Quando a ciência trabalhou para o racismo

Imagem relacionadaVeja alguns casos em que teorias absurdas ajudaram a perpetuar o racismo na humanidade.
Ao longo da história, diversas teorias racistas foram elaboradas para justificar objetivos políticos. Apresentadas como fatos científicos, acabaram contribuindo e exacerbando o ódio e a intolerância.
Quem fez bastante uso da ciência racista foi Adolf Hitler. Ele construiu seu discurso xenófobo, que custou a vida de mais de 6 milhões de pessoas no século passado, inspirado nas teorias de Houston Stewart Chamberlain e do professor Alfred Ploetz. Esses pensadores defendiam a superioridade da raça ariana e propunham, com o objetivo de preservar sua pureza, a reprodução seletiva, o assassinato de crianças deficientes e a proibição de relacionamentos inter-raciais.
No século XVIII, inúmeros cientistas norte-americanos afirmavam que a pigmentação escura dos africanos era causada por uma doença genética similar à lepra. Com essa estanha hipótese, justificavam a cruel exploração de escravos e vários atos de racismo extremo.
A psiquiatria também contribuiu para a opressão racial nos EUA. No século XIX, o Dr. Samuel A. Cartwright cunhou o termo drapetomania, que definia a necessidade dos escravos de fugirem das fazendas como uma doença mental.
Fonte: Notimerica
Share on Google Plus

About Coisas Judaicas

No Coisas Judaicas, fazemos de tudo para manter nossos amigos e visitantes bem informados. Todo mês, mais de 45 mil visitantes do mundo inteiro procuram nosso Blog para ler sobre:Judaísmo, Israel e o mundo judaico. É a nossa missão

0 Comentários:

Postar um comentário

Deixe sua opinião

[Fechar]

Receba gratuitamente o melhor conteúdo do Coisas Judaicas no seu e-mail e fique sempre atualizado.

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner