Resumo das Notícias

27.9.20

     הבאנו שלום עליכם/ Hevenu Shalom Alehem

הבאנו שלום עליכם/ Hevenu Shalom Alehem

     O cântico, Shalom Alechêm, entoado no início do Shabat, está baseado numa passagem talmúdica, segundo a qual um anjo bom e um mau acompanham a seus lares todos que voltam da sinagoga sexta-feira à noite.

Se os anjos encontram a casa preparada para o Shabat, a mesa festivamente posta, com velas reluzentes, toda a família vestida em suas melhores roupas, o anjo bom diz: "Que o próximo Shabat seja como este" e o mau responde, mesmo contra sua vontade: "Amên, que assim seja."

Se, por outro lado, acontece o contrário, e a casa não está preparada para receber a Rainha Shabat, o anjo mau diz: "Que o próximo Shabat seja como este" e o anjo bom, infelizmente, é obrigado a dizer: "Amên".

O Shabat cresce em estatura como resultado do fato de Israel, a nação escolhida por D'us, ter sido designado como seu companheiro. Como conseqüencia deste "casamento" a própria santidade do Shabat torna-se maior e mais intensa.

Shalom Alechêm

Boas vindas aos anjos

SHALOM ALECHÊM, MAL’ACHÊ HASHARET, MAL’ACHÊ E-L-YON, MI’MÊLECH MALCHÊ HAMELACHIM, HA’CADOSH BARUCH HU.

Que a paz esteja convosco, anjos ministrantes, anjos do Altíssimo, do supremo Rei dos reis, o Santo, bendito seja Ele.
(repete-se três vezes)

BOACHÊM LESHALOM, MAL’ACHÊ HASHALOM, MAL’ACHÊ E-L-YON, MI’MÊLECH MALCHÊ HAMELACHIM, HA’CADOSH BARUCH HU.

Bem-vindos, anjos da paz, anjos do Altíssimo, do supremo Rei dos reis, o Santo, bendito seja Ele. (repete-se três vezes)

BARECHÚNI LESHALOM, MAL’ACHÊ HASHALOM, MAL’ACHÊ E-L-YON, MI’MÊLECH MALCHÊ HAMELACHIM, HA’CADOSH BARUCH HU.

Abençoai-me com paz, anjos da paz, anjos do Altíssimo, do supremo Rei dos reis, o Santo, bendito seja Ele.
(repete-se três vezes)

TSETECHÊM LESHALOM, MAL’ACHÊ HASHALOM, MAL’ACHÊ E-L-YON, MI’MÊLECH MALCHÊ HAMELACHIM, HA’CADOSH BARUCH HU.

Que vossa partida seja em paz, anjos da paz, anjos do Altíssimo, do supremo Rei dos reis, o Santo, bendito seja Ele.
(repete-se três vezes)

KI MAL’ACHAV YETSAVÊ LACH, LISHMORCHÁ BECHOL DERACHÊCHA. A-DO-NAI YISHMOR TSETECHÁ UVOÊCHA, MEATÁ VEAD OLAM.

Pois Ele ordena Seus anjos para ti, para te proteger em todos teus caminhos. O Eterno guardará tua saída e tua vinda, desde agora e para todo o sempre.
(repete-se três vezes)





Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.



A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Coisas Judaicas se financia por meio da sua própria comunidade de leitores e amigos. Você pode apoiar o Coisas Judaicas via PayPal . Veja como: • PayPal pelo email : https://www.paypal.com/myaccount/transfer/homepage
Protestos contra Benjamin Netanyahu aumentam

Protestos contra Benjamin Netanyahu aumentam

      

Protestos contra Benjamin Netanyahu aumentam

Mesmo com lockdown imposto por causa da segunda onda de Covid-19, milhares de israelenses protestam em frente à residência do primeiro-ministro.


Milhares de manifestantes protestaram neste sábado (26) nas ruas de Jerusalém, em Israel, em frente à casa do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu. Mesmo com as medidas de lockdown impostas por causa dos novos casos de Covid-19, o grupo foi às ruas pedir a saída do premiê, acusado de corrupção.

Netanyahu chegou a pedir um banimento nos protestos sob alegação de que atos públicos podem favorecer a transmissão do coronavírus. No entanto, opositores disseram que isso seria um pretexto para silenciar semanas de manifestações contra o primeiro-ministro (veja mais no fim da reportagem).

Há três meses, uma série de manifestações em Israel pede a saída de Netanyahu por considerar que ele não pode permanecer no cargo enquanto corre processo contra ele por corrupção. Ele será julgado em janeiro de 2021.
Protestos contra Benjamin Netanyahu aumentam
Além disso, opositores acusam o governo de dar uma resposta ruim à crise da Covid-19, com Israel vivendo a segunda onda da doença e ainda uma crise econômica gerada pela paralisação das atividades.
Manifestantes deste sábado usaram marcações no chão para manter o distanciamento entre uns e outros. Não há relatos de confrontos ou tumultos durante os protestos. Houve, no entanto, prisões.
Celeuma no governo
Em vídeo publicado neste sábado, Netanyahu defendeu o novo lockdown e reconheceu que o governo cometeu erros na condução da pandemia, mas não mencionou os protestos nem os casos de corrupção pelos quais respondem.
Protestos contra Benjamin Netanyahu aumentam
Na gravação, o primeiro-ministro pediu às pessoas que evitassem frequentar sinagogas no Yom Kippur — o que irritou grupos judeus mais religiosos. Políticos da ala ortodoxa alegam que a permissão dos protestos, mas não das orações em locais de culto, é discriminatória.
Israel endurece ainda mais medidas para conter o vírus
O tema causa ainda mais crises no governo israelense montado com uma coalizão entre Netanyahu e seu maior opositor, Benny Gantz — que se opõe a qualquer restrição a protestos.
Israel tem mais de 226 mil casos de coronavírus acumulados desde o início da pandemia. O número de mortes por Covid-19 passa de 1,4 mil.




Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.



A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Coisas Judaicas se financia por meio da sua própria comunidade de leitores e amigos. Você pode apoiar o Coisas Judaicas via PayPal . 
Veja como: • PayPal pelo email : https://www.paypal.com/myaccount/transfer/homepage
Aprenda a fazer Guefilte Fish

Aprenda a fazer Guefilte Fish

      
Aprenda a fazer Guefilte Fish


Olá! Vou compartilhar minhas melhores receitas com vocês. Para começar vou te mostrar como fazer o  Guefilte Fish

, um prato típico da culinária judaica da Europa Oriental. Vamos lá?

O que você vai precisar?

Para cada quilo de peixe (traíra e carpa ou pescada)

– 2 ovos crus

– 2 cenouras inteiras

– 3 cebolas médias cortadas em 4

– sal

– pimenta em pó a gosto

– 2 colheres (sopa) de óleo

– 3 colheres (sopa) de farinha de matzá ou de rosca

– pitada de bicarbonato de sódio

– mais ou menos meio copo de água fria.

Preparo: 

Cortar os peixes em filé (sempre duas qualidades de peixe).

Na panela, onde o peixe deverá ser cozido, colocar o óleo, cebola e bicarbonato, fritando em fogo baixo, mexendo sempre até dourar, desmanchar a cebola. Moer os filés, alternando com as cebolas fritas. Acrescentar todos os outros ingredientes, menos as cenouras inteiras, misturar bem e ir colocando aos poucos a água para ficar uma massa macia.

Aprenda a fazer Guefilte Fish

Na panela onde se fritou a cebola, colocar água, temperá-la com sal, acrescentar as cenouras inteiras, deixando ferver por alguns minutos. Diminuir o fogo e ferver tudo junto por quinze minutos.

Com o restante da massa, fazer bolinhos achatados e também colocá-los na panela. Depois de dez minutos de fervura, experimentar o paladar e, se necessário, acrescentar sal, tampar a panela e deixar cozinhar em fogo brando por UMA hora. Não mexer para evitar que os bolinhos se desmanchem. Depois de cozidos, deixá-los amornar na própria panela e, quando mornos, retirar cuidadosamente com uma escumadeira, bolinho por bolinho e ir arrumando-os na travessa, colocando sobre cada um uma fatia de cenoura cozida. Coar o caldo e colocá-lo em uma molheira para servir acompanhando o peixe. Servir tudo gelado.



Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.



A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Coisas Judaicas se financia por meio da sua própria comunidade de leitores e amigos. Você pode apoiar o Coisas Judaicas via PayPal . 
Veja como: • PayPal pelo email : https://www.paypal.com/myaccount/transfer/homepage
Chegamos ao ano 5781!

Chegamos ao ano 5781!

     

Chegamos ao ano 5781!
O Ano Novo (Rosh Hashaná, em hebraiso “cabeça do ano”) é a principal festa do calendário judaico. 


Não tem data fixa. Acontece sempre no primeiro dia da lua, do mês de Tishrei (que corresponde ao nono mês do calendário gregoriano). Começou no dia 18, da semana passada, o ano 5.781. As comemorações duram 10 dias, terminando só com o dia do arrependimento (Yom-Kipur). É período de penitência, oração e reflexão. 

Chegamos ao ano 5781!
De pratos especiais também, cheios de simbolismo. Entre eles o Challah – pão trançado que nessa época ganha forma de espiral, lembrando o próprio ciclo da vida. O Tzimes – cozido agridoce feito com carne, cenouras e frutas secas (damasco, maçã, passa), que representa a resistência do povo judeu. E grão de bico, alho-poró e outros vegetais que simbolizam fertilidade.
O Guefilte fish – bolinhos de peixe (carpa, arenque ou qualquer outro peixe de carne branca), prato usado em todas as ocasiões especiais.  Esses peixes, por nadarem só para frente, são símbolo de fé no futuro, de multiplicação, de fartura. Galinhas são evitadas, por ciscarem para trás e representar atraso. Para acompanhar batata, beterraba e “omelete de alho-poró”. Na sobremesa bolo de mel, ou maçã mergulhada no mel, para adoçar o ano que se inicia. Sem esquecer a romã – que, segundo se diz, tem em média 613 sementes. O mesmo número de mandamentos (248 positivos e 365 negativos) que os judeus devem cumprir.


Bom lembrar que o código alimentar da religião judaica (Kashruth), com origem no período em que houve o êxodo do Egito, determina quais os alimentos apropriados para o consumo (kosher ou kasher) e aqueles que não se deveriam consumir (taref). Desde o Antigo Testamento. No livro do Levítico está que nas águas (do mar ou do rio) são proibidos todos os animais “que não têm barbatanas e escamas” (Lv 11, 10). Também carne de porco – “não comereis aqueles animais que só ruminam ou só tem o casco fendido” (Lv 11, 4). E “qualquer inseto alado que ande sobre quatro pés” (Lv 11, 23). Sendo permitido apenas umas poucas aves, das quais eram “abomináveis a águia, o falcão, o abutre... a avestruz, a andorinha, a gaivota...” (Lv 11, 13-19). No livro do Deuterônimo, está a proibição de misturar carne e leite (ou seus derivados), na mesma refeição – “Não cozerás o cabrito no leite de sua própria mãe” (Deut 14, 21). Sem contar também a proibição de consumir bichos que rastejam, comem restos, andam pelo lixo ou são encontrados mortos.

Animais devem ser mortos sem violência ou sofrimento, por especialistas (shoichets). Sua carne deve ser sem sangue e livre de nervos ou gorduras. A faca que cortar essa carne não pode ser usada no corte de queijos. Depois de seguir todas essas regras, os alimentos devem ainda ser submetidos a um rabino que colocará, ou não, o carimbo com a palavra kasher. Mas todas essas tradições, hoje, são bem menos rígidas. Apesar de tantas restrições, ou talvez por isso, a culinária judaica é mesmo muito especial. Quem já provou um desses pratos sabe. A todos, calorosamente, um saboroso Shana tova (feliz ano novo).


https://youtu.be/FlcxEDy-lr0
Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.



A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Coisas Judaicas se financia por meio da sua própria comunidade de leitores e amigos. Você pode apoiar o Coisas Judaicas via PayPal . 

26.9.20

Com a série de espionagem 'Teerã', os israelenses alcançam um inimigo

Com a série de espionagem 'Teerã', os israelenses alcançam um inimigo

Niv Sultan como Tamar Rabinyan em uma cena de 'Teerã'
( Foto: AP )
   
  Os criadores do programa esperam que oferecer aos espectadores uma visão simpática do Irã - um dos maiores inimigos regionais de Israel - possa abrir os corações e talvez ser um trampolim para um diálogo futuro.


As coisas não são como parecem na nova série da Apple TV + “Teerã” - como deveriam ser em um thriller de espionagem.
A série começa com um vôo comercial da Jordânia para a Índia que é repentinamente desviado para o Irã. Alguns passageiros a bordo têm segredos. Esses segredos logo terão jatos de guerra voando e uma caça ao homem oculta lançada.

Tão audaciosa quanto a premissa, “Teerã” é igualmente ousada: uma produção israelense que oferece aos telespectadores uma visão simpática do Irã - um dos maiores inimigos de Israel - sem que ninguém da produção coloque os pés na República Islâmica.

“O cerne do programa é lidar com a questão da identidade, nacionalidade, imigração e raízes familiares", disse Moshe Zonder, co-criador e co-escritor do programa, de Tel Aviv. "Ele pergunta como nos conectamos a eles e aos nossos obrigação para com eles e podemos nos livrar deles? Isso é relevante para todos no mundo. ”
Os oito episódios do programa foram ao ar em Israel em junho e julho, com muitas críticas entusiasmadas. O thriller de espionagem, com diálogos em hebraico, inglês e farsi, estreia na Apple TV + na sexta-feira.
“Teerã” é centrado em uma agente-hacker de computador que realiza sua primeira missão na capital do Irã, que também é o lugar de seu nascimento. Quando a missão dá errado, o agente tem que sobreviver por sua própria inteligência.
Com vários dos mesmos atores e apresentando uma espiã lidando com intrigas do Oriente Médio e da Ásia Central em seu centro, alguns espectadores podem ver semelhanças com a temporada recém-concluída de “Homeland”.
Mas enquanto a série Showtime explorou como as noções de bem e mal podem se tornar corruptas e distorcidas no cenário internacional, “Teerã” trata de fazer conexões através das fronteiras ideológicas.
“Não há um inimigo claro. Não se trata de um lado contra o outro. É realmente sobre as pessoas ”, disse Niv Sultan, um ator israelense que interpreta a heroína espiã de“ Teerã ”, de Tel Aviv. “Pela primeira vez, estamos mostrando um ponto de vista diferente sobre este conflito.”
O cenário da série definitivamente não é o que parece. Seções da capital grega, Atenas, representaram Teerã, depois que a co-criadora Dana Eden visitou o país europeu em férias com a família e ficou impressionada com as semelhanças visuais entre as duas cidades. Os israelenses estão proibidos de visitar o Irã.

Com vários dos mesmos atores e apresentando uma espiã lidando com intrigas do Oriente Médio e da Ásia Central em seu centro, alguns espectadores podem ver semelhanças com a temporada recém-concluída de “Homeland”.
Mas enquanto a série Showtime explorou como as noções de bem e mal podem se tornar corruptas e distorcidas no cenário internacional, “Teerã” trata de fazer conexões através das fronteiras ideológicas.
“Não há um inimigo claro. Não se trata de um lado contra o outro. É realmente sobre as pessoas ”, disse Niv Sultan, um ator israelense que interpreta a heroína espiã de“ Teerã ”, de Tel Aviv. “Pela primeira vez, estamos mostrando um ponto de vista diferente sobre este conflito.”
O cenário da série definitivamente não é o que parece. Seções da capital grega, Atenas, representaram Teerã, depois que a co-criadora Dana Eden visitou o país europeu em férias com a família e ficou impressionada com as semelhanças visuais entre as duas cidades. Os israelenses estão proibidos de visitar o Irã.
Navid Negahban como Masoud Tabrizi em uma cena de "Teerã".
Navid Negahban como Masoud Tabrizi em uma cena de 'Teerã'
( Foto: AP )
Transformar Atenas em Teerã significou substituir postes de luz, placas e placas de rua, bem como adicionar vendedores de rua e placas de fachada. O aeroporto de Atenas foi usado para imitar o de Teerã e, em uma cena, um enorme mural do tamanho de um prédio retrata um aiatolá, um acréscimo graças aos efeitos especiais do computador.
Por meses antes de atirar, Sultan mergulhou nas artes marciais israelenses Krav Maga e nas aulas intensivas de Farsi. Ela inicialmente abordou a atribuição do idioma com confiança, pensando que sua formação ajudaria
“Eu pensei, 'Tudo bem. Não é um problema.' Meu pai fala marroquino, que é árabe. Eu estava tipo, 'Tudo bem, marroquino, farsi - provavelmente vai ser parecido.' Não! Não tem nada a ver com hebraico e nem com árabe. A pronúncia é tão, tão difícil para um falante de hebraico. ”
Zonder - que atuou como redator principal na primeira temporada de “Fauda”, a série de ação inovadora sobre o conflito israelense-palestino - passou anos pesquisando e escrevendo “Teerã”.
Co-criadores do programa de TV de sucesso de Israel "Fauda" Avi Issacharoff, à esquerda, e Lior Raz
Co-criadores do programa de TV de sucesso de Israel 'Fauda' Avi Issacharoff, à esquerda, e Lior Raz
( Foto: AP )
As duas séries compartilham uma tentativa de humanizar os inimigos. Em "Fauda", Zonder mostrou como um líder do Hamas com sangue israelense nas mãos também era um homem de família, assim como faz com o principal oficial de segurança iraniano perseguindo a heroína em "Teerã".
Zonder disse que voltou aos seus dias como jornalista investigativo, quando se sentava com os líderes do Hamas e da OLP e os entrevistava para entender seus pontos de vista.
“Sempre quero cruzar fronteiras - física e mentalmente - para encontrar aquele que me disseram durante toda a minha vida ser meu inimigo”, disse ele.
Embora hoje Irã e Israel sejam inimigos mortais, a série revela sua história compartilhada e o respeito que israelenses e iranianos tinham pelas culturas uns dos outros antes da Revolução Islâmica.
Shaun Toub como Faraz Kamali em uma cena de "Teerã".
Shaun Toub como Faraz Kamali em uma cena de 'Teerã'
( Foto: AP )
“É um país incrível. Eles têm uma natureza incrível, vistas e comida. Esperançosamente, algum dia, eu poderia visitar o Irã e Teerã ", disse Sultan." Mas, por agora, estou me concentrando na possibilidade de que talvez nossa série abra o coração das pessoas e talvez abra um diálogo entre israelenses e iranianos. ”
Embora a intenção possa ter sido construir pontes, a recepção do regime iraniano à série foi fria. O jornal Kayhan, alinhado ao governo, chamou a série de uma “produção anti-iraniana” que revela a agenda “pró-Ocidente e promíscua” de ativistas anti-Irã.
Ainda assim, isso não impediu os cineastas de esperar que alguns no Irã encontrem uma maneira de ver o show e ficarem tocados com o que os israelenses estão alcançando.
“Embora não seja um documentário, é muito importante para nós que as pessoas do Irã vejam o show e pelo menos alguns deles sintam que alguns dos personagens são representativos”, disse Zonder.


Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.



A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Coisas Judaicas se financia por meio da sua própria comunidade de leitores e amigos. Você pode apoiar o Coisas Judaicas via PayPal ou boleto. 
Veja como: 


Tikun Olam

Tikun Olam

Tikun Olam

olam
 (hebraico: תיקון עולם‎ ou תקון עולם, significando literalmente "reparação do mundo" e alternativamente "construção para eternidade") é um conceito no judaísmo interpretado no Judaísmo Ortodoxo como a perspectiva de superação de todas as formas de idolatria, e por outras denominações judaicas como uma aspiração para o comportar-se e agir de forma construtiva e benéfica. É importante no judaísmo e frequentemente usada para explicar o conceito judaico de justiça social.

O uso documentado do termo data de antes do período Mischnaico. Desde os tempos medievais, a literatura cabalística ampliou o uso do termo. Na era moderna, entre os movimentos pós Haskalah Ashkenazi, tikun olam é a ideia de que os judeus carregam a responsabilidade não apenas pela sua própria moral, espiritual e bem estar material, mas também pelo bem estar da sociedade como um todo. Aos ouvidos dos rabinos contemporâneos pluralísticos, o termo conota "o estabelecimento de qualidades divinas em todo o mundo".




Blog Judaico 
Receba nossa newsletter
Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.



A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Coisas Judaicas se financia por meio da sua própria comunidade de leitores e amigos. Você pode apoiar o Coisas Judaicas via PayPal ou boleto. 
Veja como: • PayPal pelo email : https://www.paypal.com/myaccount/transfer/homepage 
• Boleto ou transferência bancária: enviar email para coisasjudaicas@coisasjudaicas.com
 Yom Kippur - O dia do perdão

Yom Kippur - O dia do perdão

      Dia do Perdão - Yom Kippur - Uma data dedicada ao arrependimento e ao perdão
Yom Kippur - O dia do perdão

O Yom Kippur é uma das datas comemorativas mais importantes do judaísmo. É o dia mais sagrado do calendário judaico ou, em hebraico, o "Shabat HaShabatot" (o Sábado dos Sábados). Trata-se de uma data móvel, como ocorre, por exemplo, com a Páscoa dos cristãos.
O feriado começa no pôr-do-sol que dá início ao décimo dia de Tishrei, o sétimo mês do calendário judaico, e continua até o final da tarde seguinte. O Tishrei corresponde no calendário gregoriano a um período compreendido entre os meses de setembro e outubro.
Segundo a tradição religiosa, em Rosh Hashaná (o ano novo judaico), D´us julgou a humanidade e registrou sua sentença no Livro da Vida, mas ofereceu um período de reflexão de dez dias para os pecadores se arrependerem. Esse décimo dia é o Dia do perdão, ou Yom Kipur. No Yom Kippur, o Livro da Vida é fechado e selado.
A Torá, reunião dos livros sagrados do judaísmo (que os cristãos conhecem como o "Antigo Testamento"), traz em seu terceiro livro, o Va-Ykra ou Vaicrá (o Levítico dos cristãos), as recomendações sobre como proceder no feriado, feitas diretamente por Deus a Moisés, o profeta que libertou os judeus do cativeiro no Egito.
Assim, o Yom Kippur é um dia dedicado ao jejum, à oração e à reflexão, ao arrependimento e ao perdão. É um dia de "não fazer", porque nele não se deve comer ou beber, tomar banho, passar perfumes ou cremes, nem ter relações conjugais ou vestir calçados de couro (material resultante da morte de um animal).
Não se pode carregar nada, acender fogo, fumar, nem usar eletricidade. Essas restrições visam aproximar o homem de seu espírito. Estão dispensados do jejum os doentes, as crianças menores de nove anos e as mulheres grávidas ou que deram a luz há menos de 30 dias.
Na sinagoga, o templo do judaísmo, o Yom Kippur começa com a entoação do Kol Nidre, uma prece que enfatiza a importância de cumprir os votos e não violar um juramento. Uma parte importante da celebração é o Vidui ou confissão, que é feita no plural, lembrando a pertinência dos indivíduos à comunidade.

No final do Yom Kippur, ocorre a cerimônia do Ne'ilá (Neílah), que marca a última oportunidade para o arrependimento. Nela, as portas da Arca onde se guardam os rolos da Torá permanecem abertas, significando que, naquele momento, os portões do Paraíso também estão abertos.

A celebração se encerra com a repetição do versículo "Adonai é nosso D´us" por sete vezes. O Shofar (uma trombeta de chifre de carneiro) soa e a congregação proclama: "No ano que vem em Jerusalém".
A saudação comum durante o período do Yom Kipur é "Que você seja inscrito no Livro da Vida".



Blog Judaico 
Receba nossa newsletter
Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.



AOC desiste do evento de comemoração de Rabin após protestos online

AOC desiste do evento de comemoração de Rabin após protestos online

AOC desiste do evento de comemoração de Rabin após protestos online
      
A pró-palestina chamou sua decisão original de participar do memorial Rabin de 'nojenta'

A congressista norte-americana Alexandria Ocasio-Cortez (D-NY) desistiu na sexta-feira de um evento de comemoração em homenagem ao primeiro ministro israelense Yitzhak Rabin no 25º aniversário de seu assassinato, após uma onda de críticas online de ativistas pró-palestinos. 

Um porta-voz de Cortez mais tarde confirmou ao The Times of Israel que o legislador havia decidido desistir do evento virtual de 20 de outubro apenas um dia depois que o Americans for Peace Now anunciou sua participação. 

O acontecimento veio depois que defensores dos direitos palestinos acessaram a internet para criticar o legislador de 30 anos, alegando que sua decisão "nojenta" mostrava "total desprezo pelas vidas palestinas".

“Os palestinos se lembram [de Rabin] por sua regra brutal suprimindo os protestos palestinos durante a Primeira Intifada [levante], como alguém que ordenou a quebra de ossos palestinos”, twittou um repórter para a congressista. 

Em resposta, Ocasio-Cortez escreveu: “Este evento e meu envolvimento foram apresentados à minha equipe de forma diferente de como está sendo promovido agora. Obrigado por apontar isso. Dando uma olhada nisso agora. ”

Poucas horas depois de postar sua resposta e conversar com o Americans for Peace Now, a equipe da congressista anunciou que ela não participaria mais do evento de comemoração. 

Brian Reeves, Diretor de Desenvolvimento e Relações Externas do Peace Now Israel, instou Ocasio-Cortez a reconsiderar sua decisão, perguntando: “Você realmente vai boicotar a nós e a todo o nosso trabalho com os palestinos para apoiar os direitos humanos e o fim do conflito, só porque Rabin não era um ocioso perfeito após 5 décadas de conflito? ” 

Ocasio-Cortez, considerado uma estrela em ascensão na política progressista dos EUA, frequentemente bate de frente com a liderança democrata em uma série de questões, incluindo o apoio tradicional do partido a Israel. 

Em junho, ela estava entre os quatro legisladores do Congresso que apoiaram um pedido de retirada da ajuda de Israel se ela prosseguisse em seus planos, desde então engavetados, de anexar territórios na Cisjordânia.  




Blog Judaico 
Receba nossa newsletter
Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.