Grupo terrorista Hezbollah planejou atentados contra Brasília - Coisas Judaicas

Coisas Judaicas

Blog judaico

Post Top Ad

Grupo terrorista Hezbollah planejou atentados contra Brasília

Grupo terrorista Hezbollah planejou atentados contra Brasília

Share This
Grupo terrorista Hezbollah planejou atentados contra Brasília
Diante do alerta de ataque terrorista, o Ministério das Relações Exteriores pediu reforço
"urgente" na segurança da Embaixada de Israel,
do embaixador e de diplomatas daquele país (foto: Reprodução/Correio Braziliense)
Documentos até então sigilosos revelam que organização militar libanesa enviou terroristas ao DF com o intuito de cometer ataques a representantes diplomáticos de Israel. Alguns foram identificados, inclusive com fotos.

Brasília esteve na mira de grupos terroristas pelo menos duas vezes. A primeira nos anos 1970. A segunda em 1989, que inclui o Hezbollah (leia Para saber mais). O grupo libanês planejava sequestrar representantes do governo de Israel residentes no DF, além do cônsul israelita, morador de São Paulo. As informações sobre os possíveis atentados ficaram restritas aos militares e às autoridades do primeiro escalão dos governos do Distrito Federal, do Brasil e de Israel até o mês passado. Elas estão em um dos dossiês confidenciais da Secretaria de Segurança Pública do DF, abertos à consulta no Arquivo Público do Distrito Federal.

Sobre o possível ataque de 1976, as informações são vagas. Tratam somente de um alerta enviado pelo governo de Israel a todas as suas representações diplomáticas e do reforço da segurança das Forças Armadas do Brasil à Embaixada de Israel em Brasília.
Quanto ao plano de 1989, atribuído ao Hezbollah, há um amplo e detalhado relatório, incluindo nomes e fotografias de suspeitos e telegramas originais trocados entre Israel e Brasil. Em meio à investigação, policiais federais brasileiros constataram que um dos supostos terroristas estava no país.
Publicidade


Telegrama enviado pelo Ministério das Relações Exteriores (MRE) do Brasil à Polícia Federal e ao secretário de Segurança Pública do DF, em 16 de agosto de 1989, alerta que um terrorista d o Hezbollah está “em vias de ingressar no país (o Brasil) com vistas a cometer atentado contra aquela missão diplomática e seus membros”. Na mesma mensagem, o Itamaraty alerta sobre a presença de “outro terrorista” em solo brasileiro. Diante de tal cenário, o MRE pede reforço “urgente” na segurança em volta da Embaixada de Israel e das residências do embaixador e de quatro diplomatas israelenses.

Sequestro

Em setembro do mesmo ano, o Itamaraty fez novo alerta à Polícia Militar do DF. Dessa vez, o documento traz o nome de quatro terroristas apontados por Israel como os executores do plano do Hezbollah em Brasília. Segundo Israel, o grupo pretendia sequestrar o cônsul-geral do país em São Paulo ou qualquer diplomata que morasse em Brasília, com o intuito de uma negociação para a libertação de presos em Israel.

O assunto é tratado em documento “confidencial” do Estado-Maior-Geral da PM, endereçado ao Serviço de Inteligência da corporação: “Autoridades daquele País (Israel), identificou (sic) como prováveis autores do atentado terrorista os elementos Nazi (Nagi) Mouhamad El Malek e Zakarana ou Nagi Mouhamad Faisal Zakarana, apelidado por Raed, Nagi Mouhamad El Malek e Hikmat Abou El Magid Mansour” (veja fac-símile).

O último é descrito como um homem de “1,80m, mais ou menos 30 anos de idade, com uma vasta cabeleira castanha, cicatriz em uma das faces e outra no antebraço esquerdo, que vai do cotovelo ao ombro”. Já Raed é identificado por meio de uma foto 3x4, em preto e branco, anexada a documento enviado pela Embaixada de Israel.

A representação diplomática pediu à Polícia Militar brasiliense a inclusão de um coronel, adido das Forças Armadas de Israel, no esquema de segurança montado pelos militares da capital federal. A partir de então, a corporação também passou a escoltar o adido e os familiares dele, moradores do Hotel St. Paul, no Setor Hoteleiro Sul.

Além do adido, do embaixador e dos diplomatas, policiais militares passaram a fazer a segurança da sinagoga e da Associação Cultural Israelita de Brasília. Enquanto isso, policiais federais procuravam os quatro homens tidos como terroristas por Israel.

A caça aos suspeitos e o esquema de segurança em torno da Embaixada de Israel e seus altos funcionários durou até 4 de outubro de 1989, quando o serviço de Inteligência israelita descobriu que os quatro supostos terroristas haviam deixado o Brasil, com destino ignorado.

Para saber mais

Muçulmanos xiitas
O Hezbollah — ou Partido de Deus — é uma organização política e militar poderosa no Líbano, formada majoritariamente por muçulmanos xiitas. Foi criado em 1982 para combater as tropas israelenses que ocupavam o sul do país. É sustentado pelos iranianos e apoia a causa palestina. A organização pretende criar um Estado islâmico no Líbano, destruir o Estado de Israel e transformar Jerusalém em uma cidade muçulmana. Tem cerca de 800 combatentes ativos e 2 mil reservistas. O grupo conta, ainda, com cinco hospitais, 42 clínicas e duas escolas de enfermagem. Segundo a ONU, pelo menos 220 mil pessoas em 130 cidades libanesas se tratam nesses locais. O Hezbollah tem também 12 escolas, com 7 mil alunos e 700 professores.

1976 - 1989
Anos em que grupos terroristas se organizaram para cometer atentados no DF, segundo documentos confidenciais do governo brasileiro
Tags: brasília atentados planejou hezbollah

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião

Post Bottom Ad

Pages

Real Time Web Analytics