24 de out. de 2008

PENSANDO NO OUTRO - PARASHÁ BERESHIT 5769 (24 de outubro de 2008)

PENSANDO NO OUTRO - PARASHÁ BERESHIT 5769 (24 de outubro de 2008)

"Diz a lenda que dois irmãos herdaram uma fazenda. Eles trabalharam juntos por muitos anos, com verdadeiro amor fraternal. Após algum tempo, quando o irmão mais velho ficou noivo, eles decidiram dividir a fazenda. O irmão mais velho se casou e construiu uma nova casa, enquanto o irmão mais novo continuou morando sozinho na casa antiga. As terras floresceram e trouxeram aos dois muito dinheiro. O irmão casado teve então alguns filhos, e em pouco tempo ele já tinha uma grande família, com 10 crianças. O outro irmão, que ainda estava procurando por uma esposa, continuava sozinho.

Um dia, o irmão que estava sozinho pensou: "Eu tenho toda esta fazenda e todo este dinheiro, mas eu só tenho a mim para sustentar. Meu irmão tem a mesma quantidade que eu, mas têm 12 bocas para alimentar". Então, no meio da noite, ele pegou alguns sacos de trigo, subiu o monte que separava as duas fazendas e colocou os sacos dentro do silo do irmão.

Uma noite, o irmão casado começou a refletir: "Sabe, eu tenho 10 filhos, eu tenho uma esposa, meu mundo é rico. Mas pobre do meu irmão, ele é solitário. Tudo o que ele tem na vida é o seu trigo". Então, no meio da noite, ele pegou alguns sacos de trigo, subiu o monte e deixou os sacos no silo do irmão.

E assim foi por algum tempo. Toda noite, ambos subiam o monte, passavam para o lado da fazenda do irmão, e deixavam alguns sacos de trigo no outro silo. E na manhã seguinte, ambos pensavam: "Como pode ser que eu continuo sempre com a mesma quantidade de trigo?".

Uma noite, quando eles estavam passando pela divisa para levar os sacos de trigo, os dois irmãos se encontraram no topo da montanha. E imediatamente eles entenderam o que estava acontecendo. Eles se abraçaram e choraram juntos. E foi neste local que o Todo Poderoso escolheu para construir o Templo Sagrado"

Quando um ser humano ama outro ser humano, O Todo Poderoso está junto deles. Este é o verdadeiro significado da vida. Enquanto não aprendermos a respeitar as diferenças e aceitar as individualidades, nunca conseguiremos nos conectar realmente com D'us.
------------------------------------------------------------------------
Nesta semana recomeçamos o ciclo anual de leitura da Torá com o primeiro livro, Bereshit. E a Parashá desta semana, Bereshit, nos ensina sobre a criação do mundo, culminando com a criação do ser humano, o propósito de toda a criação. Mas há nesta Parashá algo que incomoda muitas pessoas. O ser humano sonha em desvendar os segredos da criação do mundo. Milhões de livros e horas de estudo são dedicados a tentar descobrir a origem de tudo. No Mashassusets Institute of Technology (MIT) há mais de 50 mil livros sobre o desenvolvimento do universo (cosmologia, química, termodinâmica, paleontologia, arqueologia e física). Em Harvard há mais de 200 mil livros. Mas a Torá, o nosso "Manual de Instruções da vida" traz apenas 31 versículos! Por que a Torá não se alongou mais em nos contar todos os detalhes da criação do mundo?

A Parashá Bereshit também tem outros pontos que nos despertam perguntas. Por exemplo, nos conta o Midrash (parte da Torá Oral) que Adam Harishon e Chavá (Adão e Eva) foram criados inicialmente como um único ser, como diz o versículo "...  macho e fêmea os criou" (Bereshit 1:27). A primeira criatura humana tinha duas faces, e somente mais tarde foi separada em duas criaturas distintas, homem e mulher. Mas se D'us é perfeito e não comete erros, então por que Ele criou os dois juntos e depois separou? Ele se arrependeu? Havia alguma coisa errada?

Quando compramos um quebra-cabeça, gostamos do desafio de montar cada peça até que apareça a figura completa. Mas como saber por onde começar e qual a nossa meta? Para nos ajudar, o fabricante do quebra-cabeça estampa na caixa do brinquedo a figura pronta, para que sirva de modelo. O mesmo fez o Criador do mundo, primeiro Ele criou o homem e a mulher juntos e depois os separou, para que possam saber onde devem chegar e o quanto devem se esforçar para voltar a se unir como estavam no início, como diz o versículo "... e serão uma só carne" (Bereshit 2:24).

Mas o motivo da separação não fica totalmente claro, pois assim a Torá explica a necessidade da separação: "E disse D'us: Não é bom que o ser humano esteja sozinho, farei para ele uma ajuda diante dele" (Bereshit 2:18). Adam Harishon, a primeira criatura, estava no Gan Éden (Paraíso), sendo servido por anjos e em contato direto com o Criador do mundo. Por que não estava bom? O que faltava para ele? Por que foi necessário separar o homem e a mulher para depois uni-los de novo, oficializando o primeiro matrimônio da humanidade?

No mundo material, a proximidade entre dois objetos é definida pela distância física entre eles. No mundo espiritual, a proximidade é definida pela semelhança entre duas coisas. Por isso, se queremos nos conectar com D'us por toda a eternidade, temos que nos comportar como Ele se comporta. Da mesma forma que D'us constantemente faz apenas o bem aos outros, sem esperar nada em troca, assim também devemos nos afastar do nosso lado animal e egoísta e desenvolver o nosso lado espiritual, que nos impulsiona a fazer o bem ao próximo. E quanto mais fazemos bem aos outros, mais nos conectamos com o Criador.

É por isso que a Torá ressalta que não era bom o homem estar sozinho, pois sozinho o homem não pode chegar ao nível mais elevado, de se preocupar constantemente com o próximo e não apenas em si mesmo. E é essa a essência do casamento criada por D'us, juntar o homem e a mulher, duas criaturas com naturezas muito diferentes, para que eles possam se trabalhar, para que possam aprender a ceder, até chegar ao nível de que um possa se preocupar tanto com as necessidades do outro que se tornem como se fossem uma só pessoa.

Mas se a união de um homem e uma mulher através do casamento é um mandamento Divino e é algo tão bom, como explicar o atual nível de divórcios, que beira os 70%? O problema é que as pessoas se importam mais em saber se há vida em Marte ou Júpiter do que em saber como cuidar de sua esposa ou seu marido. O mundo investe bilhões para mandar sondas espaciais, para saber mais sobre o Big Bang, mas não se investe quase nada para melhorar os casamentos e os relacionamentos entre as pessoas. Exatamente por isso D'us foi tão sucinto em nos descrever a criação do mundo, nos deixando uma mensagem eterna: "Se preocupem com os assuntos que são realmente importantes para vocês, e deixe que Eu me preocupo com a Criação do mundo e todos os seus segredos". A grande maioria das pessoas atualmente não investe na construção espiritual do casamento, isto é, se casam apenas para receber e não para doar ao seu cônjuge. Isso não é um casamento, é apenas duas pessoas tentando sugar ao máximo um do outro. É uma bomba-relógio programada para, mais cedo ou mais tarde, explodir.

Todos temos um lado animal e egoísta, e podemos superar. O casamento é um presente Divino, é a ferramenta para deixarmos de pensar somente em nós mesmos e começarmos a pensar nos outros. A Torá nos ensina que quando marido e mulher se unem com Shalom Bait (paz conjugal), a presença de D'us está entre eles. Pois somente aquele que vence seu egoísmo e consegue se conectar de verdade com alguém fora de si mesmo, consegue chegar ao nível de se conectar com D'us.

SHABAT SHALOM

Rav Efraim Birbojm

--
Magal
Visite www.correioregional.com

SHARE THIS

Author:

O Coisas Judaicas cobre uma das partes mais complicadas e controversas do mundo, o Estado de Israel. Determinado a manter os leitores totalmente informados e capacitá-los a formar e desenvolver suas próprias opiniões, o Blog existe de 2005 e sempre procuramos dar a nossos leitores noticias e opiniões avalizadas. Sobre Israel, a região e o mundo judaico.

0 comentários:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não do Blog. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.Não publicamos comentários anônimos. Coloque teu URL que divulgamos