26 de set. de 2008

Radical Settlers Take On Israel

Radical Settlers Take On Israel

 

Middle East

Radical Settlers Take On Israel

 

Radical Settlers Take On Israel
By ISABEL KERSHNER
Published: September 25, 2008

 

YITZHAR, West Bank — A pipe bomb that exploded late on Wednesday night outside the Jerusalem home of Zeev Sternhell, a Hebrew University professor, left him lightly wounded and created only a minor stir in a nation that routinely experiences violence on a much larger scale.

But Mr. Sternhell was noted for his impassioned critiques of Jewish settlements in the West Bank, once suggesting that Palestinians "would be wise to concentrate their struggle against the settlements." And the authorities found fliers near his home offering nearly $300,000 to anyone who kills a member of Peace Now, a left-wing Israeli advocacy group, leading them to suspect that militant Israeli settlers or their supporters were behind the attack.

If so, the bombing may be the latest sign that elements of Israel's settler movement are resorting to extremist tactics to protect their homes in the occupied West Bank against not only Palestinians, but also Jews who some settlers argue are betraying them. Radical settlers say they are determined to show that their settlements and outposts cannot be dismantled, either by law or by force.

There have been bouts of settler violence for years, notably during the transfer of Gaza to the Palestinians in 2005. Now, though, the militants seem to have spawned a broader, more defined strategy of resistance designed to intimidate the state.

This aggressive doctrine, according to Akiva HaCohen, 24, who is considered to be one of its architects, calls on settlers and their supporters to respond "whenever, wherever and however" they wish to any attempt by the Israeli Army or the police to lay a finger on property in illegally built outposts scheduled by the government for removal. In settler circles the policy is called "price tag" or "mutual concern."

Besides exacting a price for army and police actions, the policy also encourages settlers to avenge Palestinian acts of violence by taking the law into their own hands — an approach that has the potential to set the tinderbox of the West Bank ablaze.

Hard-core right-wing settlers have responded to limited army operations in recent weeks by blocking roads, rioting spontaneously, throwing stones at Palestinian vehicles and burning Palestinian orchards and fields all over the West Bank, a territory that Israel has occupied since 1967. They have also vandalized Israeli Army positions, equipment and cars.

In Jewish settlements like Yitzhar, an extremist bastion on the hilltops commanding the Palestinian city of Nablus in the northern West Bank, a local war is already being waged. One Saturday in mid-September a Palestinian from the neighboring village of Asira al Qibliya climbed the hill to Shalhevet, a neighborhood of Yitzhar, set fire to a house whose occupants were away for the weekend and stabbed a 9-year-old settler boy, the Israeli Army said.

Hours later, scores of men from Yitzhar rampaged through the Palestinian village, hurling rocks and firing guns, in what the prime minister of Israel, Ehud Olmert, described as a "pogrom." Several Palestinians were hospitalized with gunshot wounds.

"The army was complaining that we were bothering them in their efforts to catch the terrorist," said Ephraim Ben Shochat, 21, a resident of Shalhevet Ya, an illegal outpost consisting of three permanent houses and a trailer halfway down the slope between Yitzhar and Asira al Qibliya.

"To us, deterrence is more important than catching the specific terrorist. We're fighting against a nation," Mr. Ben Shochat said.

As he spoke, soldiers were in the process of reinforcing a small army post at the end of the path with concrete slabs. "We would rather fight and kill the enemy," Mr. Ben Shochat said, adding scornfully that the army, which guards Yitzhar and its satellites from the lookout post, "would rather hide."

Ten months ago in Annapolis, Md., Israeli and Palestinian leaders pledged to make every effort to reach a historic agreement for a Palestinian state in the West Bank and Gaza by the end of this year. The Palestinians further promised to dismantle all terrorist networks, and the Israelis agreed to freeze all settlement activity and immediately remove settlement outposts erected since March 2001.

In practice, only a handful of the 100 or so outposts, at least half of which were erected since 2001, have been removed, and construction in the official West Bank settlements goes on.

 (Page 2 of 3)

At the same time, the religious, ideological wing of the settlement movement has grown more radical. Those on the extremist fringe — like Mr. Ben Shochat, who belong to the so-called hilltop youth — are increasingly rejecting any allegiance to the state, backed up by an older generation of rabbis and early settler pioneers.

Enlarge This Image

Ephraim Ben Shochat, a resident of an illegal West Bank outpost, in a house in Yitzhar that was set on fire by a Palestinian.

Yitzhar, near Nablus, is a bastion of radical Jewish settlers.

In Samaria, the biblical name for the northern West Bank, and in Binyamin, the central district around the Palestinian city of Ramallah, settlers recently ousted their more mainstream representatives in local council elections, voting in what they called "activist" mayors instead.

These new mayors, like the Samaria council's Gershon Mesika, reject what they see as the more compromising policies of the Yesha council, the settler movement's longstanding umbrella group. They are particularly incensed by the Yesha council's willingness to negotiate with the government over the removal or relocation of some West Bank outposts in exchange for official authorization of others.

"We are taking our fate into our own hands," Mr. Mesika said of the price tag doctrine. "We won't go like sheep to the slaughter." He added that the recent settler violence was something he understood, though did not support.

For many in the religious, ideological settler camp the rude awakening came with the unilateral withdrawal from Gaza in the summer of 2005. Then, under the premiership of Ariel Sharon, a driving force of the settlement-building enterprise who turned more pragmatic, Israel evacuated all 21 Jewish settlements there, and razed four official settlements in the northern West Bank. Another watershed came in early 2006 when thousands of settlers clashed with Israeli police officers who had come to destroy nine houses built without government permission in Amona. Traumatized by the resistance, the government put plans for further evacuations on hold.

"Amona pretty much divided this public into two parts, the more militant activist part and the more passive part," said Mr. HaCohen, an Orthodox hilltop youth pioneer and a founder of Shalhevet Ya. The people, he said, "have to decide whether they are on the side of the Torah or the state."

Mr. HaCohen was speaking from a cousin's house in Jerusalem. Identified by the Israeli security services as one of the authors of the price-tag doctrine, he has been banned by the army from entering the West Bank for four months.

Born in Monsey, N.Y., Mr. HaCohen came to Israel with his parents as a child. He dropped out of yeshiva, or religious seminary, at 16 and went to settle the hilltops, he said. He got married at 18 and has since been living in and around Yitzhar.

Representing the messianic, almost apocalyptic wing of the settler movement, Mr. HaCohen peppers his speech with talk of redemption and makes it clear that in his land of Israel, there is no place for Arabs.

Like Mr. Ben Shochat, Mr. HaCohen, who is disarmingly soft-spoken, said he was not drafted into the army because of his religious beliefs. As a member of Yitzhar's first response security team, though, he receives regular combat training and has a personal weapon.

More than 250,000 Jewish settlers live in the West Bank among roughly 2.4 million Palestinians, not including East Jerusalem. The Samaria council represents 30 official settlements and 12 unauthorized outposts that it says were all founded before 2001; others, like Shalhevet Ya, have sprung up since then, at least partially on private Palestinian lands.

Local settler leaders argue that the only difference between an authorized settlement and an illegal outpost is the lack of the defense minister's final signature on the planning papers, and that in any case, full authorization did not help the settlements razed in 2005.

They complain of government hypocrisy. Rahelim, a Samarian community of 45 families founded in 1991, has been labeled an illegal outpost even though the state Housing Ministry built 14 permanent homes here in 1998.

Avri Ran, a charismatic guru of the hilltop youth, formulated the concept of the outposts around the time that Israel started negotiating with the Palestinian leadership in the early 1990s. The idea was to populate empty spaces of the West Bank with Jews to preclude their being handed over to the Palestinians.

Page 3 of 3)

Mr. Ran and his wife, Sharona, started out in Itamar, a settlement just south of Nablus, and moved from hilltop to hilltop, finally establishing a private ranch more than a mile east of the mother settlement majestically named Givaot Olam, or hills of the universe.

Like many of the settlers in this area who see themselves as guardians of Joseph's Tomb, a site sacred to Jews that lies in the heart of Nablus, the Ran family exudes a deeply religious, almost mystical attachment to the land.

The farm is said to be the largest Israeli producer of organic eggs. Mr. Ran's son-in-law, Assaf Kidron, an artist who works in stone, says the inclement winds that used to whip around the mountain have dropped significantly since Jews came to live here, proof of a divine hand.

Outside the settlement of Har Bracha on Mount Grizim, settlers have taken over a former army lookout post on the ridge overlooking Nablus and Joseph's Tomb, and just started operating a yeshiva to ensure a permanent presence there. Nobody has tried to remove the settlers, although there is an army position a short distance along the ridge.

In general, the relationship between the religious settlers of the area and the army is an ambiguous, if symbiotic one. Most young ideological settlers serve in the army and now make up an increasing portion of the elite combat units and the officers corps.

At the same time, two soldiers have been lightly wounded in recent settler riots.

"To go out and assault soldiers is wrong," said David Ha'ivri, who handles foreign relations for the Samaria council. But, he said, "It is to be expected that when force is used, there will be counterforce."

The army is appreciated when it sticks to providing security, Mr. Ha'ivri added, but, "We don't respect them in the role of enforcing building codes."

The army refused to comment on the effects of the price-tag doctrine, saying it was too sensitive.

A spokesman for the Israeli police, the party responsible for law enforcement among the settlers, said that in the last two months, at least half a dozen arrests had been made.

 

24 de set. de 2008

Será Livni uma Verdadeira Líder ? - ZVI BAR'EL

Será Livni uma Verdadeira Líder ? - ZVI BAR'EL

Será Livni uma Verdadeira Líder ? - ZVI BAR'EL


Olmert está deixando para Livni uma mesa muito atulhada,
que não lhe permite fixar prioridades. Tudo é urgente.

 
Será Livni uma Verdadeira Líder ?
 
ZVI BAR'EL - Haaretz 22|09|08 

 
Como clientes de um banco que faliu, uma série de líderes árabes estão esperando em frente ao escritório do primeiro-ministro segurando notas e permissões. Mahmoud Abbas, antigo cliente com privilégios quer saber quem, se alguém, dará continuidade às conversações. Bashar Assad, que recentemente acrescentou a conta israelense, está indagando se algo resta do depósito que deixou com o primeiro-ministro Ehud Olmert. Hosni Mubarak e o Rei King Abdullah, clientes estrangeiros cujas mãos repousam nervosamente sobre o telefone perguntam quando irão ligar parabenizando o novo primeiro-ministro. Eles não sabem se há uma nova política israelense e para onda ela está indo: será adotada a lista de Olmert dos prisioneiros a serem soltos em troca do soldado seqüestrado Gilad Shalit? Será que dois Estados, Israel e Palestina, é a solução aceitável para Tzipi Livni, ou irá escolher Israel e Jordânia como solução para os dois povos? E de longe, jogando uma bola de urânio nervosamente de uma mão para outra, Mahmoud Ahmadinejad pergunta-se quem é esta mulher que irá administrar a próxima ameaça contra eles.
 
Porque além do entusiasmo pelo fato de que uma mulher - com integridade, vestida com elegância e que fala bem - poderá ser o próximo primeiro-ministro de Israel, só podemos tentar adivinhar quais serão suas posições - e isso é difícil. Livni até aqui soube evitar dar qualquer declaração que indicasse claramente uma política. Ela soube como afirmar com entusiasmo certas palavras escondendo o que está por trás delas. Parece que mesmo os eleitores do Kadima não conseguiram entender a diferença entre ela e Shaul Mofaz.

Mas Olmert está deixando para Livni uma mesa muito atulhada que não lhe permite fixar prioridades. Tudo é urgente. Em três meses a Autoridade Palestina terá que escolher seu novo presidente. Será encontrada uma solução legal que permita a Abbas, cujo mandato termina em janeiro, continuar no cargo? Ou serão realizadas eleições, caso Israel o permita? Se Mubarak tiver sucesso em reconciliar Hamas e Fatah, formando-se um governo de união nacional na AP, Israel terá que decidir se coopera com tal governo mesmo que inclua o Hamas. Esta decisão estratégica determinará se Israel prefere administrar a crise para resolvê-la, pois é muito improvável que conversações abrangentes - ou qualquer tipo de conversações - poderiam ser realizadas com tal governo.

 
 
Tzipi Livni recebe de Shimon Peres 
 o encargo de formar novo governo
O canal sírio correu sua primeira fase, que decidiu as questões para negociações diretas. Com ou sem outra reunião indireta, é claro que uma decisão política em princípio é necessário sobre para onde as conversações estão indo. Esperando por um novo presidente americano, que assumirá o cargo quando assumir um novo presidente palestino (ou se mantiver o atual), não poderá mais servir como desculpa. Israel precisa apresentar ao novo presidente americano um road map seu para negociações com a Síria. E não esperar por meses até que seus assessores forem nomeados e formulem uma política sobre Israel.
 
O novo padrão instituído por Olmert - no qual a obediência à política dos EUA não descartam necessariamente conversas com a Síria - poderia também servir ao próximo governo de Israel. Um acordo de paz entre Israel e Síria poderá não ser o sonho de um regime Republicano, mas é uma necessidade existencial para Israel.

Aqueles que leram os relatórios do presidente da Agência Internacional de Energia Atômica sobre seus esforços no Irã podem e devem assumir que o Irã irá obter armas nucleares. Esses relatórios também atestam a extensão da ameaça convencional do Irã para qualquer um que queira atacá-lo.
 
A política de sanções foi inútil até aqui, e atacar o Irã não promete um resultado diferente. Israel, que com os Estados Unidos perfilaram o mundo contra a ameaça iraniana, podem precisar de uma nova política, que se dirija contra a motivação do Irã para atacar ou, como propuseram antigos secretários de estado americanos, negociações com o Irã. Esta também é uma decisão estratégica que não pode esperar.
 
A questão agora não é mais se Livni é capaz de tomar tais decisões. Ela não tem escolha. A verdadeira questão é se ela adotará uma política que Olmert já decidiu por ela. Ou se irá, de repente, provar ser uma líder real - do tipo que não teme inovações.



--
Magal
Visite www.correioregional.com

22 de set. de 2008

RECRUTAS DE ISRAEL

RECRUTAS DE ISRAEL










Achei interessante esse instantâneo familiar de recrutas do exército de Israel, jovens de diversas origens e nacionalidades, pintados por nossos esquerdistas como carrascos nazistas e soldados SS. Mal saídos da adolescência, estes jovens, universitários com certeza , têm de sacrificar seus melhores anos enfrentando os assassinos do Hamas e do Hezbollah, totalitários ignorantes, discriminadores, racistas, machistas, homofóbicos. Estou gostando muito, a propósito, da leitura de Minha briga com o Islã, da jovem muçulmana lésbica Irshad Manji, escrito numa linguagem desinibida, pintando um retrato bastante acurado do mundo atual e desmascarando muitas "verdades" de nosso tempo.



Presidente de Israel indica Tzipi Livni para formar governo

Presidente de Israel indica Tzipi Livni para formar governo

JERUSALÉM - O presidente de Israel, Shimon Peres, pediu nesta segunda-feira, 22, à chanceler Tzipi Livni que forme um novo governo, abrindo caminho para a que a líder do partido Kadima se torne a segunda primeira-ministra na história do país. Logo depois de receber de Peres o documento formalizando a incumbência, Livni declarou: "Eu aceito a missão a mim incumbida de formar um novo governo."

Livni sucede o ex-premiê Ehud Olmert como presidente do Kadima após uma votação interna na semana passada. Olmert, acusado de usar caixa-dois eleitoral, formalizou sua renúncia no domingo, mas deve permanecer no cargo até a formação do novo gabinete. Na quarta-feira, Livni havia vencido a apertada eleição para a liderança do partido Kadima, o que a torna sucessora natural do primeiro-ministro.

Ainda nesta segunda, ela pediu ao líder do partido direitista Likud, Benjamin Netanyah para que se juntasse ao governo de unidade. Livni terá até 42 dias para formar uma nova coalizão. Se não conseguir formar o governo, deve ser convocada uma eleição parlamentar.

Na noite de domingo, Livni esteve com o ministro da Defesa, Ehud Barak, líder do Partido Trabalhista, segundo maior do Parlamento, para negociar uma aliança.

Na véspera, Barak esteve com Netanyahu, num sinal de que os trabalhistas podem buscar uma alternância de comando. As pesquisas apontam o favoritismo do Likud numa eventual eleição antecipada. "Foi uma reunião boa, de negócios", disse Barak a jornalistas depois do encontro com Livni. Ele disse que haverá um novo encontro.

Livni ganhou respeito por ser favorável a acordos de paz com os palestinos e a Síria, ao mesmo tempo em que se distanciava do impopular Olmert.



--
Magal
Visite www.correioregional.com
À frente do Kadima, Livni terá que provar resistência política

À frente do Kadima, Livni terá que provar resistência política

À frente do Kadima, Livni terá que provar resistência política

Próxima de suceder o premiê Olmert, ela enfrenta o desafio de formar nova coalizão governista em Israel

Tzipi Livni é favorita para suceder Olmert

Efe

Tzipi Livni é favorita para suceder Olmert

JERUSALÉM - Tzipi Livni, ministra do Exterior israelense e principal negociadora com os palestinos, terá que provar sua resistência e experiência política se for eleita líder do partido da situação em Israel, o Kadima. Próxima de se tornar a segunda primeira-ministra da história de Israel, Livni, que atualmente é a mulher mais poderosa do país, deverá tentar formar uma nova coalizão governista.

 Se ela falhar em conseguir acordos de parcerias políticas e uma maioria parlamentar, poderá ocorrer uma nova eleição. De acordo com pesquisas recentes, esse pleito pode ser vencido pelo direitista Benjamin Netanyahu, do partido Likud.

 Como chanceler, Livni, de 50 anos, liderou o diálogo para a paz com os palestinos apoiado pelos Estados Unidos - que até agora falhou em atingir um acordo até o final do ano. Ela entrou para a política há uma década, após passar um período no serviço de inteligência Mossad enquanto estudava em Paris.

 Apelidada de "Senhora Limpa" por um colunista israelense, muitos esperam que seu possível mandato como premiê seja uma antítese do governo do atual primeiro-ministro, Ehud Olmert, político veterano que está sendo investigado por um escândalo de corrupção que agora o obriga a renunciar.

 Já outros israelenses descrevem Livni como um produto de uma máquina política patrocinada por associados de seu marido empresário, e questionam se ela será capaz de trazer alguma mudança ao país.

 

Desavenças com Olmert

 A primeira desavença pública de Livni com Olmert apareceu há mais de um ano, quando ela pediu a renúncia do premiê após uma comissão criticar sua gestão durante a guerra contra o Hezbollah, em 2006.

 Ele se negou a deixar o cargo e ela também permaneceu no governo, sentada ao seu lado no gabinete. Quando os escândalos de corrupção do premiê se aprofundaram nos últimos meses, ela insistiu em uma mensagem de "valores e normas" que poderiam sustentar a política israelense e se engajou na disputa com Shaul Mofaz, ministro de Transportes, pela liderança do Kadima.

 Pedigree

 Seu pai, Eitan, liderou um combate armado na década de 1940 que buscava o controle judeu de toda a Palestina, que ia contra a partilha que o então território britânico tinha estabelecido com os árabes.

 Apesar de seu pedigree, muitos israelenses questionam se ela estaria pronta para enfrentar os muitos desafios de segurança de Israel. "Ela terá que provar que não é delicada, mas pode liderar a nação em tempos de guerra sem parecer ser um boneco do ministro da Defesa Ehud Barak", afirmou Aluf Benn, comentarista do jornal israelense Haaretz.

--
Magal
Visite www.correioregional.com

21 de set. de 2008

Escolha

Escolha

               Conexão da Semana: A Escolha

As vésperas de despedir-se do povo que guiou durante a maior parte de sua vida, Moisés profere um discurso muito relevante:

"Vê que, hoje, pus diante de ti a vida e o bem, a morte e o mal.".                                                                       Deuteronômio 30:15

Em um pequena frase da Torá encontramos a revelação da escolha como palavra chave deste mundo. E um grande "despertar" acontece quando percebemos que toda a realidade em nossa volta é formada a partir de nossas próprias escolhas.

E não há meio termo. Ou seguimos o caminho da luz, também denominado na Torá como o bem, ou a Vida. Ou seguimos o inimigo interno, o ego, aquele que vive se comparando, denominado como o mal, ou a Morte.

Assim, a morte descrita aqui não é o fim de nossa existência física, mas sim algo que ocorre quando ainda há oportunidade de vivermos e não aproveitamos, sempre adiando para o dia seguinte.

Que nesta semana, véspera do ano novo cabalista (que acontece dia 22/09), possamos escolher a vida.

Shalom!



--
Magal
Visite www.correioregional.com

19 de set. de 2008

Na Europa cresce a postura anti-semita e anti-muçulmana

Na Europa cresce a postura anti-semita e anti-muçulmana





18/09/2008
Na Europa cresce a postura anti-semita e anti-muçulmana

Brian Knowlton
Em Washington (EUA)


Segundo uma nova pesquisa de âmbito internacional, a postura anti-semita e anti-muçulmana tem crescido quase que simultaneamente em diversos países europeus, o que, aparentemente, é um reflexo das preocupações quanto à imigração, à globalização e aos problemas econômicos.

Os sentimentos anti-semitas são particularmente fortes na Espanha, na Polônia e na Rússia. Nestes países tais sentimentos aumentaram significativamente desde 2006, de acordo com a pesquisa realizada pelo Pew Research Center. A postura anti-muçulmana também é forte nesses três países, bem como na Alemanha e na França.

"Existe um vínculo claro entre as atitudes anti-semitas e as anti-muçulmanas", diz o relatório do Pew Research Center, que foi divulgado na quarta-feira (17). "Segmentos da população que têm uma opinião desfavorável em relação aos judeus tendem também a ver os muçulmanos de forma negativa".

A imagem negativa dos muçulmanos também é forte em vários países asiáticos: pelo menos a metade dos japoneses, indianos, chineses e sul-coreanos entrevistados afirmou ter uma impressão negativa quanto aos muçulmanos.

Nestes países, a visão negativa em relação aos judeus é um pouco menos intensa, variando de 32% na Índia a 55% na China, sendo que no Japão e na Coréia do Sul foram registrados valores intermediários.

A pesquisa também detectou a preocupação crescente em diversos países predominantemente muçulmanos, incluindo a Indonésia, em relação a uma luta pela supremacia entre os fundamentalistas islâmicos e os indivíduos favoráveis à modernização.

Na Europa, as opiniões negativas em relação a judeus e muçulmanos foram mais intensas entre as pessoas mais velhas, as com menor grau de instrução e aquelas que fazem parte da direita política.

Em alguns países, incluindo a Alemanha, tanto os sentimentos negativos quanto os positivos em relação aos judeus aumentaram - há menos indecisos quanto a essa questão. Além do mais, a postura positiva em relação aos judeus superou a visão negativa em todo país europeu pesquisado, com a exceção da Espanha.

Mesmo assim, 46% dos espanhóis manifestaram opiniões negativas quanto aos judeus, assim como 36% dos poloneses e 34% dos russos. Em média, o sentimento negativo registrado nesses países aumentou seis pontos percentuais em relação a 2006.

"Pode haver alguma preconceito contra os grupos minoritários na Europa como conseqüência da expansão e da globalização da União Européia", afirma Andrew Kohut, diretor do Pew Research Center. "Quanto aos espanhóis, acho que eles estão no ponto mais crítico da globalização, possuindo um grande número de imigrantes muçulmanos".

Contrastando com os outros países, 77% dos norte-americanos manifestaram uma visão favorável quanto aos judeus, e apenas 7% exibiram uma postura desfavorável. O Reino Unido destacou-se entre os europeus, com 73% das pessoas manifestando uma opinião favorável em relação aos judeus, e somente 9% exibindo uma visão desfavorável.

A postura em relação aos muçulmanos tende a ser mais negativa do que em relação aos judeus.

Metade dos espanhóis e dos alemães ouvidos manifestou opiniões desfavoráveis em relação aos muçulmanos, da mesma forma que quase a metade dos poloneses e 32% dos russos. Um em cada quatro britânicos e norte-americanos entrevistados vê os muçulmanos de forma negativa.

Nas sociedades com visão mais negativa parece haver uma correlação maior com a imigração e a situação econômica do que com o tamanho das populações judaicas e muçulmanas. A Alemanha e a França possuem as maiores populações muçulmanas, enquanto a Polônia tem a menor. A Espanha tem a menor população judaica.

"Parte desse etnocentrismo está obviamente relacionado às atitudes em relação à imigração, que é uma questão importante", explica Kohut.

Nos países predominantemente muçulmanos, a visão negativa em relação aos judeus é especialmente elevada: 96% na Jordânia e 97% no Líbano.

Uma grande quantidade de muçulmanos - incluindo maiorias na Turquia e na Tanzânia, e quase a metade dos indonésios - disse que os fundamentalistas islâmicos e os modernizadores estão engajados em uma luta pela supremacia nos seus países.

O apoio ao terrorismo manteve uma tendência de queda que dura seis anos, especialmente nos países que sofreram ataques terroristas. No Líbano, a idéia de que os ataques suicidas à bomba são sempre ou às vezes justificados despencou de 74% em 2002 para os atuais 32%. Mas minorias significantes ainda endossam tais táticas no Líbano, na Jordânia e na Nigéria.

O ceticismo quanto aos motivos dos Estados Unidos é forte no Paquistão, onde as tensões são intensas devido à pressão norte-americana para que se reprima os militantes da Al Qaeda e do Taleban, e na Turquia, que tem atritos contínuos com os Estados Unidos devido à questão do Iraque.

A pesquisa foi realizada em março e abril em 24 países, com uma média de mil entrevistados em cada um deles. A margem estatística de erro varia de dois a quatro pontos percentuais para mais ou para menos.

17 de set. de 2008

Tzipi Livni vence eleições em Israel, aponta boca de urna

Tzipi Livni vence eleições em Israel, aponta boca de urna


Pesquisas indicam que ministra do Exterior teve vantagem de 10 pontos; Kadima escolhe sucessor de Olmert.

JERUSALÉM - A ministra do Exterior israelense, Tzipi Livni, deve obter uma ampla vitória nas eleições primárias de Israel que elegem o sucessor do primeiro-ministro Ehud Olmert na liderança do partido da situação, o Kadima, segundo pesquisas de boca de urna divulgadas por emissoras locais. Duas sondagens, dos Canais 1 e 10, indicam que Livni teve 10 pontos de vantagem sobre o ministro dos Transportes, Shaul Mofaz.

As pesquisas, divulgadas após o fechamento das urnas na tarde desta quarta-feira, 17, diziam que Livni poderia vencer com mais de 40% dos votos, o que evitaria um segundo turno. Se for eleita, a ministra de 50 anos será a primeira premiê israelense desde Golda Meir, que assumiu o cargo na década de 1970. Embora o anúncio dos resultados oficiais esteja previsto para as primeiras horas de quinta-feira (noite desta quarta no Brasil), os assessores de campanha de Livni já dão como certa sua vitória.

Olmert, que enfrenta investigações por corrupção, indicou que espera apenas o resultado para apresentar sua renúncia. Ele está sendo investigado pelas acusações de ter recebido ilegalmente US$ 150 mil de um empresário americano e de ter pedido dinheiro a vários departamentos do governo para as mesmas viagens ao exterior quando era prefeito de Jerusalém. Entretanto, o premiê planeja continuar nas negociações de paz com os palestinos apoiadas pelos Estados Unidos, enquanto Livni tentará formar uma nova coalização governista.

Formada em direito, Livni foi agente do Mossad - o serviço secreto externo de Israel - e começou na política em 1999, quando foi eleita para o Parlamento. Como chanceler, ela liderou as negociações de paz com os palestinos.

Mesmo se Livni for eleita, poucos arriscam a dar palpites sobre o que ocorrerá após as primárias. Primeiro, porque muitos no Kadima duvidam da habilidade da chanceler em obter apoio de outros partidos para a coalizão. Ela pediu a saída de Olmert depois da publicação de um relatório apontando falhas na guerra contra o Líbano, em 2006. Nem ela nem ele saíram.

Há ainda incertezas sobre a própria força do Kadima, formado há menos de três anos pelo então premiê Ariel Sharon, afastado em 2006 após um derrame e ainda em coma. Assim que o vencedor da eleição for anunciado - provavelmente na quinta -, ele terá 42 dias para obter o apoio da maioria dos 120 parlamentares e formar um novo governo.
Chanceler de Israel vence eleição e será premiê

Chanceler de Israel vence eleição e será premiê

Brian Hendler
Pesquisas de boca-de-urna divulgadas por dois canais de TV de Israel indicam que a ministra do Exterior, Tzipi Livni, venceu a eleição realizada nesta quarta-feira para escolher o novo líder do partido Kadima – que deve assumir o cargo de primeiro-ministro do país.

As pesquisas indicam que Livni bateu o segundo colocado, o ministro dos Transportes, Shaul Mofaz, por uma margem de 48% a 37% dos votos.

Uma vitória por tal margem dispensaria a necessidade de segundo turno.

Segundo o correspondente da BBC em Tel Aviv, Tim Franks, as pesquisas de boca-de-urna têm uma longa tradição de imprecisão em Israel, mas mesmo assim o clima no comitê central da campanha de Livni era de comemoração na noite desta quarta-feira.

Pela paz?

Livni é vista por muitos como mais inclinada em buscar a paz nas negociações com os palestinos e também menos inclinada em lançar uma ofensiva militar contra o Irã, disse Franks.

Por outro lado, Livni enfrentou na campanha a alegação de que não seria uma boa primeira-ministra por causa de sua falta de experiência política.

O atual primeiro-ministro, Ehud Olmert, já disse que vai abrir mão do posto depois que seu sucessor for escolhido na eleição.

Olmert, atual líder do Kadima, poderia ter se candidatado novamente, mas preferiu deixar o cargo para se defender melhor de acusações de corrupção.

Após a eleição, o vencedor terá seis semanas para formar uma coalizão de governo. Enquanto isso, Ehud Olmert deve permanecer como primeiro-ministro.

 


--
Magal
Visite www.correioregional.com
Olmert vows, 'We'll see you again' while casting his vote

Olmert vows, 'We'll see you again' while casting his vote

Tzipi Livni, Foreign Minister...

Tzipi Livni, Foreign Minister and candidate for Kadima party leadership, gestures after casting her vote during the Kadima elections in Tel Aviv, Wednesday.

Closing a circle, Prime Minister Ehud Olmert voted Wednesday at a Jerusalem polling station for his own replacement in the Kadima party primaries, but suggested that he was not stepping down just yet.

"We will see you again," Olmert told reporters on his way out of the empty polling station in the northern Jerusalem neighborhood of Pisgat Ze'ev.

The premier, who had previously pledged to leave office as soon as his replacement was chosen by the party, refused to say who he had voted for in the internal party vote.

The polling station, which was located in a community center in the outlying Jerusalem neighborhood, was packed with journalists and swarmed with security personnel ahead of the premier's visit.

But the group of five election personnel and observers as well as the handful of polling station ushers stationed at the site sat listlessly in the auditorium for over an hour at midday when not a single person came to vote.

Four hours after the polling station opened, only 65 of the 719 Kadima members registered to vote at the site had come to vote, an election observer said. As of 4 p.m., 18.7% of Kadima members had cast their ballots.

The less than 20 percent turnout on a torrid end-of-summer September day was seen as likely to benefit Transportation Minister Shaul Mofaz who was polling a distant second behind the front-runner, Foreign Minister Tzipi Livni, but who was considered well-organized at the grassroots level.

If the winner of the internal party vote is unable to form a new government within the next month, Olmert could stay on as the head of a caretaker government for several months until general elections are held in early 2009, and a new government is formed.

Olmert himself, who has been forced out of office due to a series of corruption charges, walked into the polling station surrounded by his secret service detail shortly before 2 p.m.

The polling station was plastered with pictures of his predecessor, the Kadima Party founder, former Prime Minister Ariel Sharon, but not one of the extremely unpopular Olmert himself.

"Hello there," Olmert said before shaking hands with all five election personnel and observers seated at the table in the middle of the room where he was provided with an envelope to cast his vote.

After disappearing behind a voting booth, and stopping to pose for the horde of cameramen at the scene, Olmert was asked who he voted for.

"A good vote," he said.

Pressed, he urged Kadima's 74,000 registered party members to come out and vote, and make the primaries a success.

"Goodbye," he waved to reporters on his way out. "We will see you again yet."

Meanwhile, all four candidates had cast their votes by Wednesday afternoon. Livni, who voted Wednesday morning at the Bnei Dan Hostel in Tel-Aviv announced that her "vote is as important as any other vote. I call on all Kadima members to turn up and vote. You have the ability to decide who will be the next leading candidate.

"If you are fed up with yesterday's politics then bring about change by voting for what you believe in. Think what would be best for the state of Israel - the best thing for Israel is Kadima," she added.

Mofaz exhibited confidence as he exited the polling booth in Kfar Saba. "I feel fine; tonight will end well," he told reporters. "I slept eight hours last night and I am confident of my victory."

Dichter, who voted in Ashkelon, expressed hope that opinion polls that placed him and Sheetrit out of the running would prove false. "The pollsters have proven false in the past and I suppose that they could prove false today as well," he said. "However," he added, "we can't discuss this in terms of a Yom Kippur (Day of Atonement) for polls and pollsters."

Sheetrit echoed Dichter in refusing to acknowledge the inevitable defeat predicted by the polls. "I'm convinced that the results will differ from the polls," he insisted. "I've always said that votes must be counted after the ballot boxes are closed, not before. It's a shame that this is how election campaigns are run in Israel. It testifies to the media's superficiality; instead of examining the views of every candidate and what he has contributed, they commission a poll and fall in line with the two front runners."



--
Magal
Visite www.correioregional.com

Battle to become Israel's next PM reaches its crescendo

Battle to become Israel's next PM reaches its crescendo

Tzipi Livni casts her ballot...
The battle to become Israel's next prime minister reaches its crescendo on Wednesday, as the Kadima Party elects a new leader to replace Ehud Olmert.

Opinion polls show that Foreign Minister Tzipi Livni and Transportation Minister Shaul Mofaz are the clear front-runners, well ahead of Public Security Minister Avi Dichter and Interior Minister Meir Sheetrit.

Some 74,000 Kadima members are eligible to vote at 114 polling stations in 93 localities, and the results could be surprising depending on the turnout. As of noon, 7.53% of Kadima members had cast their ballots.

Polls opened at 10 a.m. and will close at 10 p.m. Results are not expected until the middle of the night, because the voting is not computerized.



--
Magal
Visite www.correioregional.com

16 de set. de 2008

Líder islâmico alerta McCartney sobre ataque

Líder islâmico alerta McCartney sobre ataque

 

Líder islâmico alerta McCartney sobre ataque

Show do ex-Beatles no dia 25 integra os festejos pelos 60 anos de Israel. Numerosos sites condenaram a decisão do artista

LONDRES - O líder islâmico Omar Bakri, que vive no Líbano desde a sua expulsão da Inglaterra, advertiu o ex-Beatles que ele estará exposto a um ataque em seu show, marcado para o dia 25 - pelas comemorações dos 60 anos da criação de Israel.

Em declarações dadas ao tablóide britânico "Sunday Express", Bakri, de 48 anos e de origem síria, afirma que Paul McCartney virou um "inimigo dos muçulmanos" quando aceitou se apresentar em um Estado que os oprime. Por isso, o religioso avisou que McCartney "não estará a salvo" em Israel, uma vez que os encarregados das operações de "sacrifício" (ações suicidas) estarão esperando pelo artista.

Aparentemente, Bakri já havia tecido comentários semelhantes em seu site. "Em vez de apoiar os palestinos em seu sofrimento, McCartney celebra as atrocidades dos ocupantes. Supõe-se que quem está ocupado é que merece a ajuda", escreveu o líder islâmico na internet.

Ainda de acordo com o tablóide, McCartney reconheceu à imprensa israelense que recebera pedidos de diversos grupos para não participar das comemorações do aniversário do Estado judeu. No entanto, ele teria dito que aceitou o convite porque faz o que "acha melhor" e tem "muitos amigos que apóiam Israel". McCartney, de 65 anos, deveria ter ido a Israel com os Beatles em 1965, mas, na época, o governo israelense proibiu a visita por considerar que o quarteto corromperia os jovens.

No sábado, numerosos sites condenaram a decisão de McCartney de tocar em Israel, pelo que, segundo a imprensa, o artista receberá 2,3 milhões de libras. Um porta-voz do músico, consultado pelo tablóide, não quis comentar a suposta ameaça à vida do ex-Beatle e se limitou a dizer que "o show `Friendship first' é sobre a música dele" e que "leva uma mensagem de paz".



--
Magal
Visite www.correioregional.com

15 de set. de 2008

Eleiçao em Israel pode ser decisiva para o pais - Nahum Sirotsky

Eleiçao em Israel pode ser decisiva para o pais - Nahum Sirotsky


 

Eleição em Israel  pode ser decisiva   para   o pais

Do Nahum  Sirotsky-  A   três dias  de  deixar o poder como promete, e permanecer  interino até  ser substituído por  governo   organizado por novo líder do Kadima, seu partido, a ser eleito no dia 17,Ehud Olmert, atual chefe de governo de  Israel , defende o   desmonte da maioria das colônias  israelenses  na Judea e Samaria, a Cisjordania, o território   da Margem Ocidental do  Jordão.Circula  com insistência que  propôs aos  palestinos  retirar os colonos  israelenses    de   cerca  de 97  por cento  da  Cisjordânia

ocupada na guerra de 1967..Na   opinião dele  existe   uma  chance de paz que não deve nem pode ser perdida,.Declarou  que necessitou de   anos  para  mudar o que pensava  e admitir que a idéia da Grande Israel está  definitivamente superada ..Compreendeu   que   que  se deve  compartilhar  com os palestinos  o espaço que Israel ocupa..O tempo não corre a   favor.Urge    viabilizar  a   idéia   de dois estados, um judeu e outro palestino,, um ao lado do outro, pois na alternativa surgirá  um estado binacional, a pior das soluções.Ficou implícito  que    no estado   binacional os palestinos  logo   seriam maioria e  seria o fim do estado  judeu independente.  . ..

     "Somos o mais forte estado na região,.Mas as ameaças estratégicas  não  resultam da questão  de onde fica a fronteira.Podemos discutir  cada detalhe  mas  ficaremos sem um sócio para a paz   e  apoio internacional.Ficaríamos apenas com  o sentimento da termos razão e   isolados.,'" O  seu   vice-primeiro   informou   que apesar dos anos dedicados  a um  acordo ,  Israel e Palestinos nem perto  estão de uma  declaração de princípios.;

      Foi  assim  a reunião do atual ministério, a  ultima   antes   das eleições    entre os partidários do Kadima e escolha  do  novo líder..  Olmert   está sob investigação  policial  por  supostos     comportamentos  não éticos  quando ocupava um ministério menor em fins do século passado.  Tem de  se  afastar...O  novo líder   terá   um curto  prazo de cerca de 20 dias  para  montar um novo ministério.Se  fracassar, pois nunca é  fácil a tarefa de formar coligações partidárias, serão   convocadas  eleições   parlamentares gerais.  Em tal hipótese  Olmert  permaneceria   como primeiro ministro  interino   até    o eleitorado decidir qual partido será majoritário com   o direito de  chefiar um  novo governo.Mas,  pelas pesquisas,  não tem mais  maioria na opinião publica  e  condições  para  decisões   que mudem a historia..

     O   futuro primeiro ministro,  seja ele do Kadima ou  decidido em eleições gerais,

terá de tomar decisões   sobre paz  ou guerra.  no caso  da  persistência do impasse  nas negociações entre Israel e o governo palestino do presidente Abu Mazen  que tem sido um sócio  na busca de uma paz..E ,em qualquer das  hipóteses,  convencer  a opinião publica  que, pelas  pesquisas, aceita a  hipótese     de  concessões substanciais aos palestinos em troca de uma paz  e  a  coexistência de dois estados independentes , judeu e palestino, a   apoiar   as  concessões necessárias  a um acordo.Um segmento   mais radical  a isto se opõem   e ameaça ser  violento.

      Na eleição  disputam  a  liderança   dois candidatos, ambos ministros  do atual governo.E  não  economizam eles  em restrições um ao outro.Tzipi Livni, advogada  de  50 anos, atual Ministro do Exterior,e Shaul Mofas, ex chefe  do Estado  Maior das Forças Armadas,  atualmente  general da  reserva,são  os mais fortes  candidatos.No dia 17  será conhecido o favorito do Kadima   para substituir Olmert. O eleito  assumirá   a responsabilidade das  mais  graves   decisões desde a  criação do   estado de  Israel há  60 anos.As   questões  com os palestinos e  a ameaça de um Irã,  poder  atômico   com programa de destruir  Israel,apoiado    pelo Hizbalá e Hamas,   organizações   consideradas terroristas ou   ainda   outras forças. 

14 de set. de 2008

Shabat Shalom - vai, meu amado!

Shabat Shalom - vai, meu amado!

Shabat Shalom

Lechá Dodi

לְכָה דוֹדִי לִקְרַאת כַּלָּה,פְּנֵי שַׁבָּת נְקַבּֿלָה

Uma parte central do Kabalat Shabat (serviço da noite de sexta-feira) é o famoso hino do século XVI, composto por Salomão Alkabetz de Safed, conhecido por suas palavras iniciais Lechá Dodi. Seus versos iniciais Lechá Dodi likrat Kala - "Vai, meu amado, ao encontro da noiva" – um convite amoroso e misterioso para juntos irem receber o Shabat, que é poeticamente descrito na literatura judaica como "a noiva" (e o noivo, o povo judeu) – Penei Shabat nekabla = vamos receber o Shabat. Ao cantarmos Lechá Dodi, na última estrofe nos levantamos e viramos em direção à porta para saudar a noiva Shabat.
Jane Glasman (ouça em anexo!)


        
Placa de papel de parede do sec. XIX com o hino "Lechá Dodi" e o Salmo 92 (Alsatian Museum, Strasbourg)
Shabat Shalom



7 de set. de 2008

Arqueólogos russos encontram a capital do reino judeu dos khazares

Arqueólogos russos encontram a capital do reino judeu dos khazares





Yahoo Notícias, em 03/09/2008 - MOSCOU (AFP) - Arqueólogos russos asseguraram nesta quarta-feira ter descoberto as ruínas da capital do reino khazar, cujos habitantes teriam se convertido ao judaísmo entre os séculos VIII e X.

"Trata-se de uma descoberta muito importante", afirmou à AFP o organizador da expedição, Dmitri Vasiliev,da Universidade do Astrajão, referindo-se às escavações perto da aldeia de Samosdelka, norte do Mar Cáspio.

"Agora podemos lançar uma luz sobre uma das histórias mais intrigantes daquela época: como viviam realmente os khazares. Conhecemos muito pouco sobre os khazares, seus credos, seus ritos funerários, sua cultura", acrescentou.

Os khazares eram uma tribo turcomena seminômade que se converteu ao judaísmo; em seu apogeu, o Estado khazar e seus reinos tributários chegaram a controlar um território que abrange o atual sul da Rússia, oeste do Cazaquistão, leste da Ucrânia, Azerbaijão e grandes partes do Cáucaso.

Finalmente foi tomado e devastado no processo de expansão da Rússia. Nas crônicas árabes, seu capital é chamada Itil, uma cidade multiétnica, com templos e juízes cristãos, judeus, muçulmanos e pagãos.

As escavações na zona de Samosdelka foram iniciadas há nove anos, mas só agora existem provas suficientes que sustentam a tese de que as ruínas, incluindo as de uma fortaleza de tijolos, correspondem à da capital perdida dos khazares.

Veja mais:
Ruínas do reino khazar foram descobertas na Rússia (Opinião e Notícia)
Abril.com - Arqueólogos russos encontram a capital do reino judeu dos khazares (Abril.com)
O mistério dos Khazares (parte 1)
O mistério dos Khazares (parte 2)

5 de set. de 2008

Descoberta permitirá conhecer mais detalhes sobre o Segundo Templo

Descoberta permitirá conhecer mais detalhes sobre o Segundo Templo

 

Descoberta permitirá conhecer mais detalhes sobre o Segundo Templo

Jornal Alef, Edição 1217, em 05/09/2008 - Após um ano e meio de escavações, arqueólogos israelenses descobriram, no Monte Sião, vestígios da face sul da muralha que cercava Jerusalém na época do Segundo Templo, entre 518 E.C. e 70 E.C – o que permitirá ter idéia mais exata de como era a cidade naquela época. "No período, a cidade foi um ponto de peregrinação judaica", contou o diretor da escavação, Yehiel Zelinger. Os muros encontrados, com cerca de 3 metros de largura, bem como o templo, foram destruídos pelos romanos em 70 E.C. Os especialistas também descobriram uma outra muralha do período Bizantino, de 324 E.C. a 640 E.C. O achado de duas construções de épocas distintas, segundo Zelinge, é uma esperança de encontrar vestígios da muralha da época do Primeiro Templo de Salomão, que foi destruído em 587 E.C.

Veja mais:


2 de set. de 2008

Big Brother em Israel

Big Brother em Israel

Que tal dar uma espiada no BBI?

A febre dos chamados reality shows chegou, finalmente, a Israel. Já escolhemos por aqui a nova top model do país, o mais novo chef de cozinha, um novo embaixador, já encontramos um namorado para Sharon, acompanhamos a corrida por um novo apartamento e testemunhamos o drama da sobrevivência numa ilha deserta, só para dar alguns exemplos. O mais famoso programa do gênero, no entanto, aterrisou na terra santa ontem à noite. Com oito anos de atraso, é verdade, mas o Big Brother Israel (traduzido para o hebraico como "Haach Hagadol", literalmente, o "Grande Irmão") arrebatou ontem 30.3% de rating e atropelou a concorrência. Esta aí ao lado é a sala da casa, mas vocês podem conferir a galeria de fotos dos 16 participantes. Parece que vem chumbo grosso por aí. Com um time que representa extremos da segmentada sociedade israelense, essa primeira temporada promete dramas que vão parar o país, com religião, idade, sexo, diferenças sociais. Tem de tudo e alguns personagens que merecem atenção especial:

Yossi e Einav Bublil
V
ocês podem imaginar a mãe do Alemão ou o pai da Grazi Massafera na casa junto com os filhos? Pois é. A produção aprontou essa com uma participante que já tinha tudo para dar o que falar. Einav, de 23 anos, é a típica jovem do subúrbio israelense. Moradora de Ashkelon, no sul do país, trabalha como vendedora numa loja de roupas, adora moda (de gosto extremamente duvidoso), extravagância e não dispensa longas unhas postiças. É a famosa "wanna be patricinha" que acaba fora do tom. Terá, certamente, um relacionamento complicado com as meninas de classe média alta, as "antenadas" que vêm de Tel Aviv ou Hertzelia, por exemplo. Usando um vestido amarelo que dispensa comentários, ela entrou na casa "abafando".
Mas, Einav quase teve uma síncope ao vivo quando viu a entrada triunfal do último "brother", seu pai, Yossi. O cinquentão motorista de táxi é também um típico personagem da selva cultural local. É o grosseirão, o judeu marroquino, cheio de razões. Sua presença é tão destoante que ele acabou caindo nas graças dos outros moradores, que com uma certa pena, riem de tudo. Pai e filha têm tentado manter distância dentro da casa. Enquanto muitos querem mandar o velho para o primeiro paredão, outros defendem sua presença, alegando que logo, logo a bomba familiar vai explodir e sacudir a casa.

Leon e Boris Shneidrovsky
Depois do choque pai-filha, imaginem agora um irmão gay do Cowboy na vila? Leon e Boris, de 22 anos, são irmãos gêmeos, mas diferentes não só na aparência, como na personalidade. Boris é o tipo machão, fuma e gosta de exibir os músculos e uma grande tatuagem nas costas. Leon, homossexual, adora moda, não esconde de ninguém o fato de usar maquiagem e tem sido nessas primeiras 24 horas uma espécie de mascote da casa, sempre saltitante, fazendo caras , bocas e poses para despertar o riso dos colegas. Leon dá sinais de ser um coringa com várias caras disfarçadas atrás do sorriso. Vale acompanhar.

Shifra Cornfeld
A ex-religiosa que vive num mundo cor-de-rosa, segundo suas próprias palavras. A aeromoça de 28 anos nasceu e cresceu numa comunidade judaica ortodoxa em Jerusalém. Decidiu, no entanto, fugir das rígidas tradições familiares e transformar-se numa figura moderninha para "ter o direito de fazer suas próprias escolhas". Na foto, a infância ortodoxa com o pai, um hippie americano que virou ultra-ortodoxo ao imigrar para Israel,  e uma dos sete (!) irmãos da moça. Shifra é hoje uma conhecida "bocão", que fala tudo o que pensa, descolada e cheia de atitude, já desponta como uma das favoritas para ganhar o milhão de shekels (cerca de US$ 285 mil) prometido ao vencedor que conseguir sobreviver ao confinamento de três meses.

Renin Boulus
A princesa árabe, como ela mesmo se define. Única não-judia na casa, a jovem árabe-israelense de 24 anos é uma cristã do kibutz Neve Shalom, onde árabes e judeus vivem juntos. Como não precisa servir o Exército, Renin estudou em Londres e resolveu participar do programa para derrubar as barreiras entre árabes e judeus. Ela diz ainda querer conviver com os companheiros judeus da casa e mostrar que pode ser árabe, cristã, palestina e cidadã israelense. Tudo ao mesmo tempo, sem conflitos de identidade. (Será?!)

Asher Simoni
Funcionário público, 30 anos, morador da cidade de Tbérias, no norte do país. (Na foto). Casado e pai de dois filhos, é um judeu tradicionalista, religioso, que usa a quipá, filactérios, cumpre os deveres de respeitar o Shabat (dia de descanso) e lê salmos pela casa. Se ele vai conseguir sobreviver ao liberalismo (e à possível libertinagem) dos outros moradores seculares da casa? Receita de confusão na certa.

 E no meio disso tudo, temos ainda outros estereótipos clássicos, como a imigrante russa (Jeni), a imigrante francesa (Vanessa), o narcisista machão que declarou ter horror a homossexuais (Eran), o bonzinho-bonitinho (Tzabar), a patricinha (Keren) que diz ter tudo fácil na vida (e odiar tipos como Einav!) e a loira femme fatale (Miki) que disse aos quatro ventos estar no programa por dinheiro e ser capaz de fazer tudo para vencer. Ela ainda mandou um recado aos colegas: "Tomem cuidado comigo!".

A onda de clichês despertou a ira de muitos críticos de TV, mas já garante o sucesso da empreitada. O que será que vai acontecer? Acho que nem Deus, Elokhim, Alá ou Jesus Cristo podem saber. Mas, como eu aposto que vocês estão curiosos, aí vai a boa notícia. Um grande diferencial em relação ao BBB é que aqui pode-se conferir, de graça, tudo o que está rolando na casa ao vivo, pela internet. Dá ainda para escolher entre quatro câmeras , acompanhar o besteirol, fazer aquela espionagem básica  e, é claro, esperar que os "brothers" (ou em hebraico, "achim") comecem a se matar lá dentro, hehehe.

--
Magal
Visite www.correioregional.com

1 de set. de 2008

Kadima perdeu a direção com Olmert, diz chanceler israelense

Kadima perdeu a direção com Olmert, diz chanceler israelense

Livni afirma que partido perdeu o 'senso de esperança' sob a gestão do premiê, suspeito de corrupção

Tzipi Livni diz que o Kadima se perdeu durante a gestão de Ehud Olmert

AP

Tzipi Livni diz que o Kadima se perdeu durante a gestão de Ehud Olmert

JERUSALÉM - A ministra do Exterior israelense Tzipi Livni aumentou a campanha para tirar o primeiro-ministro Ehud Olmert do poder, dizendo nesta segunda-feira, 28, que o partido de ambos, o Kadima, se perdeu durante sua liderança. "O senso de esperança que era parte da construção do Kadima se perdeu ao longo do caminho", afirmou a chanceler, segundo uma transcrição de seu discurso divulgado por um porta-voz.

 O Kadima foi fundado pelo ex-premiê Ariel Sharon em 2005. Olmert tomou a liderança em janeiro de 2006, quando Sharon entrou em coma.

 Livni irá conversar em Washington na terça-feira com o negociador palestino Ahmed Qurie e com a secretária de Estado americana Condoleezza Rice, que está pressionando os lados para chegar a um acordo de paz antes do fim do mandato do presidente George W. Bush em janeiro.

 A televisão israelense informou nesta segunda que três assistentes próximos de Sharon optaram por aconselhar Livni na disputa pela liderança do Kadima.

 As investigações policiais de Olmert enfraqueceram sua autoridade política. Suspeito de receber dinheiro de um arrecadador de fundos americano e duplicar as despesas de sua viagens, o premiê nega as acusações, e diz que irá renunciar se for indiciado.

 Livni já pediu a renúncia de Olmert há um ano, quando uma comissão apontou falhas durante o gerenciamento da guerra com a guerrilha libanesa Hezbollah em 2006. Se ela derrotar o primeiro-ministro, que ainda não anunciou se estará na votação da legenda, poderá se tornar a primeira premiê israelense desde Golda Meir, no começo dos anos 70.

 Olmert pode ser forçado a renunciar se o Kadima eleger um novo líder. Isso poderia levar a uma eleição nacional mais cedo que o previsto se seu sucessor falhasse em formar um novo governo de coalização. A próxima eleição geral está marcada para 2010.

--
Magal
Visite www.correioregional.com