Porque os judeus não acreditam em Jesus?

Fé Judaica - Coisas Judaicas



Por 2000 anos os judeus rejeitam o Cristianismo. Por que? 

É importante entender porque os Judeus não acreditam em Jesus. O propósito não é desacreditar outras religiões, mas entender e esclarecer a posição judaica. Quanto mais dados disponíveis as pessoas possuírem, as pessoas mais bem informadas poderão fazer suas escolhas espirituais mais conscientemente. 

Seguem alguns exemplos que justificam isto: 

Jesus não cumpriu as profecias relativas ao Messias 

O que espera-se que o Messias cumpra em sua chegada? A Bíblia diz que ele: 

- Construirá o Terceiro Templo (Ezequiel 37:26-28) 
- Reunirá todos os Judeus de volta na Terra de Israel (Isaías 43:5-6) 
- Trará uma era de paz mundial, fim do ódio, da opressão, do sofrimento e do mal-estar. Como está escrito: "Nação não levantará espada contra nação e o homem não aprenderá mais a fazer guerra." (Isaías 2:4) 
- Espalhará conhecimento universal a respeito do D'us de Israel, unindo toda a raça humana numa só. Como está dito: "D'us será o Rei sobre todo o mundo e neste dia, D'us será único e Seu nome será único." (Zacarias 14:9) 

O fato histórico é que Jesus não cumpriu nenhuma destas profecias messiânicas. 

O Cristianismo contradiz a teologia judaica 

- D'us como trindade 

A idéia cristã da Trindade Divina divide D'us entre três entes distintos: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Mateus 28:19) 
Constrastando isto com o Shmá, a das bases da crença judaica: "Ouve Israel, o Senhor é nosso D'us, o Senhor é Um" (Deuteronômio 6:4). Os Judeus declaram a unidade de D'us diariamente, escrevem-na em suas portas (mezuzot), e a representam em seus corações e cabeças (tefilin). Esta constatação da unidade divina é a primeira frase que uma criança judia deve aprender, e a última prece ditas antes de morrer. 

Segundo a lei judaica, o serviço religioso para um D'us dividido em três partes é considerado idolatria - um dos mandamentos pelo qual o Judeu deve preferir a morte a ter que transgredir. Isto explica porque durante a Inquisição e outros momentos da história os Judeus preferiram a morte à conversão. 

- Homem como D'us 

Os cristãos acreditam que D'us desceu à Terra na forma humana, como diz Jesus: "Eu e o Pai somos um." (João 10:30). 

Coisas Judaicas
Maimônides dedica a maior parte de seu "Guia dos Perplexos" à idéia fundamental de que D'us é incorpóreo, ou seja, não assume nenhuma forma física. D'us é eterno, além do conceito de tempo. É infinito, além do conceito de espaço. Ele não pode nascer ou morrer. Dizer que D'us assume uma forma humana diminui sua divindade e sua unidade. Como diz a Torá: "D'us não é um mortal." (Números 23:19). 

O Judaísmo diz que o Messias nascerá de pais humanos, com atributos físicos normais, como qualquer outro ser humano. Ele não será um semi-deus, e não possuirá características sobre-naturais. De fato, a cada geração há um indivíduo com características que podem levá-lo ao papel de Messias. Maimônides - Leis dos Reis 11:3). 

- Intermediário para a Oração 

Uma das bases da crença cristã é que as orações são dirigidas a D'us através de um intermediário, ou seja, a confissão de pecados ao sacerdote. O próprio Jesus é um intermediário: "Nenhum homem chegará ao Pai a não ser eu." 

No Judaísmo, a reza é um assunto pessoal, entre cada indivíduo e D'us. Como diz a Bíblia: "D'us está próximo de todos que chamam por Ele." (Salmos 145:18). Além do mais, os Dez Mandamentos dizem: "Vocês não devem ter nenhum outro deus perante a Mim", isto é, é proibido que haja um intermediário entre D'us e o homem. (Maimônides - Leis da Idolatria cap. 1). 

- Envolvimento com o Mundo Físico 

O Cristianismo vê o mundo físico como pecado que deve ser evitado. Maria, a mulher mais sagrada do Cristianismo é vista como virgem. Padres e freiras são celibatários. E monastérios são em locais afastados e isolados. 

Em contraste, o Judaísmo acredita que D'us criou o mundo não para nos frustrar, mas para nosso prazer. A espiritualidade judaica vem da capacidade de viver no mundo mundano de uma maneira que eleva a alma. Sexo, num contexto adequado, é um dos atos mais sagrados que podemos fazer. 

O Talmud diz que se uma pessoa tem a oportunidade de experimentar uma nova fruta e se recusa a fazê-lo, ele terá prestar contas no Mundo Vindouro.

As escolas rabínicas ensinam como viver adequadamente nas atividades comerciais. O judaísmo não prega o retiro da vida cotidiana, mas sim sua elevação. 

Jesus não possuia as qualificações pessoais esperadas no Messias 

- Messias como profeta 

Jesus não era um profeta. Profecias só podem acontecer na Terra de Israel, quando a terra é habitada por uma maioria judaica. Durante o período de Ezra (300 a.e.c), a maioria dos Judeus se recusou a voltar da Babilônia para Israel, portanto as profecias terminaram com a morte dos últimos profetas: Hagai, Zacarias e Malaquias. 

Jesus apareceu em cena cerca de 300 anos depois que as profecias haviam terminado. 

- Descendência de David 

O Messias deve ser descendente, por parte de pai, do Rei David (Genêsis 49:10 e Isaías 11:1). De acordo com o Cristianismo, Jesus nasceu de uma mãe virgem e portanto não tinha pai, não podendo descender do Rei David. 

- Observância da Torá 

O Messias levará o Povo Judeu para o cumprimento total das leis da Torá. A Torá declara que todas as mitzvot são eternas, e qualquer um que venha para mudá-la é imediatamente identificado como falso profeta. (Deuteronômio 13:14). 

Ao longo do Novo Testamento, Jesus contradiz a Torá e diz que seus mandamentos não são mais aplicáveis. (João 1:45 e 9:16, Atos 3:22 e 7:37). 

Os versos bíblicos "referentes" a Jesus são erros de tradução 

Os versos bíblicos podem apenas ser compreendidos quando estudados do texto original em hebraico - e as traduções cristãs apresentam diversas discrepâncias em relação ao original. 

Seguem alguns exemplos: 

- Nascimento de uma virgem 

A idéia cristão no nascimento através de uma mãe virgem vem de um verso de Isaías descrevendo uma 'alma' como sendo a responsável pelo nascimento do Messias. A palavra 'alma' sempre significou uma moça jovem, mas os teólogos cristãos, centenas de séculos depois, traduziram a palavra como virgem. Isto associa o nascimento de Jesus com a idéia pagã do século I de que mortais poderiam ser impregnados por deuses. 

- Crucificação 

O verso em Salmos 22:17 diz: "Como um leão, eles estão em minhas mãos e pés." A palavra hebraica "keari" (como um leão) é gramaticalmente similar à palavra "perfurado". Isto fez com que os interpretadores cristãos lessem neste verso uma referência à crucificação: "Eles perfuraram minhas mãos e pés." 

- Servo do Sofrimento 

Os cristãos alegam que Isaías cap 53 refere-se a Jesus. Na realidade, Isaías 53 dá continuidade ao tema do capítulo 52, descrevendo o exílio e a redenção do Povo Judeu. As profecias estão escritas no singular pois os Judeus ('Israel') 
são considerados como uma unidade. A Torá é repleta de exemplos em que a Nação Judaica é referida com pronomes no singular. 

Ironicamente, as profecias de Isaías sobre a perseguição se referem em parte às Cruzadas do século XI, quando os Judeus foram perseguidos e torturados pelos Cruzados, que agiam em nome de Jesus. 

De onde vem estes erros de tradução e interpretação? São Gregório, bispo de Nanianzus no século IV, escreveu: "Um pouco de jargão é tudo que é necessário para impor ao povo. Quanto menos eles compreendem, mais admiram." 

A crença judaica é baseada na revelação nacional 

Das 15.000 religiões que surgiram na história da humanidade, apenas o Judaísmo se baseia na revelação nacional, isto é, D'us fala com toda a Nação Judaica. Se D'us quer criar uma religião, faz sentido que ele se dirija a todo o povo, e não apenas a uma pessoa. 

O Judaísmo, é a única entre as principais religiões que não credita a alegação de milagres como base para o estabelecimento da religião. De fato, a Bíblia diz que D'us as vezes concede o poder dos milagres para charlatãos para testar a lealdade do Povo Judeu à Torá. (Deuteronômio 13:4). 

Maimônides alega (Fundamentos da Torá, cap. 8): "Os Judeus não acreditaram em Moshé devido aos milagres que ele realizou. Sempre que a crença do homem é baseada em milagres, ele tem constantes dúvidas, pois é possível que os milagres tenham sido feitos por magia ou feitiçaria. Todos os milagres realizados por Moshé foram por necessidade, e não para provar sua profecia. O que é então a base da crença judaica? A revelação no Monte Sinai, que todo o povo viu com seus próprios olhos e ouviu com seus próprios ouvidos, independentemente do testemunho de terceiros, como está escrito: Face a face, D'us falou com você. A Torá também afirma: "D'us não fez esta aliança com nossos antepassados, mas com cada um de nós, que está vivo hoje.(Deuteronômio 5:3) 

Judaísmo não é milagres. É a experiência pessoal de cada homem, mulher e criança. 

Judeus e Não-Judeus 

O Judaísmo não exige que todos se convertam à religião judaica. A Torá de Moshé é uma verdade para toda a humanidade, sendo Judeus ou não. O Rei Solomão pediu para D'us que atendesse às orações de não-Judeus que iam ao Templo Sagrado (Reis I 8:41-43). O profeta Isaías refere-se ao Templo como uma "Casa para todas as nações". O serviço do Templo durante Sucot caracterizava-se por 70 oferendas correspondendo às 70 nações do mundo. (Na realidade, o Talmud diz que se os romanos tivessem percebido quanto benefício estavam obtendo do Templo, nunca teriam o destruído). 

Os Judeus nunca buscaram ativamente conversos ao Judaísmo porque a Torá prescreve um caminho íntegro para os não-Judeus seguirem, conhecido como os "Sete Mandamentos de Noé". Maimônides explica que qualquer ser humano que fielmente observa estas leis morais básicas, ganha um próprio lugar em céu. 

Trazendo o Messias 

De fato, o mundo está em necessidade desesperada da redenção Messiânica. Guerra e poluição ameaçam nosso planeta; ego e confusão corroem vida familiar. Além disso, estamos atentos aos problemas da sociedade, e isso faz com que nós sempre almejemos a redenção. Como diz o Talmud, um das primeiras perguntas que um Judeu deve responder no Dia do Julgamento é: "Você ansiou pela chegada do Messias?" 

Como podemos acelerar a vinda do Messias? O melhor modo é amar toda a humanidade generosamente, manter as mitzvot da Torá, e encorajar outros para as mantenham também. 

Apesar da escuridão, o mundo parece direcionado para a redenção. Um sinal aparente é que os Judeus voltaram à Terra de Israel e fizeram-na florescer uma vez mais. Além disso, há um grande número de jovens Judeus retornando cada vez mais à tradição da Torá. 

O Messias pode vir em qualquer momento e tudo depende de nossas ações. D'us está pronto quando nós estivermos. Como dizia o Rei David: "A Redenção virá hoje - se você atender à Sua voz.

Fonte: Aish HaTorah

Postar um comentário

3 Comentários

olá, bom dia.

existem alguns equívocos no texto, alguns por simples falta de analisar as coisas de forma mais crítica e ponderada.

por ex., a alegação de que há uma interpretação errônea ou forçada do texto de Is 7.14, que deveria ser entendida como [alma] moça jovem, ao invés de virgem.

ora, isso é ignorar claramente o contexto da passagem, a saber:

Por isso o Senhor mesmo lhes dará um sinal: a virgem ficará grávida e dará à luz um filho, e o chamará Emanuel.
Therefore the Lord himself will give you a sign: The virgin will conceive and give birth to a son, and will call him Immanuel. (ambas versão NVI, em pt e em ing)

se essa moça de que fala o texto não for virgem, que sinal miraculoso há nisso? ora, o contexto fala CLARAMENTE de um sinal, algo miraculoso que aconteceria.

uma virgem - sem contato com um homem - engravidar É um sinal miraculoso; uma virgem ter relações e engravidar NÃO é um sinal (milagre). há certo tempo, houve uma novela no Brasil chamada barriga de aluguel, em que uma virgem concebia, via inseminação artificial. logo, estava envolvida ação humana e o milagre estava descartado (a não ser um milagre da ciência... risos)

outro: a primeira parte do texto que menciona profecias não cumpridas por Jesus, alegadamente messiânicas - e eu não vou dizer se sim ou não, mas supondo que sim - ignora o fato de que ele (Jesus) pode cumpri-las em sua segunda volta.

entretanto, não quero ficar discutindo sobre isso, visto que se ele mesmo (Jesus) não convenceu muitos de quem ele era, eu que não vou conseguir. todavia, deixei esses pequenos exemplos apenas para deixar claro que os argumentos não são infalíveis ou irrefutáveis.

respeito a nação de Israel, inclusive meu bisavô tinha traços judeus no sangue (não que isso signifique algo), oro pela nação e peço a bênção do Senhor sobre ela, mas judeu é muito cabeça-dura quando não quer ver algo, mesmo se estiver embaixo de seu nariz.

enfim, parabéns pelo seu trabalho, que é bem-feito, e parabéns por defender seu ponto de vista com convicção e paixão, e isso eu respeito, ainda que não concorde com seu ponto de vista (do artigo replicado), que tem vários pontos fracos para serem explorados.

abs,

ps. vim por meio de seu comentário na UBE.

;)
Lidiana Theodora disse…
Faço minha as suas palavras!
Eloi Martins disse…
"Amamos Israel e o povo judeu" dizia o cristão antes de falhar na tentativa de converter o judeu... depois que falhou ele mudou para "povo cabeça dura..."