31 de dez. de 2012

Abba Kovner

Abba Kovner

"Partisan & Poet"

Abba Kovner was born in 1918 in Sebastopol, Crimea, on the shores of the Black Sea. His early life was the typical model of Jewish youth of the time. He was raised in Vilna, the preeminent center of Jewish learning since the seventeenth century and was exposed to every variety of Jewish thought and  the teachings of traditional and modem persuasions, from orthodoxy to socialism. Abba attended the University of Vilna as an art student, learning to sculpt. and later developed a passion for poetry.

Like many other boys his age Abba became interested in the Zionist movement and joined a local youth group, the "Ha-Shomer ha-Tsa'r". However Abba Kovners' destiny would be anything from typical, and the Nazi war machine would ensure that was to be the case.

On June 24, 1941, two days after Germany launched its surprise attack against the Soviet Union "Operation Barbarossa", the Germans occupied Vilna. Several thousand Jews fled eastward with the Soviet army, but the rapid German advance traps the majority of the Jews in Vilna. and almost 60,000 Jews remain in the city at the time of the German occupation.
 
Less than a month after the Germans occupied Vilna, they conducted their first Aktion. Einsatzkommando 9 rounded up 5,000 Jewish men of Vilna and took them to Ponary, an abandoned Soviet oil storage facility with large pits designed to house fuel.

The Germans found these pre-dug "pits" a convenient place to dispose of the bodies  of not only these Jews but also the thousands of others they would bring there under the pretense of being sent to labor camps, when they were really sent to Ponary to be murdered.

The Nazis then staged What be came knows as the "Great Provocation", it began on August 31, 1941, led by SS officer Einsatzkommando 9 Oberscharführer Horst Schweinberger.

The SS established two ghettos in Vilna, referred to as Ghetto No. 1 and Ghetto No. 2. The following day they swept through the city and  forced the remaining Jews of Vilna into the newly created ghettos.
 
About 30,000 Jews were forced into Ghetto No. 1 and between 9,000 and 11,000 Jews into Ghetto No. 2. However, Kovner and sixteen other members of the Ha-Shomer ha-Tsa'ir chose not to be locked away in the ghetto and fled the city. Hiding out in a convent of Dominican nuns a few miles outside of Vilna, they watched as the Nazis conducted one series of actions, after another.
 
Though they had experienced unabated terror and destruction since the Germans arrived, the Jews of Vilna were still not ready to believe the truth about the mass shooting of Jews. On September 17 1941, SS squads, assisted by Lithuanian auxiliary units, shot more than 1,200 Jews from the Vilna ghetto, including almost 700 women and 250 children in the pits at Ponary.

On November 6, 1941, the Germans then ordered that Jews without work permits move from Ghetto No. 1 to Ghetto No. 2.  and during the transfer, they seized  almost all the Jews without work permits from Ghetto No. 1. These they held for two days in Lukiszki prison and then marched them to Ponary for execution.                       - Read more about Ponary [Here] 
 
Those who remained in the ghettos learned nothing of the fate of their missing loved ones and when a survivor of Ponary actually, came back to the ghetto and told of her experiences, few wanted to believe her story. But Abba Kovner had no illusions about the German intentions for the Jews of Vilna.

He had seen first hand the treatment the Jews had received during one of the early actions; watching through a window, he saw a woman dragged by the hair by two soldiers, he later told his comrades what he saw:

"A woman who was holding something in her arms. One of them directed a beam of light into her face, the other one dragged her by her hair and threw her on the pavement.   Then the infant fell out of her arms. One of the two, the one with the flashlight, I believe, took the infant, raised him into the air, grabbed him by the leg.

The woman crawled on the earth, took hold of his boot and pleaded for mercy. But the soldier took the boy and hit him with his head against the wall, once, twice, smashed him against the wall!"
 
By December of 1941 it became clear too many Jews in the Ghetto that the Germans meant to kill them all, and some formed activist groups while others made a call to resist.  Abba Kovner was one of these who wished to fight but there seemed to be no clear consensus amongst the activists on how best to do so.

A secret meeting was held on Dec 31st where many of the youth groups and activists advocating resistance came together to discuss the call to arms. Although not all in attendance agreed to stay and fight, Abba Kovner took it upon himself to urge what remained of the Ghetto inhabitants to rise up and fight from within ghetto itself.

In an impassioned speech delivered at one of the Ghetto soup kitchens he shouted to those around him:

"Jewish youth! Do not trust those who are trying to deceive you. Out of the eighty thousand Jews in the "Jerusalem of Lithuania" only twenty thousand are left. . . .

Ponary is not a concentration camp. They have all been shot there. Hitler plans to destroy all the Jews of Europe, and the Jews of Lithuania have been chosen as the first in line.

We will not be led like sheep to the slaughter! True, we are weak and defenseless, but the only reply to the murderer is revolt! Brothers! Better to fall as  free fighters than to live by the mercy of the murderers. Arise! Arise with your last breath!"

 
Shortly thereafter the United Partisan Organization-Fareinikte Partisaner Organizatzie - F.P.O.- was formed on January 21, 1942 in the Vilna Ghetto. It took  for its motto "We will not go like sheep to the slaughter," from the speech given by Abba Kovner.

It was decided the F.P.O. would be lead by a "staff command" made up of Kovner, Josef Glazman, and Yitzhak Wittenberg, with the "chief commander" being Wittenberg. Later, two more members were added to staff command - Abraham Chwojnik of the Bund and Nissan Reznik of the Ha-No'ar ha-Ziyyoni - expanding the leadership to five.
 
The goals of the FPO were to establish a means for the self-defense of the ghetto population, to sabotage German industrial and military activities and to join the partisan and Red Army’s fight against the Nazis.

Initial studies of how to defend the compact space of a few city blocks, cut off from outside contacts and sources of arms, made some believe that the only real defense would be classical hit-and-run partisan warfare from bases outside the ghetto.
 
However not all Ghetto Jews were in favor of the resistance movement. The Vilna Judenrat led by Jacob Gens felt that the only way  for the Jews of Vilna to survive total annihilation was to prove that the Ghetto was economically useful to the Germans and their war effort.

Fearful that the activists would bring severe reprisals on the remaining Jews, Gens, aided by his Ghetto Police, began a propaganda campaign against the resistance.  He succeeding in convincing the leaders of the "Work Brigades" to support his efforts, and was able to turn public opinion against the FPO and its leaders.

When the Germans learned of the resistance movement they began to pressure Gens to arrest them. Gens soon setup a meeting with the FPO leaders in an effort to get them to cease and desist all acts of resistance.

It was at this meeting that Gens had FPO leader Wittenberg arrested and taken out of the meeting, other F.P.O. members were alerted, and in anger attacked the Jewish police, eventually freeing Wittenberg, who immediately went into hiding inside the ghetto.

The next morning, in response to the failure of Gens to produce FPO leader to the Gestapo, it was announced that if Wittenberg were not apprehended, the Germans would liquidate the entire ghetto of all 20,000 of its remaining  Jews. Gens in a panic went to the people once more, claiming that the resistance members were provoking the Nazis, he asked them:

 "Whether it was worth sacrificing tens of thousands of lives for the sake of one man?"

The Ghetto inhabitants in large numbers began to demand the FPO give Wittenberg up, some even attacked FPO members with stones. The FPO was faced with literally a life-or-death crisis:

How could they engage in a fight against the ghetto population they had taken an oath to defend?

Ultimately Wittenberg himself made the decision to submit to the Nazi demands and turn himself in. However before submitting himself to torture and death at the hands of the Gestapo, as his final act as leader of the FPO, he appointed Abba Kovner his successor.
 
During the summer and fall of 1943, Kovner and his resistance fighters carry out acts of sabotage against German military trains and equipment transports, and even set up an illegal printing press outside of the ghetto.

One of their key goals was to establish ties to the Soviet resistance in the city and the forests. Kovner also sent emissaries to the Warsaw and Bialystok ghettos to warn the inhabitants about the mass killings of Jews in the occupied Soviet Union and to incite resistance.

On September 1, 1943 German forces began the final destruction of the Vilna ghetto. Kovner and the FPO made a concerted effort to try and persuade the ghetto residents not to gather for the deportation because they were in actuality being sent to their deaths.

The Jews of Vilna refused to believe this, as Jacob Gens had lead them to believe they were simply being sent to labor camps in Estonia.
 
Fighting broke out between the FPO and the Germans, who brought in light artillery, and explosives, to flush out the ghetto fighters. But as soon as it grew dark, the Germans pulled out of the ghetto and left it to the Jewish Police to continue the hunt until daylight.
 
After the initial skirmish with the Germans, Gens tried to prevent further destruction by offering to provide additional Jews for forced labor in Estonia, if only the Germans would leave the ghetto. The Germans agreed, and Jacob Gens had been given a quota of Jews to be deported.

Hoping to meet the German demands with those members of the FPO he could capture, the German authorities refused to wait, and rounded up every Jew they could get their hands on, eventually deporting all but 12,000 Jews from Vilna.
 
Shortly thereafter, on On September 14, Jacob Gens was ordered to a meeting with the German authorities never to return.  He was interrogated by the Gestapo who claimed he was aiding the resistance, and ordered him shot. Ten days later the ghetto was completely liquidated. 

Once more the FPO urged the remaining Jews to resist the deportation but the last of the Jews of  the Vilna ghetto, chose not to heed his call to arms.

Kovner and hundreds of the ghetto fighters escaped through the city’s sewers and other outlets to the Rudniky forests where they joined Soviet partisans in many combat missions. There Kovner and his followers operated a partisan division comprised solely of Jews, and performed many heroic acts of sabotage.

The division played a key role in destroying power installations, water infrastructures and supply depots. They blew up German transport trains and even rescued groups of prisoners from the Kalais labor camp.
 
After the war, Kovner helped organize the Beriha movement, in which hundreds of thousands of survivors made their way west in order to reach Palestine. Kovner and his wife, Vitka Kempner, who was also his partner in the underground movement, settled in Palestine, where he joined the Givati Brigade in order to defend the newly formed state of Israel.

In 1961 Kovner testified at the trial of Adolf Eichmann and later dedicated his life to poetry, he also authored several books, for which he won the 1970 Israel Prize in Literature.

Abba Kovner died at age 69 in September 1987.
 
                      One Living Word

No more willful silences.
No more verbal contact, he who loved to listen to so many will never again hear his own voice among them.

He will sit with his friends over talk from now on under constraint.
The talk. The thoughts. The friends.
And as he listens through the secret door he will turn his inner ear to the dark mumur: Son of man,
all this and all this never was and never will be
as good as one living word.

                         -Abba Kovner



Sources:

www1.yadvashem.org/odot_pdf/Microsoft%20Word%20-%206451.pdf
The Avengers Rich Cohen Vintage; 1 edition 2001
Spiritual Resistance in the Vilna Ghetto.  Kostanian-Danzig, Rachel (Vilnius: The Vilna Gaon Jewish State Museum, 2002).
Gilbert, Martin. The Holocaust: A History of the Jews of Europe During the Second World War. New York: Holt, Rinehart and Winston, 1985.
Kovner, Abba. "The Mission of the Survivors." The Catastrophe of European Jewry. Ed. Yisrael Gutman. New York: Ktav Publishing  Inc., 1977
USHMM

30 de dez. de 2012

Exército israelense divulga que a cada 15 dias um soldado se suicida

Exército israelense divulga que a cada 15 dias um soldado se suicida

A cada 15 dias um soldado israelense se suicida em média, segundo dados divulgados pelas Forças de Defesa do país, devido as denúncias de um blogueiro anônimo que haviam sido censuradas, informa nesta quinta-feira (27/12) a imprensa local.

Os dados, referentes aos últimos 10 anos, mostraram que 237 israelenses tiraram a vida durante o serviço militar obrigatório ou a carreira profissional no Exército.

A taxa média de suicídios foi diminuindo das 39 anuais, entre 1991 e 1993, para 33 entre 2000 e 2002, para ficar em 23, entre 2009 e 2011. O Exército atribui a queda a uma maior ajuda psicológica e a uma política mais restritiva de acesso às armas para soldados fora do serviço.

Os dados foram revelados depois que um blogueiro, identificado apenas como Ishton, denunciou uma divergência entre o número de baixas que se faz pública a cada ano e o relatório mais detalhado que oferecia o Ministério da Defesa em um site.

Ishton foi convocado para uma reunião com investigadores militares e ameaçado. A imprensa foi proibida de publicar o material, segundo diversas denúncias na Internet. 
Israel acusa ex-ministro e líder de extrema-direita por fraude

Israel acusa ex-ministro e líder de extrema-direita por fraude


O líder de extrema direita israelense Avigdor Lieberman foi acusado neste domingo (30) de fraude e quebra de confiança, alegações que levaram a sua renúncia do cargo de ministro do exterior há duas semanas, afirmaram oficiais da Justiça.
Lieberman, que negou as acusações, continua como líder do partido Yisrael Beitenu, que formou uma coalizão com a legenda de extrema direita do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, o Likud, antes da eleição parlamentar de 22 de janeiro.
Autoridades da Justiça israelenses disseram que Lieberman foi indiciado por acusações relacionadas com a promoção de um diplomata israelense que teria lhe dado informações ilegalmente sobre um inquérito policial contra ele.
O ministro Avigdor Lieberman e o premiê Benjamin Netanyahu dão entrevista nesta quinta-feira (25) em Jerusalém (Foto: AFP)O então ministro Avigdor Lieberman e o premiê Benjamin Netanyahu em foto de outubro em Jerusalém (Foto: AFP)

De acordo com a lei israelense, a condenação por acusações de fraude e quebra de confiança pode impedir que Lieberman ocupe um posto gabinete do próximo governo.
Lieberman, que vive em um assentamento israelense na Cisjordânia ocupada, tem criado polêmica ao questionar a lealdade de um milhão e meio de cidadãos árabes de Israel.
Seus comentários geraram acusações de racismo, mas também lhe deram um grande número de eleitores, além da sua base de seguidores de língua russa.
No começo do mês, ele irritou a União Europeia ao dizer que ela não tinha condenado suficientemente os discursos dos islamistas do Hamas, que pediam a destruição de Israel, comparando o fato ao fracasso da Europa em deter o genocídio nazista contra os judeus durante a Segunda Guerra Mundial.
O chefe de política exterior da UE disse que os comentários eram ofensivos e reiterou o compromisso do bloco com a segurança de Israel.
Nascido na Moldávia, Lieberman emigrou para Israel em 1978. Ele se tornou o chefe administrativo do partido Likud em 1993 e administrou o escritório do primeiro-ministro de 1996 a 1997, durante o primeiro mandato de Netanyahu. Ele deixou o partido e formou o Yisrael Beitenu em 1999.
Lieberman é o mais recente de uma série políticos israelenses a enfrentar acusações de corrupção nos últimos anos. O ex-primeiro-ministro Ehud Olmert renunciou em 2008, depois de ser acusado, porém até agora, ele foi absolvido da maioria das acusações contra ele.
50 most influential Jews in the world: Complete list

50 most influential Jews in the world: Complete list


A four-member Jerusalem Post committee reluctantly names in first place Israel’s prime minister, “King Bibi.”

Prime Minister Binyamin NetanyahuPHOTO: GPO / AMOS BEN-GERSHOM
1. Binyamin Netanyahu
2. Jack Lew
3. Jill Abramson
4. Mark Zuckerberg
5. Sheryl Sandberg
6. Ruth Messinger
7. Jon Stewart
8. Michael Oren
9. Debbie Wasserman Schultz
10. Interview with Peter Beinart



11. Shai Agassi
12. Daniel Shapiro
13. Sacha Baron Cohen
14. Benny Gantz
15. Jeremy Ben-Ami
16. Drake
17. Amir Eshel
18. Interview with Shelly Yacimovich
19. Eric Cantor
20. Jonathan Safran Foer



21. Stanley Fischer
22. Shimon Peres
23. Norton Schwartz
24. Ben Bernanke
25. The Frat Pack
26. Rick Jacobs
27. Irene Rosenfeld
28. Jonathan Sacks
29. Sheldon Adelson
30. Mayim Bialik



31. Michael Pollan
32. Interview with Matthew Bronfman
33. Shmuely Boteach
34. Moshe Kantor
35. The Schalits
36. Natalie Portman
37. Stan Lee
38. George Soros
39. Interview with Esther Pollard
40. Yosef Abramowitz



41. Meryl Frank
42. Lev Leviev
43. Ovadia Yosef
44. Shaul Mofaz
45. Alan Dershowitz
46. Shari Arison
47. David Wolpe
48. Noa Tishby
49. Josh Reinstein
50. Nina Tassler
Netanyahu a Agência Judaica: Encontrar solução para não-ortodoxos mulheres em Muro

Netanyahu a Agência Judaica: Encontrar solução para não-ortodoxos mulheres em Muro

Coisas Judaicas Na semana passada, a polícia israelense deteve as mulheres  de um grupo liberal judaico que se aproximou do Muro das Lamentações carregando xales de oração.



O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu instruiu a Agência Judaica para encontrar uma solução para os  judeus  não ortodoxos e grupos femininos que desejam rezar em um dos locais mais sagrados do judaísmo. 

Um funcionário disse terça-feira o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu pediu Natan Sharansky, presidente da Agência Judaica, para analisar a questão. O funcionário falou anonimamente de acordo com as regulamentações governamentais. Na semana passada, a polícia israelense deteve as mulheres de um grupo judeu liberal que se aproximou do Muro das Lamentações em Jerusalém carregando xales de oração. 

Judeus ortodoxos insistem esses são apenas para homens. As mulheres procuram a adorar no local sem tais restrições. O porta-voz da Agência Judaica, Benjamin Rutland disse Netanyahu disse Sharansky que o Muro das Lamentações "deve continuar a ser uma fonte de unidade judaica em vez de divisão." 

As mulheres presas na sexta-feira chegou com Mulheres do Muro, um grupo de mulheres judias que lutam pelo direito de usar talitot (xales), orar e ler a Torá em voz alta no Muro das Lamentações. "É irônico que, como os judeus de todo o mundo celebram a vitória do espírito sobre a assimilação forçada, os judeus que querem rezar têm seus direitos negados por uma hegemonia ultra-ortodoxos", a organização Judaísmo Progressista - um guarda-chuva internacional da Reforma, o liberal, progressistas e reconstrucionista movimentos judaicos - disse em um comunicado. 

"Apelamos ao estado para atender Supremo Tribunal própria e encontrar uma solução. Até que isso aconteça, Israel continua a não viver de acordo com os ideais sobre os quais foi fundada, como um refúgio para judeus em toda parte." A primeira mulher detida na sexta-feira incluiu Mulheres do membro do conselho da parede Rachel Cohen Yeshurun, que se recusou a remover o xale de oração quando ela entrou no Western Wall Plaza. 

De acordo com os outros membros, ela foi detida e interrogada antes mesmo de ela se aproximou do local sagrado, acusado de perturbar a ordem pública e de obstruir um procedimento policial. As outras três mulheres - Rabino Elyse Frishman de Barnert Templo em Franklin Lakes, New Jersey, e dois de 18 anos de idade, as mulheres do Reino Unido que estão participando de um programa de RSY Netzer lacuna ano - foram detidos e interrogados. 

De acordo com uma declaração de Mulheres do Muro, os quatro se recusaram a assinar uma confissão de perturbar a paz pública e foram liberados depois de três horas.

Tradução do Google - sem revisão

29 de dez. de 2012

Número de cristãos em Israel continua crescendo

Número de cristãos em Israel continua crescendo


Mesmo assim, são apenas 2% da população.
O jornal Jerusalém Post, um dos mais importantes de Israel publicou uma matéria esta semana que chamou atenção da mídia do país.
O Escritório Central de Estatísticas israelense confirmou que existem atualmente 158.000 cristãos na terra onde tudo começou. Isso representa apenas 2% da população total. Um dos elementos mais surpreendentes do relatório é que cerca de 80% dos cristãos de Israel são árabes e imigrantes da antiga União Soviética que foram beneficiados pela Lei do Retorno, que oferecia cidadania israelense a toda pessoa que tivesse um avô judeu.
A maioria dos cristãos árabes vive no norte de Israel. As cidades com as maiores populações cristãs são Nazaré (22.400); Haifa (14.400); Jerusalém (11.700), e Shfaram (9.400).
O nível de escolaridade dos cristãos chama atenção, com 64% dos jovens cristãos completando o ensino médio, em comparação com 59% dos judeus e 48% para os muçulmanos de Israel.
O relatório também chama atenção para o alto índice de cristãos que possui diploma na área médica, com 10,2% do total. Na questão da idade, 30,1% de todos os cristãos em Israel tem 19 anos ou menos, contra os 33,5% de judeus, e os 48,7% de muçulmanos.
O número médio de filhos das mulheres cristãs é de 2,2, a mais baixa no país. As muçulmanas tem, em média, 3,5 e as mulheres judias 3.
A taxa de emprego dos cristãos é de 54% – 63,8% de homens e 45,3% das mulheres possuem emprego formal. A conclusão é que na terra de Jesus, onde o cristianismo começou, a população cristã continua em crescimento, numa taxa média de 1,3% ao ano. Em comparação, o crescimento de judeus é de 1,8% e o dos muçulmanos chega a 2,5%.
Netanyahu deve vencer mas direita avança

Netanyahu deve vencer mas direita avança

Netanyahu deve vencer eleição de Israel, mas direita conquista apoio, dizem pesquisas.

O partido Likud, do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, está a caminho de vencer a eleição parlamentar de 22 de janeiro, embora a popularidade de um partido de extrema-direita contrário a um Estado palestino esteja crescendo, mostraram pesquisas nesta sexta-feira.
Duas de três pesquisas mostraram o Likud, de direita, perdendo eleitores para o partido religioso Bayit Yehudi, do político da nova geração Naftali Bennet, e para um bloco de centro-esquerda dividido.
As sondagens ainda previram uma coalizão de direita forte emergindo no parlamento de 120 lugares, o que garantiria a Netanyahu outro mandato.
O jornal Yedioth Ahronoth publicou uma pesquisa mostrando o Likud ganhando 33 cadeiras, quatro a menos do que há um mês. Uma pesquisa no Jerusalem Post mostrou o Likud caindo para 34, de 39 há duas semanas. Pesquisa feita pelo jornal Maariv apontou o Likud mantendo terreno, com 37 assentos.
Sem uma maioria no Parlamento, o Likud teria que juntar forças com outros partidos para formar um governo. Netanyahu poderia escolher Bennett e partidos religiosos ultraortodoxos ou se juntar com membros do bloco de centro-esquerda.
O Partido Trabalhista, de esquerda, ficou em segundo lugar em todas as pesquisas, ganhando 17 ou 18 assentos.
A plataforma do partido de Bennett rejeita a solução de dois Estados com os palestinos e é firmemente a favor da construção de assentamentos na Cisjordânia ocupada -- uma questão que tem paralisado as negociações de paz.
Todas as pesquisas mostram o partido em uma tendência de alta, ganhando entre 12 e 14 assentos.
(Reportagem de Ari Rabinovitch)
Um processo surpreendente de 'israelização "está a ter lugar entre os palestinos em Jerusalém Oriental

Um processo surpreendente de 'israelização "está a ter lugar entre os palestinos em Jerusalém Oriental


Coisas Judaicas
Há um ano, pela primeira vez, a Prefeitura de Jerusalém e do serviço postal Israel estabeleceu um posto de correios na vila de Isawiyah, que fica abaixo do Monte Scopus, dentro dos limites municipais. Junto com a abertura da nova filial - parte de um plano para melhorar os serviços postais em Jerusalém Oriental - as ruas da vila foram dados nomes e as casas receberam números. 

Estes desenvolvimentos seguido uma petição ao Supremo Tribunal de Justiça, apresentado pelos moradores com o auxílio da Associação pelos Direitos Civis em Israel. Mas o município não poderia encontrar um local para a estação de correios, uma vez que a maioria dos edifícios da aldeia eram estruturas ilegais, pelo que o seu futuro era assim em questão.

"Eu visitei as dezenas de vezes de aldeia à procura de um local", diz Itay Tsachar, conselheiro do prefeito Nir Barkat e seu diretor de projetos de Jerusalém Oriental. "Queríamos colocar os correios no prédio da administração da comunidade, até que descobrimos que ela também é objeto de uma ordem de demolição." Finalmente, um site para os Correios foi improvisada entre os pilares de apoio do centro esportivo do bairro.

No entanto, na noite antes da dedicação prevista festiva da nova filial, que o prefeito foi participar, o local foi incendiado e palavras de ordem contra a normalização e de colaboração com o município foram rabiscados nas paredes.

"De manhã eu recebo uma chamada urgente dos moradores", diz Tsachar. "Eles dizem: 'Não pergunte - as pessoas tentaram queimar o lugar." Quando eu cheguei lá eu encontrei 20-30 pessoas em torno de moagem ea maldição ". Olha o que os filhos da puta fez ' Eu disse a eles que não era um problema, porque a estrutura foi feita de ferro. "É só um pouco chamuscado. Nós podemos limpá-lo e ir em frente com a cerimônia ", disse-lhes. Eles se organizaram e limpa-lo, e até hoje os correios está a funcionar muito bem. "

Barkat apareceu naquele dia como programado para se dedicar ao site. Seu comboio foi submetido a alguns atiravam pedras no caminho, mas o mukhtar local, Darwish Darwish, se juntou a um grupo de moradores que se posicionaram perto do carro para proteger o prefeito e os outros funcionários.
A história de escritório Isawiyah do post é um microcosmo das tendências contrastantes que se desenrolavam em Jerusalém Oriental. Junto com a radicalização nacionalista, um amplo apoio ao Hamas e confrontos violentos relatados na mídia, mudanças de longo alcance estão a ter lugar entre os palestinos local. Estes processos podem ser descritos como "israelização," normalização "" ou apenas adaptação simples. As autoridades israelenses, com a Prefeitura de Jerusalém na vanguarda, são animadores e, em alguns casos fomentar esse processo, e mostrando flexibilidade burocrática surpreendente ao longo do caminho.

Exemplos dessa tendência são legião. Eles incluem: aumento do número de pedidos de um cartão de identificação israelita; mais estudantes do ensino médio, tendo os exames de matrícula; israelenses maior números de inscrição de instituições académicas israelenses, redução da taxa de natalidade; mais pedidos de licenças de construção, um número crescente de Jerusalém Oriental voluntariado jovem para o serviço nacional, um maior nível de satisfação de acordo com pesquisas de moradores; uma revolução na abordagem aos serviços de saúde; uma pesquisa mostrando que em um acordo final mais Jerusalém Oriental palestinos prefere permanecer sob o domínio israelense, e assim por diante.

Mas as estatísticas secas dizer apenas uma pequena parte da história; outros elementos não são quantificáveis. Por exemplo, há a presença acentuada de palestinos, no centro de Jerusalém Ocidental, em shoppings, no trem de comboio ligeiro e na área comercial aberta no Mamilla, junto ao Portão da Cidade Velha de Jaffa. Estas pessoas são produtos de limpeza e não de rua ou louça, mas os consumidores e vendedores. Outro fenômeno é a crescente cooperação entre os comerciantes da Cidade Velha e do município.

Todos os envolvidos no desenvolvimentos em Jerusalém Oriental concorda que uma mudança tectônica está ocorrendo, os gostos de que não é conhecido desde a cidade ficou sob domínio de Israel em 1967. A opinião está dividida sobre a origem da mudança. Alguns acreditam que saltou abaixo, impulsionado pelo palestinos "sentimentos de desespero e sua crença de que um estado independente não é susceptível de vir a ser. Outros acham que é devido a uma nova abordagem para a parte oriental da cidade por autoridades israelenses, liderados pelo município. Todos menciona a barreira de separação, que abruptamente cortados Jerusalém de seu hinterland natural - as cidades e aldeias da Cisjordânia - como um fator que levou os palestinos em Al Quds ("o santuário sagrado") para olhar para o oeste, para com os judeus .

O projeto de comboio ligeiro enorme, que corta toda a cidade e facilita muito o acesso dos bairros do leste para o centro da cidade, também está contribuindo para a transformação. A maioria destas mudanças estão ocorrendo abaixo do radar da opinião pública em Israel, mas suas conseqüências podem ser dramáticas, particularmente com relação à possibilidade de divisão de Jerusalém - e do país. É muito possível que Jerusalém já escolheu a solução binacional.

1. Educação

Três meses depois que Israel capturou Jerusalém Oriental na Guerra dos Seis Dias, o novo ano escolar começou. O governo, que até então já tinha anexado a parte oriental da cidade, procurou implementar o currículo de Israel em suas escolas públicas. No entanto, os professores, pais e diretores se recusou terminantemente. Eles lançaram uma greve que se tornou o símbolo da luta pelos árabes de Jerusalém Oriental contra as tentativas de Israel para normalizar a ocupação. A greve persistiu por dois anos inteiros, até que Israel finalmente capitulou e concordou em permitir que as escolas árabes de Jerusalém para continuar a ensinar de acordo com o currículo jordaniano. Com o tempo, que foi substituído pelo currículo da Autoridade Palestina.

Os palestinos ver que a vitória como um marco na sua resistência à pressão anexionista de Israel. No entanto, o triunfo começou a corroer de tarde. Um número crescente de pais agora querem que seus filhos para obter um certificado de matrícula israelense, e mais graduados e mais alta escola estão freqüentando escolas especiais que prepará-los para entrar no mundo acadêmico israelense. Atualmente, existem três escolas em Jerusalém Oriental voltadas para matrícula de Israel, enquanto em outros programas especiais estão sendo lançados com o mesmo objectivo.

Uma escola em Sur Baher, por exemplo, iniciou uma pista para a matrícula israelense no ano passado. A escola espera cerca de 15 alunos a registar, mas 100 se inscreveram - eo número tende a crescer nos próximos anos.

De acordo com dados do Ministério da Educação, o número de Jerusalém Oriental estudantes do ensino médio que fizeram exames de matrícula israelenses subiu de 5.240 em 2008 para 6.022 em 2011. Mais 400 pessoas se sentavam para exames de matrícula externos (isto é, fora do âmbito da escola formal). A Universidade Hebraica de Jerusalém e faculdades na cidade e em outras partes do país relatam um aumento no número de estudantes árabes de Jerusalém. Por exemplo, há 63 estudantes árabes matriculados no curso preparatório Universidade Hebraica este ano, em comparação com 39 no ano passado. Outras instituições de ensino que são populares entre os moradores de Jerusalém Oriental são David Yellin Teachers 'College e Hadassah College, ambos em Jerusalém, e Al-Qasemi Acadêmico Faculdade de Educação no Baka al-Garbiyeh, na Galiléia.

Jaffa-nascido Amal Ayub é o fundador e diretor da Promise, uma escola no bairro palestino de Beit Hanina em Jerusalém, que aprovou o currículo de Israel há três anos.

"Vim a Jerusalém há 15 anos, mas o que está acontecendo na cidade agora é algo completamente novo", diz ela. "Primeiro de tudo, não há abertura. Somos uma escola mista, que ao mesmo tempo era um tabu. Quando os pais visitar a escola que eu vejo em seus olhos por que eles não querem que seus filhos a fazer o tawjihi [matrícula palestino]. Eles acham que não é relevante para eles, porque desde que a barreira de separação foi construído, é mais difícil de registrar em Belém, ou Bir Zeit, assim que apontar para a Universidade Hebraica, Yellin David College ou Colégio Hadassah, eo tawjihi é inútil lá. E os recentes acontecimentos no Egito e no resto do mundo árabe não incentivá-los a freqüentar as universidades lá. "

Além de mudanças internas nas escolas secundárias, já existem cerca de 10 colégios em Jerusalém Oriental, que se especializam em preparar os alunos para as universidades israelenses e faculdades. Uma das maiores é a Ma'ana Anta ("Você está conosco") Instituto de Al-Zahara Street. Estudantes de várias idades multidão em uma pequena sala de aula para receber ajuda na preparação para os exames de matrícula israelenses e testes pré-universitária obrigatória psicométricas.

"Ela costumava ser inaceitável. As pessoas fazem comentários - 'Por que você está indo para a escola com os judeus? " - Mas agora estamos fechados e temos que ficar em Jerusalém ", diz Abdel Gani, diretor do instituto. Para que Abu Eid Ramila, que ensina educação cívica, acrescenta: "E então você vê que a Universidade Hebraica está a apenas cinco minutos de distância. Se você vai para a escola em Belém, ou a Al-Quds University, o único lugar que você vai ser capaz de encontrar trabalho após a graduação está no PA, para NIS 2.000 por mês. Então, todo mundo agora está migrando para Israel. "

Outra razão para a pressa para concluir uma matrícula de Israel - de fato, o principal motivo, segundo a maioria dos alunos da faculdade - é o medo do tawjihi, o que é considerado muito difícil. Nós nos encontramos alguns alunos quando visitou o colégio recentemente. Rawan, de Beit Hanina, quer estudar psicologia na Universidade Hebraica; Aboud, de Beit Hanina, está interessado em comunicação e Azhar, Ras al Amud partir, está considerando enfermagem ou lei.

Nenhum encontrou uma reação hostil da família e dos amigos para tomar a decisão de fazer os exames de matrícula israelenses.

"É mais fácil se integrar na sociedade e encontrar trabalho com um certificado de matrícula [de Israel]", diz Aboud.

"Formação Cívica é o mais difícil assunto," Abu Ramila, o professor, acrescenta. "Eu ensiná-los sobre os princípios da democracia, de igualdade, e eles me perguntam: 'Onde está a igualdade?"

Alguns palestinos locais têm vindo a tentar combater este fenómeno persuadindo o PA de rever os exames tawjihi. Hatam Hawis, o porta-voz dos pais unidos "comitê de Jerusalém Oriental, os termos do fenômeno israelização" alarmantes ", porque prejudica os moradores identidade palestina. "Israel deliberadamente enfraqueceu as escolas da cidade, a fim de forçar as pessoas a matrícula israelense", diz ele.

2. Habitação e água

Quase não existem contadores de água em Jerusalém Oriental, porque a maioria das casas foram construídas sem autorização, e é proibido o fornecimento de água ou instalar um medidor em uma estrutura ilegal. Cerca de dois anos atrás, novamente depois de um apelo do ACRI, a empresa de água municipal, Hagihon, surgiu com uma solução criativa legal. Em vez de chamá-lo um "medidor de água", agora é chamado de "dispositivo de controle."

A mudança de nome tornou possível para contornar a lei e instalar medidores de água e um sistema de abastecimento de água em milhares de lares - e começar a cobrar para o serviço. Cerca de 10.000 dos dispositivos foram instalados nos últimos dois anos. Hagihon também recebeu centenas de pedidos de famílias que querem se desligar da rede de água palestina, que ainda fornece água a algumas das seções do norte de Jerusalém Oriental, e toque na rede de Israel. O motivo: O abastecimento de água pela empresa palestino é, por vezes, irregular.

"Nós recebemos tantos pedidos de moradores que serão conectados ao sistema israelense", Tsachar, assessor do prefeito, diz. "Vamos dizer que eu sou um nacionalista incorrigível palestino, mas eu também quero tomar banho. O que posso fazer? Nesse caso, [pedindo para ser fornecido com] água de Israel é legítima e pragmática, e que também irá estar disponível o tempo todo. Eu posso voar uma bandeira palestina ao lado do reservatório de água no telhado, mas eu prefiro pegar a água em uma base regular. Agora pense sobre a 'torre e paliçada "assentamentos [dos anos 1930 e 1940]. Você acha que eles teriam dito: 'Nós não vamos construir uma torre, mas vai ligar à rede da Jordânia, porque é mais prático "? Obviamente que não. Portanto, há um processo em andamento aqui. É algo que não pode ser ignorado. "

A questão da emissão de licenças de construção é outro exemplo de flexibilidade das autoridades administrativas em Jerusalém Oriental. O principal problema é que a maioria dos moradores não podem obter uma licença de construção, porque eles não têm documentos que comprovem a posse da propriedade. Para resolver este problema, o município desenvolveu o assim chamado "processo de Barkat."

"O problema é que, se você não tem a confirmação da propriedade da terra, todo o sistema judicial está preso", diz Barkat. "Por isso, criou um mecanismo em que os mukhtars, Diretoria comunidade e município se encontram, e se chegar à conclusão de que não há razão para não acreditar em alguém que diz que a terra é dele, ele recebe uma licença temporária.

Depois de 20 anos, se ninguém reivindica a propriedade, torna-se permanente. Esta é uma cidade em que a criatividade é uma obrigação legal. Eu preferiria estar certo e inteligente do que certo e mudo. "

Barkat, que localiza-se à direita do centro político, desempenhou um papel crucial na história de Jerusalém Oriental nos últimos anos. Os dados não podem mostrar mudanças dramáticas em dotações orçamentais para Jerusalém Oriental, mas até seus inimigos políticos admitir que ele está a fazer esforços para mudar a situação. De sua perspectiva, a luta para melhorar a vida da população árabe da cidade é parte integrante de seu esforço para eliminar a partição planos para a cidade.

"Estou determinado a melhorar a qualidade de vida de todos os habitantes da cidade", diz Barkat. "Isso é exatamente como eu sou unificar a cidade: fazendo as coisas melhor para todos. Jerusalém não será dividida. Período. Ele não vai ser capaz de funcionar se for dividido, por causa de algo profundamente arraigado na essência da cidade ". Ele acrescenta:" Mas em Jerusalém cada tribo tem seu próprio lugar, então eu não tenho nenhum problema com os árabes a sair para votar . Meu trabalho será mais fácil se eles têm representantes no conselho da cidade. "

A questão chave é se estes desenvolvimentos irão de fato induzir palestinos de Jerusalém a votar nas eleições municipais, o que eles não fizeram em todos os números significativos desde 1967. Constituindo 36 por cento da população de Jerusalém, os palestinos têm o poder potencial eleitoral para mudar a composição política do conselho da cidade de forma dramática. Há vozes em Jerusalém Oriental que pedem os palestinos de votar, como parte de uma estratégia para buscar uma solução de um estado em vez do conceito de dois estados alardeada. No entanto, a maioria dos especialistas acreditam que, mesmo que isso eventualmente acontece, isso não afetará as próximas eleições municipais, que são cerca de um ano de distância.

"Não há dúvida de que Barkat mudou de estratégia", diz o vereador Meir Margalit (Meretz), que detém o Oriente carteira de Jerusalém. "Ele não é uma pessoa política, e não um ideólogo grande. Ele está seguindo a estratégia de um empresário: compra de pessoas ao invés de forçar o seu governo sobre eles. Por que trazer em tratores e demolir as coisas se você pode levar as pessoas a sair de sua livre vontade? Ele está criando uma situação em que as pessoas sentem que têm algo a perder. "

Algumas semanas atrás, Barkat convocou uma reunião para discutir as crianças em risco em Jerusalém Oriental. Cerca de 20 palestinos de bairros e aldeias veio para a reunião na sala do conselho de luxo na Câmara Municipal, a maioria deles com queixas destinadas ao município e as questões sociais e os ministérios da educação. De acordo com Barkat, eles vieram porque eles sentem que alguém está escutando.

"No passado, eles iriam vir e falar e ver que não deu em nada, e ninguém sabia se era ideologia, falta de desejo ou impotência", Barkat diz. "De repente, quando eles vêem as coisas acontecendo, eles percebem que é ideologia e que não há falta de vontade e não a impotência."

Entre as listas realizações Barkat: investimentos em infra-estrutura e transporte, planejamento de bairros, construção de escolas e muito mais. Para ilustrar a percepção alterada no lado palestino, ele recorda os acontecimentos que cercam a cidade, patrocinado Festival da Luz, na Cidade Velha e do comportamento dos comerciantes de lá. O festival, que se concentra em esculturas e performances relacionadas com o tema da luz, foi realizado pela terceira vez este ano.

"O primeiro ano tivemos um programa-piloto, apenas no Bairro Judeu, e 100.000 pessoas apareceram", Barkat diz. "No segundo ano, o seguramos no Bairro Judeu e do bairro cristão, e 200.000 pessoas vieram. Este ano foi em todos os quadrantes e houve 300.000 visitantes. No início, os comerciantes estavam com medo de abrir-se para o evento, porque tenho ameaças. Mas então eles viram que uma loja aberta e depois outro, e antes que você sabia que eles estavam todas abertas. Todo mundo fez uma matança e as pessoas se acostumaram com a idéia. "

3. Saúde

Não se engane: Apesar do que Barkat diz, o limite entre as duas partes da cidade ainda é muito forte. As estradas na cidade oriental ainda cheia de buracos e torção e volta em ângulos impossíveis. Não cobrança de lixo continua a se acumular. Por cada critério - número de lixeiras, parques públicos, número e qualidade das instalações escolares, número de postes de iluminação, bem-filho clínicas, o investimento orçamental por residente ou por aluno, e assim por diante - o leste está em desvantagem em relação à cidade ocidental. Da mesma forma que os palestinos, em comparação com seus vizinhos judeus.

Um estudo detalhado realizado pelo vereador Margalit descobriu que, na melhor das hipóteses, apenas 13,68 por cento do orçamento da cidade é investido na de 36 por cento de seus habitantes árabes que vivem em Jerusalém Oriental. Além disso, a população árabe que sofre de desemprego galopante e da pobreza, e é mais provável que a população judaica da cidade para ser submetido a violência policial. Colonos judeus contratar seguranças particulares para operar em bairros árabes, eo Shin Bet ainda tem uma palavra a dizer na nomeação de diretores de escolas.

Ainda assim, em uma área, a diferença entre os judeus no oeste e seus vizinhos no leste tem quase fechada: a saúde pública. A última década testemunhou uma espécie de mini-revolução nessa esfera em Jerusalém. Até cerca de 15 anos atrás, os árabes de Jerusalém Oriental foram severamente prejudicados em termos de cuidados de saúde, principalmente quando se trata de organizações de manutenção da saúde. Havia poucas clínicas, os médicos estavam sem ressalvas, os serviços estavam faltando. Na esteira da promulgação da Lei Nacional de Saúde, que premia os planos de saúde de acordo com o número de membros que têm e dos trabalhos de modernização de vários índices médicos - nada menos que Leumit HMO, que é identificado com o movimento sionista revisionista - decidiu entrar o mercado na cidade oriental. A grande atração foi o fato de que a população de Jerusalém Oriental é jovem.

Ao mesmo tempo, se por acaso ou não, o logotipo Leumit também passou por uma transformação: A Estrela de longa data de David se transformou em uma flor. Dentro de alguns anos, a concorrência desenfreada eclodiu entre HMOs na cidade oriental, que são executados pelas concessionárias locais - para os médicos maior parte, mas em alguns casos os empresários.

A competição ea privatização gerou protestos por organizações como a Médicos pelos Direitos Humanos e Acri. Sua preocupação era que não havia supervisão desclassificados pelos planos de saúde e uma preferência para fazer um lucro, em vez de melhorar a assistência médica. No final, o processo trouxe uma situação em que quase todos os bairros tem agora um número de clínicas que possuem equipamentos avançados. Após uma série de casos em que motoristas de ambulância se recusou a entrar bairros árabes, algumas das clínicas agora têm suas próprias unidades para a frente ER. Em alguns casos os moradores obter transporte gratuito para as clínicas, assinaturas gratuitas para os clubes de saúde ou atendimento odontológico gratuito, para garantir que eles não mudar para um plano de saúde rival. Os diretores das HMOs na cidade ainda estremeço quando recordar como, há três anos, uma concessionária tem dezenas de milhares de pessoas a mudar para um plano de saúde diferente, chegando a um acordo melhor com a concorrência.

Fuad Abu Hamed, líder empresário e comunidade de Sur Baher, corre os ramos Clalit em sua aldeia e em Beit Safafa. Ele orgulhosamente mostra a sua clínica, que tem uma unidade de ER avançado, um centro de raios-X e uma clínica odontológica. Ele fala de realizações extraordinárias no campo da medicina preventiva.

"Quando surgiu a necessidade de realizar mamografias, temos 95 por cento das mulheres, o que é sem precedentes. Isso é porque eu sei que a comunidade, e se uma mulher se recusa falamos com seu marido ou irmã, e eu enviar um carro para levá-la. Nós não damos dentro "

Prof Yosef Frost, diretor do distrito de Jerusalém de Clalit, descreve a evolução da saúde em Jerusalém Oriental ao longo dos últimos anos como um registro internacional.

"Pegue os índices de qualidade, que são objetivo e universal, e examinar a qualidade do serviço médico", diz ele. "Quatro anos atrás, os índices eram extremamente baixos, ao passo que agora eles são quase iguais à média nacional israelense. Algumas das clínicas em Jerusalém Oriental são os líderes em todo o distrito, eu poderia facilmente colocá-los no centro de Tel Aviv ".

De acordo com a Frost, os índices de saúde de qualidade em Jerusalém Oriental passou de uma nota de 74 em 2009-87 hoje. Esse é o mesmo grau das clínicas em Jerusalém Ocidental receber, e apenas um ponto abaixo da média nacional de clínicas Clalit.

4. Cartões de identificação

A fase mais avançada do processo de israelização aparece nos pedidos de um cartão de identidade israelense. Em contraste com o território em que vivem, que foi totalmente anexados a Israel, os próprios moradores foram anexadas apenas parcialmente; quase todos eles detêm apenas um cartão de residência. Estatuto de residência nega muitos direitos, inclusive o direito de voto nas eleições para o Knesset. Mas, mais importante, os priva do direito de viver onde quiserem.

Ao contrário de cidadãos que podem viver nos territórios ou em qualquer outro lugar, uma hierosolimitana palestino que se muda para os territórios (ou se o limite municipal coloca sua casa em toda a linha), ou que vai para o exterior para estudar por muitos anos, é susceptível de perder o seu estatuto de residência - e, assim, também o direito de voltar a sua cidade natal.

O caminho para a obtenção da cidadania plena é aparentemente aberto, mas na prática, Israel amontoados obstáculos no caminho daqueles que procuraram cidadania. Em qualquer caso, os requerentes de cidadania eram poucos, como eram considerados "traidores" que aceitaram a ocupação. No entanto, essa barreira também foi aparentemente violada. Dados do Ministério do Interior mostram que várias centenas de palestinos de Jerusalém Oriental recebeu cidadania israelense em cada um dos últimos anos. Advogados que estão envolvidos neste processo dizem que a fila de candidatos está ficando mais tempo o tempo todo.

"A barreira vergonha caiu", diz o advogado Amnon Mazar, que é especialista em aplicações para a cidadania. "As pessoas chegaram à conclusão de que o PA não vai ser a sua salvação e que Israel é uma cornucópia. Então, eles fazem isso para seu benefício pessoal. As pessoas que obtêm a cidadania israelense não são mais necessariamente considerado traidores de sua nação. É a tendência. Eles não sentem que têm alguma coisa para se envergonhar. "

A queda da barreira vergonha era também perceptível em uma pesquisa realizada entre os residentes de Jerusalém Oriental pelo Instituto Washington para a Política do Oriente Próximo - um think tank independente - em janeiro passado. Os resultados foram dramáticos. Uma das perguntas era: "No caso de uma solução de dois Estados permanente, que estado você prefere viver?" Nada menos do que 35 por cento dos inquiridos escolheu Israel, 30 por cento optaram pela Palestina e 35 por cento se recusou a responder.

"Foi uma surpresa", admite o Dr. David Pollock, que conduziu a pesquisa. "Nós pensamos que as pessoas não se quer dizer ou admitir, mas eles fizeram. Você pode ver a partir do grande número de pessoas que se recusaram a responder que é uma questão altamente sensível. Então, eu diria que estes valores são o mínimo. "Em resposta à pergunta:" O que seus vizinhos preferem nesse caso? ", 39 por cento respondeu que seus vizinhos preferem viver em Israel.

Qual é a explicação? O número de explicações para os processos 
sendo submetidos por Jerusalém e por seus residentes palestinos é igual ao número de peritos uma pergunta.

Alguns citam o muro de separação, que cortou Jerusalém Oriental da Cisjordânia, o seu mercado natural e interior, e expulsou os moradores para os braços dos israelenses. Outros apontam para o processo de paz paralisado eo desespero atendente de mudança que tomou conta do leste de Jerusalém palestinos. Há especialistas que acham que a Primavera Árabe e instabilidade geral no mundo árabe estão a empurrar os palestinos em Jerusalém para procurar um futuro na cidade unificada. Outra causa, por vezes mencionado é a crise e divisão dentro do PA. Ou pode ser simplesmente devido ao fato de que, depois de tantos anos de ocupação, uma geração que nasceu na situação prefere olhar para o seu futuro material ao invés de levantar a bandeira nacional. Mas todos concordam que a força motriz por trás desses acontecimentos não é o amor de Israel, mas um desejo de sobreviver.

"O cartão de identidade israelense é parte da minha summud", diz um palestino que obteve um cartão de identificação, referindo-se ao conceito de firmeza. O advogado israelense Adi Lustigman, que representa os moradores no processo de naturalização, acredita que solicitar cidadania israelense realmente fortalece a identidade palestina. "É o que faz com que seja possível para eles para preservar suas terras e seus direitos no lugar onde vivem", diz ela. "Eles ainda são os palestinos, o fato de que eles são concedidos cidadania não torná-los colonos. Pelo contrário: dá-lhes mais liberdade de movimento ea possibilidade de ficar em contato com os palestinos na Cisjordânia, para trabalhar em Ramallah e viver onde quiser, sem ter que prestar contas a ninguém ".

Tsachar: "Um hábito se torna natural, e esse hábito também acabará por se tornar natural. Não importa se é israelização ou pragmatismo. Quanto mais você se move ao longo do eixo do tempo, mais a disparidade entre 1948 e 1967 é reduzido. Há muitos novos marcos no eixo. É da natureza humana. "

De acordo com Israel Kimchi, um pesquisador sênior do Instituto Jerusalém para Estudos de Israel, é fundamental lembrar que mais de metade da população de Jerusalém Oriental "nasceu para esta situação [do governo de Israel]. As coisas estão se movendo na direção de maior moderação, mais um reconhecimento da situação existente, de viver o dia-a-dia, desde que isso é possível. O que lhes interessa é ter um playground para as crianças, como na cidade ocidental. "

"Survival" é também a palavra usada pelo Dr. Asmahan Masry-Herzalla, pesquisador do Instituto Jerusalém, para descrever o comportamento de palestinos de Jerusalém Oriental. Ela também concorda que, ao contrário das expectativas, o atual processo vai realmente apoiar os árabes de Jerusalém identidade palestina.

"É pura sobrevivência. Isso não significa que eles querem se tornar israelenses. Eles querem andar entre os pingos de chuva ", diz ela. "Mas quando um jovem palestino se engaja em estudo, irá aumentar a sua consciência e reforçar a sua identidade. Olha o que aconteceu com os árabes em Israel: quanto mais eles integrados, mais conscientes de que tornou-se de sua identidade palestina ".

Jawad Siyam, da aldeia de Silwan, que fica ao lado da Cidade Velha, é um líder político proeminente em Jerusalém Oriental. Ele está na vanguarda da luta contra os colonos judeus em sua aldeia, e foi preso muitas vezes. "Nossa vida em Jerusalém Oriental é complexo", diz ele. "Estamos palestinos e necessidade de pertencer a um lugar onde sentimos que temos respeito e que não é Israel. Enquanto isso, temos uma [residência] israelense cartão e ter que lidar com as autoridades israelenses, e eu entendo que algumas pessoas estão tirando um cartão de identificação, a fim de tornar a vida mais fácil. Mas, entretanto, tudo o que Israel e os colonos estão fazendo só faz os palestinos se sentem mais palestina ".

Kimchi, que durante anos produziu propostas de soluções políticas para dividir a cidade, não acho que esse processo vai afetar a opção de partição. "No final, a decisão será um político. Nada vai ajudá-los ", diz ele, referindo-se aos residentes árabes. "Ninguém vai perguntar-lhes."

De acordo com Margalit - que fez estas declarações antes da Assembléia Geral das Nações Unidas concedeu o estatuto de observador não-membro Palestina estado - "palestinos Mais e mais se desesperou da Autoridade Palestina. Eles não acreditam partição vai acontecer. Eles vêem o que está acontecendo entre o Hamas eo Fatah, e dentro do Fatah, e eles dizem 'Não, obrigado. Temos problemas suficientes nosso, então por que devemos entrar nesse bagunça? Preferimos estar sob domínio israelense. Para alguém como eu, que é uma verdade que é difícil de aceitar. "

De fato, para Margalit, um veterano ativista em nome dos palestinos em Jerusalém direitos, a nova situação cria dilemas inquietantes. "Não há exame de consciência diário aqui entre o valor humanista ea consideração política. É verdade que as coisas estão um pouco melhor para os árabes de Jerusalém Oriental ", diz ele," mas a longo prazo, nós, como judeus, e todos nós, juntos, vão pagar um preço mais elevado. Isso porque o que está em andamento está a destruir a base da solução de dois Estados. "

"Eu atravessei o período de choramingar, quando disse" só os judeus são os culpados. " Eu não digo que eles não são responsáveis, mas eu também quero cuidar de mim ", acrescenta Abu Hamed, que, além de ser o diretor de ramos HMO, preside uma comissão de voluntários para promover a educação em Sur Baher. Ambos os papéis trazê-lo em contato constante com as autoridades israelenses. O que o leva, diz ele, é o sentimento de discriminação.

"É uma sensação áspera. Ele queima-me quando eu movimentação através Armon Hanatziv [um bairro judaico pós-1967 ao lado de Sur Baher] e ver que eles estão raspando o asfalto velho para repavimentar a estrada, e você diz para si mesmo: "Querido Deus, eu desejo Tínhamos até o asfalto velho. As expectativas do povo em Jerusalém Oriental estender aos serviços banais como estradas e depósitos de esgotos. Não é sua culpa que a Guerra dos Seis Dias aconteceu. Deixe que eles pelo menos deixem-nos viver com honra, se é 40 anos ou 400 anos. Quando a solução política vem, então vamos ver. "

Após este artigo passou a pressionar, houve outro confronto entre palestinos e polícia em Isawiyah. Dezoito jovens foram presos. O correio não foi atacado.

Ilhas de anarquia

Os processos inegáveis ​​pelo qual a parte oriental de Jerusalém está sendo unificada com o lado ocidental não incorporam todos os residentes de Jerusalém Oriental. Eles incluem, principalmente, os bairros mais estabelecidos, e, mais especificamente, as pessoas de posses nesses bairros. Estes processos são completamente ausente nos bairros palestinos que estão fora do muro de separação. De facto, a situação nestas áreas é quase o inverso.

Cerca de 70.000 palestinos, quase um terço de todos os residentes árabes de Jerusalém, agora vivem do outro lado da cerca de separação. Seus bairros tornaram-se ilhas de completa anarquia entre Israel ea Autoridade Palestina. A polícia, a prefeitura, as empresas de infra-estrutura e as outras autoridades israelenses mal operar nesses bairros, eo PA é impedido de entrar los sob os termos dos Acordos de Oslo. O resultado é que seus habitantes estão condenados a uma vida de dificuldades, falta até mesmo os serviços mais básicos, e com uma conexão constantemente diminuindo a sua cidade, o que os deixou no lado errado dos postos de controle.

Para os últimos anos, o prefeito Nir Barkat vem tentando obter esses bairros colocados sob a responsabilidade da Administração Civil do Exército, que controla a Cisjordânia. Barkat quer "ajustar o limite municipal para se conformar com a cerca", acrescentando: "Eu não posso operar quando uma cerca cruza a fronteira municipal. A cerca é uma verdadeira barreira em termos de serviços de abastecimento. "

Redesenhar o limite municipal nesta escala seria, evidentemente, um movimento dramático. Alguns diriam que sinaliza o início da renúncia de Israel de Jerusalém Oriental. Enquanto isso, os decisores políticos a nível estadual estão se recusando a considerar a idéia de Barkat.

Jardim do Rei

Dois anos atrás, uma tempestade política foi desencadeada sobre um plano para desenvolver a área de Jerusalém Oriental conhecida como o "Jardim do Rei". Sob o plano, que o prefeito Barkat suporta, uma área turística novo seria criado nas encostas mais baixas da vila de Silwan, abaixo da cidade de Davi. O plano prevê a demolição de 22 das 88 casas construídas ilegalmente no bairro de Al-Bustan, com os moradores sendo movido à habitação nova em outra parte do bairro.

O plano atraiu a condenação generalizada. Moradores ergueram uma tenda de protesto que se tornou um ponto de encontro para meses de manifestações violentas. Governos de todo o mundo se manifestou contra o plano, e Meretz deixou a coalizão municipal em protesto. (O partido reentrou na coalizão cerca de um ano mais tarde.)

Enquanto isso, o prefeito e sua equipe continuaram a visitar a área e discutir com os moradores a possibilidade de sua saída voluntária. Barkat diz que muitos deles já concordaram com o plano, mesmo se eles não estão dispostos a dizer isso publicamente. "Eu venho para eles com uma abordagem ganha-ganha. O que acontece em Abu Ghosh, aos sábados não é nada comparado com o que pode ser feito aqui ", diz o prefeito, referindo-se às multidões de judeus israelenses que migram para o árabe aldeia a oeste de Jerusalém (e dentro de Israel) para comer e fazer compras na fim de semana.

"O plano irá atualizar seus ativos a um nível que eles só podem sonhar", Barkat continua, "e agora eles têm uma visão completamente diferente dele. No final, eles vão entender que é uma proposta séria e eles próprios vão pedir. "

Advogado Ziad Kawar, que representa a maioria dos inquilinos envolvidos, e Morad al-Sana, uma moradora do bairro, negam veementemente que as negociações estão em andamento com o município. "Talvez uma pessoa de cada cem assinado sobre o plano, mas isso não significa nada", diz Sana.

No entanto, o vereador Meir Margalit do Meretz, que detém o Oriente carteira de Jerusalém e está intimamente familiarizado com os acontecimentos, acredita que, abaixo da superfície, as negociações chegaram a um estágio avançado.

"Há indícios crescentes de que alguns moradores chegaram a entendimentos, mesmo que as coisas ainda não foram assinados", Margalit diz.

"Digo isso com grande tristeza, porque politicamente, este plano não deve ir em frente", continua ele. "Estou convencido de que a organização Elad terá um ponto de apoio", diz ele, referindo-se ao grupo, polêmico ultranacionalista que corre a cidade, nas proximidades do local de David. "Mas se eu tivesse uma casa de 40 metros quadrados, sem documentos de propriedade e eu poderia conseguir uma casa duas vezes o tamanho que e com papéis - bem, eu realmente não posso culpá-los."

Tradução do Google - Sem revisão