O presidente da Knesset, Yoel (Yuli), Edelstein apelou a noite de quarta-feira para os EUA reconhecerem Jerusalém como a capital de Israel,
 Knesset, o Congresso comemora Jerusalém unida na Sessão Conjunta


Escrito por Ilana Messika / TPS em 08 de junho de 2017

O presidente da Knesset, Yoel (Yuli), Edelstein apelou a noite de quarta-feira para os EUA  reconhecerem Jerusalém como a capital de Israel, movendo a embaixada dos EUA de Tel Aviv para Israel.


Falando em um evento sem precedentes do Congresso dos EUA e do Congresso dos EUA para marcar o 50º aniversário da reunificação de Jerusalém durante a Guerra dos Seis Dias, Edelstein disse: "Cinquenta anos atrás, os pára-quedistas israelenses tocaram o muro ocidental, as mesmas pedras onde o presidente recentemente rezou. O primeiro presidente dos EUA a visitar o muro ocidental. Por causa de Jerusalém, não fiquemos em silêncio.

"Somente a soberania israelense assegurará que os locais sagrados da cidade permaneçam abertos, gratuitos e seguros para membros de todas as religiões", continuou ele. "Então eu exorto a administração [dos EUA]: siga a liderança estabelecida pela Câmara e pelo Senado. Reconheça Jerusalém como a capital oficial e inquestionável do Estado de Israel. Traga sua embaixada para a nossa capital”.

As declarações de Edelstein surgiram no início de junho da ordem executiva do presidente dos EUA, Trump, adiando a transferência da embaixada para Jerusalém, violando uma promessa de campanha central, presumivelmente para evitar sabotar as chances de reiniciar o processo de paz israelo-palestino. A decisão desencadeou sentimentos mistos dentro do escalão político israelense, especialmente para os membros da direita que haviam saudado a presidência de Trump como um momento de renascimento para as relações EUA-Israel.

O primeiro-ministro Binyamin Netanyahu também enfatizou Jerusalém como a "capital eterna e indivisível do Estado judeu de Israel" e acentuou a liberdade de religião e culto que resultou de Israel recuperando os lugares sagrados. Da Colina do Capitólio, o Presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Paul Ryan, ecoou o sentimento de Netanyahu.

"Somente em Jerusalém o judaísmo, o cristianismo e o islamismo convergem nas raízes de suas crenças [e] somente em Jerusalém, os seguidores das três grandes religiões monoteístas podem adorar em alguns dos seus santíssimos sítios de forma segura e pacífica", acrescentou Ryan. "Não vamos dar por garantido. Não foi sempre assim ".

O evento, iniciado e organizado pelo embaixador israelense nos EUA Ron Dermer, também incluiu membros do Lobby Knesset para Relações EUA-Israel e Embaixador dos EUA em Israel David Friedman e sua esposa. A audiência no Congresso dos EUA consistiu em senadores, deputados do Congresso, diplomatas e líderes da comunidade judaica americana.


Ilana Messika
Tazpit Press Service
Tradução: Aguinaldo Wechesler
Coisas Judaicas

Coisas Judaicas

Blog Judaico - Tudo sobre Israel, judaísmo, cultura e o mundo judaico

Deixe seu comentário:

0 comments:

Deixe sua opinião