Milhares de cristãos participam da Marcha de JersualémOs cristãos dão seu apoio a Israel na multitudinária Marcha de Jerusalém.

Milhares de cristãos evangélicos de quase uma centena de países atravessaram as ruas de Jerusalém em apoio de Israel em um desfile que acontece todos os anos durante a festa judaica de Sukkot ou Festa dos Tabernáculos.

Em Saker Park, o maior em Jerusalém, agitaram bandeiras dos cinco continentes, das quais dezenas de milhares de pessoas chegaram à Marcha de Jerusalém, que durante décadas convocou a embaixada cristã internacional na cidade sagrada, uma grupo cristão evangélico pro-Israel.

Neste lugar, onde ele começou o passeio, sentado no gramado e cercado por compatriotas - a julgar por suas camisas vermelhas com o escudo peruano - é José Montoya, pastor de uma igreja em Lima.

"A profecia está se tornando atual neste momento e temos livros como o de Zacarias, Isaías ou Jeremias que apontam para a reunião das nações neste lugar chamado Jerusalém", diz o pastor.
Milhares de cristãos participam da Marcha de Jersualém

De acordo com os evangélicos, os principais membros deste evento, os "gentios" (não-judeus) são chamados a apoiar os judeus para que o Messias possa abençoar o mundo inteiro, de acordo com um capítulo do Gênesis do qual eles fazem uma leitura literal .

Para eles, o retorno dos judeus à Terra Prometida é um dos principais requisitos para o retorno de Jesus e condição indispensável para a redenção final, momento em que os judeus o reconhecerão como o Messias.

A poucos metros de Montoya, um espanhol com um vestido vermelho e dourado reluzente segura na mão direita uma almofada sobre a qual há uma coroa: "É a coroa do messias, estamos esperando que ele venha e possa ser o rei de Israel" , explica Jésica Zaragoza Duarte, que atualmente mora nos Estados Unidos.

"Nós viemos do Brasil", ouvimos o grito de um grupo muito grande que aperta as mãos e usa as cores amarelas e verdes de sua bandeira.

"É a quinta vez que estamos aqui na marcha da paz para Israel, esperamos que o profeta traga a paz para este país, a paz em Jerusalém. Deus vai descer nesta cidade e especialmente no Estado de Israel ", diz Yaser Cardoso, que vem com uma delegação de São Paolo (Brasil).

Quando a comitiva dá seus primeiros passos, à frente da infinita fileira de pessoas estão três homens jovens com três cabeças gigantes feitas de papelão.

"Somos parte de um grupo de teatro e este é o terceiro ano em que participamos no desfile. Queríamos trazer personagens que representem a história de Jerusalém. Pego um cantor daqui, ele é de um jogador de futebol, Eli Ohana, e ela tem um general, não sei o que tem a ver com Jerusalém, mas há algo ", ri Dana Forar.

No ato também foram representados vários setores de Israel, desde empresas elétricas ou aéreas até as forças de segurança, como militares, policiais de fronteira e pára-quedistas.
A embaixada internacional cristã em Jerusalém descreveu isso como um "festival bíblico único" e um dos eventos mais populares para turistas cristãos em Jerusalém, que de acordo com suas estimativas produzirá um benefício econômico entre 15 e 17 milhões de euros.
Ele também dedicou a marcha deste ano para "celebrar o quinquagésimo ano do jubileu de uma Jerusalém reunida".
Em 1967 e após a Guerra dos Seis Dias, o país recuperou Jerusalém Oriental e anexou-o em 1980 em uma decisão refutada pela comunidade internacional. 
EFE e Aurora
Links:


Coisas Judaicas

Coisas Judaicas

Blog Judaico - Tudo sobre Israel, judaísmo, cultura e o mundo judaico

Deixe seu comentário:

1 comments:

  1. Acabo de chegar do 1º Congresso Internacional de Arqueologia Bíblica, realizado na Universidade Adventista de São Paulo - UNASP, em Engenheiro Coelho. Como palestrantes haviam também cientistas judeus da Universidade Hebraica de Jerusalém. Foi um sucesso em termos de audiência. Volto com a impressão que há um movimento em curso que visa o resgate do contexto original da brit hadasha que era fundamentalmente judaico. Neste sentido, respeitadas as diferenças, isto demonstra a possibilidade de melhorar a relação entre os dois grupos pelos aspectos em comum que se encontram em sua origem e como força catalisadora na desconstrução do antisemitismo.

    ResponderExcluir

Deixe sua opinião