texto a cada ano permite infinitas interpretações da Torá, o que cria uma sabedoria na literatura rabínica, transmitida de geração em geração.

A Torá é um documento constitucional, político. É a primeira constituição jamais escrita de qualquer nação. Isto é a Torá inteira, os cinco Livros de Moisés. A Torá inteira é um documento constitucional estabelecendo que nós somos os cidadãos da República da Fé.

Foi através desta constituição que os judeus sobreviveram dois mil anos no exílio. Para o judeu, o importante para a sobrevivência não foi território, pessoa, poder, mas sim a palavra sagrada. Foi o que nos trouxe até aqui. É a responsabilidade compartilhada advinda do recebimento da Torá que nos faz povo e nação.

É o povo do Livro, que reverencia a cada ano o recebimento deste pacto de união eterna que lhe permite ser este povo unido e responsável por si e pelo outro no mundo. 

Chag Shavuot Sameah.

Floriano Pesaro
Secretário Estadual de Desenvolvimento Social
Deputado Federal


Share on Google Plus

About Coisas Judaicas

No Coisas Judaicas, fazemos de tudo para manter nossos amigos e visitantes bem informados. Todo mês, mais de 45 mil visitantes do mundo inteiro procuram nosso Blog para ler sobre:Judaísmo, Israel e o mundo judaico. É a nossa missão

0 Comentários:

Postar um comentário

Deixe sua opinião

[Fechar]

Receba gratuitamente o melhor conteúdo do Coisas Judaicas no seu e-mail e fique sempre atualizado.

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner