29 de jan. de 2007

Gabinete israelense indica o primeiro árabe muçulmano

Gabinete israelense indica o primeiro árabe muçulmano

Ehud Olmert, premiê israelense
Ehud Olmert, durante anúncio da escolha de Ghaleb Majadleh
Em uma escolha inédita, o gabinete israelense escolheu neste domingo um político muçulmano de origem árabe para fazer parte do ministério.

Ghaleb Majadleh, que pertence ao Partido Trabalhista, recebeu uma votação expressiva na sua escolha e só teve um voto contrário, o do vice-premiê e ministro dos Assuntos Estratégicos, Avigdor Lieberman, líder do partido ultra-nacionalista Yisrael Beiteinu

Correspondentes vêem a medida como sendo uma tentativa do Partido Trabalhista de responder às posições hostis de Liberman aos árabes israelenses, que respondem por cerca de 20% da população do país.

Lieberman foi acusado de racismo por causa de suas propostas de transferir árabes israelenses da região norte do país para a Faixa de Gaza, segundo informa a agência France Presse.

Majadleh será um ministro sem uma pasta definida.

Em 2001, Salah Tarif, que faz parte da minoria drusa em Israel, foi indicado ministro também sem uma pasta definida, mas teve de renunciar pouco tempo depois por causa de acusações de corrupção.



--
Magal
Leia o Blog: http://hebreu.blogspot.com

28 de jan. de 2007

27 de jan. de 2007

TIKKUN OLAM: "The Theory of Anyway" by Sharon Astyk

TIKKUN OLAM: "The Theory of Anyway" by Sharon Astyk



The Theory of Anyway

by

Sharon Astyk
(published 25 Jan 2007 by Energy Bulletin [ http://www.energybulletin.net/])

My friend Pat Meadows, a very, very smart woman, has a wonderful idea she calls "The Theory of Anyway." What it entails is this - she argues that 95% of what is needed to resolve the coming crises in energy depletion, or climate change, or most other global crises are the same sort of efforts. When in doubt about how to change, we should change our lives to reflect what we should be doing "Anyway." Living more simply, more frugally, using less, leaving reserves for others, reconnecting with our food and our community, these are things we should be doing because they are the right thing to do on many levels. That they also have the potential to save our lives is merely a side benefit (a big one, though).

This is, I think, a deeply powerful way of thinking because it is a deeply moral way of thinking - we would like to think of ourselves as moral people, but we tend to think of moral questions as the obvious ones "should I steal or pay?" "Should I hit or talk?" But the real and most essential moral questions of our lives are the questions we rarely ask of the things we do every day, "Should I eat this?" "Where should I live and how?" "What should I wear?" "How should I keep warm/cool?" We think of these questions as foregone conclusions - I should keep warm X way because that's the kind of furnace I have, or I should eat this because that's what's in the grocery store. Pat's Theory of Anyway turns this around, and points out that what we do, the way we live, must pass ethical muster first - we must always ask the question "Is this contributing to the repair of the world, or its destruction."

So if you told me that tomorrow, peak oil had been resolved, I'd still keep gardening, hanging my laundry, cutting back and trying to find a way to make do with less. Because even if we found enough oil to power our society for a thousand years, there would still be climate change, and it would be *wrong* of me to choose my own convenience over the security and safety of my children and other people's children. And if you told me tomorrow that we'd fixed climate change, that we could power our lives forever with renewables, I would still keep gardening and living frugally. Because our agriculture is premised on depleted soil and aquifers, and we're facing a future in which many people don't have enough food and water if we keep eating this way, and to allow that to happen would be a betrayal of what I believe is right. And if you told me that we'd fixed that problem too, that we were no longer depleting our aquifers and expanding the dead zone in the Gulf of Mexico, I'd still keep gardening and telling others to do the same, because our reliance on food from other nations, and our economy impoverishes and starves millions, even billions of poor people and creates massive economic inequities that do tremendous harm. And if you told me that globalization was over, and that we were going to create a just economic system, and we'd fixed all the other problems, and that I didn't have to worry anymore, would I then stop gardening?

No. Because the nurture of my piece of land would still be the right thing to do. Doing things with no more waste than is absolutely necessary would still be the right thing to do. The creation of a fertile, sustainable, lasting place of beauty would still be my right work in the world. I would still be a Jew, obligated by God to Tikkun Olam, to "the repair of the world." I would still be obligated to live in way that prevented wildlife from being run to extinction and poisons contaminating the earth. I would still be obligated to make the most of what I have and reduce my needs so they represent a fair share of what the earth has to offer. I would still be obligated to treat poor people as my siblings, and you do not live comfortably when your siblings suffer or have less. I am obligated to live rightly, in part because of what living rightly gives me - integrity, honor, joy, a better relationship with my diety of choice, peace.

There are people out there who are prepared to step forward and give up their cars, start growing their own food, stop consuming so much and stop burning fossil fuels...just as soon as peak oil, or climate change, or government rationing, or some external force makes them. But that, I believe is the wrong way to think about this. We can't wait for others to tell us, or the disaster to befall us. We have to do now, do today, do with all our hearts, the things we should have been doing "Anyway" all along.

Sharon


Editorial Notes:

Pat Meadows has written a complimentary piece, including this essential advice:

"With specific reference to Peak Oil preparations, I think there's a terrific psychological difference determined by the frame of mind in which one takes certain actions. Supposing, for example, you are going to cover your windows with clear plastic in winter, to save on energy. Well, you can think of yourself as being forced into this act by Peak Oil, by global warming, or for economic reasons. There's not much joy in taking defensive actions. But if you can think of it as contributing to 'the repair of the world,' then you have a totally different view of the action. Over time, these points of view have an effect on your personality and character. The defensive or 'forced to do this' motivation tends to harden and close you, shutting you away from others. The 'repair of the world' motivation tends to awaken compassion in you, to soften you towards others."

"A human being is a part of a whole, called by us universe, a part limited in time and space. He experiences himself, his thoughts and feelings as something separated from the rest..... a kind of optical delusion of his consciousness. This delusion is a kind of prison for us, restricting us to our personal desires and to affection for a few persons nearest to us. Our task must be to free ourselves from this prison by widening our circle of compassion to embrace all living creatures and the whole of nature in its beauty." - Albert Einstein
 
 
__._,_.___
 
Haifa - a Diva Libanesa

Haifa - a Diva Libanesa


Haifa Wehbe é o símbolo sexual internacional dos árabes, algo que nunca havia ocorrido no Oriente Médio. Mas o erotismo de sua dança custou a Haifa a rejeição de seu vilarejo natal, no sul xiita do Líbano: de acordo com o jornal La Vanguardia, a cantora não pôde assistir ao funeral de seu irmão, um miliciano da Amal que foi morto a tiros pelos israelenses.


Cantora posa em sua casa, em Beirute, capital do Líbano. Ela canta em inglês e também árabe.


Cantora posa em sua casa, em Beirute, capital do Líbano. Ela canta em inglês e também árabe

Nascida em um remoto vilarejo xiita do abrupto sul do Líbano, em Marajuna, onde morava com sua família em uma modesta casa de dois quartos e sem banheiro, a cantora se transformou em símbolo sexual. Sua canção difundida por todas as emissoras de rádio e seu vídeo exibe movimentos de corpo sensuais, provocativos, às vezes quase lascivos.

Haifa está rodando um filme em Hollywood, acompanhou o veterano ator egípcio Omar Sharif à cerimônia do Oscar e faz com um famoso jogador de futebol europeu a campanha publicitária de uma cerveja sem álcool. A CNN exibiu uma entrevista de uma hora de duração com ela. Seu sucesso ultrapassou os limites da canção e do entretenimento dos povos do Oriente Médio. Os árabes nunca haviam conseguido um símbolo sexual internacional próprio.

"Olha a pupa, beija a pupa, deixe que ela cure, quando você beija a pupa, ela desaparece." 

É esse o refrão da famosa canção, que todos cantam. Não é a voz e nem a graça da letra, que Haifa modula com peculiar picardia, que conquistaram esse público sem fronteiras. Haifa, com seu erotismo suavizado, mas à flor da pele, comove até nas ondas do rádio e nos discos. Com sua arte leve e seu corpo em liberdade, encarna o espetáculo. É vedete e dançarina oriental ao mesmo tempo. Representa a provocante imagem de um novo estilo da canção árabe, muito distante das imortais Um Kalsum e Fairuz.

Sua apresentação de véspera de Ano Novo na sala do teatro dos Embaixadores, no cassino do Líbano, foi o grande acontecimento artístico da pálida temporada de festas em Beirute. Com sua longa cabeleira negra, vestida com uma calça branca curta e justa e um transparente e grande véu que mostrava os encantos de suas pernas nuas e de seu busto, Haifa se movia com desenvoltura pelo palco, com o microfone na mão, disparando suas canções.

A cada vez que se aproximava das mesas ocupadas pelo público, sempre cercada por seus guarda-costas de smoking, provocava uma revoada dos espectadores, que quase a tocavam para poderem ser fotografados ao seu lado. Haifa é a mais fulgurante estrela do Oriente.

Dominando a bela baía de Junie, com seus milhares de luzes tremulantes, o cassino do Líbano, com seu suntuoso vestíbulo e suas escadarias solenes, foi o símbolo da vida alegre e despreocupada da capital libanesa antes das guerras. 

Desde 1959 e durante duas décadas, a reputação deste cassino, o maior do Oriente Médio, só perdia no cenário internacional para o de Montecarlo. Duke Ellington, Juliette Gréco, Sacha Distel, Dalida, Johnny Halliday e Farid al Atrash se apresentaram em seu teatro. Em um de seus fascinantes espetáculos, perambulavam pelo palco elefantes e cavalos brancos, enquanto no fosso da orquestra, transformado em um canal de água, navegava uma lancha a vapor.

Haifa Wehbe voltou a triunfar no cassino, e é a mais esplêndida estrela árabe da canção. Mas em seu vilarejo, onde seu pai ainda vive humildemente e em cuja praça principal está o retrato de seu irmão Ahmad, miliciano da Amal morto em combate contra soldados israelenses, ela não é bem vinda. Seus vizinhos não a deixaram assistir ao funeral do irmão.


Magal

26 de jan. de 2007

Livni, Peres, Abbas Share Visions for PA State at World Forum

Livni, Peres, Abbas Share Visions for PA State at World Forum

Livni, Peres, Abbas Share Visions for PA State at World Forum
By Alex Traiman

Speaking at the World Economic Forum in Davos, Switzerland, Tzippy Livni, Shimon Peres, and Mahmoud Abbas shared their visions for a two-state solution within the disputed borders of Israel.

Israeli Foreign Minister Tzippy Livni made the formation of Palestinian state her top diplomatic priority during her speech at the forum of world leaders. According to Livni, the formation of a state for the Arabs within the biblical territories of Judea and Samaria is "not an illusion. It's there. It's achievable."

"I would like to negotiate, to speak, to meet, to talk," Livni said, signaling an Israeli desire to yet again restart bilateral peace talks. "There is nothing I want more. ... This is part of our dream; this is part of our goal."

While acknowledging that terrorism must be reigned in for a two-state solution to be viable, Livni compared any future decision by the Palestinian Authority to stop terror with the Israeli government's decision to expel 10,000 citizens from their homes during the Gush Katif Disengagement of August 2005.

"There are difficult decisions to take on both sides, and fighting terrorism is one of those decisions, and we cannot afford to put this obstacle aside. I know that it is not easy," Livni said. "I can say it was also difficult for me to vote in favor of the disengagement plan. I voted to uproot Israelis, in order to give peace a chance. So there are difficult decisions, but the best way is to give an answer, and not to say, 'Okay this is too difficult, let's find something else.'"

The Israeli government has already formed a committee to study the ability to remove as many as 100,000 Jewish residents from their homes in the areas considered for the creation of a Palestinian State.

Livni cautioned PA Chairman Mahmoud Abbas against compromising with extreme elements within the Authority, labeling Abbas one of the "moderate" forces within the PA. The term often is used despite calls by Abbas at a Ramallah Fatah rally last week for arms, ostensibly received to protect him and his Fatah faction from Hamas, "to be turned against Israel," which he referred to as "occupying forces."

Livni added in her address that PA Arabs currently living in Judea and Samaria should remain in a new state to be created on those lands, as opposed to the PA demand that they be allowed to find homes within all of Israel.

While Abbas also stressed his commitment to return to the negotiating table, he reiterated long-standing Arab demands that other Arabs be resettled in Israel, and not in any newly created Palestinian nation.

"The Palestinian-Israeli conflict is one of the most serious conflicts that require a solution," Abbas said during his address. "I am fully convinced that despite all the difficulties, an atmosphere conducive to the resumption of the peace process exists, one that could lead to the establishment of a Palestinian state."

He added that a "just solution" must be found to solve the "refugee crisis," stating that "refugees wishing to return to their homes ... should be permitted to do so at the earliest practical date."

Abbas stressed that a permanent resolution is necessary to end the long-standing conflict, as opposed to any temporary decisions, urging Israel to begin discussing issues of final border status and insisting on the Israeli borders of 1967 as a starting point.

"We have the road map, a road map that includes the Arab initiative as well as President Bush's vision regarding the two-state solution," Abbas said. "What is required now, in all honesty, is for us to trace the beginning and the end of this peace process."

Israeli Vice Premier Shimon Peres also addressed the forum, expressing a vision of shared economic cooperation between Israel and the PA.

He said Israel and the Palestinians should work together alongside Jordan to stimulate foreign investment in the region.

Peres stated that Israel, Jordan and PA have already agreed in principle "to take the whole length of the frontier," a 500 kilometer-long strip along the current Israeli-Jordanian border, "and convert it into an ongoing economic zone."

"We cannot save the Dead Sea unless we do it together. We cannot build new industry ... unless we do it together," Peretz added.

US Secretary of State Condoleezza Rice has already announced plans to gather the Quartet committed to Middle East peace (US, UN, European Union and Russia) in Washington D.C. at the beginning of February. She will return to the Middle East for a summit between Israeli Prime Minister Ehud Olmert and PA Chairman Abbas, two weeks later.



--
Magal
Leia o Blog: http://hebreu.blogspot.com
HOLOCAUSTO E O GENOCÍDIO DE DARFUR

HOLOCAUSTO E O GENOCÍDIO DE DARFUR



Prezados,
 
O dia do Holocausto consagrado na ONU para homenagear as vítimas judaicas do terror nazi-fascita será celebrado no dia 27 de janeiro em uma manifestação conjunta com entidades negras, na Praça Sete, às 15 horas, quando afrodescentes e judeus, além de reverenciar a memória dos 6 milhões israelitas barbaramente assassinados pelo regime racista nazi na II Guerra Mundial, irão juntos  protestar energicamente contra o genocidio de negros cristãos em Darfur pelas milicias islamitas promovidas pelo governo do Sudão.
 
Ao mesmo tempo a Federação Israelita do Estado de Minas está enviando a todos os veiculos de comunicação de massa do Estado, autoridades, parlamentares, o seguinte Manifesto:-
 

Holocausto  e   Darfur

 O Dia Internacional de Recordação das Vítimas do Holocausto- no dia 17 de janeiro é dedicada pela ONU em homenagem seis milhões de judeus que foram exterminados pela Alemanha Nazista, junto a 20 milhões de russos, centenas de milhões de ciganos, e outros seres humanos, inclusive de centenas de brasileiros que foram assassinados em 1942,  afogados no mar, quando passageiros de navios mercantes afundados por submarinos nazistas. Por que a cruel e desumana barbárie nazista? A doutrina nazista considerava todas suas vítimas como seres de raça inferior, indignos de viverem na futura Grande Germânia de Mil Anos, dominada pela raça superior ariana germânica, o sonho diabólico de Adolf Hitler.

 A escolha da data se deve ao fato de que em 1945, que os soviéticos liberaram o campo de concentração de Auschwitz-Birkenau , na Polônia, que se revelou ser o palco do mais pavoroso genocídio da história do homem, onde foram assassinados 1 milhão de seres humanos, homens, mulheres de crianças judeus na maioria, em nefandas câmaras de gás.

O texto da resolução rejeita qualquer questionamento de que o Holocausto foi um evento histórico, enfatiza o dever dos Estados-membros de educar futuras gerações sobre os horrores do genocídio e condena todas as manifestações de intolerância ou violência baseadas em origem étnica ou crença

O trabalho de recordação é um tributo àqueles que pereceram, e desempenha também um papel vital em nossos esforços para enfrentar o curso da crueldade humana. Nos deixa vigilantes em relação à novas irrupções de anti-semitismo e todas outras formas de intolerância. E é uma resposta essencial para aqueles indivíduos desorientados que reivindicam que o Holocausto nunca aconteceu, ou vem sendo exagerado.

."Nós não podemos continuar repetindo 'Nunca mais' – depois de Cambódia, Ruanda e Srebrenica", afirmou Elliasson, presidente da Assembléia Geral da ONU depois que a resolução foi aprovada.

. O Dia Internacional de Recordação das Vítimas do Holocausto é, portanto, um dia quando  nós precisamos reafirmar nosso compromisso com os direitos humanos, causa brutal profanada em Auschwitz e pelas atrocidades e genocídios desde então.

.Atualmente, sob abominável silencio da mídia, em Darfur, no Sudão, nos últimos quatro anos, as mílicias terroristas árabes islâmicas dizimaram a população negra local, matando mais de 200 mil negros, por serem cristãos, provocando o exôdo de duas milhões de outras. Um criminoso conluio de silêncio que acoberta o primeiro genocídio do século XXI, um dos maiores da história.

Os pesquisadores da Northwestern University, autores do estudo publicado na revista Science, dizem que a estimativa deles é a mais confiável até o momento por causa do método rigoroso usado para coletar informação em mais de 50 campos de refugiados num período de 19 meses

Aqui no Brasil, temos a intenção de enviar também este abaixo-assinado aos principais veículos de mídia (além de autoridades e representantes do governo, que possam fazer a diferença), a fim de questionar: Por que estão calados diante deste massacre? Por que os mortos no Oriente Médio são lamentados diariamente na mídia, mas quando milícias árabes islâmicas massacram milhares de negros africanos só por serem cristão, reina um silêncio sepulcral? Racismo? Falta de interesse? Acaso as vidas dos negros valem menos?

Ajude-nos a pressionar os veículos de informação, a fim de interromper este silêncio mortal. Ajude-nos a descobrir a verdade por trás desta omissão. Ajude-nos. Este silêncio já matou centenas de milhares de negros cristãos Quantos mais precisarão ser sacrificados, até que VOCÊ RESOLVA SE MANIFESTAR?

 

Federação Israelita do Estado de Minas Gerais- fisemg@fisemg.com.br

 

22 de jan. de 2007

A bailarina fascista por João Pereira Coutinho

A bailarina fascista por João Pereira Coutinho




João Pereira Coutinho

A bailarina fascista
 
Talvez eu esteja a exagerar. Mas o Apocalipse caminha para nós. Existem sinais. Leio agora nos jornais do dia que, por toda a Europa, hindus de nacionalidades várias prometem contestar com vigor as intenções da ministra da Justiça alemã em criminalizar a exibição da suástica. Para a ministra, o suástica representa Hitler, o Terceiro Reich e seus projectos de dominação imperial e rácica. Para os hindus, a suástica é um símbolo milenar de paz e serenidade. Deve a União Européia, presidida atualmente pela Alemanha, proibir o símbolo da paz e da serenidade para os hindus?

Em Londres, a loucura foi ao teatro. Segundo parece, uma bailarina do English National Ballet, Simone Clarke, é também membro do British National Party, um grupo de extrema-direita ferozmente anti-imigração. Simone, 36, namora com dançarino cubano, imigrante, descendente de chineses. A salada exótica perfeita. Nada disso impediu as brigadas de irromperem pelo teatro onde Simone dançava o clássico "Giselle", insultando a bailarina e exigindo sua demissão dos palcos. Simone continuou a dançar, com notável profissionalismo, apesar dos insultos. A companhia de bailado preferiu não comentar.

Fez bem. Não é fácil comentar a loucura: uma pessoa acaba se confundindo com ela. E se os hindus estão errados do ponto de vista iconográfico --o símbolo nazista não é exatamente igual às suásticas das religiões dharmicas-- o que espanta nos protestos londrinos é a evidente selvageria das brigadas. Sim, eu entendo que uma "bailarina fascista" é tão improvável como Osama bin Laden de biquíni em concurso de beleza para misses: existe na combinação um choque visual profundo, como se a grosseria e o filistinismo de Hitler fossem incompatíveis com a subtileza e a elegância do "Quebra-Nozes", que Simone dançou meses atrás (com aplausos da crítica).

Mas essa não é a questão. E não é a questão porque a idéia de punir artisticamente um fascista, ou um comunista, ou um chavista, ou um extremista de ideologia difusa, demonstra apenas a cobardia de quem o faz.

Cobardia real: em Londres, as brigadas insultaram quem não se podia defender. Pior: quem exercia a sua arte em palco, um ato de humilhação que só define quem o pratica. A menos, claro, que o "fascismo" da sra. Clarke não se limite a suas idéias políticas e seja exibido na forma como dança: como executa o "demi-plié", como faz o "retiré", como arrisca no "arabesque", pondo a platéia a salivar com desejos tirânicos de invadir a Polônia. Haverá um balé fascista e ninguém avisou?

Mas a cobardia é também intelectual: se a liberdade de expressão é uma benesse, ela implica aceitar vozes discordantes que devem ser toleradas, ou ignoradas, ou debatidas --e, em casos extremos, denunciadas por pessoas concretas que se sintam atingidas no seu bom nome. Existem tribunais para isso. Mas nenhuma sociedade livre será capaz de sobreviver pela criminalização de todas as opiniões que o "senso comum" majoritário considera ofensivas. Proibir é a atitude preguiçosa do tirano menor que, incapaz de tolerar, ignorar ou refutar intelectualmente uma opinião, prefere criminalizá-la.

O gesto é perigoso: ele transforma o extremista em mártir, e o mártir em herói. O caso recente do historiador David Irving, preso (e entretanto libertado) na Áustria, ilustra o ponto: em 2000, Irving ficou com a reputação intelectual desfeita, ao perder em tribunal ação contra Deborah Lipstadt, historiadora que o acusara de ser um negacionista do Holocausto. A prisão recente serviu apenas para reabilitar Irving, como já tinha acontecido na década de 1980 com a prisão, e a reabilitação, de um desacreditado Robert Faurrisson. Seria improvável que Irving existisse se, antes dele, Faurrisson não tivesse emergido como o herói perseguido do revisionismo.

A ministra alemã, e as brigadas de Londres, acreditam que o extremismo na Europa se combate pela força da lei. Acreditam mal. A extrema-direita pode crescer no continente, sobretudo no Leste e, como se verá nas próximas presidenciais francesas, com o fenômeno Le Pen. Mas ela cresce por exclusiva culpa dos "partidos do centro": incapazes de reformar economicamente uma Europa estagnada e medrosa perante o "estrangeiro", os partidos instalados apenas contribuem para um mal estar social que alimenta a besta do costume. E as bestas não quebram nozes. Quebram tudo.
 
 
João Pereira Coutinho, 30, é colunista da Folha de S.Paulo. Reuniu seus artigos no livro "Vida Independente: 1998-2003", editado em Portugal, onde vive. Escreve quinzenalmente, às segundas-feiras, para a Folha Online.



 

21 de jan. de 2007

Música sob o signo do Holocausto

Música sob o signo do Holocausto



Theresienstadt e Auschwitz: música sob o signo do Holocausto

A música não era sagrada para o regime nazista. Mesmo nos campos de extermínio ela era meio de diversão, elemento tranqüilizador e álibi para o regime. Mas também a possibilidade de fuga interna e forma de protesto.

 

O campo de concentração Terezin (Theresienstadt) ficava a 60 quilômetros da capital da então Tchecoslováquia, Praga. Para dezenas de milhares de prisioneiros tratava-se de uma estação de passagem para as câmaras de gás de Auschwitz. Para o regime nazista, era um assim chamado "campo-modelo".

De início, toda e qualquer atividade artística era punida com a morte. O que não impediu muitos condenados de inventar todo tipo de artifício para não se separar de seus instrumentos. Um violoncelo – grande demais para passar despercebido – era, por exemplo, desmontado, e, uma vez dentro do campo, o músico voltava a colar suas partes. Com esses instrumentos contrabandeados, realizavam-se concertos secretos nos porões ou sob os telhados de Terezin.

Alta qualidade musical

Logo, os mentores do Holocusto perceberam como explorar até mesmo a energia artística "ilegal" dos sofridos detentos. Exibir a rica atividade musical em Terezin era uma forma de provar à opinião pública que as notícias sobre os horrores dos campos de concentração não passavam de propaganda dos inimigos do nacional-socialismo, legitimando as atividades do regime. Só para quem quisesse ser enganado, é claro.

O fato de cada vez mais atores, diretores, cientistas e músicos serem confinados aos guetos garantia produção musical de alta qualidade em Terezin. Entre os detentos contavam Peter Deutsch (ex-regente da Orquestra Real de Copenhague), o libretista Leo Strauss e compositores como Pavel Haas, Viktor Ullmann e Hans Krása. Uma ópera infantil deste último, Brundibar, chegou a ser utilizada pelos nazistas como instrumento de propaganda.

Música de um judeu para a propaganda nazista

Anna Flachová, sobrevivente do "lar de meninas" L410 de Terezin, relembra como, durante a realização de um filme de propaganda, ela e suas companheiras receberam a incumbência de cantar a obra de Krása, "para mostrar à Cruz Vermelha e a todo o mundo como se vivia bem em Theresienstadt. Mas era tudo mentira". O cínico roteiro do filme visava mostrar Hitler presenteando aos judeus uma nova cidade.

Os ensaios da ópera infantil composta em 1938 realizaram-se num porão, acompanhados por piano, ou apenas por um acordeão. Dependendo de se os músicos podiam permanecer ou se eram subitamente transportados para Auschwitz, havia por vezes uma pequena orquestra.

Apesar de tudo, Anna Flachová adorava Brundibar, não só pela alegria de cantar, como pelo reencontro, ainda que por alguns momentos, com a infância roubada: "Sentíamos falta de ser ainda crianças". Brundibar foi executada 55 vezes em Terezin, porém a maioria dos participantes não sobreviveu aos anos da Segunda Guerra.

Silêncio em Terezin

No campo tchecoslovaco, não apenas se executava música, como também se compunha intensamente. Viktor Ullmann ( Der Kaiser von Atlantis) lá produziu muitas de suas obras, e o jovem e promissor pianista Gideon Klein completou seu Trio de cordas apenas nove dias antes de ser deportado para Auschwitz.

"Carrega-se o pesado destino como se não fosse tão pesado, e se fala do futuro melhor como se já fosse amanhã": esta é uma citação de Als ob (Como se), uma das numerosas canções com textos de Leo Strauss. Os versos contêm uma crítica velada a seus companheiros de cativeiro, que mesmo em Terezin cultivavam a esperança e se alimentavam de ilusões.

Entretanto, em 16 de outubro de 1944 quase toda música emudeceu em Terezin. O trem de transporte ER 949 levou Haas, Ullmann e Klein, entre outros, para Auschwitz. Os mais idosos, como Hans Krása, foram diretamente para a câmara de gás, após o desembarque.

Pausa musical em Auschwitz

Prisioneiras de Auschwitz Bildunterschrift: Großansicht des Bildes mit der Bildunterschrift:  Prisioneiras de AuschwitzO próprio campo de extermínio de Auschwitz, na Polônia, possuía uma orquestra feminina, com cerca de 50 instrumentistas, entre 17 e 20 e poucos anos de idade, sob a regência de Alma Rosé, além de outras dez, que copiavam as peças a mão.

Para que música na sala de espera da câmara de gás? Claro, para os de fora, a existência dessa orquestra era um álibi, a falsa prova de que os internos viviam em condições humanas. Mas também não faltavam verdadeiros melômanos entre os oficiais da SS, entre eles o abominável Dr. Josef Mengele, apelidado o Anjo da Morte, extremamente musical e que, mesmo durante o exílio na América do Sul, não deixava de freqüentar concertos. Outros, como Adolf Eichmann, exigiam entretenimento durante a inspeção dos campos.

As musicistas eram confrontadas diariamente com uma amarga tarefa: cronicamente subnutridas, executar música de forma convincente, para os assassinos de suas famílias e amigos, e possivelmente seus próprios futuros algozes. Um precário prolongamento da vida, que podia acabar numa nota mal tocada.

Regente-heroína

Apesar dos relativos privilégios de que gozavam as instrumentistas, música era acima de tudo uma forma de trabalho forçado em Auschwitz, envolvendo um mínimo de 10 a 12 horas diárias de ensaios. Além disso, a qualquer hora um oficial podia resolver escutar sua melodia favorita, e neste caso as mulheres tinham que estar sempre a postos.

Outra cruel função da orquestra feminina era tranqüilizar os novatos, que acabavam de chegar ao campo após viagem massacrante no vagão de carga de um trem.

Nesse contexto de vida ou morte, a figura da regente Alma Rosé toma proporções de heroína. Com enorme habilidade psicológica, ela conseguiu durante anos manter o difícil equilíbrio entre o rigor necessário à disciplina da orquestra e o calor humano indispensável à sobrevivência mental de cada uma das mulheres sob a sua batuta. Até hoje, algumas das musicistas de Auschwitz afirmam dever a vida a essa mulher.

 

Augusto Valente 



--
Magal
Leia o Blog: http://hebreu.blogspot.com


--
Magal
Leia o Blog: http://hebreu.blogspot.com
Música sob o signo do Holocausto

Música sob o signo do Holocausto

Terezin (Theresienstadt) em 1941
Großansicht des Bildes mit der Bildunterschrift:  Terezin (Theresienstadt) em 1941

Theresienstadt e Auschwitz: música sob o signo do Holocausto.

A música não era sagrada para o regime nazista. Mesmo nos campos de extermínio ela era meio de diversão, elemento tranqüilizador e álibi para o regime. Mas também a possibilidade de fuga interna e forma de protesto.


O campo de concentração Terezin (Theresienstadt) ficava a 60 quilômetros da capital da então Tchecoslováquia, Praga. Para dezenas de milhares de prisioneiros tratava-se de uma estação de passagem para as câmaras de gás de Auschwitz. Para o regime nazista, era um assim chamado "campo-modelo".
De início, toda e qualquer atividade artística era punida com a morte. O que não impediu muitos condenados de inventar todo tipo de artifício para não se separar de seus instrumentos. Um violoncelo – grande demais para passar despercebido – era, por exemplo, desmontado, e, uma vez dentro do campo, o músico voltava a colar suas partes. Com esses instrumentos contrabandeados, realizavam-se concertos secretos nos porões ou sob os telhados de Terezin.
Alta qualidade musical
Logo, os mentores do Holocusto perceberam como explorar até mesmo a energia artística "ilegal" dos sofridos detentos. Exibir a rica atividade musical em Terezin era uma forma de provar à opinião pública que as notícias sobre os horrores dos campos de concentração não passavam de propaganda dos inimigos do nacional-socialismo, legitimando as atividades do regime. Só para quem quisesse ser enganado, é claro.
O fato de cada vez mais atores, diretores, cientistas e músicos serem confinados aos guetos garantia produção musical de alta qualidade em Terezin. Entre os detentos contavam Peter Deutsch (ex-regente da Orquestra Real de Copenhague), o libretista Leo Strauss e compositores como Pavel Haas, Viktor Ullmann e Hans Krása. Uma ópera infantil deste último, Brundibar, chegou a ser utilizada pelos nazistas como instrumento de propaganda.
Música de um judeu para a propaganda nazista
Anna Flachová, sobrevivente do "lar de meninas" L410 de Terezin, relembra como, durante a realização de um filme de propaganda, ela e suas companheiras receberam a incumbência de cantar a obra de Krása, "para mostrar à Cruz Vermelha e a todo o mundo como se vivia bem em Theresienstadt. Mas era tudo mentira". O cínico roteiro do filme visava mostrar Hitler presenteando aos judeus uma nova cidade.
Os ensaios da ópera infantil composta em 1938 realizaram-se num porão, acompanhados por piano, ou apenas por um acordeão. Dependendo de se os músicos podiam permanecer ou se eram subitamente transportados para Auschwitz, havia por vezes uma pequena orquestra.
Apesar de tudo, Anna Flachová adorava Brundibar, não só pela alegria de cantar, como pelo reencontro, ainda que por alguns momentos, com a infância roubada: "Sentíamos falta de ser ainda crianças". Brundibar foi executada 55 vezes em Terezin, porém a maioria dos participantes não sobreviveu aos anos da Segunda Guerra.
Silêncio em Terezin
No campo tchecoslovaco, não apenas se executava música, como também se compunha intensamente. Viktor Ullmann (Der Kaiser von Atlantis) lá produziu muitas de suas obras, e o jovem e promissor pianista Gideon Klein completou seu Trio de cordas apenas nove dias antes de ser deportado para Auschwitz.
"Carrega-se o pesado destino como se não fosse tão pesado, e se fala do futuro melhor como se já fosse amanhã": esta é uma citação de Als ob (Como se), uma das numerosas canções com textos de Leo Strauss. Os versos contêm uma crítica velada a seus companheiros de cativeiro, que mesmo em Terezin cultivavam a esperança e se alimentavam de ilusões.
Entretanto, em 16 de outubro de 1944 quase toda música emudeceu em Terezin. O trem de transporte ER 949 levou Haas, Ullmann e Klein, entre outros, para Auschwitz. Os mais idosos, como Hans Krása, foram diretamente para a câmara de gás, após o desembarque.
Prisioneiras de AuschwitzPausa musical em Auschwitz

O próprio campo de extermínio de Auschwitz, na Polônia, possuía uma orquestra feminina, com cerca de 50 instrumentistas, entre 17 e 20 e poucos anos de idade, sob a regência de Alma Rosé, além de outras dez, que copiavam as peças a mão.
Para que música na sala de espera da câmara de gás? Claro, para os de fora, a existência dessa orquestra era um álibi, a falsa prova de que os internos viviam em condições humanas. Mas também não faltavam verdadeiros melômanos entre os oficiais da SS, entre eles o abominável Dr. Josef Mengele, apelidado o Anjo da Morte, extremamente musical e que, mesmo durante o exílio na América do Sul, não deixava de freqüentar concertos. Outros, como Adolf Eichmann, exigiam entretenimento durante a inspeção dos campos.
As musicistas eram confrontadas diariamente com uma amarga tarefa: cronicamente subnutridas, executar música de forma convincente, para os assassinos de suas famílias e amigos, e possivelmente seus próprios futuros algozes. Um precário prolongamento da vida, que podia acabar numa nota mal tocada.
Regente-heroína
Apesar dos relativos privilégios de que gozavam as instrumentistas, música era acima de tudo uma forma de trabalho forçado em Auschwitz, envolvendo um mínimo de 10 a 12 horas diárias de ensaios. Além disso, a qualquer hora um oficial podia resolver escutar sua melodia favorita, e neste caso as mulheres tinham que estar sempre a postos.
Outra cruel função da orquestra feminina era tranqüilizar os novatos, que acabavam de chegar ao campo após viagem massacrante no vagão de carga de um trem.
Nesse contexto de vida ou morte, a figura da regente Alma Rosé toma proporções de heroína. Com enorme habilidade psicológica, ela conseguiu durante anos manter o difícil equilíbrio entre o rigor necessário à disciplina da orquestra e o calor humano indispensável à sobrevivência mental de cada uma das mulheres sob a sua batuta. Até hoje, algumas das musicistas de Auschwitz afirmam dever a vida a essa mulher.
Augusto Valente 


--
Magal
Leia o Blog: http://hebreu.blogspot.com
Gays nazistas - Documentário debate relação entre homossexualidade e nazismo

Gays nazistas - Documentário debate relação entre homossexualidade e nazismo


Documentário debate relação entre homossexualidade e nazismo

'Homens, heróis, gays nazistas' e a cultura da masculinidade
'Homens, heróis, gays nazistas' e a cultura da masculinidade

'Homens, heróis, gays nazistas' e a cultura da masculinidade

No documentário "Homens, heróis, gays nazistas", o diretor alemão Rosa von Praunheim aborda a relação entre homossexualidade e nazismo, cujo ideário e estética estão cada vez mais presentes na cena gay atual.

'Homens, heróis, gays nazistas' e a cultura da masculinidadeEm uma série de documentários realizada recentemente, o célebre diretor gay alemão Rosa von Praunheim (Eu sou minha própria mulher, 1992 e O Einstein do Sexo, 1999) relata sobre testemunhas gays sobreviventes da era nazista.

Em Schwein gehabt – Joe Luga (Joe Luga teve sorte), por exemplo, Von Praunheim conta a história do cantor Joe Luga, que fazia shows travestido de mulher para os soldados alemães da frente russa. Somente após a guerra, nos anos de 1950 e 1960, sua homossexualidade o levou às prisões da antiga Alemanha Ocidental.

Mas é no longo documentário Männer, Helden, Schwule Nazis (Homens, heróis, gays nazistas), disponível desde o ano passado em DVD, que o diretor aborda a paradoxal relação entre a homossexualidade e as idéias do radicalismo de direita, cuja estética está cada vez mais presente na cena gay atual.

Homossexualidade e nazismo: é possível?


Alexander Schlesinger posa em frente ao aeroporto de TempelhofAndre, ex-ativista skinhead, fala sobre a "cultura da masculinidade" em grupos de extrema direita. Botinas, cabeças raspadas e suspensórios são símbolos de virilidade e radicalismo.

Bernd Ewald Althaus, preso nos anos de 1990 por propagar "a mentira de Auschwitz", explica suas convicções, enquanto é mostrado distribuindo panfletos para festas gays em Berlim.

Alexander Schlesinger pertence a um partido de extrema direita, cujo nome não foi citado. Ele explica que seu chefe está informado de sua homossexualidade.

Os três são gays assumidos e estão ou estiveram ligados ao movimento de extrema direita. Em seu documentário, Von Praunheim tenta não somente mostrar o paradoxo entre a homossexualidade e o neonazismo, mas também que a sexualidade está presente em todos, até mesmo em nazistas.

Nazistas de ontem e de hoje


A homossexualidade de Ernst Röhm (c) foi tolerada durante anos por HitlerEntre os casos mais famosos, trazidos por Von Praunheim à tela, estão Ernst Röhm, chefe da SA (Seção de Assalto), a tropa de segurança do partido de Hitler, e Michael Kühnen, líder do proibido FAP (Partido Liberal dos Trabalhadores Alemães).

Ernst Röhm vivia sua homossexualidade de forma relativamente aberta. Ele quis abolir o parágrafo 175 do Código penal, que até os anos de 1970 considerava a homossexualidade crime na Alemanha.

Sua homossexualidade era motivo de chacota da oposição social-democrata. Por uma ameaça de golpe de Estado e por sua homossexualidade, Hitler o mandou fuzilar, em 1934, juntamente com seus aliados. Cerca de 40 anos mais tarde surgia Michael Kühnen, chefe do FAP e um dos mais importantes neonazistas da Alemanha.


Em 1986, Kühnen publicou o manifesto Nacional-socialismo e Homossexualidade, onde explicava, entre outros, que os homossexuais eram mais aptos a assumir funções de chefia, já que não tinham família, podendo assim se dedicar completamente à sua causa. Nas teorias de Kühnen, a mulher assumia uma função biológica. Michael Kühnen morreu de aids em 1991, fato negado, assim como sua homossexualidade, pela maioria dos seus seguidores.

Nem Hitler nem Hess escaparam

Em Homens, heróis, gays nazistas, nem o ditador Adolf Hitler e seu vice, Rudolph Hess, escaparam da homossexualidade. Por sua feminilidade, Hess era chamado de "senhorita Hess" por alguns companheiros de partido e só se casou porque Hitler o obrigou, explica o documentário de Rosa von Praunheim.

No livro O Segredo de Hitler, o historiador e professor da Universidade de Bremen Lothar Machtan tenta provar que o ditador era homossexual, usando como argumentos, entre outros, depoimentos de antigos camaradas e o fato de Hitler só ter tido relações com mulheres aos 48 anos.

Esquerda passiva, direita ativa


Para Von Praunheim, a sexualidade está em todosQuanto ao avanço do neonazismo entre os homossexuais da atualidade, que muitas vezes adotam a estética do radicalismo de extrema direita sem mesmo ter convicções políticas neonazistas, o diretor de 65 anos explica, no final de seu filme, sua visão atual dos movimentos de emancipação gays.

"Os tempos de uma esquerda ativa já passaram, vivemos agora uma época de um engajamento de direita."

Sempre houve gays ligados a movimentos de extrema direita, por mais paradoxal que seja esta posição, explica o diretor. Já que, a partir de 1935, os nazistas acirraram ainda mais a perseguição aos homossexuais. Através da fome e trabalhos forçados em campos de concentração, gays eram "reeducados" como heterossexuais.

Perguntado por Rosa von Praunheim sobre o que achava de homossexuais nazistas, o prefeito de Berlim, Klaus Wowereit, cujo lema eleitoral foi "Sou gay e é bom assim", declarou no documentário: "Nazistas, sejam eles homossexuais ou heterossexuais, eu desconsidero".

Carlos Albuquerque



Tzipi Livni - Chanceler de Israel vê chance de união entre moderados

Tzipi Livni - Chanceler de Israel vê chance de união entre moderados

 
Chanceler de Israel vê chance de união entre moderados
 
Tzipi Livni diz que há oportunidade de solução consensual, sem unilateralismo

Ministra é bem mais popular que premiê Ehud Olmert; para ela, é "obrigação" que Israel e um futuro Estado palestino possam conviver
 
ARI SHAVIT
DO HAARETZ
 
A ministra israelense das Relações Exteriores, Tzipi Livni, tem um plano diplomático claro que está tentando promover. "O tempo não está do lado dos moderados de ambos os lados.

O tempo opera contra uma solução que inclua dois Estados", diz ela. Uma pesquisa divulgada pelo "Haaretz" nesta semana mostrou que Livni tem um índice de aprovação de 51%, enquanto o primeiro-ministro Ehud Olmert tem apenas 14% de aprovação.  
 
HAARETZ - A sra. acha que o estabelecimento de um Estado palestino durante o mandato do governo atual é uma meta possível?
TZIPI LIVNI
- Não gosto de fixar prazos. Não estou falando de um Estado palestino, mas de dois Estados-nações convivendo pacificamente lado a lado. Existe um público palestino que vê essa meta como sendo também sua. Os palestinos deixaram passar todas as oportunidades até agora. Eles poderiam estar comemorando o 60º aniversário de seu Estado -se tivessem aceitado o Plano de Partilha- ou, alternativamente, poderiam estar comemorando o sexto aniversário de seu Estado -se tivessem aceitado o acordo de Camp David. Mas acredito que existe mais uma oportunidade hoje. Os palestinos moderados precisam compreender que o extremismo religioso prejudica não apenas a Israel, mas a cada palestino que deseja um Estado-nação palestino.
 
HAARETZ - A senhora propõe a volta ao mapa do caminho?
LIVNI
- Acho que posso iniciar conversações com Abbas que deixem claro o que eles querem conseguir dentro da visão de dois Estados. Por um lado, quero ancorar meus interesses na questão da segurança, da desmilitarização e do problema dos refugiados, e, por outro, quero criar uma alternativa genuína para os palestinos, que inclua uma solução de seu problema nacional.
 
HAARETZ - A senhora é otimista.
LIVNI
- Qualquer pessoa que viva no Oriente Médio e tenha os pés no chão não pode se permitir ser otimista. Mas enxergo uma espécie de oportunidade. Por um lado, estamos cercados por uma ameaça crescente, extremismo e fanatismo. Mas, pelo outro lado, precisamente em função dessa ameaça, os países moderados e as facções moderadas na região compreendem, hoje, que seu problema não é Israel. Acho que não se deve jogar essa oportunidade fora.
 
HAARETZ - Enquanto isso, porém, foguetes Qassam estão atingindo Sderot. O que a sra. está propondo são negociações sob fogo.
LIVNI
- Mesmo enquanto [Ariel] Sharon estava no poder, eu disse que não deveríamos declarar que não negociaríamos sob fogo, mas que não faríamos concessões sob fogo. O plano do qual estou falando precisa oferecer uma resposta ao problema dos disparos. Essa é uma das razões pelas quais prefiro um processo diplomático consensual a um processo unilateral. O comportamento dos palestinos na faixa de Gaza após a retirada israelense cria um problema grande. Mas acredito que, na análise final, se for encontrada uma solução razoável para as questões de segurança, a maioria do público israelense vai apoiar este processo.
 
HAARETZ - Qual é sua visão?
LIVNI
- A visão é do Estado de Israel como lar nacional do povo judaico, que oferece uma solução para o problema do povo judaico e dos refugiados judeus, e, lado a lado com ele, um Estado palestino que seja o lar nacional da nação palestina, que ofereça uma solução total para o problema da nação palestina e dos refugiados palestinos. Sinto que tenho a obrigação de fazer isso acontecer.
 
HAARETZ - E a ameaça iraniana, quão séria ela é?
LIVNI
- O receio é de um efeito dominó. Muitos países da região compreendem que a combinação da ideologia iraniana com a bomba nuclear não é algo que eles possam tolerar. Se o Irã se nuclearizar, eles farão uma de duas coisas: ou vão competir com o Irã, ou vão se unir a ele. Isso terá duas consequências: a ampla proliferação nuclear não só a países, mas também a organizações terroristas, e, depois, os países moderados serão arrastados para mais perto dos países extremistas. O mundo não pode se permitir um Irã nuclear.
 
HAARETZ - Em sua opinião, a sra. cresceu e amadureceu e hoje é qualificada para ser primeira-ministra?
LIVNI
- Sou qualificada para ser primeira-ministra.

 

Tradução de CLARA ALLAIN

 _._,___



--
Magal
Leia o Blog: http://hebreu.blogspot.com

20 de jan. de 2007

O Sionismo sob uma perspectiva Histórica

O Sionismo sob uma perspectiva Histórica

O Sionismo sob uma perspectiva Histórica
versão para impressão
PROMESSAS DE UM "VELHO MUNDO NOVO": O SIONISMO SOB UMA PERSPECTIVA HISTÓRICA
Por :Andre de Lemos Freixo [I]
O que é sionismo? Nas últimas décadas do século XX o sionismo tornou-se sinônimo de violência, intolerância e terrorismo do Estado de Israel em manchetes jornalísticas ao redor do mundo. A impressão transmitida através de vários meios de comunicação para esse quadro (hoje cotidiano) é a de que ele "sempre" foi assim. Ledo engano. Pensar o sionismo sob a perspectiva histórica implica não apenas em identificar e criticar o que "seja" sionismo, mas sim apontar questões acerca do como ele "veio-a-ser". Este é, pois, o objetivo do presente artigo: incitar um debate acerca do sionismo enquanto um conceito dotado de uma história que se mescla, em muitos aspectos, com a história dos nacionalismos no mundo ocidental. A partir de um ponto "particular" como o sionismo, acredito poder descortinar aspectos mais abrangentes acerca das atuais questões que cercam o tema "nacionalismo". Esses "nacionalismos" encontram-se hoje em crise, assim como muitos aspectos da estrutura e visão de mundo moderna da qual foram produto.
"Sionismo" é, pois, um desígnio moderno. O termo somente irá aparecer publicamente e compor parte de um vocabulário político nos anos de 1885/86. Mas o mito do retorno a "Terra Prometida" sobre o qual este se pautou é uma tradição milenar. Isto se dá, pois sua causa, "Sião", precede tal conceito em muitos séculos. Antes de ser um viés político através do qual as demandas por um território nacional judaico foram acionadas no século XIX, por "sionistas" entendiam-se todos aqueles que, em algum momento da história do judaísmo, voltaram suas forças para um retorno do povo judeu à terra de Zión. Há notícias de movimentos de reconquista da "Terra Prometida" desde os séculos XII ao XV, voltado a lutas armadas e tentativas violentas de retomada, porém, somente no século XIX esse tipo de mobilização ganhou formato político e, em teoria, não belicista. [II]
O nacionalismo judaico é um fenômeno único dentro dos movimentos nacionalistas europeus de fins do século XIX. Podemos dizer, sem dúvidas, que o nacionalismo moderno surgiu na Europa, a partir da existência de "Nações", i.é., grupos de habitantes residentes num determinado território, com fronteiras políticas delimitadas (ainda que possuindo diferentes origens étnicas), reconhecendo-se por determinados traços culturais compartilhados: língua, costumes sociais, tradições, crença religiosa etc. Além disso, cada "Nação" organizou para si uma imagem de seu passado histórico (o que pressupõe a capacidade de abstração em torno de uma consciência histórica), inicialmente expresso através de poemas heróicos populares, e sagas semimitológicas. Estas experiências foram recorrentes em todos os locais da Europa onde as estruturas do Ancien Régime ruíram. Foi através da reificação destes traços comuns que as sociedades modernas e, consequentemente o nacionalismo moderno, desenvolveram-se sob a forma de Estados Nacionais. [III]
Elevada à potência máxima dentro de uma gradação da "civilização humana" (no caso européia e esclarecida), a "Nação" moderna foi considerada o mais alto grau da "evolução" humana. Como locus a partir do qual se poderia observar, como pretendeu Hegel, o progresso e evolução da "História da Humanidade", a Nação moderna passou a determinar o particular de cada cultura e de cada Estado Moderno como sendo único. Nessa particularidade residiria sua mais importante contribuição (no que há de mais substancial e significativo – sua kultur) ao universal gênero humano.
No início do século XIX os judeus haviam sido "libertos" de sua condição apátrida (i.é., sem pátria, um povo vivendo dentro do território de outros povos) e passaram a se "assimilar" às culturas de onde residiam, mas nem sempre foram tratados como iguais. Da emancipação dos judeus e sua instalação nacional à emergência de um violento sentimento anti-semita foram poucos anos. E como resposta ao anti-semitismo europeu que emergiram os diferentes sionismos. Quer dizer, o nacionalismo judaico (voltado para Sião) partiu como uma resposta aos nacionalismos europeus (excludentes) e para os quais os judeus seriam sempre aliens.
Dotados de um arcabouço intelectual moderno, os intelectuais judeus da Europa, como Moses Hess (1812-1875), Leon Pinsker (1821-1891), Theodor Herzl (1860-1904) dentre outros, foram responsáveis pela proposição de suas "vias modernas" para solucionar a dita "questão judaica", uma "questão" que foi, também, por assim dizer, produto da Era Moderna.
Fruto de uma intelectualidade judaica amplamente permeada pelos valores "esclarecidos", refletindo acerca das perseguições do anti-semitismo, os diferentes "sionismos" que afloraram na Europa no século XIX, como tentativa de "normalização" do "povo judeu" buscavam inserir os judeus neste "fluxo histórico" da civilização moderna. Frente ao malogro da inserção social dos judeus nas sociedades onde residiam, e reagindo contra o ascendente anti-semitismo na Europa, os "sionismos" surgiram como tentativas dos judeus de ingressarem no "Concerto das Nações" modernas. Destes, o sionismo político de Theodor Herzl foi, por sua organização política, o mais bem sucedido – e a partir das demandas dos correligionários em seu movimento sionista que será fundado o Moderno Estado de Israel, em 1948.
Mais de 100 anos após o Primeiro Congresso Sionista da Basiléia (organizado por Herzl em 1897) o sionismo, como mencionado anteriormente, que fora inicialmente um movimento político engajado frente às contendas da Europa em conformação étnica (e identitária) nas hodiernas Nações que se consolidavam, na tentativa de assegurar a sobrevivência dos judeus, tornou-se, para muitos (paradoxalmente), sinônimo de racismo. Em meados da década de 1970, após a Guerra dos Seis Dias (1967) e do Yom Kippur (1973), a ONU – que em 1947 aprovou a declaração de independência de um Estado nacional judeu na região Palestina, justamente contra o racismo e preconceito do qual foram objeto na Europa – designou o sionismo como uma forma de racismo colonialista (United Nations Resolution 3379 – junho de 1975). Ou seja, o que uma vez fora reconhecido como um movimento de reação contra o racismo tornou-se, aos olhos do mundo, um sinônimo de racismo. Este tipo de alteração quanto ao conceito de "sionismo" foi largamente influenciado pelas, então recentes, ações políticas e militares do governo de Israel. Mas não somente.
Após sua independência em 1948 Israel deu seqüência a construção de seu Estado a partir da larga força trabalhista sionista que ali já havia se instalado (em especial nas unidades agrícolas coletivistas e, quase majoritariamente, socialistas dos kibutzim). Mas com o passar dos anos novos imigrantes de inúmeras outras regiões do planeta foram chegando ao país, diversificando muito o perfil de sua população e, com isso, o direcionamento político israelense. A ascensão política de uma ala de direita ao poder em Israel foi gradual e, na década de 1960, já se fazia muito influente. Esta defendeu a política de um "direito divino" para o Estado de Israel, o que em parte reforçou (em 1967) a instalação judaica nos territórios de Gaza e da Cisjordânia. Isso, tanto em termos econômicos quanto militares (pois a região não era produtiva em nenhuma forma significativa, e acabou mantendo localizada ali metade do numerário militar israelense), era uma decisão muito pouco "estratégica", que segundo especialistas, visaria estabelecer um ponto a partir do qual o diálogo pudesse ser travado entre Israel e seus vizinhos, contrários ao Estado Judeu. [IV]
É importante frisar que de 1948 até 1967 Israel não era foco de interesses nem de planejamentos estratégicos do bloco capitalista da Guerra Fria, capitaneados pelos Estados Unidos. Mesmo com Israel alinhado ao "ocidente" após sua fundação, a força da simpatia soviética em Israel era enorme. Dentre outras, ainda que o presidente Eisenhower tenha apoiado tanto o Estado de Israel quanto as nações árabes, a tendência foi um favorecimento dos árabes, pois o tema petróleo já era, então, a matter of life and death para o governo estadunidense.
Após a independência de Israel, as constantes discordâncias israelenses com os objetivos políticos dos EUA na região culminaram com a crise de Suez (em 1956), quando Grã-Bretanha e França aliaram-se a Israel contra o líder nacionalista do Egito Gamal Abdel Nasser. A vitória relâmpago de Israel levou a uma ocupação da Península do Sinai, um ponto estratégico dos estadunidenses na região, levando o presidente Eisenhower a exigir a retirada incondicional dos israelenses em Sinai. Esse fato marcou uma mudança crucial na história política de Israel: aliado a cada vez mais forte propaganda anti-sionista soviética, Israel passou a se alinhar mais proximamente aos EUA, em busca de apoio não apenas do seu governo mas da poderosa parcela judaica da população estadunidense, que até então não havia se interessado muito para com os problemas de Israel, salvo pouquíssimas exceções. [V]
Neste cenário, as manifestações políticas de direita em Israel passaram a simbolizar, aos olhos do mundo, a própria idéia de sionismo, que paulatinamente iria se transformando na política oficial do Estado de Israel, para sua manutenção e defesa. Em nada este sionismo tem a ver com àquele proposto por Herzl 60 anos antes. Na prática, contudo, quando inúmeras outras variáveis passam a compor este quadro, mais complexa vai se tornando a definição para sionismo. Este teve de passar a abarcar uma pluralidade (inerente à diáspora) onde as tais demandas por um Estado Nacional Judeu apontavam em diferentes direções, por vezes direções diametralmente opostas.
O annus mirabilis de 1967 marca, pois, um ponto de guinada na história recente de Israel e do sionismo. Após esse momento a ala mais à direita assumiu a liderança política do país, instaurando um novo rumo e sentido para o termo sionismo. Esse "novo" sionismo radical será contemporâneo de um novo tipo de estrutura política radical: o fundamentalismo de escala global. As diferenças políticas e de estratégia são, em grande parte, produto de um sensível declínio na qualidade das lideranças israelenses desde então (à exceção, talvez, de Izak Rabin – assassinado por um extremista judeu há 10 anos). [VI]
Ao conceber seu Judenstaat (o Estado Judeu) em sua Altneuland (Velha Terra Nova), Herzl afirmava que a presença árabe, muçulmana, cristã, grega, armena e de membros de inúmeras outras etnias e grupos religiosos se fazia presente na região. Talvez não lhe ocorresse que esta presença se fizesse um obstáculo insuperável ao Estado Judeu. Hoje o Estado Judeu é uma realidade, e a completar 60 anos. Pensar sobre as questões que animaram (e animam) a constituição deste país pode, talvez, trazer novas possibilidades ao debate que certamente está muito longe de um termo.
Este artigo visa trazer a lume a questão da diferença através do tempo. Pensar historicamente uma questão tão candente quanto o que vem a ser "sionismo" é crucial para entendermos (ainda que parcialmente) como a situação chegou ao nível atual, no que tange aos conflitos do Oriente Médio. Demandaria muitas páginas e inúmeros interlocutores, além de muita paciência e tolerância frente às "diferenças" discursivas e/ou ideológicas, para travarmos um debate muito mais profícuo acerca deste tema, sem mencionar a reflexão sobre a causa nacional Palestina – de crucial importância, mas que não foi meu foco aqui. O que propus foi um ponto de partida para pensarmos a questão da mutação do sionismo dentro de um espectro mais amplo e universal: a crise dos nacionalismos do mundo ocidental.
Vivemos na era da globalização em seu nível mais avançado. A velocidade com que as informações nos chegam muitas vezes não nos permite refletir devidamente acerca de problemas tão complexos quanto os conflitos no Oriente Médio, por exemplo. Normalmente isso acaba provocando ou reforçando maniqueísmos que deveriam ser de difícil acesso no âmbito das discussões entre historiadores.
Os "nacionalismos" estão cada vez menos comportando as diferenças internas nos Estados. Em Israel a imigração de milhões de judeus etíopes, que em nada se identificam com a trajetória sionista (européia), ou ainda a pressão dos ortodoxos, as constantes revisões críticas acerca das utilizações políticas para a memória do Holocausto, dentre outras, começam a minar alguns traços que deveriam alimentar a idéia de união pátria do "Povo do Livro" para com Eretz Israel.
Este não é um fenômeno exclusivo em Israel: precisaríamos lembrar do fiasco das celebrações dos "500 anos do Brasil", e o sintomático naufrágio da réplica da Caravela de Cabral? Das manifestações de índígenas, estudantis, de homossexuais etc. que não se identificavam com as imagens largamente veiculadas acerca de um arquétipo de "brasileiro", que lembra àquela imagem cunhada nos idos do Oitocentos? Ou ainda das manifestações nos subúrbios de Paris? Das guerras fomentadas por interesses de grandes corporações, em lugares tão distantes das fronteiras de determinados Estados, que em nada o ameaçam? Estes eventos mostram, tão somente, o quanto um processo de "desnacionalização" vem se formando nos horizontes do mundo ocidental. Os particularismos vêm acentuando-se dentro dos espaços públicos, supostamente universais. Isso tudo reflete, portanto, um momento quando as demandas nacionais ultrapassam a própria estrutura das Nações. Mais do que questionar o que seria (ou é) o nacionalismo judeu, teremos pela frente questões acerca do que é uma Nação, que, curiosamente, foi uma indagação para um problema mais do que moderno, e que, por exemplo, já assombrava Ernest Renan no final do século XIX.
O que é sionismo? Talvez essa questão ainda não tenha uma resposta adequada. Talvez devêssemos indagar como o sionismo nos permite pensar a atual situação dos nacionalismos no mundo ocidental. Ou ainda, o que significa uma Nação hoje? Refletir sobre as promessas de um sionismo que se voltava para um "velho mundo novo", com Herzl e seus companheiros sionistas, mas também sobre a trajetória e mutação do movimento sionista pode abrir portas para a realização não apenas de novas promessas, mas, principalmente, a realização das antigas.
Notas:
[I] É mestrando do Programa de Pós-Graduação em História Social da UFRJ.
[II] Alguns casos mais conhecidos pela história do judaísmo remontam, por exemplo, às figuras messiânicas de David Alrói no século XII – que montou um exército para tentar reconquistar a Terra Prometida; em fins do século XIII, Abraham Bem Samuel Abulafia; em 1500, Moysés Lemlein; em 1525, David Reuveni tenta um acordo com o Papa Clemente VII e acaba queimado num auto-de-fé; ou ainda, Sabbetai Zvi, em 1626. Para maiores detalhes Cf. MALAMUD, Samuel. Do arquivo e da memória: fatos, personagens e reflexões sobre o sionismo brasileiro e mundial. Rio de Janeiro: Bloch, 1983.
[III] A bibliografia sobre nacionalismo é realmente muito extensa. No entanto, podemos elencar alguns estudos mais significativos como, por exemplo, HOBSBAWN, Eric; RANGER, Terence. A Invenção das Tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984; Nação e Nacionalismos desde 1780. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987; GELLNER, Ernest. Nations and Nationalism. Ithaca: New York, 1983. Mais especificamente para o caso do nacionalismo judaico: LAQUEUR, Walter. A Histrory of Zionism (1976). New York: Schocken Books, 2003; KATZ, Jacob. O Movimento Nacional Judaico: uma análise sociológica. In: UNESCO. Vida e Valores do Povo Judeu. São Paulo: Editora Perspectiva S.A., 1972; PINSKY, Jaime. As Origens do Nacionalismo Judaico. São Paulo: Editora Ática, 1997.
[IV] Cf.: LAQUEUR, W. Op. Cit., p. XVII.
[V] FINKELSTEIN, N. G. A Indústria do Holocausto: reflexões sobre a exploração do sofrimento dos judeus. 4ª ed. Rio de Janeiro: Record, 2001, p. 30. Ver também: HERTZBERG, Arthur. Jewish Polemics. New York: Schocken Books, 1992, p. 33; ALTERAS, Isaac. Eisenhower, American Jewry and Israel. American Jewish Archives (november 1985) apud FINKELSTEIN, idem ibidem; NOVICK, Peter. The Holocaust in American Life. New York: Mariner Books, 1999.
[


__._,_.___