Instituições buscam informações sobre parentes de sobreviventes do Holocausto no Brasil



Szyja Lorber, jornalista
O United States Holocaust Memorial Museum (USHMM), de Washington, está desenvolvendo o projeto "Remember Me?", que busca 300 crianças e jovens que foram fotografados em alguns orfanatos depois do Holocausto. 

Entre eles está a foto de Fischel Kampel (acesse aqui), que foi reconhecido por seu filho Laurence. Fischel nasceu em Bodzentyn, na Polônia, por volta de 1930 e era o filho único de Lebusz Kampel e de sua esposa, Hendla (Niskier, de solteira). Em 1942, ele e seus pais foram levados ao campo de Starachowice. Lebusz e Hendla foram mortos lá, mas o menino sobreviveu e foi levado para diversos outros campos. 

A mãe Hendla tinha dois irmãos, Lebosz e Abraham Niskier, que estavam vivendo, ou vieram para o Brasil após a guerra. Ambos podem ter nascido também em Bodzentyn ou em cidadezinhas da vizinhança. O USHMM está à procura de familiares e/ou descendentes de Lebosz e de Abraham Niskier para colocá-los em contato com Laurence Kampel. A instituição também procura parentes de Nathan Rolnik (acesse aqui), nascido em Krasnik, na Polônia, por volta de 1931, filho Joseph Rolnik e Lea Yenta Rolnik. Ele chegou ao Brasil em 1963, vindo do Canadá. Saiba mais: acesse aqui.
Já a Fundação para a Preservação da Memória - Fundacja Pamiec, Która Trwa – com sede em Varsóvia, na Polônia, está à procura de Dorka (Dora) Ajzenberg, nascida em 1931 em Serokomla, distrito de Lublin, na Polônia, onde viveu até 1939. Seus pais eram Majlech e Ruchla Ajzenberg. Seu último endereço conhecido: Piotrkowska, 31, Lodz, Polônia. A busca está sendo feita em nome da Sra. Blima Kurchant, que ainda vive em território polonês. Blima ficou escondida em 1942 na cidade de Ernestynow, próxima à Serokomla, com uma família não judia de sobrenome Adameczek. 

A família de Blima foi morta pelos nazistas em setembro de 1942, quando da execução de cerca de 200 judeus da cidade. Depois de algum tempo, Dorka Ajzenberg foi também trazida ao esconderijo de Blima, onde ambas ficaram até o final da guerra. 

Elas prometeram que não se separariam, mas Dora foi levada e elas nunca mais se reencontraram. Durante toda a sua vida, Blima Kurchant tem sonhando em reencontrar Dora, mas esta desapareceu sem deixar vestígios. Provavelmente saiu da Polônia e não se sabe para onde foi.
Qualquer informação a respeito dos irmãos Lebosz e Abraham Niskier, Nathan Rolnik e Dora Ajzenberg pode ser encaminhada a Blima Lorber, que em nome destas instituições está auxiliando na busca de informações e parentes, pelo e-mailblimalor@gmail.com ou pelo telefone 41-3252-7880.

Postar um comentário

0 Comentários