Coisas Judaicas

Escrito por Ilana Messika / TPS em 12 de junho de 2017

Um par de ladrões de antiguidades foram capturados no ato durante o fim de semana depois que um alerta avisou as autoridades notificadas.

Uma patrulha da unidade de prevenção de roubo da Autoridade de Antiguidades de Israel (IAA) apreendeu dois moradores de Nazaré com ferramentas de escavação na posse do sítio arqueológico da antiga Tzipori, também conhecida pelos nomes gregos Sephoris e Diocaesarea, na Galileia Ocidental.

Tzipori era um centro judaico de aprendizagem e, no terceiro século, o CE era o lar do rabino Yehuda Hanassi, o chefe da mais alta corte religiosa judaica, o Sinédrio e compilador da Mishná, um comentário sobre a Torá.

Os dois homens, na faixa dos trinta, aparentemente estavam tentando descobrir um túnel de 2.000 anos usado como um esconderijo durante a época romana, a fim de roubar artefatos.

"Estamos vendo uma atividade criminosa significativa por ladrões de antiguidades no norte", disse Nir Distelfeld, um inspetor da IAA. "A região do norte está cheia de milhares de sítios de antiguidades e nossa missão é protegê-los e evitar o saque. É um objetivo complexo e desafiador ".

"Parece que nem as altas temperaturas nem o Ramadan podem ser suficientes para dissuadir os ladrões de tentar encontrar tesouros antigos", acrescentou Distelfeld.

Distelfeld disse que outra célula havia sido pega há duas semanas, enquanto escavava ilegalmente na região de Carmiel.

O diretor da Unidade de Prevenção de Roubo da IAA, Amir Ganor, disse ao Tazpit Press Service (TPS) que a IAA acredita que há entre 200 a 250 roubos de antiguidades por ano em Israel, contribuindo para um mercado negro próspero no país. O número de membros da célula pode variar de duas a dezenas.

"A Unidade de Prevenção opera dia e noite em todo os 30 mil antiquários de Israel para proteger os artefatos, mas nossa tarefa é muito desafiadora", explicou Ganor ao TPS. "Estes são sítios abertos acessíveis a todos. As pessoas podem visitar áreas importantes para a nossa herança, mas existem algumas que aproveitam este fácil acesso para cometer roubo. Nós simplesmente não podemos enviar guardas em cada sitio ", disse Ganor.

Ganor acrescentou que "a colaboração entre a Unidade, a Polícia de Fronteiras, os voluntários, a tecnologia e a inestimável vigilância do público é o que leva a maior parte dessas células serem apreendidas e levadas à justiça".

Ganor também explicou que muitos dos antigos ladrões no norte de Israel eram árabes-israelenses, de Nazaré, por exemplo, que têm conhecimento incomparável do terreno. Esse fato dificulta sua captura e torna a região do Norte particularmente vulnerável, disse ele.

O dano a um sítio arqueológico é punível com a lei e leva até cinco anos de prisão.


Tradução: Aguinaldo Wechesler



Coisas Judaicas

Coisas Judaicas

Blog Judaico - Tudo sobre Israel, judaísmo, cultura e o mundo judaico

Deixe seu comentário:

0 comments:

Deixe sua opinião