Polícia recusou-se a proteger sinagoga em Charlottesville

A comunidade judaica teve de contratar segurança privada para proteger o templo durante as manifestações de extrema-direita.

A polícia da cidade de Charlottesville recusou-se a patrulhar especificamente a sinagoga da comunidade judaica local, apesar das manifestações de supremacistas-brancos durante o fim-de-semana. Por isso, os judeus locais optaram por contratar segurança armada para proteger o tempo e a sua congregação.

O presidente da Congregação Beth Israel na cidade de Charlottesville escreveu no seu blog uma publicação sobre o medo que a comunidade judaica sentiu durante o fim-de-semana enquanto era confrontada por membros de extrema-direita que desfilavam palavras anti-semitas. 

Zimmerman explica que a polícia tinha prometido destacar um agente para guardar a sinagoga, mas que a promessa não foi cumprida e que o templo foi deixado sem vigilância e à mercê de um ataque. O responsável refere mesmo que três homens chegaram a armar uma arma semi-automática do outro lado da rua da sinagoga. "Caso eles tentassem entrar, não sei o que poderia ter feito para os travar", escreveu Zimmerman.

O homem afirma ainda que várias paradas Nazis passaram em frente ao edifício, a entoar cânticos anti-semitas e a proferir afirmações como "Sieg Heil" e alguns carregavam inclusivamente bandeiras com suásticas.
Polícia recusou-se a proteger sinagoga em Charlottesville
O responsável pelo templo escreveu ainda que soube de sites nazis onde se incitava a que queimassem a sinagoga, o que levou os líderes do templo a "removerem as Toras, incluindo um pergaminho do Holocausto".

Tudo isto sucedeu antes de James Fields ter embatido com o seu carro num grupo de manifestantes que protestavam contra a aglomeração de grupos de extrema-direita. Este ataque com o veículo resultou na morte de uma mulher de 32 anos e pelo menos 19 ficaram feridas. 


Coisas Judaicas

Coisas Judaicas

Blog Judaico - Tudo sobre Israel, judaísmo, cultura e o mundo judaico

Deixe seu comentário:

0 comments:

Deixe sua opinião