UE aprova declaração sobre paz no Oriente Médio - Coisas Judaicas

Coisas Judaicas

Blog judaico

Post Top Ad

UE aprova declaração sobre paz no Oriente Médio

UE aprova declaração sobre paz no Oriente Médio

Share This
UE aprova declaração sobre paz no Oriente MédioCom dificuldade, a União Europeia (UE) adotou nesta segunda-feira uma declaração sobre o processo de paz entre israelenses e palestinos, cujas referências à violência dos colonos, ou à rotulagem dos produtos das colônias nos territórios ocupados alguns Estados-membros tentavam amenizar.
O texto foi adotado pelos 28 Estados-membros da UE.
"Aprovamos de maneira unânime [a declaração]. É uma boa base da nossa posição comum e do nosso compromisso com a região", afirmou a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, em entrevista coletiva após a reunião com os demais ministros das Relações Exteriores dos países do bloco.
O texto expressa a profunda preocupação da UE com a violência, pela qual responsabiliza ambos os lados.
"A UE condena firmemente os ataques terroristas e a violência de todas as partes e em todas as circunstâncias, incluindo a morte de crianças", afirmam os ministros, acrescentando que "a UE está convencida de que apenas o restabelecimento de um horizonte político e a retomada de um diálogo pode conter a violência".
Os 28 reiteraram seu compromisso com uma solução para o conflito, por meio da instalação de dois Estados, e destacaram que vão acompanhar de perto os acontecimentos no terreno.
"Alguns países manifestaram seu desejo de modificar a declaração. Nós vamos ouvi-los, mas, obviamente, é desejável que o Conselho possa adotar essas conclusões", havia declarado pela manhã o secretário de Estado francês de Assuntos Europeus, Harlem Desir, ao chegar à reunião ministerial em Bruxelas.
Segundo uma fonte diplomática, a Grécia considerou que se "enfatizava muito a violência" na declaração, motivo pelo qual "o texto foi atenuado um pouco, mas a linguagem [usada] segue muito fiel ao que era antes".
O ministro polonês, Witold Waszczykowski, também mostrou reservas, ao rejeitar uma fórmula da declaração em que a UE insiste em sua unidade a respeito da rotulagem de mercadorias produzidas nas colônias israelenses nos territórios palestinos, como prevê a legislação europeia desde 2012.
Em 11 de novembro passado, a Comissão Europeia publicou um "guia explicativo" que permitirá aos Estados da UE exigir uma rotulagem particular das mercadorias produzidas nas colônias israelenses que agora ingressam no mercado da UE com o selo "Fabricado em Israel".
Em resposta a esta decisão, considerada hostil por Israel, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, decidiu suspender os contatos com a UE sobre o conflito na região.
Reações
"A UE e os Estados-membros estão comprometidos com garantir, total e efetivamente, a implementação da legislação europeia existente e os acordos bilaterais aplicáveis aos produtos das colônias", diz a declaração final. Nela, os 28 expressam ainda seu "compromisso" de agir "de acordo com a legislação internacional".
"Todos os acordos entre Israel e a UE devem, inequívoca e explicitamente, indicar sua inaplicabilidade aos territórios ocupados por Israel em 1967", acrescenta o texto, ressaltando que "isso não representa um boicote".
Em comunicado divulgado de Jerusalém, o porta-voz do Ministério israelense das Relações Exteriores, Emmanuel Nahshon, condenou que a UE continue "utilizando dois pesos diferentes, sem levar em conta a responsabilidade da Autoridade Palestina na situação política (de beco sem saída) atual e na campanha de incitação à violência que anima a onda de terrorismo palestino".
Para o principal negociador palestino, Saeb Erakat, a UE "deu um passo adiante para que Israel preste contas". Ele disse ainda que, "embora a Europa devesse ter reagido antes a respeito dos produtos provenientes das colônias israelenses", o texto é uma mensagem dirigida ao governo de Israel.
Segundo Erakat, Israel "realiza esforços para manter um regime de 'Apartheid' na Palestina" e que "as colônias continuam sendo ilegais em termos do Direito Internacional e um obstáculo para a paz".
No fim de semana, o jornal israelense Haaretz noticiou que o governo de Israel tentava impedir que os ministros europeus aprovassem um texto fazendo uma distinção entre Israel e as colônias israelenses nos territórios ocupados.
Citando uma autoridade de Israel, o Haaretz indicou que os termos da declaração eram muito fortes em relação a Israel.
Uma fonte diplomática europeia comentou que o texto foi aprovado no bloco na sexta-feira, mas voltou ao nível dos negociadores no fim de semana para modificações.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião

Post Bottom Ad

Pages

Real Time Web Analytics