Header Ads

  • Breaking News

    Deputado de MS compara Dani Dayan a nazista

    Deputado de MS compara Dani Dayan  a nazista
    Deputado de MS compara embaixador a nazista e polêmica vira notícia em Israel

    O deputado Carlos Marun (PMDB-MS) virou notícia na imprensa de Israel nesta semana por, em campanha contra a nomeação de Dani Dayan pelo governo israelense como embaixador no Brasil, de comparar o líder colono a um comandante nazista. 

    "Seria como a Alemanha o envio para o Brasil um ex-comandante do campo de concentração como um embaixador, como o Chile o envio para o Brasil um embaixador que é um guarda da prisão da ditadura, ou a África do Sul o envio de um torturador prisão do regime do apartheid", diz o parlamentar sul-mato-grossense descendente de libaneses em matéria divulgada ontem pelo site YnetNews (acesse aqui) de Israel.


    O empresário argentino naturalizado israelense Dani Dayan, de 59 anos, considerado um dos maiores defensores das colônias israelenses na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental e opositor à criação de um Estado palestino ao lado de Israel, foi indicado neste ano para a embaixada no Brasil pelo primeiro-ministro Binyamin Netanyahu. Dayan vai substituir o diplomata, poeta e historiador Reda Mansour, após este ficar apenas dez meses no cargo. A nomeação de Dayan surpreendeu não só por causa da volta prematura do atual embaixador, mas pelo fato de o próximo representante ser ativista em prol dos assentamentos israelenses em territórios palestinos, considerados ilegais pelo Brasil e pela comunidade internacional como um todo.



    Há um ano, no auge do mais recente conflito entre Israel e o grupo islâmico Hamas, que controla a Faixa de Gaza, o Itamaraty chamou de volta a Brasília, para consultas, e embaixador do Brasil em Tel Aviv. Em resposta, o então assessor de imprensa da chancelaria israelense, Yigal Palmor, classificou o Brasil de "anão diplomático". "Não podemos aceitar esta provocação, não podemos aceitar isso. O Brasil precisa responder a isso. Israel quer humilhar Brasil, desta forma, 'o anão diplomático', como foi chamado no passado", disse Marun.



    "Não tenho nada contra a existência do Estado de Israel, cujas fronteiras já são reconhecidas e ocupam 85 por cento da Palestina. Esses colonos são agentes do sionismo que o mundo não pode aceitar que eles são ladrões de terras dos outros, o que é um insulto para o Brasil, um insulto ao governo, e um insulto a milhões de brasileiros, cujas origens, como a minha, são do mundo árabe", acrescentou o deputado.

    Fonte: http://www.capitalnews.com.br/ 

    Por: Marco Eusébio 



    Um comentário:

    1. O deputado deveria se preocupar é com a grande invasão de refugiados no Brasil, gente que traz em nada agrega a nossa cultura, só traz o atraso de uma religião maluca.

      ResponderExcluir

    Deixe sua opinião

    Post Top Ad

    Post Bottom Ad

    Loading...
    Web Statistics