31 de jan. de 2017

Mudança de nome, mudança no destino?

Mudança de nome, mudança no destino?

Mudança de nome, mudança no destino?

“Teu nome será Avraham, pois Sarah é o nome dela”

O que há num nome?

Você já pensou em qual influência seu nome tem sobre você – na sua personalidade, padrões de comportamento e escolhas de vida?

Uma crescente onda de pesquisas sugere que o nome de uma pessoa pode ter um profundo impacto que pode reverberar da infância até a idade adulta. Um estudo feito por professores da Universidade de Melbourne e da Universidade de Nova York descobriu que pessoas com nomes simples, fáceis de pronunciar, têm maior probabilidade de serem favorecidos com uma promoção no trabalho. “O impacto dos nomes vem de como as pessoas esperam ver você,” diz um professor da Universidade Ohio. E embora pré-julgar as pessoas com base no nome possa parecer injusto, às vezes fazemos isso subconscientemente ao tomar decisões.

Um artigo recente no Wall Street Journal descreve como na Tailândia, quando enfrentam uma maré de azar, muitas pessoas estão mudando seus nomes para criar melhores perspectivas. Empresas que aconselham os tailandeses sobre como escolherem novos nomes estão se tornando uma indústria lucrativa em ascensão. Portanto pesquisas indicam que o nome de uma pessoa pode afetar até as opções de carreira.

Mas o significado de um nome trata apenas de percepções ou existe algo espiritual nato sobre o nome em si que tem um poder sobre a pessoa?

Os nomes são considerados muito significativos no Judaísmo. Seu nome judaico é o canal pelo qual a vida chega a você vinda do Alto. Na verdade, os cabalistas dizem que quando os pais dão nome a um filho, o destino daquela criança está envolto na combinação das letras hebraicas que formam o nome. Os sábios do Midrash recomendam que “deve-se dar a um filho o nome de um justo, pois às vezes o nome influencia o comportamento da pessoa e seu destino.” (Midrash Tanchuma, Haazinu 7).

Se um nome tem um efeito intrínseco na pessoa, uma mudança de nome pode mudar o destino de alguém?

Mudar de nome para criar uma mudança na sorte realmente tem suas raízes no Judaísmo. É por isso que se alguém está muito doente e em perigo, poderíamos dar a ele um nome adicional, como Chaim (ou Chaya), que significa “vida”, ou Rafael (ou Rafaela), “cura”.

A primeira história registrada de uma mudança de nome que levou a uma incrível mudança no destino foi aquela de Abram e Sarai. O episódio ocorreu quando Avraham tinha 90 anos de idade. D'us apareceu a ele e disse que Ele estaria fazendo um pacto eterno com ele, e que Sarah e ele seriam abençoados com um filho.

Vejamos como é o texto: E Abram tinha noventa e nove anos, e D'us apareceu a Abram e disse a ele: “Eu sou o D'us Todo Poderoso; caminha perante Mim e seja perfeito. E Eu colocarei Meu pacto entre Eu e ti, e te multiplicarei muito… E teu nome não será mais Abram, mas será Avraham, pois fiz de ti o pai de uma multidão de nações. E te farei inexcedivelmente frutífero, e farei de ti nações, e reis surgirão de ti. (Bereshit 17:1-2, 4-5).

D'us então ordenou a Avraham que ele e todos seus filhos homens deveriam ser circuncidados como um sinal do pacto. O nome de sua mulher, Sarai, também seria mudado, e então ela teria o milagre de ter filhos ,apesar da idade avançada.

E D'us disse a Avraham: “Tua esposa Sarai – não deves chamá-la Sarai, pois Sara é seu nome. E Eu a abençoarei, e lhe darei um filho dela, e a abençoarei, e ela será mãe das nações; reis das naçoes virão dela.” E Avraham sentiu em sua face e se alegrou, e disse a si mesmo: “Nascerá um filho a alguém que tem cem anos de idade, e Sara, que tem noventa anos, dará à luz?” (Bereshit 17:15-17).

O Talmud explica que a mudança de nome de Avraham e Sara criou uma mudança em seu status – em vez de uma missão particular, eles agora assumiam uma missão universal. O Talmud (Brachot 13 a) explica: Abram que é Avraham. No início ele era o pai de Aram, no fim se tornou o pai do mundo. Sarai, esta é Sara. No início ela era Sarai para esta nação e no fim se tornou Sara para o mundo inteiro.

Abram significa “Av Ram”, pai de Aram, pois ele se originou da cidade de Aram Naharayim. seu nome foi mudado para Avraham, “Av HamonGoyim,” o pai de uma multidão de nações.”

O Malbim (Bereshit 17:15) explica:

Sarai, nome dado a ela por Avraham, significa “Sharasi Sheli”, minha princesa e superior. Avraham agora foi ordenado que em seu novo status como “Av Hamon Goyim”, o pai de uma multidão de nações, sua mulher, também, iria ter um status mais universal que seria refletido no nome, Sara, princesa por excelência e não apenas princesa de Avraham.

Olhemos com mais atenção o texto descrevendo essas mudanças de nomes. D'us disse a Avraham: “Teu nome deve se tornar Avraham.” Sobre a mudança do nome de Sara, por outro lado, o texto diz: “Sara é o nome dela.”Avraham exigiu uma dimensão maior e transformação espiritual para se tornar Avraham. Sara, no entanto, já era Sara.

O Talmud (Yerushalmi, Sanhedrin 2:6) explica:

Rabi Huna disse, citando Rabi Acha: A letra yud que foi removida do nome de Sarai foi dividida em duas letras, um hei foi acrescentado a Abram e o outro a Sara. A mudança do nome de Sara envolveu a divisão do yud de Sarai em dois heis, numericamente equivalente a 5, para partilhar a espiritualidade de Sarai. Portanto, diz o texto, “Sara é seu nome;” Sarai já representava toda a espiritualidade de Sara.

Este yud tirado do nome de Sarai mais tarde foi acrescentado ao nome de seu descendente, Yehoshua, sucessor de Moshê. Ele foi um dos 12 espiões enviados para olhar a terra de Israel. Embora seu nome original fosse Hoshea, Moshê mudou seu nome para Yehoshua, Joshua, dando o presente da espiritualidade de Sara, yud. Isso deu a ele uma maior dimensão de espiritualidade, para que ele tivesse a coragem de enfrentar a trama dos espiões e trazer um relato verdadeiro, positivo sobre a terra ao povo judeu. Seu novo nome trouxe resultados, pois somente ele e outro espião refutaram o relato negativo dos outros. Além de nos ensinar sobre a incrível força espiritual de Sara e sua capacidade de compartilhá-la com outros, o episódio demonstra que há num nome mais do que imaginamos.

Quando os pais dão nome ao filho, vivenciam uma pequena profecia. Um nome conecta um indivíduo com sua alma e pode afetar seu destino.

Chana Weisberg é a Diretora de Gerenciamento Editorial de Chabad,org. Escreveu vários livros, incluindo o mais recente, Cuidando do Jardim: Os Dons Únicos da Mulher Judia. Ela atuou como reitora de diversos institutos educacionais para mulheres, e faz palestras internacionais sobre temas relacionados a mulheres, fé, relacionamentos e a alma judaica.

30 de jan. de 2017

Natalie Portman se diz feminista

Natalie Portman se diz feminista

Natalie Portman: “Claro que sou feminista”.

O diretor Pablo Larraín não buscava um clone para interpretar sua Jacqueline Kennedy em 'Jackie'
Queria desnudar o ícone, e a sensibilidade de Natalie Portman lhe deu o molde perfeito.

Graças ao diretor Darren Aronofsky, Natalie Portman ganhou em 2011 seu primeiro Oscar por Cisne Negro (além disso, nas filmagens conheceu seu marido, Benjamin Millepied, com quem tem um filho e espera outro). E graças a Darren Aronofsky poderá ganhar o segundo. Foi ele quem deu ao chileno Pablo Larraín o roteiro de Jackie, a reconstituição dos dias seguintes ao assassinato do então presidente dos EUA, John F. Kennedy. E, embora Aronofsky quisesse que sua ex-mulher, Rachel Weisz, interpretasse a primeira-dama, Larraín lhe disse que se Portman não aceitasse, ele também não aceitaria fazer o filme. 

Foi assim que ambos embarcaram em um longa difícil: retratar sem clichês (objetivo que alcançam) um dos ícones mais explorados do século XX. A atriz captou o mistério e esse distanciamento preciso que a senhora Kennedy manejava em público.

Veja o trailler:

29 de jan. de 2017

Ofensas

Ofensas

Ofensas
Nossos sábios ensinam: "todo aquele que envergonha o próximo em público, é como se estivesse derramando seu sangue".
Ofensas e palavras enganosas provocam males muitas vezes maiores que um dano material. Nas perdas materiais você até pode restituir, mas o mal feito com palavras não se presta a compensações. Cuidado, portanto, para não envergonhar os outros, principalmente sua esposa e filhos, pois eles são mais sensíveis.
Não se deve incomodar uma pessoa lhe fazendo perguntas que ressaltem sua ignorância em um determinado assunto. Evite apelidos. Não faça falsas afirmações, não simule intenções que não sejam autênticas. Fale sempre com sinceridade, retidão de espírito e pureza de intenções.
Ética Judaica, por Kolel Rio
Papa pede que lágrimas do Holocausto não sejam esquecidas

Papa pede que lágrimas do Holocausto não sejam esquecidas

Papa pede que lágrimas do Holocausto não sejam esquecidas
foto: Agência Lusa/EPA/Giuseppe Lami
O papa Francisco usou as redes sociais para enviar sua mensagem pelo Dia da Memória pelas Vítimas do Holocausto, lembrado nesta sexta-feira (27). 

“Hoje desejo fazer memória no coração de todas as vítimas do Holocausto. Seu sofrimento, suas lágrimas, nunca sejam esquecidos”, escreveu o pontífice em suas nove contas no Twitter.
Hoje, diversas celebrações pela Europa marcam os 72 anos que o Exército soviético invadiu o campo de concentração de Auschwitz, na Polônia, e pôs fim à sangrenta morte de judeus no local durante a Segunda Guerra Mundial.
Pouco antes de publicar sua mensagem, Jorge Mario Bergoglio recebeu uma delegação do European Jewish Congress, um grupo que representa os judeus na Europa. A conversa foi de caráter privado e não houve declaração oficial do Vaticano.
No entanto, o padre Norbert Hofmann, secretário da Comissão da Santa Sé para os Relacionamentos Religiosos com o Judaísmo, informou que o Papa iniciou o encontro ressaltando que essa era uma data importante tanto para os judeus como para “todos nós porque recordar as vítimas do Holocausto é importante para que essa tragédia humana não se repita mais”.
“O Papa disse que na sua família, seu pai sempre recebia os judeus. Então, ele cresceu em uma atmosfera favorável aos judeus. Falando de sua história pessoal, disse que os judeus sempre o visitavam, desde pequeno, e que o nosso Papa aprendeu a ter sempre amigos judeus”, relatou Hofmann.
O líder do grupo Moshe Kantor, destacou a “importância da ética, dos valores cristãos e judaicos que temos em comum”, relatou o padre.
Em julho do ano passado, Francisco fez uma visita aos campos de concentração de Auschwitz e Birkenau, durante sua ida à Polônia na Jornada Mundial da Juventude, e deixou uma mensagem em espanhol pedindo a Deus “perdoar” a humanidade “por tanta crueldade.”
Benjamin Netanyahu afirma que embaixada dos EUA deveria ir para Jerusalém

Benjamin Netanyahu afirma que embaixada dos EUA deveria ir para Jerusalém

Benjamin Netanyahu afirma que embaixada dos EUA deveria ir para JerusalémJerusalém - O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, disse neste domingo que a embaixada dos Estados Unidos em Israel deveria ser transferida de Tel Aviv para Jerusalém. Ele se apoia em uma promessa de campanha do presidente norte-americano, Donald Trump.

Os comentários de Netanyahu em sua reunião semanal do gabinete pareciam dirigidos contra as notícias de que Israel estava preocupado com as consequências de tal movimento, que tem oposição veemente dos palestinos e provocou temores de um novo surto de violência. Netanyahu já havia demonstrado apoio à decisão de Trump para construir um muro ao longo da fronteira mexicana, dizendo que o modelo israelense ao longo de sua fronteira com o Egito provou ser bem sucedido
"Eu gostaria de esclarecer que nossa opinião sempre foi, e continua sendo, que a embaixada dos Estados Unidos deve estar aqui em Jerusalém", disse Netanyahu. "Jerusalém é a capital de Israel e é apropriado que não só a embaixada americana esteja aqui, mas que todas as embaixadas se mudem para cá e acredito que, em algum momento, a maioria virá para Jerusalém".
Atualmente, quase todas as embaixadas estrangeiras estão localizadas na cidade cosenter> teira de Tel Aviv porque seus países se abstiveram de reconhecer Jerusalém como capital de Israel, até que seu status seja resolvido em futuras negociações de paz. Israel pediu há muito tempo que as embaixadas fossem realocadas, mas sem muita pressão, dada a ampla oposição internacional.
Mas a ascensão de Trump encorajou os nacionalistas de Israel. Sua plataforma de campanha não mencionou um Estado palestino, uma pedra angular de duas décadas de diplomacia internacional na região, e ele sinalizou que será muito mais tolerante com a construção de assentamentos israelenses do que seus antecessores. Fonte: Associated Press.

O que seu gosto musical revela sobre você?

O que seu gosto musical revela sobre você?

O que seu gosto musical revela sobre você?
Nora Jones - Coisas Judaicas
Por que gostamos de ouvir músicas tristes se estudos mostram que música de alto astral é um caminho melhor para a felicidade?
Empáticos e sistemáticos
O gosto musical de uma pessoa pode dar pistas sobre a maneira como ela pensa, e vice-versa.
Quem garante é David Greenberg e seus colegas da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, que publicaram um estudo sobre o assunto na revista científica Plos One.
O estudo apontou que pessoas empáticas, com maior capacidade de se identificar com outras pessoas, preferiram músicas mais suaves, de baixa energia.
Já aquelas classificadas como “sistemáticas” – pessoas que procuram analisar padrões no mundo – optaram por punk, heavy metal e músicas em geral mais complexas.
Música para todos os gostos
Muitas pessoas tomam decisões instantâneas sobre músicas que gostam ou não gostam, mas os pesquisadores ainda estão tentando entender os mecanismos dessas preferências.
Para investigar isso, a equipe recrutou 4 mil participantes, que foram submetidos a diferentes testes.
Primeiro eles preencheram questionários que tinham o objetivo de descobrir se cada um poderia ser enquadrado como “empático” ou “sistemático“. Depois, ouviram 50 trechos curtos de músicas, de 26 estilos diferentes, e tiveram que dar notas de 1 a 10 para cada trecho.
Pessoas com alto índice de empatia tiveram maior inclinação a gêneros como rhythm and blues, rock leve e folk – Hallelujah, com Jeff Buckley, e Come Away with Me, de Norah Jones, por exemplo.
Por outro lado, quem se aproximou mais do perfil “sistemático” teve tendência a gostar da música de bandas de heavy metal e de jazz contemporâneo – Enter Sandman, do Metallica, por exemplo.
 O valor de uma dona de casa

O valor de uma dona de casa

Um homem chegou em casa, após o trabalho, e encontrou os seus três filhos brincando do lado de fora, ainda vestindo os pijamas. Estavam sujos de terra, cercados por embalagens vazias de comida entregue em casa. A porta do carro da sua esposa estava aberta. A porta da frente da casa também. O cachorro estava sumido, não veio recebê-lo.
Enquanto ele entrava em casa, achava mais e mais bagunça.
A lâmpada da sala estava queimada, o tapete estava enrolado e encostado na parede. Na sala de estar, a televisão ligada aos berros num desenho animado qualquer, e o chão estava atulhado de brinquedos e roupas espalhadas. Na cozinha, a pia estava transbordando de pratos; ainda havia café da manhã na mesa, a geladeira estava aberta, tinha comida de cachorro no chão e até um copo quebrado em cima do balcão. Sem contar que tinha um montinho de areia perto da porta.
Assustado, ele subiu correndo as escadas, desviando dos brinquedos espalhados e de peças de roupa suja.
Será que a minha mulher passou mal?’ Pensou. Será que alguma coisa grave aconteceu?’
Daí viu um fio de água correndo pelo chão, vindo do banheiro.
Lá encontrou mais brinquedos no chão, toalhas ensopadas, sabonete líquido espalhado por toda parte e muito papel higiênico na pia. A pasta dos dentes tinha sido usada e deixada aberta e a banheira transbordando água e espuma.
Finalmente, ao entrar no quarto de casal, ele encontrou a mulher ainda de pijama, na cama, deitada e lendo uma revista.
Ele olhou para ela completamente confuso, e perguntou:
Que diabos aconteceu aqui em casa? Por que toda esta bagunça?
Ela sorriu e disse:
- Todos os dias, quando você chega do trabalho, me pergunta: ‘- Afinal de contas, o que você fez o dia inteiro dentro de casa?’
-‘Bem… Hoje eu não fiz nada, FOFO!!!! 

28 de jan. de 2017

As 10 armas mais ameaçadoras de Israel

As 10 armas mais ameaçadoras de Israel

As 10 armas mais ameaçadoras de IsraelConfira a seleção das 10 criações mais incríveis de acordo com a lista produzida pela revista The National Interest.
Tanque Merkava
Um dos mais famosos couraçados do mundo, o Merkava é o principal  veículo de combate de Israel e o único criado integralmente pelo país. O tanque é baixo, com uma arma poderosa e motor na traseira para fornecer maior proteção para a tripulação.
As versões mais antigas do Merkava, criado em 1978, usavam como arma primária um canhão estriado britânico M68 de 105 mm. As novas versões usam armas de cano liso de calibre 120 mm de produção própria israelense.
               
O Sistema de Mísseis Spike
O Spike é um míssil guiado israelense usado em diferentes situações graças a várias versões disponíveis.
O Spike SR (Short range, curto alcance) é uma versão descartável com uma faixa de 800 metros. O Spike-MR (Medium Range, de médio alcance) tem um alcance de 2.500 metros, enquanto que o LR (Large Range, de longo alcance) atinge 8.000 metros.
Os mísseis Spike são usados em vários veículos, a partir de helicópteros Apache para drones. Eles podem ser usados contra os tanques, veículos blindados, navios de guerra, aviões e alvos terroristas.

Veículo de combate de infantaria Namer
Este veículo foi criado com base em um modelo inicial do tanque Merkava com a torre e sua arma primária substituída por uma enorme quantidade de armadura adicionada. Desta forma, o transporte de tropas torna-se muito mais seguro.
Namer é controlado por uma tripulação de três pessoas e um motorista, um operador de controle remoto e um comandante e pode transportar até nove homens.
              
O fuzil de assalto Tavor TAR-21
Trata-se da segunda geração dos fuzis de assalto de Israel e é atualmente a principal arma do exército israelense.
É compacto, com calibre de 5,56 mm e tem o mecanismo de cabo e gatilho na frente da gaveta, o parafuso — inspirado no rifle soviético AK-47 — e o carregador dentro da cabeça do cilindro.
                
O lança-foguetes múltiplo com autopropulsão e blindado M270 MLRS, "o destruidor"
Ainda que o M270 MLRS seja de origem norte-americana, Israel decidiu dar-lhe um nome mais propício e o batizou de "O Destruidor".
Este lança-foguetes dispara mísseis de calibre 227mm com um raio de ação de 40 quilômetros. Israel atualmente conta com 48 sistemas desse tipo.
               
Caça tático F-15
Estes aviões de origem norte-americana se uniram a Israel pela primeira vez em 1976 e desde então, tem assegurado a superiodade aérea israelense no Oriente Médio. Não é a toa que durante a Guerra Civil Libanesa, entre 1976 e 1982, Israel derrubou 58 aeronaves inimigas com seus F-15 sem sofrer uma só perda.
              
O caça-bombardeiro F-15I Ra'am
A versão israelense do americano F-15E Strike Eagle é conhecido como F-15I Ra'am. Esta aeronave versátil é capaz de fornecer a superioridade aérea e realizar missões de ataque.
Em 1998, 25 aviões de combate Ra'am foram entregues ao Exército de Israel e desde então estão ao seu serviço. As aeronaves utilizam mísseis ar-ar e mísseis de curto alcance Python médias ar-ar e de longo alcance AIM-120 AMRAAM.
                       
O caça polivalente F-16I Sufa
Esse caça de dois lugares de origem norte-americana é uma versão mais leve do Ra'am. A aeronave tem tanques de combustível adicionais para garantir maior tempo de vôo e alcance.
Ele também foi equipado com tecnologia de Israel, tais como sistemas de visualização 'head-up', comunicação por satélite e sistema de designação de alvos Lightning II.

Helicóptero de ataque AH-64 Seraph
O AH-64 Seraph é um helicóptero de ataque de origem americana da família dos Apaches. O Exército israelense começou a receber essas aeronaves no final dos anos 80 e tem atualmente 25 AH-64A Apache.
Este veículo foi usado em anti-terrorismo e campanhas militares nas guerras recentes e tem provado ser uma ótima ferramenta de vigilância durante a execução de ataques contra tropas.
                      
O sistema de mísseis balísticos intercontinentais Jericho III
Jericho III é o nome de uma família de mísseis balísticos intercontinentais instalados em Israel e usado para dissuadir seus inimigos de ataques nucleares.
Os mísseis Jericho III têm um raio de ataque entre 4.800 e 6.000 quilômetros de ataque, capaz de transportar uma ogiva de até 1.000 quilogramas. Em outras palavras, esses mísseis podem chegar facilmente a China.
A potência precisa dos mísseis Jericho III já com as ojivas nucleares é desconhecida, mas estima-se que pode chegar a 20 kilotons. Para efeito de comparação, a bomba lançada em Hiroshima tinha 16 kilotons.
               

As forças de defesa de Israel, são fortes desde a  organização paramilitar judaica Haganá, e o exército de Israel desenvolve desde 1920, armamento e poderio militar para proteger seus interesses. Desde então, invenções israelenses estão presentes nas linhas de defesa do mundo inteiro.
Egito reabre passagem de Rafah com Gaza

Egito reabre passagem de Rafah com Gaza

Egito reabre passagem de Rafah com Gaza Egito reabre passagem de Rafah com Gaza durante quatro dias Cerca de 20.000 palestinos, entre eles estudantes, casos humanitários ou em situação de reunificação familiar, atravessarão o cruzamento.

As autoridades do Egito reabriram neste sábado (28), e durante os próximos três dias, a passagem de Rafah com Gaza, a única porta ao exterior do enclave litorâneo palestino sob bloqueio que não passa por Israel.

Cerca de 20.000 palestinos, entre eles estudantes, casos humanitários ou em situação de reunificação familiar, atravessarão o cruzamento, segundo estimou em comunicado o Ministério do Interior do movimento islamita Hamas.
A última vez que essa passagem tinha sido reaberta foi no último dia 17 de dezembro.

O chefe do movimento islamita Hamas em Gaza, Ismail Haniyeh, anunciou ontem à imprensa que Rafah seria reaberta hoje após uma rodada de conversas que realizou no Egito nos últimos dias com responsáveis de segurança do país vizinho.

O Egito mantém fechada a fronteira com Gaza desde o golpe de Estado que em 2013 derrubou o então presidente egípcio, o islamita Mohammed Mursi, e só a abre de forma esporádica para permitir geralmente a passagem de doentes, estudantes, comerciantes e palestinos que retornam à faixa territorial palestina para ver familiares.
Segundo a agência palestina "Maan", em 2015, a passagem esteve fechada durante 344 dias, apesar de em 2016 ter sido aberta mais frequentemente.
Polícia interroga Netanyahu pela terceira vez

Polícia interroga Netanyahu pela terceira vez

Polícia interroga Netanyahu pela terceira vezJerusalém – Polícia interroga Netanyahu pela 3ª vez por suspeita de corrupção

Benjamin Netanyahu: segundo a polícia, há provas suficientes para confirmar que Netanyahu cometeu alguns dos crimes dos quais é suspeito (Jewel Samad/AFP)

Os agentes se apresentaram no escritório do chefe de governo israelense para continuar as investigações do chamado "Caso 1000"

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, foi interrogado nesta sexta-feira pela terceira vez sobre a suposta troca de favores com Arnon Mozes, empresário israelense e dono do principal jornal do país, “Yedioth Ahronoth”, e o suposto recebimento ilegal de presentes, informou o jornal “Haaretz”.

Os agentes se apresentaram no escritório do chefe de governo israelense para continuar as investigações do chamado “Caso 1000”, no qual estão envolvidos o multimilionário australiano James Packer e o produtor de Hollywood israelense, Arnon Milchan, como responsáveis pela entrega de caríssimos presentes a Netanyahu e sua família.

Mas as investigações policiais parecem concentrar-se em um segundo assunto, mais grave, chamado “Caso 2000”, sobre conversas entre o chefe do Executivo e Mozes, a quem supostamente pediu para melhorar a cobertura de sua pessoa no “Yedioth Ahronoth”, propriedade do magnata, em troca de legislar para controlar a distribuição de seu concorrente, o “Israel Hayom”.

Segundo o “Haaretz”, a polícia concluiu que existem provas suficientes para confirmar que Netanyahu cometeu alguns dos crimes dos quais é suspeito.

Desde o começo deste mês, o premiê israelense foi interrogado em três ocasiões pelas autoridades, que também interrogaram sua esposa Sara e seu filho Yair sobre os supostos casos de corrupção.

Mozes também foi interrogado ontem – pela oitava vez -, no mesmo dia em que Netanyahu criticou nas redes sociais a suposta campanha de perseguição à qual é submetido por veículos de comunicação e políticos, que, em sua opinião, pressionam o procurador-geral Avijai Mendelblit a apresentar acusações contra ele “a qualquer preço” e pôr assim fim a seu mandato.

Na quarta-feira, o chefe do Executivo já havia se dirigido aos deputados israelenses no parlamento: “É legal receber presentes de amigos. Me investigam? Me acusam? É uma piada ruim. Qualquer um que tenha olhos pode ver que este caso é uma caça às bruxas sem precedentes, hipócrita”.

Na última semana, o “Channel 10” da TV israelense informou que a polícia realiza outras duas investigações sobre assuntos nos quais poderia estar envolvido o primeiro-ministro, entre eles a compra estatal de três submarinos alemães.
Viajando por Israel

Viajando por Israel




Viajando por Israel
Divulgação/Ministério do Turismo de Israel

Como se locomover em Israel


Viajar por Israel não é tão simples. As dimensões pequenas do país tornam quase irresistível a vontade de percorrê-lo por inteiro. Em apenas 5h é possível cruzar o território de norte a sul ou em 1h de leste a oeste. O padrão entre os turistas, especialmente os de primeira viagem, é pular de um lugar para o outro, o que torna comum em Israel passar cada dia da viagem em uma cidade diferente. Tal fenômeno dá a sensação de visitar todo o país, ao mesmo tempo em que não se conhece profundamente nenhuma cidade. Diante disso, a primeira decisão a tomar é como fazer os deslocamentos entre as cidades a serem visitadas.

Viajando com guia

Sem dúvidas, a opção mais prática e fácil é a contratação de um guia turístico com carro. Ele ficará à disposição do grupo durante todos os dias da viagem, trará informações valiosas sobre os lugares visitados e não haverá necessidade de se preocupar com estradas, rotas e direção. Tamanha comodidade tem preço, e é um preço alto. Um dia com guia particular credenciado custará a partir de US$ 300 + despesas. O preço pode ser salgado para um viajante sozinho ou um casal, porém certamente vale para grupos grandes, pois os custos serão divididos. Os guias oferecem serviço em português e transporte de acordo com o tamanho do grupo. Os preços variam de acordo com o roteiro e o número de pessoas.  


Para quem busca um guia em Israel, a maneira mais segura de contratar o serviço é com a ajuda do Ministério do Turismo do país pelo email infobr@goisrael.org.il. A equipe mantém informações atualizadas sobre os profissionais que prestam serviço.

Viajando com excursão

Esta é a melhor opção para quem não quer se preocupar com deslocamento e roteiro. De quebra, a viagem em grupo é ótima para quem está viajando desacompanhando e não quer fazer as visitas sozinho. Em Israel a oferta de tours é enorme, especialmente saindo de grandes cidades, como Jerusalém e Tel Aviv. Os roteiros normalmente variam entre um a seis dias e levam aos principais pontos turísticos do país. Como as duas cidades estão no meio do território e o deslocamento em Israel é em curtas distâncias, não fica tão cansativo fazer vários passeios durante a visita.

Excursões também são uma boa pedida para quem prefere ficar em um mesmo hotel durante toda a viagem. Há passeios de um dia para as principais regiões e não há a necessidade de se preocupar com várias hospedagens e estrada.

Os preços variam de acordo com os pacotes contratados, cidade de origem e destino e qualidade do hotel. No geral, um dia de tour custa a partir de US$ 70 para a Galileia; US$ 100 para Massada e Mar Morto (as duas cidades incluídas); US$ 90 para Jerusalém; e US$ 110 para Cesareia, Haifa, Rosh Hanikra e Acre (as quatro cidades incluídas). Um pacote de seis dias por todo o país custa a partir de US$ 960, com hospedagem três estrelas e o preço varia à medida que melhora a classificação do hotel. Há ainda oferta de pacotes para Petra, Egito, Deserto de Negev e outros. Veja mais em no tópico passeios.
Viajando por Israel

Antes de fechar qualquer pacote, especialmente com hotel, exija saber o nome da hospedagem e verifique a confiabilidade da empresa junto ao Ministério de Turismo de Israel (infobr@goisrael.org.il). Caso contrate o passeio quando já estiver no país, solicite auxílio aos funcionários do hotel e só contrate equipes com guias cadastrados.

Viajando de carro

Viajando por IsraelSe você faz a linha turista independente e prefere alugar um carro e percorrer o país por conta própria, não há com que se preocupar. Israel oferece estradas de excelente qualidade, muito bem sinalizadas e ainda um ótimo sistema GPS (o aplicativo Waze é de origem israelense). Por isso, não há o que temer ao pegar a estrada por lá. Ao entrar nas grandes cidades, o turista poderá encontrar alguns engarrafamentos, especialmente em Tel Aviv e Jerusalém, porém nada que tire o humor.

É preciso apenas ficar alerta para as fiscalizações de fronteiras, especialmente na passagem para territórios palestinos, como Belém e Jericó. Nem todas as fronteiras com outros países são abertas para passagem de carro, é o exemplo do Líbano e Síria. Por isso, antes de sair do país, verifique todos os trâmites para entrada em novo território. A passagem para Egito e
Viajando por Israel
Jordânia é permitida.
A carteira de habilitação brasileira é aceita em território Israelense. A maioria dos sinais de trânsito está escrito em hebraico, árabe e inglês. É preciso ficar atento aos limites de velocidades, pois há presença de radares em várias ruas. No geral, o limite é de 50 km/h nas cidades; 80 km/h nas estradas abertas e 100 km/h nas rodovias.

Viajando de trem

Viajando por IsraelExcelente maneira para fugir do trânsito e viajar com conforto, os trens da Israel Railways são fortes aliados dos turistas independentes. O sistema foi recentemente modernizado e ampliado. Hoje é possível circular entre as principais cidades apenas sob trilhos. A desvantagem é que nem todas as cidades oferecem mais de uma estação, o que obriga o turista a usar um segundo meio de transporte para chegar ao destinos final. Ainda assim, vale a pena para escapar do tráfego pesado nas rodovias.

Israel é interligada pelo sistema ferroviário de ponta a ponta. A principal central distribuidora de trens é Tel Aviv. A cidade oferece quatro estações. O trem também chega a Cesareia, Haifa (três estações – na Haifa HaShmona o ônibus 333 conecta com Nazaré), Jerusalém (duas estações) e ao Aeroporto Ben Gurion. O trajeto entre Tel Aviv e Jerusalém demora 1h25 e tem custo de NIS 23 (cerca de US$ 6). Além do ticket comum, é possível adquirir passagens combinadas de trem e ônibus e cartões para vários dias de uso.

Para consultar valores de tickets ou rotas e horários acesse o site da Israel Railways. As passagens não são vendidas pelo site e podem ser adquiridas nos guichês das estações ou nas máquinas automáticas. Os trens não funcionam durante o Shabat.

Viajando de ônibus

Viajando por IsraelTão prático quanto o trem, porém nem sempre tão rápido, o ônibus oferece várias opções de rota e horários entre as principais cidades de Israel. O meio de transporte é o mais comum entre os israelenses. A principal empresa a operar os ônibus interestaduais e locais é a Egged. Os veículos de cor verde circulam por regiões como Tel Aviv, Haifa, Mar Morto, Massada, Nazaré, Jerusalém e Eilat. A viagem de Tel Aviv a Jerusalém demora 1h e tem custo de NIS 19 ou US$ 5. Entre Tel Aviv e Massada, o tempo da viagem é de 2h35 e o valor é de NIS 63 ou US$ 15.

Infelizmente não é possível adquirir as passagens online. Nas estações estão disponíveis máquinas automáticas e também guichês para compra. O site da Egged oferece os cálculos das rotas, onde é possível ver os valores, todas as opções de horários, estações e identificar a mais próxima ao seu destino.

Outra empresa a oferecer serviços de ônibus interestadual é a Nazareth Transport & Tourism. Ela cobre a área de Nazaré, Haifa e Galileia, além do trajeto para Amã (Jordânia) e Sinai (Egito). Usar os serviços dessa empresa é um pouco mais complicado, já que o site da companhia de transporte está disponível apenas em hebraico e árabe.

Viajando de Sherut – Táxis compartilhados de serviço interurbanos

A van compartilhada, chamada de Sherut, é extremamente popular em Israel. O uso pode ser um pouco mais complicado para os turistas menos descolados, pois a van amarela e branca, apesar de seguir os mesmos itinerários dos ônibus mais populares, nem sempre é tão clara assim quanto ao percurso.
Caso você decida encarar este transporte, é preciso ir até o ponto de onde eles partem na cidade da sua origem. É preciso ter em mente que esse transporte não tem hora fixa para a partida, ou seja, se você estiver com hora marcada, é melhor não arriscar. A van sai logo que esteja lotada e segue para o destino final. Você poderá solicitar a parada onde desejar. A maior vantagem deste sistema é o funcionamento todos os dias da semana, ou seja, ele não para no Shabat.

As principais estações de partidas do sherut para viagens interestaduais são:

Tel Aviv – Rodoviária Central
Jerusalém – Rodoviária Central
Haifa-Rua Ha-Halutz, no bairro de Hadar
Eilat – Rodoviária Central
O sherut também faz o transporte de passageiros dentro das cidades, por isso fique atento ao itinerário e sempre confirme com passageiros e motoristas o destino final da van. O valor é equivalente ao do transporte de ônibus.