Administração Obama entrega a Israel jato capaz de atacar o Irã

Administração Obama entrega a Israel jato capaz de atacar o IrãO caça F-35, conhecido no jargão da Força Aérea israelense (IAF) como "Adir" (palavra hebraica para "pavoroso"), deverá ser-lhe entregue dentro de duas semanas no aeródromo militar de Nevatim.

Um oficial da IAF citado pelo diário israelense Jerusalem Post afirma a este respeito: "O futuro está aqui. O F-35 vai permitir à Força Aérea levar a cabo missões que a sua frota atual é incapaz de cumprir hoje em dia. Em quantidade e em qualidade, em profundidade no território inimigo, em áreas pejadas de ameaças, no número de missões, com menos pessoas em comparação ao que é feito hoje".

E considerou especialmente importante que o novo aparelho permita à IAF realizar mais missões simultâneas, como lhe é exigido numa "era de frentes múltiplas".

Avigdor Liberman, o político da extrema-direita israelense que atualmente dirige o Ministério da Defesa, comentou que se trata "do [caça] mais avançado do mundo e o melhor para salvaguardar a superioridade aérea de Israel". E explicou que essa superioridade se deve à capacidade do F-35 para iludir os radares inimigos e para escapar aos mísseis russos S-300 instalados na Síria e nas imediações do reator nuclear iraniano de Fordow.

Nos Estados Unidos, foram treinados seis pilotos israelitas para manejar estes aparelhos. O comandante do esquadrão afirmou, também citado pelo Jerusalém Post, que "compramos este avião para poder atacar em lugares que nem sempre somos capazes de atacar, e este avião sabe perfeitamente como fazê-lo".
As declarações dos responsáveis da Força Aérea israelense são eufóricas: o caça "invisível" F-35 permitirá a Israel restabelecer a sua supremacia aérea no Médio Oriente pelo menos nos próximos 40 anos. Em concreto, voltará a poder escapar aos sistemas antiaéreos russos instalados na Síria e no Irã.
Israel é, depois dos EUA, o primeiro país a dispor do F-35. Está previsto que o aparelho só saia do espaço aéreo israelita em missões de combate, e nunca em exercícios de treino ou para efeitos de manutenção. Os outros países que adquirirem F-35 no futuro terão, pelo contrário, de enviá-los regularmente para centros de manutenção fora das suas fronteiras.

Para a construção do F-35, a multinacional norte-americana de armamento Lockheed Martin estabeleceu joint-ventures com diversas companhias de outros países, incluindo várias de Israel: Israel Aerospace Industries, Elbit System-Cyclone e Elbit Systems Ltd.

Cada aparelho, considerado caro, custa cerca de 100 milhões de dólares e o balanço dos seus protótipos norte-americanos não tem sido isento de controvérsia: dois meses depois de serem considerados aptos para combate, o Pentágono mandou pará-los, para verificação de falhas graves, em especial no seu sistema de refrigeração.

Oito dos aparelhos que foram suspensos na altura pertencem a Israel. O número de jatos cuja compra foi aprovada no domingo pelo gabinete de Segurança do Governo israelita é de 17. 

Apesar das falhas que preocupam o Pentágono, a Força Aérea israelita está entusiástica com as novas aquisições e pretende comprar o modelo seguinte do F-35, para aterragem e descolagem verticais. Estes aparelhos destinam-se a operar em condições mais difíceis, a partir de navios ou de bases aéreas com condições primitivas, próximo de zonas de combate.
Share on Google Plus

About Coisas Judaicas

No Coisas Judaicas, fazemos de tudo para manter nossos amigos e visitantes bem informados. Todo mês, mais de 45 mil visitantes do mundo inteiro procuram nosso Blog para ler sobre:Judaísmo, Israel e o mundo judaico. É a nossa missão

0 Comentários:

Postar um comentário

Deixe sua opinião

[Fechar]

Receba gratuitamente o melhor conteúdo do Coisas Judaicas no seu e-mail e fique sempre atualizado.

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner