Militares descartam que confronto na Síria chegue até Israel - Coisas Judaicas

Coisas Judaicas

Blog judaico

Post Top Ad

Militares descartam que confronto na Síria chegue até Israel

Militares descartam que confronto na Síria chegue até Israel

Share This
Miliares descartam que confronto na Síria chegue até Israel
Em 2013, quando um ataque americano à Síria parecia inevitável, o Exército israelense acompanhou a situação do outro lado da fronteira, nas colinas de Golã.

Generais temiam a escalada do conflito, em que a facção libanesa Hezbollah poderia revidar em Israel, lançando uma barragem de mísseis. 
Miliares descartam que confronto na Síria chegue até IsraelO bombardeio tardou quatro anos, até esta sexta-feira (7). Mas militares israelenses descartam, desta vez, a possibilidade de que o confronto se esparrame na região. 

"O que aconteceu na Síria foi bastante localizado", diz à reportagem o general de brigada aposentado Nitzan Nuriel, que foi responsável pela frente de batalha libanesa na guerra de 2006 e adido na embaixada em Washington. 

"A Síria fez uma coisa inaceitável ao usar armas químicas. Os EUA bombardearam apenas um aeroporto, poucas aeronaves. Não foi uma resposta grande o bastante para levar à guerra."

Nuriel diz que, ao atacar a Síria, Trump quis reforçar a mensagem de que as regras do jogo mudaram com a sua posse, em janeiro deste ano.

Foi um alerta ao Irã e à Coreia do Norte de que os testes de seus programas militares não serão tolerados.

"Precisamos olhar para o contexto mais amplo", diz. "Depois de diversos eventos em que a o governo americano precisava ter feito algo e não fez, decidiram agir."

Restam poucas opções a Assad, segundo o general de brigada. Uma delas seria revidar em Israel, como o ex-ditador iraquiano Saddam Hussein fez em 1991, lançando mísseis contra o aliado dos EUA no Oriente Médio. "Mas não acho que ele seria tão estúpido", diz Nuriel.

A outra opção seria financiar grupos terroristas para, no médio prazo, atacarem alvos americanos. "Não será amanhã, mas vamos ver ataques ligados à Síria", diz.

O major-general aposentado Yaakov Amidror, que assessorou o premiê Binyamin Netanyahu em questões de defesa nacional, concorda que o regime sírio não vai agir imediatamente. À reportagem ele diz que Assad "não tem a capacidade para fazer nada". "Sua sobrevivência depende das ações dos russos, dos iranianos e do Hezbollah."

Assim como Nuriel, ele elogia a ação de Trump e diz que, com o bombardeio americano, os atores regionais "precisarão reavaliar os EUA como um fator". "Ao contrário da administração anterior, esta não vai ficar sentada quieta enquanto alguém comete atos terríveis."

TEERÃ

O ataque americano foi também bem recebido entre líderes políticos israelenses. O premiê Binyamin Netanyahu afirmou que Israel apoia a decisão de bombardear a base aérea no oeste sírio.

"Tanto em palavra quanto em ação, o presidente Trump enviou uma forte e clara mensagem de que o uso de armas químicas não será tolerado", afirmou Netanyahu.

"Israel espera que essa mensagem de determinação ressoe não apenas em Damasco, mas também em Teerã, em Pyongyang e em qualquer outro lugar", disse.

Israel se mantém às margens do conflito sírio, mas realizou seus próprios ataques aéreos em ocasiões pontuais, como a movimentação do arsenal do Hezbollah nas regiões fronteiriças.

Netanyahu foi avisado pelos EUA a respeito do bombardeio desta sexta-feira. Não está claro se Israel colaborou transferindo informações de inteligência.

O ministro da Defesa israelense, Avigdor Lieberman, disse que o ataque foi uma "importante mensagem moral". 
(Folhapress)



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião

Post Bottom Ad

Pages

Real Time Web Analytics