Praticamente todas as pessoas que assistiram Mulher Maravilha concordam que a atuação de Gal Gadot e a direção de Patty Jenkins foram simplesmente impecáveis
Chamaram Mulher Maravilha de retrocesso Chamaram Mulher Maravilha de retrocesso e diretora respondeu:
Patty Jenkins não ficou feliz e foi simplesmente maravilhosa. 

Praticamente todas as pessoas que assistiram Mulher Maravilha concordam que a atuação de Gal Gadot e a direção de Patty Jenkins foram simplesmente impecáveis. Entretanto, o diretor James Cameron tem uma opinião diferente, dizendo que a super-heroína é um “ícone objetificado”. 

Durante uma entrevista com o jornal Guardian, ele comparou a interpretação da Mulher Maravilha com a sua personagem Sarah Connor, em Terminator. “Todo esse furor de Hollywood em cima de Mulher Maravilha está errado. Ela é um ícone objetificado, e significa que é a Hollywood machista fazendo a mesma coisa”, disse. “Eu não estou dizendo que não gostei do filme, mas, para mim, é um retrocesso. 

Sarah Connor não era um ícone de beleza. Ela era forte, tinha problemas, era uma péssima mãe, e ela ganhou o respeito do público por pura força”. Entretanto, como já era de se esperar, Patty não ficou calada e resolveu mostrar que “não há certo ou errado quando se trata de mulheres poderosas”. Ela também sugeriu que James não entende o que Mulher Maravilha realmente significa para as mulheres. 

Em seu Twitter, a diretora mandou o recado: “A inabilidade de James Cameron de entender o que Mulher Maravilha é, ou representa, para as mulheres ao redor do mundo, não é uma surpresa, apesar de ele ser um ótimo diretor, ele não é uma mulher. Mulheres fortes são ótimas. Seu elogio ao meu filme Monster e nossa interpretação de uma mulher forte, mas cheia de defeitos, foi muito apreciada. 

Mas se as mulheres precisam ser sempre duronas, difíceis e problemáticas para serem fortes, e nós não estarmos livres para ser multidimensionais ou celebrar um ícone de mulher, porque ela é bonita e amorosa, então não chegamos tão longe, né? Eu acredito que mulheres podem e devem ser TUDO, assim como todos os protagonistas homens. Não tem tipo certo ou errado de mulheres poderosas. 

E a audiência feminina massiva que fez o filme o sucesso que é, podem julgar quem são seus ícones de progresso”, finalizou.
Um lacre no filme e outro nas redes sociais. Patty ❤
Coisas Judaicas

Coisas Judaicas

Blog Judaico - Tudo sobre Israel, judaísmo, cultura e o mundo judaico

Deixe seu comentário:

1 comments:

  1. James Cameron não gostou de Gal por duas razões: primeiro porque ele é mais feminista do que mulher (para ele teria ela que vestir camisa, fazer apologia política dessa ideologia...) mas, acontece que ela é casada, é mãe, é judia, é branca, é bem sucedida e já era milionária antes do filme: onde já se viu tamanha afronta às suscetibilidades desse sr.! Para tal Sr. que pensa apenas via esteriótipos ideologizados, não importa o talento, a inteligência e toda beleza da atriz de Israel o que importa é que ela não representaria assim o ideal preconizado pela cabecinha de "gente do bem" que diz ser mas que, aos costumes, de gente do bem não tem absolutamente nada! É mais um urubu que fala pelo bando...

    ResponderExcluir

Deixe sua opinião