O que é a caligrafia de Rashi e de onde veio?Por Yehuda Shurpin

Pergunta:

Eu vi as letras hebraicas impressas no padrão "quadrado" e "na caligrafia de Rashi”. Você pode explicar as origens da escrita de Rashi? É uma caligrafia exclusiva?

Resposta:

Rashi é um acrônimo de Rabi Shlomo Yitzchaki (1040–1105 EC), cujo comentário, sem exagero, é considerado o principal comentário bíblico até hoje. A grande maioria das Bíblias judaicas são impressas em conjunto com o comentário clássico de Rashi, que geralmente é impresso em uma letra script diferente. Rashi, no entanto, nunca escreveu neste script.
Antes de entrar nas origens dessa caligrafia e de onde obteve o nome, deve-se apontar que, exceto as letras א ב צ ש, a caligrafia de Rashi é muito parecida com as fontes convencionais usadas na impressão hebraica:

A Imprensa

Até o século 15, os escribas judeus escreveram meticulosamente cada cópia da Torá, os comentários e outros manuscritos. Com a invenção da imprensa por Johannes Gutenberg em torno de 1439, "o Povo do Livro" começou a tirar vantagem dessa inovação para disseminar obras judaicas.
Não está claro qual o trabalho hebraico que pode reivindicar o título de ter sido o primeiro livro judaico impresso, já que muitas das primeiras obras judaicas foram impressas sem data. No entanto, o primeiro trabalho judaico impresso com uma data é o comentário de Rashi sobre o Pentateuco, publicado em 5 de fevereiro de 1475, em Reggio, Calabria, por um juiz sefardita chamado Abraham Garton. (Esta não foi a primeira edição impressa do comentário de Rashi, entre 1469 e 1472, três irmãos, Obadiah, Menashe e Benjamin de Roma, eram conhecidos por terem impresso uma edição de Rashi, mas sem data.1) O que é único sobre a edição 1475 de Rashi é que a impressora criou e usou um novo tipo de letra com base na escrita sefaradi semi-cursiva existente.
Enquanto as primeiras edições do comentário de Rashi foram impressas como um trabalho separado sem o texto bíblico atual, mais tarde, esse tipo de letra foi adotado por outras impressoras quando imprimiram obras como o Mikraot Guedolot, uma edição da Torá que inclui vários comentários, como Rashi. Para distinguir entre o texto bíblico e os comentários, o texto bíblico foi impresso no tipo de letra comum quadrado, enquanto os comentários foram impressos no que é hoje conhecido como a Escrita Rashi.
Embora não esteja claro quem realmente cunhou o termo "Escrita Rashi", o termo evoluiu a partir do fato de que o comentário de Rashi - impresso em "letras de Rashi" - não é apenas o comentário mais proeminente, é muitas vezes impresso como o único comentário dentro da Torá.

Razões para usar a letra Rashi

Além de usar o tipo de letra Rashi como meio de diferenciação entre os textos, existem várias razões pelas quais as impressoras optaram por usar essa letra:
• A Escrita Rashi era um tipo de letra mais compacta, o que permitia que mais palavras coubessem em uma página. Numa época em que papel e impressão eram muito caros, muitos optaram por usar a Escrita Rashi para outras obras hebraicas.
• O tipo de letra Rashi foi considerado como contendo um "menor grau de santidade", então alguns optaram por usá-la para escritos rabínicos.
• O tipo de letra quadrado comum usado na impressão se assemelha às letras em um rolo da Torá, e não se deve usar a letra da Torá para qualquer outra coisa que não seja no pergaminho do rolo da Torá e outros artigos sagrados. Como a Escrita Rashi é bastante diferente da escrita da Torá, alguns a preferiram.2
No entanto, o Lubavitcher Rebe encorajou fortemente o uso do tipo de letra quadrada comum para que esses vários comentários e pensamentos da Torá se tornassem acessíveis ao maio número de pessoas possível.3

Pensamentos finais sobre aprender Rashi

Seria negligente de minha parte se ao discutir o comentário de Rashi eu não mencionasse que o Rebe anterior, o rabino Yosef Yitzchak Schneersohn, foi quem instituiu que cada pessoa aprenda, como parte de seu estudo diário, uma parte da porção semanal da Torá juntamente com o comentário de Rashi . Cada porção da Torá é dividida em sete partes, correspondendo aos sete dias da semana. Assim, no domingo, aprenderia desde o início até "Sheini", a segunda aliá e na segunda-feira até "Shelishi", a terceira aliá e assim por diante etc.
A explicação de Rashi sobre a Torá é uma parte indispensável ao estudo diário de Torá de uma pessoa. Seus comentários possuem a habilidade única de tanto esclarecer o significado “simples” do texto de forma que mesmo uma criança brilhante de cinco anos possa entender, e ao mesmo tempo, fornece a fonte sobre a qual a maioria dos outros comentários clássicos se basearam. Eles também serviram como fundamento para alguns dos mais profundos discursos jurídicos e místicos obtidos dali propiciando a criação de “super Comentários” próprios.
Dada a primazia do comentário de Rashi, é apropriado que a escrita geralmente usada para traçar comentários rabínicos à Torá tornou-se universalmente conhecida como a Escrita Rashi.

NOTAS
1.
“Rashi: Commentary and Plain Meaning,” University of Pennsylvania Libraries, Judaica Online Exhibitions(accessed June 28, 2017).
2.
Maguen Avraham, Orech Chaim 334:17; veja também Igrot Kodesh, vol. 18, p. 177, e Shulchan Menachem, vol. 5, p. 214, e fn. 13.
3.
Veja Torat Menachem 5749, vol. 3, p. 101, citado em Shulchan Menachem, vol. 5, p. 215.
Coisas Judaicas

Coisas Judaicas

Blog Judaico - Tudo sobre Israel, judaísmo, cultura e o mundo judaico

Deixe seu comentário:

0 comments:

Deixe sua opinião