A Estrela Oculta do Sertão




Importante e valioso documentário, por título “A Estrela Oculta do Sertão”, foi produzido na região nordeste, cujo destaque encontra-se no enfoque às tradições judaicas presentes nas práticas culturais do povo nordestino.

Protagonizado por médico paraibano de nome Luciano Oliveira, que por acaso perguntou a uma parenta sobre seus antepassados, obtendo como resposta às indagações provas suficientes, do vínculo com a antiga sefarade, que mudaram sua vida, “A Estrela Oculta do Sertão” afirma a veracidade de muitas histórias familiares espalhadas pelas quebradas do sertão nordestino.

Luciano Oliveira e sua equipe palmilharam diversos estados da região, intuindo comprovar a tese de que a genealogia de muitas famílias nordestinas está indissociavelmente atrelada ao sangue judeu.

Buscando subsídios em Pernambuco, na Paraíba e no Rio Grande do Norte, o protagonista desvenda antiqüíssimas práticas culturais presentes no cotidiano do povo nordestino, como o costume de não varrer a casa passando lixo pela porta da frente, pois em um passado distante esta, na porta dos antepassados, continha um dos mais sagrados símbolos do judaísmo – A Mezuzá – pequena tabuleta de madeira impecavelmente trabalhada, contendo na parte de fora a letra SHADAI, primeira do Nome do Eterno Todo Poderoso, em hebraico, sendo que dentro contém os salmos, também na língua principal falada pelos judeus.

Com a aculturação e a cristianização, quando da ênfase à efetivação dos cristãos-novos, a Mezuzá foi substituída pela cruz, indispensável em portas espalhadas por toda região.

Costumes presentes no dia-a-dia dos nordestinos, como o hábito de colocar pedras em cruzeiros no meio das estradas, também são esmiuçados no documentário, pois esta é uma das mais importantes manifestações de condolência judaica.

Nathan Wachtel, eminente professor do Collège de France, publicou importante livro, ainda em francês, sobre as tradições nordestinas, provando que as mesmas são eminentemente judaicas. O livro do professor Wachtell intitula-se La Foi Du Souvenir (A fé da lembrança)

Municípios localizados nos ermos distantes do sertão, como o pequeno Venha-Ver (corrutela de “Vir Chaver”, em hebraico, ou seja, “Venha Amigo”, a inquisição não lhe pega por aqui), localizado no alto oeste potiguar, foram visitados por Luciano Oliveira e equipe, cujo destaque encontra-se justamente na comprovação de que os moradores do lugarejo norte-riograndense descendem dos fugitivos da perseguição inquisitorial que se instalou em Pernambuco, na Paraíba e no Rio Grande do Norte após a expulsão dos holandeses.

No estado da Paraíba, há ênfase à visita de Luciano Oliveira e equipe à cidade de Pedra Lavrada. O protagonista é da família Cordeiro desse município, cujas ramificações se espraiam pelo estado do Rio Grande do Norte, chegando ainda a influenciar na denominação toponímica de localidade chamada São José dos Cordeiros.

Sobrenomes comuns às famílias nordestinas são de origem judia, pois quando da grande conversão forçada, no final do século XV, houve pacto entre os judeus para adotarem nomes de plantas, árvores, animais, lugar de origem,etc., objetivando se reconhecerem no futuro.

Oliveira, Cardoso, Fernandes Pimenta, Gurgel, Carneiro, Alencar, Mangueira, Nogueira, Carvalho, Pereira, etc., são exemplos de sobrenomes com vínculos judaicos, presentes, na região nordeste e outras regiões, bem como países, em listas telefônicas, nomes de ruas, chamadas de salas de aulas e muitos outros

O documentário “A Estrela Oculta do Sertão” peca em não falar sobre a fase áurea desfrutada pelos judeus quando da dominação holandesa (1630-1654), pois a resposta para a presença dos descendentes desse povo na região nordeste encontra-se justamente na tolerância que os mandatários da Companhia das Índias Ocidentais manifestaram quando da conquista do nordeste brasileiro, pois necessitavam de capital para levar avante a experiência concentrada na exponencial relação com o açúcar nordestino,na época impossibilitado de ser comercializado na Europa pelos holandeses devido rixa com os espanhóis.

A expulsão holandesa do nordeste brasileiro fez com que verdadeira “caça às bruxas” fosse instalada, com a requisição lusitana da presença da Santa Inquisição. A importância da presença judia no nordeste era tão proeminente que a primeira Sinagoga das Américas foi construída no Recife.

Com a celeuma causada devido à saída batava, o rabino da sinagoga pernambucana, de nome Isaac Aboab da Fonseca, conseguiu comprar, através de quotas com os membros da comunidade, um navio no qual rumaram para o norte, tendo chegado à costa nordeste dos atuais EUA, onde ajudam a fundar um núcleo populacional que levaria o nome de Nova Amsterdão,hoje cidade de Nova York. O rabino da sinagoga Novayorkina chama-se Abraão Cardoso, descendente dos judeus pernambucanos que migraram, fugindo das perseguições inquisitoriais.

Grandes personalidades que fazem parte do seleto rol dos estudos judaicos no Brasil e no mundo foram entrevistadas quando da produção de “A Estrela Oculta do Sertão”, a exemplo de Nathan Wachtell, Anita Novinsky, Paulo Valadares, João Medeiros Filho e família, Marcos Filgueira, Odmar Pinheiro Braga, etc.

A Estrela a qual se refere o título do documentário, obviamente, é o hexagrama dos judeus, a Estrela de David, com seis pontas, símbolo contido na bandeira do Estado de Israel, o mesmo que se encontra disfarçada em uma rosa no frontispício do velho casarão construído no amo de 1870, em Pombal (PB), na atual rua Coronel João Leite, propriedade, em um passado não muito distante, dos criptojudeus pombalenses Aarão Ignácio Cardoso D´Arão e sua sobrinha e esposa Facunda Cardoso de Alencar.

O documentário chama a atenção para uma questão delicada que é a situação dos "anussins", os "marranos", convertidos que buscam o regresso, ou seja, os descendentes desses fugitivos que escaparam da região litorânea e buscaram abrigo nos mais longínquos recônditos espalhados nas quebradas do sertão nordestino.

Para quem se interessa pelas questões pertinentes ao nordeste brasileiro, “A Estrela Oculta do Sertão” surgiu como um dos mais importantes documentários sobre a região nordeste, devido elucidar e responder antigas indagações sobre as origens e as práticas culturais da população que aqui habita.

Postar um comentário

7 Comentários

Minha familia tem sobrenome, Albuquerque, Silva, Pereira e Beuttemnuller, meu bisavô morreu no campo de consentração na 2ª guerra mundial. Quero saber tudo sobre meu povo.
Olha, eu já tinha assistido a este documentário e tem uns 10 anos que sei o que é essa busca pelas minhas origens judaícas.

Essa busca pelo passado, ao contrário do que muitos pensam, é um "Santo Remédio" para a moral e a história do povo Nordestino, por que, justamente, é uma coisa que enobrece e faz realmente as pessoas saberem que no Nordeste, não apenas existiu seca e muitas outras desgraças que todos sabemos de có e salteado. Existiu e existe e sobrevide um tesouro cultural e histórico que persiste vivo na cultura e nos custumes de meu querido povo nordestino.

Eu também sou marrano e estou em busca de realizar minha aventura histórica sobre o passado da família de meu avô.
Tania Albuquerque

Tambem sou do Nordeste, e concordo que por lá tem muita coisa boa, inclusive a heraça dos Judeus para esse povo tão sofrido, mas valente.
Nossa familia veio da Alemanha, fugindo de um dos maiores inimigos do povo Judeu, o tal que matou seis milhões de Judeus.
Anônimo disse…
sou pernambucano de caruaru mais meus pais sao de itapetim sertao no vale do pajeú sou da familia lopes leite que eram criadores de rebanhos de ovelhas e gado e engenhos de cana meu avó tinha a pratica de mandar a serva lavar os pes antes de dormir essa pratica era comum segundo contava meu pai eles faziam oratorios em serras e subiam com pedras na cabeça para rezarem o terço acho que isso seria praticas judaicas e tambem é comum ter muitos parentes com olhos azuis e verdes na minha familia gostaria de saber a historia dos meus antepassados
Paulo disse…
A todos os interessados na herança judaica, recomendo a leitura da resenha sobre o livro Caminhos Cruzados - a vitoriosa saga dos judeus do Recife no século XVII, da expulsão da Espanha à fundação de Nova York. Segue o link: http://tinyurl.com/qc66vqj. Um abraço fraterno.
Coisas Judaicas disse…
Olá, já postamos aqui no Site, matéria sobre o livro. Grato pelo comentário
Coisas Judaicas disse…
http://www.coisasjudaicas.com/2015/05/judeus-pernambucanos-na-fundacao-de.html