Carne de porco nas escolas francesas

Carne de porco nas escolas francesas onde a Frente Nacional vai governar
French far-right party leader Marine Le Pen waves to supporters, at the end of the National Front's summer convention in Marseille, southern France, Sunday, Sept. 15, 2013. (photo credit: AP Photo/Claude Paris)

PARIS - Cantinas escolares deixarão de oferecer opções de refeições sem porco nas cidades onde o partido de extrema-direita Frente Nacional da França venceu as eleições locais, disse a sua líder Marine Le Pen.

Le Pen reacendeu o debate sobre uma questão sensível sobre as refeições de substituição destinadas principalmente aos alunos muçulmanos e judeus, para quem o porco é um tabu.

"Nós não aceitaremos exigências religiosas nos menus de almoço escolar", disse Le Pen à rádio RTL. "Não há nenhuma razão para a religião entrar na esfera pública."

Ela defendeu a decisão dizendo que era necessária para "salvar o secularismo".



A FN, habilmente rebatizada como mais do que apenas um partido anti-imigrantes, ganhou o controle de 11 cidades e mais de 1.400 sedes municipais em todo o país nas recentes eleições locais, seu melhor desempenho de sempre ao nível das bases do governo francês.

Isto causou grande desconforto entre uma parte da população.

Muitos muçulmanos veem na França, que é oficialmente uma república secular, apesar de ser de maioria católica, uma imposição de seus valores sobre eles e outras minorias religiosas.

A França tem uma das maiores populações muçulmanas na Europa, com cerca de 6 milhões de pessoas.

A questão da carne halal também é um tema controverso na França e tem sido usado como jogo político.

Le Pen tinha lançado uma linha feroz antes das últimas eleições presidenciais, em 2012, alegando que toda a carne distribuída na região de Paris era halal, ou abatida de acordo com a lei islâmica, e que os consumidores não-muçulmanos estavam sendo enganados.


Houve uma controvérsia no passado sobre se as escolas e campos de férias deveriam ser obrigados a fornecer alimentos halal para crianças muçulmanas, assim como as disputas de alto perfil sobre o uso de véus na França.
Qualquer forma de roupas ligada à observância religiosa é proibida em escolas públicas da França, desde 2011, e o uso de véus full-face em público foi proibido.

Postar um comentário

0 Comentários