O primeiro-ministro Binyamin Netanyahu está pensando em fechar o escritório de Jerusalém da rede de televisão al-Jazeera
 Al-Jazeera - Coisas Judaicas


Escrito por Andrew Friedman / TPS em 13 de junho de 2017

O primeiro-ministro Binyamin Netanyahu está pensando em fechar o escritório de Jerusalém da rede de televisão al-Jazeera, baseada em Qatar, de acordo com relatórios da mídia.

Os relatórios seguem as declarações de segunda-feira pelo ministro da Defesa, Avigdor Liberman, que explodiu a rede como um porta-voz de propaganda nazista ou de estilo soviético e acrescentou que Jerusalém deve aproveitar as tendências regionais para defender os interesses de Israel.

"Alguns interesses dos países árabes se sobrepõem aos interesses israelenses, incluindo o problema com a al-Jazeera", disse Liberman.

Nos últimos anos, a Al-Jazeera foi expulsa de vários países árabes, incluindo Síria, Egito, Líbia e Iêmen. No começo deste mês, a Arábia Saudita e a Jordânia também revogaram as licenças de transmissão do grupo e fecharam seus escritórios como parte de um movimento regional árabe sunita para isolar Qatar como punição por seus laços estreitos com o Irã.Tradução:

Walid al-Omari, chefe do departamento de Jerusalém em Jazeera, disse à TPS que a rede apelaria ao Supremo Tribunal de Justiça para bloquear a mudança se os relatórios se revelarem fundamentados.

"O fato de que a Arábia Saudita nos fechou não é motivo para o Sr. Netanyahu fazer o mesmo", disse Al-Omari. "Mas eu posso dizer que Avigdor Liberman tem tentado nos banir desde que ele era o ministro das Relações Exteriores. Ele diz que somos culpados de incitamento, mas não é verdade. Nós nunca quebramos nenhuma lei israelense - pelo contrário. Muitas vezes, apresentamos convidados israelenses e abordamos questões dentro da sociedade israelense, não apenas no que diz respeito ao conflito com os palestinos ".

Alan Abbey, professor adjunto de jornalismo na Universidade Nacional de São Diego e professor de ética jornalística na Escola Getty do Jornalismo Virtual em Bat Yam, disse à TPS que, embora a al-Jazeera certamente não seja amiga de Israel, expulsar a rede de Israel seria uma má decisão em níveis táticos e estratégicos.


"Com certeza, a al-Jazeera parece ter um ponto cego quando se trata do conflito israelo-palestino, seja qual for o bom jornalismo que possa ter produzido de tempos em tempos", disse Abbey à TPS. "Eles definitivamente têm uma agenda. "Mas todos os expulsos fariam é chutar e legitimar as preocupações domésticas israelenses de que a administração Netanyahu tem um medo real do jornalismo. É difícil ver algo positivo resultante disso. "

Abbey acrescentou que existe uma relação naturalmente contraditória entre funcionários eleitos e jornalistas de investigação cujo trabalho é monitorar registros de votação, atividades públicas e comportamento privado. Ele também observou que, com algumas exceções escuras - lugares como a China e a Coréia do Norte - a "censura" na era da Internet dificilmente é hermética, e a maioria das pessoas que querem informação pode acessá-la, apesar dos melhores esforços dos governos ilegais. Mas ele enfatizou que uma imprensa livre e independente é uma característica de um sistema democrático.

"Não existe um governo no mundo, democrático ou não, que goste de uma imprensa livre. Eles a toleram, eles entendem que é necessário para a preservação da democracia. Mas a natureza do relacionamento é como policiais e criminosos. São, por definição, sempre em desacordo.

"Mas uma democracia forte pode resistir a um jornalismo tendencioso ou mesmo desequilibrado. Qualquer um que lê a al-Jazeera com qualquer inteligência pode entender que eles têm uma agenda e um ponto cego quando se trata do conflito israelo-palestino ", disse Abbey.

Tradução: Aguinaldo Wechesler
Coisas Judaicas

Coisas Judaicas

Blog Judaico - Tudo sobre Israel, judaísmo, cultura e o mundo judaico

Deixe seu comentário:

0 comments:

Deixe sua opinião