A História dos Judeus



Simon Schama reconstitui desenvolvimento milenar do judaísmo em “A História dos Judeus
“A História dos Judeus”, do britânico Simon Schama, prova que é possível dar conta de uma história monumental usando para isso apenas fragmentos, rastros, ínfimos sinais de uma trajetória que, ademais, confunde-se com a própria “criação do mundo”, tal como aceito pela tradição religiosa ocidental. Não é banal a tarefa de reconstituir a verdadeira história dos judeus quando esta encontra-se tão impregnada da narrativa bíblica.
Sem negar a importância formativa dos mitos do Gênesis e do Êxodo, Schama procura entender o desenvolvimento dos judeus e do judaísmo por meio das vozes de sua gente comum, registrada nos mais diversos documentos – desde pedaços de cerâmica e fragmentos, que o historiador, em sua graciosa narrativa, qualifica de “tuítes em hebraico”, até mosaicos em sinagogas e estudos sobre corpos celestes para orientar navegantes no século 16. São esses anônimos que desde o século 10.º a.C. vão construir a face real do judaísmo – muito distintiva que, como mostra Schama, se mantém mais ou menos inalterada até hoje.
Espirituoso, Schama se refere aos pedaços de cerâmica
e fragmentos de história como “tuítes em hebraico”.
E os judeus retratados pelo historiador, conforme a ideia central do livro, não se coadunam com a imagem que seus detratores costumam lhes atribuir. Não são apenas ortodoxos guardiães das leis de Deus, encerrados em guetos e refratários às culturas ao redor, e sim, em sua maioria, habitantes plenamente dispostos a assimilar o acento local e a aceitar como suas as tradições que os cercam, mesmo que isso signifique, aos olhos dos fundamentalistas, adaptar o judaísmo a uma realidade mais mundana e deixar-se contaminar por costumes diversos.
Schama resgata, por exemplo, o papel do Egito na vida dos judeus. É uma tarefa e tanto, já que o Egito figura como a terra que os submeteu à escravidão. No entanto, há documentos que indicam que a sociedade judaica de Elefantina, no século 5.º a.C., absorveu práticas egípcias e flexibilizou seu judaísmo. Eram o que hoje se poderia chamar de judeus assimilados. É claro que os judeus fundamentalistas que permaneceram em Jerusalém, ante a sensação de sítio permanente e preocupados com o avanço do paganismo, tornaram-se duros críticos da heterodoxia dos correligionários egípcios.
O mesmo aconteceu com os judeus que adotaram a cultura helênica. Alguns chegaram ao extremo de tentar reconstituir o prepúcio e assim reverter a circuncisão, principal símbolo da aliança judaica com Deus, porque o pênis com a glande à mostra era motivo de chacota dos gregos durante as atividades físicas – nas quais os homens ficavam completamente nus. É evidente que tal comportamento escandalizou os ortodoxos. Tal antagonismo entre judeus religiosos e seculares atravessou os séculos e perdura até hoje, sem sinais de arrefecimento.
É essa diversidade inconciliável, é essa questão permanente sobre “quem é judeu”, que garante o vigor da cultura judaica mesmo depois da destruição do templo (duas vezes) e das inúmeras perseguições e ameaças ao longo dos séculos. O elemento que a tudo une, mesmo que sejam polos tão opostos, é a palavra. Mas não a palavra estática, definitiva, indiscutível, pois, como escreve Schama, “a leitura judaica se recusa a satisfazer-se com o que está no livro”. A história dos judeus, portanto, é a história do questionamento – e nem mesmo as leis de Deus escapam desse ímpeto de interpretação crítica do mundo.
Share on Google Plus

About Coisas Judaicas

No Coisas Judaicas, fazemos de tudo para manter nossos amigos e visitantes bem informados. Todo mês, mais de 45 mil visitantes do mundo inteiro procuram nosso Blog para ler sobre:Judaísmo, Israel e o mundo judaico. É a nossa missão

0 Comentários:

Postar um comentário

Deixe sua opinião

[Fechar]

Receba gratuitamente o melhor conteúdo do Coisas Judaicas no seu e-mail e fique sempre atualizado.

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner