Shoah em álbuns nazistas


Fotos da vida judaica diária durante Holocausto estava escondido em álbuns de soldados da Wehrmacht durante anos. Dariusz Dekiert, um cristão devoto da Polônia localizou e enviou para o Instituto Shem Olam "Eu vejo isso como uma retificação”.

Como toda criança estas também ficaram a frente de um fotógrafo seguindo suas ordens e sorrindo. O resultado apareceu como uma simples rotina, mas não há nada de rotineiro nesta foto. Ela é apenas uma imagem de crianças judias durante o Holocausto. O fotógrafo é um soldado da Wehrmacht alemã. Um momento congelado dos judeus da Europa no inferno.

Coisas Judaicas
Esta imagem mostra crianças judias sendo forçadas a dar aos soldados alemães uma saudação nazista. As crianças estão sorrindo, talvez não tendo outra escolha e parecem não entender que elas tornaram um peão nas mãos dos soldados que perderam a sua humanidade
O Instituto Shem Olam lançou um projeto especial no ano passado, coletando fotos de judeus do Holocausto. Estas não são as fotos mais famosas, mas sim fotos mantidas nos álbuns privados de tropas alemãs que documentaram os seus serviços.
Coisas Judaicas
Durante a invasão da Polônia o fotógrafo Leni Riefenstahl foi a cidade de Konskie, enquanto 30 cidadãos estavam sendo executados para vingar uma suposta revolta contra os soldados alemães. De acordo com suas memórias Riefenstahl tentou impedir a execução, mas um soldado alemão irritado ameaçou matá-la no local.  Ele alegou que não sabia que as vítimas eram judeus. Esta imagem mostra o prédio que os judeus foram mortos a tiros
Coisas Judaicas
O trabalho forçado em Radom, cidade na região central da Polônia
Coisas Judaicas
Esta foto do Gueto de Varsóvia parece ser encenada. Soldados alemães provavelmente estavam  do outro lado da sinagoga e ordenou que os adoradores posassem para uma foto
Coisas Judaicas
A queima da sinagoga em Kotzk
A queima da sinagoga em Kotzk. Esta imagem de 1941 mostra a sinagoga judaica em chamas. Elas foram anexadas a fotos em que soldados alemães documentaram  a coleção de lápides do cemitério Kotzk, aparentemente com o propósito de construir ou pavimentar estradas. O fenômeno de incendiar sinagogas na Polônia era bem conhecido, mas não há qualquer documentação desses incidentes.
Coisas Judaicas
Os alemães abusavam dos judeus para lavar os seus automóveis e participarem de outros trabalhos humilhantes. Esta imagem mostra que eles, propositadamente traziam homens mais fracos
Coisas Judaicas
Gueto de Varsóvia - Centenas de imagens de ruas do gueto foram encontrados durante a pesquisa, revelando a vida diária dos judeus
Coisas Judaicas
Funeral de uma criança judia em 1941 em uma pequena cidade da Polónia. Os soldados vieram através de um cortejo fúnebre improvisado e realizado pela família de um menino
Coisas Judaicas
Um soldado alemão com um judeu. As vezes os soldados ficavam perto dos judeus. Eles corriam para posar para uma foto a fim de apresentar a raça ariana ao lado da "raça inferior". Cracóvia - Soldados supervisionam o trabalho com uma série de imagens que mostram os judeus nos campos. Alguns desses soldados da Wehrmacht tiraram fotos das mesmas pessoas, por isso as imagens nos ensinam sobre suas vidas
O trabalho forçado em Cracóvia. Soldados alemães destruindo um cemitério no Rzeszów. Os alemães usavam frequentemente as lápides como material de construção. 
Algumas fotos têm a legenda original escrita pelos soldados. Em outros casos uma investigação foi necessária para compreendê-la. Alguns soldados documentaram a vida diária dos judeus e outros apenas as pessoas e as histórias que eles encontravam. 
Em algumas fotos os judeus parecem não ter medo.  Em outros suas expressões faciais apontam para o pânico, constrangimento e humilhação. A história do homem que encontrou estas imagens é tão fascinante como as fotos em si. 
Dariusz Dekiert, um cidadão de 39 anos de idade, polonês que visitou Israel esta semana como convidado do Instituto Olam Shem é um cristão devoto. "Tenho a sensação de que este mundo me escolheu", disse. "Tudo o que eu queria era aprender e a ciência do judaísmo era o assunto que eu encontrei mais facilidade, por isso comecei a aprender".
Foto tirada em Radom
Konskie
Lublin
Varsóvia
Coisas Judaicas
Álbum legenda - Gueto de Varsóvia

Dariusz rapidamente aprendeu hebraico, iídiche e até aramaico numa tentativa de traduzir o Talmud para o polones. Depois de completar seus estudos ele se estabeleceu em Lodz e trabalhou como professor na universidade, depois de ser autorizado pelo ministro da justiça polonês para trabalhar como tradutor profissional. Dariusz fundou uma empresa que oferece traduções de hebraico para polones. 
"Como parte do meu trabalho localizo documentos, fotos, objetos e material histórico que ficaram na Polônia", disse. "Trata-se de uma série de habilidades como  paciência e negociação. Na Polônia e  na Alemanha existem dezenas de fotos de judeus feitos por soldados alemães, hoje com idades ou que já faleceram".
Qual o item mais comoventes que você encontrou? 
"A mala que chegou do gueto de Lodz que eu comprei de uma pessoa particular. Ela estava vazia, mas  tinha uma pista que conduzia a um nome que eu não conseguia identificar. A pessoa que vendeu  me disse que seu pai havia roubado de judeus que foram para Auschwitz. Depois de procurar por um longo tempo o Instituto Shem Olam conseguiu localizar os parentes dos proprietários da mala em Israel. O fato de ter sido devolvido para as mãos desta família me fez chorar.
"Outro objeto foi uma jóia criada a partir de duas moedas polonesas combinadas. A ponte do gueto de Lodz foi esboçada na parte de trás das moedas com a inscrição: "Para a minha querida mãe" “ Infelizmente não tivemos como localizar o dono da jóia. "
Hoje Dariusz mora perto da comunidade judaica de Lodz. "Eu vejo meu trabalho como retificação, especialmente quando se trata de devolver as fotos de judeus durante o Holocausto para as mãos dos  judeus".
E o que sua família pensa sobre seu trabalho? 
"No começo eles acharam estranho, mas se acostumaram"
O Instituto Shem Olam foi fundado em 1996 pelo rabino Avraham Krieger e está localizado no centro moshav de Kfar Haroé. O instituto que tem mais de 800 mil documentos em exposição participa na análise das questões do espírito e da fé, de como os indivíduos e as comunidades viviam durante o Holocausto.

Postar um comentário

1 Comentários

Anônimo disse…
Fotos misturadas com mentiras pra se fazer de "vitima"!