Chayei Sarah
עילוי  נשמת
מזל בת אסתר נאצר נלב''ע ה' סיון תשמ''א
חיים בן שפיאה נאצר ז''ל נלב''ע י''ז שבט תשס''ב
אסתר בת אולגה  נלב''ע  כ''ב כסלו
מרדכי בן שרה הכהן דואק כ''ו תמוז
גרשום בן עקיבא רבינוביץ ב' אלול

Chayei Sarah
E foram os dias de Sarah….


O livro do Zohar , clássico da Kabalá, explica que a história da vida de Sarah simboliza a descida da Alma Divina (que é apelidada de Avraham) para o corpo (que é apelidado de Sarah).

A Alma Divina chamada de "Neshamá" é você . Você , que desceu de um mundo superior para vencer uma corrida de obstáculos cheia de desafios que chamamos de vida cumprindo as Mitzvót (comandos Divinos) para ganhar por próprio mérito um “baixo paraíso”, mundo da Yetzirá (no qual uma hora nele eqüivale a setenta anos dos maiores prazeres neste mundo) ou até um alto paraíso, mundo da Briá (onde uma hora nele eqüivale à setenta anos no baixo paraíso) , um nível bem mais alto do que o que você estava antes de descer para este mundo.

A Neshamá é pura e linda , cada ano que passa ela fica mais refinada e reluzente por meio do cumprimento das Mitzvót. Poderíamos dizer como exemplo que cada ano que passa , enquanto o corpo fica mais velho a Neshamá fica “mais jovem".

O elo entre a Neshamá e o corpo é a alma animal , que é uma alma espiritual de um nível bem mais baixo que é o lado espiritual do nosso mundo material. Essa alma animal é chamada de Nefesh habehemit, uma alma espiritual a nível deste mundo chamado de mundo de Assiá (ação).

Sendo que a Neshamá vem de um nível muitíssimo elevado, ela não consegue se revestir diretamente no corpo material e se reveste na alma animal para acionar o corpo.

Nosso corpo é somente o equipamento com suas limitações e defeitos e a alma animal é só o software do corpo e tem “vontades” próprias que são somente os interesses do animal racional.

O primeiro desafio que temos a enfrentar (com jeitinho para não quebrar o equipamento nem seu software mas sim transformá-los em aliados ao nosso objetivo) é focar a alma animal e o corpo nos interesses da Alma Divina .

A alma animal está revestida no corpo sentindo suas dores e seus prazeres dando origem ao primeiro obstáculo para a Alma Divina que são os interesses do corpo. Por instinto a alma animal vai tentar usar a Neshamá para incrementar seus prazeres transformando a descida dela para esse mundo em um fracasso total .

Para que isso não aconteça vamos ter que domá-la ajudando-a pouco a pouco a deixar de ser animal. Mas sem overtraining , tomando o devido cuidado para o conjunto ”alma animal e corpo” não quebrar mas sim usar seu entusiasmo animal a nosso favor.

A Alma Divina tem um “instinto” que a impulsiona para fazer a vontade Divina que é chamado de Yetzer Hatov.

A alma animal tem um “instinto” que a impulsiona para fazer as vontades do corpo , esse instinto é chamado Yetzer Hará .

O Zohar nos conta que todas as noites quando vamos dormir , nossa alma sobe e se apresenta ao tribunal Divino, “juízes da competição”. Ela é julgada por essa etapa da “corrida” . Se ela vence ela volta de manhã para continuar competindo.
Ela é julgada de duas formas diferentes. O julgamento das ações positivas não é como o das negativas.

Ações negativas :Ela não é julgada pelas coisas negativas que vai fazer mas somente pelas que já fez.

Ações positivas: Ela recebe um prêmio pelo que já fez e também é favorecida pelo que vai fazer.

Assim ela volta feliz e renovada de manhã para o corpo, mesmo que seus atos atuais não justifiquem isso sendo que ela é favorecida pelos seus atos futuros.
Nosso mundo é o mundo da ação, estamos aqui para fazer, e por isso somos antecipadamente favorecidos pelo que vamos fazer no futuro. Mas se não fizermos nada, nem agora e nem no futuro, não temos motivo para estar aqui e na primeira apnéia nossa Alma deixa o corpo e não volta mais.

Quando ela sobe , um espírito impuro paira sobre o corpo. Quando ela volta , esse espírito impuro foge mas ainda fica ligado a nossos dedos, por isso fazemos Netilat Yadaim. Lavamos as mãos de manhã intercaladamente para tirá-lo. Acordamos felizes por termos vencido a etapa do dia e agradecemos à Hashem dizendo “Modé Ani…”

O Zohar nos conta que os dias da nossa vida estão vinculados à sete Sefirot compostas de dez , ou seja , Chessed , Guevura , Tiferet , Netzach , Hod , Issod e Malchut , cada uma delas tem , fora seu aspecto principal , mais nove pequenos aspectos que são pequenas revelações das outras Sefirot ,e mais Chochmá , Biná e Daat . Por isso diz o rei David no Tehilim :- “Os dias da nossa vida são setenta anos” , ou seja , sete sefirot compostas de dez , e quando chegamos ao último nível e já não temos mais onde nos apoiar , então começa nossa decadência .

Ou seja , o tempo da corrida é cronometrado ! O rei David fala sobre uma pessoa normal , mas quem aproveitou os setenta anos para subir de nível em nível e se tornou um Tzadik ou , como no caso de Sarah , uma Tzadeket, se conecta a Sefirá que está acima das sete , ou seja , a Biná que engloba as três primeiras , e lá não tem declinação e limite para a vida porque lá já existe o vínculo ao infinito . Por isso está escrito :- “Vaihiu Chayei Sarah” , uma linguagem de “ser”. Foram dias verdadeiros sem declinação.

Também a palavra “esses” foram os dias da vida de Avraham” se refere ao mesmo assunto. E se perguntarmos :- Por quê essa mesma linguagem é usada para os dias de Ishmael ? O motivo é simples , porque  Ishmael voltou para o bom caminho, ele fez Teshuvá!  O Zohar nos conta que Ketora, a segunda esposa de Avraham, era a própria Hagar que fez Teshuvá e até mudou de nome para expressar a veracidade da sua mudança de comportamento.

O fato de a Torá nos contar a história de Sarah e o Zohar nos revelar os segredos que estão por trás dela , vem nos indicar que “As atitudes dos patriarcas são um exemplo para os filhos” (que somos nós).  À cada um de nós foram dadas as forças necessárias para chegarmos a etapa final dessa corrida e vencermos. Só temos que fazer isso sem overtraining, sem fundir o motor para tentar chegar mais rápido e por outro lado também não ficarmos parados com medo de ter uma distensão , mas a cada dia fazer as Mitzvot daquele dia com muita alegria amor e carinho , e o principal : Saber que Hashem é a essência do bem e a natureza de quem é bom é fazer o bem ,  e que Hashem está o tempo todo na nossa torcida, levando a gente pela mão, nos ajudando a ultrapassar cada obstáculo e pronto para comemorar a nossa vitória com a Gueulá verdadeira e completa por meio do Mashiach em breve em nossos dias!

Nossa Parashá é dedicada à Elias e Fernanda Messer que por meio da sua empresa Line Life patrocinam a nossa ONG TORÁ. Que Hashem dê à eles e à toda a sua família muito sucesso, muita saúde, muito dinheiro e felicidades judaicas de toda a família

Nossos agradecimentos à querida família Nasser, às famílias Gueler e Rabinovich, à Roger Ades e família, à Francis e Fábio Grossmann (grupo Facislito) ,  à empresa Neeman despachantes aduaneiros, à família Guttmann, e à família Worcman grupo  hotel Rojas

Nossos agradecimentos também à Yehuda e Laura Carmi, à Família Grinszpan,
À Samy Sarfatis Metta , à Tiago e Rosiele Bolcont, à à empresa Adar Tecidos , às nossas voluntárias e à todos vocês que lêem a nossa Parashá. Que Hashem dê à todos vocês muito sucesso muita saúde muito dinheiro e felicidades judaicas de toda a família!

Shabat Shalom!

Rabino Gloiber
Sempre correndo
Mas sempre rezando por você
Se você quiser dedicar uma Parashá entre em contato pelo e-mail

Coisas Judaicas

Coisas Judaicas

Blog Judaico - Tudo sobre Israel, judaísmo, cultura e o mundo judaico

Deixe seu comentário:

0 comments:

Deixe sua opinião