Museu do Holocausto presta homenagem inedita a um árabe

Coisas JudaicasO Museu do Holocausto de Jerusalém homenageou, pela primeira vez, um cidadão árabe, tido como “Justo entre as Nações”, por ter ajudado a salvar a vida de judeus durante o regime nazista. Trata-se de Mohammed Helmy, um médico egípcio que viveu em Berlim durante a II Guerra Mundial e que, com a ajuda de uma mulher alemã que também recebeu tal título, salvou a vida de uma família judia.
Mohammed Helmy, que nasceu em Cartum em 1901 e morreu em 1982, em Berlim, é o primeiro árabe a receber esse título, com o qual os judeus condecoram aqueles que lhes ajudaram durante o período de genocídio. Ele foi perseguido pelo regime nazista e discriminado – não pôde trabalhar no serviço médico nacional -, mas, mesmo assim, se voltou contra as políticas raciais nazistas e deu cobertura a uma família de judeus durante as perseguições ocorridas em Berlim. “Era um bom amigo da família e me escondeu em uma cabana que tinha no bairro de Buch em Berlim (…). A Gestapo sabia que o Dr. Helmy era nosso médico (…). Ele conseguiu enganar todos os interrogatórios e, quando era o caso, me levava para casas de amigos para eu ficar lá, me apresentando como sua prima de Dresden”, relatou Ana Gutman, uma das que se beneficiaram de sua ajuda. O médico também contribuiu para salvar a vida de outras três pessoas da família de Gutman, oferecendo-lhes assistência médica e cobertura para vários de seus amigos.
O caso de Mohammed Helmy e de Frieda Szturmann, a mulher alemã que o ajudou, chegou ao Museu do Holocausto graças a umas cartas recentemente descobertas no Senado de Berlim, as quais foram escritas pela família Gutman nas décadas de 50 e 60. O Museu exporá a medalha e o diploma de reconhecimento a Helmy em suas vitrines até descobrir o paradeiro de algum de seus descendentes. O título de “Justo entre as Nações” já foi concedido a 25 mil pessoas, sendo 6.394 poloneses, 5.269 holandeses, 3.654 franceses, 2.441 de ucranianos e 1.635 belgas. O restante dos títulos se divide em mais de 40 nacionalidades.

Postar um comentário

0 Comentários