Header Ads

  • Breaking News

    Resolução da Unesco irrita Israel

    Meninos palestinos jogam futebol em frente à mesquita Domo da Rocha em Al-Aqsa, na cidade antiga de Jerusalém (Foto: Hatem Moussa/AP)Estados membros da Unesco renovaram uma resolução criticando Israel por restringir acesso de muçulmanos a um local sagrado em Jerusalém, disse uma fonte diplomática europeia, irritando o governo de Israel ao também se referir à área somente por seus nomes muçulmanos, informa a agência de notícias Reuters.
    O local, reverenciado por judeus e muçulmanos, é conhecido por judeus como Monte do Templo e por muçulmanos como al-Aqsa our Haram al-Sharif.
    Mas um esboço da mais recente versão da resolução mostra o local repetidamente descrito somente pelos nomes muçulmanos, algo que Israel diz fortalecer uma negação à história judaica.
    "O teatro de absurdos na Unesco continua e hoje a organização adotou outra decisão delirante, que diz que o povo de Israel não possui conexão com o Monte do Templo e o Muro das Lamentações", disse em Jerusalém o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, após a decisão.
    A resolução, que é renovada periodicamente, condena Israel por restringir acesso de muçulmanos ao local e por agressão de policiais e soldados.
    Reação palestina
    "Esta é uma mensagem importante para Israel, que deve encerrar sua ocupação e reconhecer o Estado Palestino e Jerusalém como sua capital com seus locais sagrados muçulmanos e cristãos", disse Nabil Abu Rdainah, porta-voz do presidente palestino, Mahmoud Abbas.

    Em comunicado divulgado pela agência EFE, o Ministério de Relações Exteriores palestino afirma que essa resolução "tem por objetivo pôr fim às ações perigosas e ilegais de Israel contra os lugares sagrados" da cidade.

    "O Estado da Palestina dá as boas-vindas à adoção de duas resoluções na Unesco, que refletem o contínuo compromisso da maioria de seus Estados-membros de confrontar a impunidade e defender os princípios sobre os quais se fundou", diz a nota.
    A nota afirma que o Estado palestino lamenta, no entanto, "que alguns países sucumbiram à campanha de relações públicas e intimidação orquestrada por Israel" que "mudou o foco" da decisão, que, segundo defende, se centra "nas ações ilegais e coloniais de Israel em Jerusalém Oriental ocupada".
    "A iniciativa palestina tem por missão pôr fim às perigosas e ilegais ações de Israel contra os lugares sagrados em Jerusalém e os direitos dos palestinos, incluindo o direito de culto", continua a nota.

    Um comentário:

    1. Não sou judeu mas esta resolução é absurda. Os organismos internacionais,sejam de índole globalistas e/ou simpatizantes do marxismo, estão tentando a todo o custo acabar com Israel. Fatos como este deveriam inspirar os Israelense a buscarem uma aproximação com os Católicos de todo o mundo que reconhecem em Israel a dignidade do Povo Eleito de Deus.

      ResponderExcluir

    Deixe sua opinião

    Post Top Ad

    Post Bottom Ad

    Loading...
    Web Statistics