05/05/2012

Sobrenomes Poloneses

Os Sobrenomes poloneses  nativos, da mesma maneira que sobrenomes de outras nações da Eslovenia (região ao norte da antiga Iugoslavia), podem ser divididos em três grupos principais:

    · Os que esses derivaram de apelidos originais, como nomes de animais, árvores, coisas, profissões,

    · Os que derivaram do nome de batismo ou profissão do pai (patronimicos)

    · Os que derivaram de nomes de cidades, aldeias, regiões etc. (toponimicos)

    Isto pode parecer simples, mas em muitos casos é quase impossível determinar se um determinado sobrenome é derivado do nome de uma profissão ou do nome da aldeia que tinha esta profissão em sua raiz. Podem ser tratados os sobrenomes derivados de profissões como sócios de qualquer um dos grupos anteriores.

    Os idiomas da Eslovenia usam muitos sufixos para formar sobrenomes. Como um exemplo olhemos para a profissão " Kowal " (ferreiro). Considerando que o idioma inglês tem um sobrenome " o Smith ", e o alemão vários deles, Schmitt ", Schmidt " etc. (que só se diferem pela soletração), o idioma polonês pode somar numerosos sufixos (às vezes até mesmo vários no mesmo nome). Então, por parte do sobrenome " Kowal " nós temos Kowalski, Kowalik, Kowalewski, Kowalak, Kowalka, Kowalkowski, e Kowalczyk, para nomear apenas alguns que são freqüentemente mais usado.

    O mesmo é verdadeiro para os sobrenomes derivados de nomes de batismo. Do nome " comum Jan " (o John), os poloneses formaram mais de 100 sobrenomes, entre eles sendo Jankowski, Janicki, Jankowiak, Janiak, Jasicki, Jasinski e Jachowicz. No caso de nomes de batismo muitas formas diminutivas e habitante (dialetal) são conhecidas, o qual então aumenta o possível número de sobrenomes.

    A maioria dos sufixos formando sobrenomes não significam nada. Apesar disto, nós podemos aprender ainda algo sobre um sobrenome com sufixo.

    O sufixo -ak é típico para a Polônia Ocidental, considerando que -uk é achado principalmente no Leste. É dito comumente que o sufixo ski prova " origem nobre " de uma família. Isto era verdade aproximadamente 200 anos atrás. Agora a maioria das pessoas cujo fim de sobrenomes com ski (ou -cki que é uma variante fonética de -ski) origine do anterior abaixe classes sociais. Este fenômeno é explicado facilmente porque no 19º século todo o mundo quis ser considerado como " nobre ", assim muitas pessoas melhoraram os nomes deles/delas com este sufixo.

    O processo de formar sobrenomes poloneses durou vários séculos. A classe nobre clã " originalmente usado " nomeia que depois sobreviveu nos nomes dos brasões deles/delas. Famílias particulares dentro de um clã usaram um sobrenome derivado do nome da aldeia que eles possuíram. Quando uma família moveu, era habitual mudar o sobrenome como bem.

    Esses sobrenomes normalmente terminaram com -ski ou -cki que deram à luz a declaração comum que estes sufixos " provam " uma origem nobre. Desde então pelo menos o 17º século foram fixados os sobrenomes das famílias nobres e foram herdados seguindo gerações.Isto permaneçe naquela forma dessas vezes até hoje.

    Habitantes de cidade também começaram a usar sobrenomes ao término das Idades Medianas. Esses deles que veio de outros países retido os sobrenomes originais deles/delas com modificações ou os traduziu em polonês. Poloneses nativos formaram os sobrenomes deles/delas de apelidos diversos. No 17º século terminou este procedimento como bem.

    Camponeses não tiveram sobrenomes em nosso significado contemporâneo da palavra se apelida até praticamente os recentes 1600. Eles estavam usando apelidos para discriminar entre pessoas com o mesmo nome de batismo, mas estes geralmente não foram passados de geração a geração. Este costume se apareceu no primeiro a metade do 18º século, no princípio nas partes Ocidentais de Polônia e então depois no Leste.

    Foram modificados freqüentemente sobrenomes dentro de uma determinada família ambos soletrando apesar disto, dentro dos próximos 100 anos, e através de sufixos. Depois das 1850 a prática de sobrenomes em desenvolvimento tinha terminado principalmente ao longo da população inteira. Também àquele tempo que os judeus foram obrigados usar os sobrenomes herdados em vez dos seus patronimicos tradicionais. 


Tradução e significado de nomes e sobrenomes

O nome da Polônia é originário do nome da tribo dos polanos, isto é, pessoas que cultivam a terra. Essa tribo habitava a bacia do rio Warta, região posteriormente denominada Grande Polônia. IAROCHINSKI do polonês Jaroszýnski

Segundo o Centro de Pesquisas Históricas de Londres, instituição inglesa dedicada à pesquisa e estudo da história dos sobrenomes europeus, o nome de família Jaroszýnski é classificado como sendo de origem habitacional. Nomes habitacionais são aqueles nomes de família derivados de uma localidade ou lugar de residência e berço da família, ou ainda, originário do nome de uma cidade ou vila onde nasceu o primeiro elemento familiar. Algumas vezes, os nomes habitacionais referem-se às casas, que são distinguidas por um sinal, ou placa gravada e que é colocada sobre a porta de entrada da residência. No caso de Jaroszýnski, este nome, do antigo idioma polonês é derivado de Jaroslaw - Jaro: jovem, robusto / slaw: glória. Acrescido do sufixo nski, que por sua vez se refere a uma daquelas casas que estavam localizadas próximas do castelo de Jaroslaw. Ou seja, Jaroszýnski pode ser também traduzido como "aquele que mora perto do Jovem robusto cheio de glória". Variantes deste sobrenome incluem Jaroszewski, Jarasezsky, Jarosinski, Jarosz entre um grande número de outros.

Uma das primeiras referências deste nome, ou de uma de suas variantes documentadas, fala de Marcin Jaroszkowski, que esteve envolvido na eleição da Jan III, contudo, pesquisas em curso, indicam que este nome pode ter sido documentado bem antes. Outras referências, incluem Fedor Jaroszýnski, em 1773 e o sobrenome Jaurski foi proprietário de terras em Minsk, durante o século dezoito.

De acordo com o sistema de clãs polonês, famílias nobres recentes recebiam brasões antigos não mais usados, neste caso os Jaroszýnski receberam os brazões do clã Janina, bem como uma centena de outras famílias polonesas, que acabaram por constituir um pequeno nome dentro de um grupo maior no contexto do sistema. A grande imigração européia dos séculos XVII,XVIII,XIX e XX introduziu muitos nomes da Europa Oriental nas Américas. Pesquisas indicam que talvez a primeira variação deste nome tenha chegado aos Estados Unidos, em 1872. Franz e Joseph Jaräzeski chegaram neste ano a Baltimore. Mas é claro que este nome pode ter chegado às Américas bem antes disso.

Muitos dos sobrenomes de descendentes poloneses grafados em português com a terminação CHINSKI são grafadas em polonês como SZÝNSKI. Na verdade chinski é a pronúncia em polonês de szýnski. Exemplo: Lechinski, Copruchinski e etc.

Raíses Históricas

Ainda, segundo o professor L. Celiñski, do Instituto Histórico, Geográfico e Etnográfico Paranaense, os sobrenomes poloneses têm muita história. Os sobrenomes em "SKI", "CKI", "IC" e "ICZ" não existiam antes do século XV (anos 1400). O que leva a supor que os demais são mais antigos que aqueles. Mas permite também concluir que estudos genealógicos de linhagens familiares ainda existentes podem chegar a retroceder cinco séculos.

Naqueles primórdios, apenas o filho primogênito herdava o sobrenome paterno (bem como o brasão original). Os demais, deveriam constituir novas linhagens de famílias (e brasões). o mesmo acontecia com o título aristocrático; se era do tipo "palotinus", os filhos tinham direito de herdá-lo, o qual extinguia-se com a morte paterna. Por outro lado, os filhos ilegítimos, em alguns casos recebiam o sobrenome paterno integral (Brasão idem), ou incompleto (brasão parcial). Por exemplo, se o sobrenome do pai natural era, digamos "Zwolinski", o filho extra conjugal recebia o sobrenome "Wolinski", ou de "Dobinski" para "Binski". Uma terceira possibilidade era criar um sobrenome a partir de um fato geográfico. Se o local se chamasse "Jawor", poderia dar origem ao sobrenome "Jaworski"; mas esse costume não era exclusivo desses procedimentos extralegais.

Durante a idade média, portanto antes dos anos 1400, as pessoas possuíam apelidos, alguns depreciativos, alguns pornográficos até, outros, nomes próprios de origem eslava ou bíblica. Antes da adoção do uso dos sobrenomes, como hoje os conhecemos, aqueles apelidos e nomes eram acompanhados da denominação da propriedade rural. Se o indivíduo João morasse em "zawada", então era reconhecido como João de Zawada; um outro José, domiciliado em "Nowa", era José de Nowa. Tempos depois. Seus descendentes, poderiam passar a usar o sobrenome de Zawadzki e Nowacki, respectivamente. Algo semelhante ocorria com a formação dos sobrenomes terminados em "IC" e "CZ". Estes provinham dos burgos ou povoações de origem e não de propriedades rurais familiares como o caso acima descrito. As terminações em "CKI" e "SKI", também se formaram a partir dos nomes das propriedades rurais possuídas, mas a diferença é de caráter gramatical e não necessariamente, na natureza da origem regional.

Durante séculos, os contatos diplomáticos, comerciais, militares com países próximos ou afastados, exerceram significativa influência também sobre a onomástica polonesa. Até os dias de hoje são encontrados sobrenomes de origem alemã, armênia, grega, húngara, italiana, lituana, persa, romena, russa. Alguns desses sobrenomes estrangeiros eram polonizados, outros vertidos polonês, outros mantinham-se originais. Um curioso exemplo da polonização é o sobrenome Kossubudzki. Em 1324, um fidalgo alemão, Nicolas Von Kossabude, instalou-se na Polônia e seus descendentes poloneses passaram a ser conhecidos como os Kossubudzki. A tradução dos sobrenomes italianos para o polaco, geralmente eram literais. Por exemplo, o Montelupi passou a ser o sobrenome polonês Wilczogórski (Montanha-de-lobos). Exemplos de sobrenomes mantidos na fonética ou grafia original: Adank (do alemão, Habdak), Baubonanbek (persa), Korniakt (grego), Korybutt (lituano), Kardosz (húngaro), Imbram (turco), Orman (armênio), etc.

Um caso à parte são os sobrenomes judaicos . Chegados ao país ainda na Idade Média, passaram a formar um muito importante enclave étnico. Antes da Segunda Guerra Mundial, compunham cerca de 10% da população. Contribuíram de forma relevante no comércio, cultura e ciências polonesas. Quem não se lembra de L. Zamenhof, o criador do Esperanto ?

Quando eventualmente convertidos ao catolicismo, podiam ter novo sobrenome constituído a partir da localidade onde moravam; tê-lo emprestado da família fidalga polonesa que os patrocinou ou formado raiz do nome do mês em que foram batizados, ou mesmo, decorrente das graças do ato do batismo, algo com Boa Ventura, Boa Fé, etc. Mas muitos se conservaram no original, com grafia polonesa ou não.

Quem de nós pode afirmar com segurança as suas verdadeiras origens étnicas ? Mesmo que tenha um sobrenome genuinamente polonês. Esta dúvida ministério pode ser revelado através da investigação genealógica, desvendando muitos dos nossos antecessores familiares. Quiçá o nosso "pedigree" aristocrático.

Artigo escrito pelo Professor L. Celiñski 

Leia também: O que um nome reflete

                          Sobrenomes usados por cristão novos



Compartilhe

Author:

Blog Judaico - Tudo sobre Israel, judaísmo, cultura e o mundo judaico.