A Longa Caminhada até a Liberdade

Por Rabino Lord Jonathan Sacks

Há 3.300 anos, um grupo de escravos foi libertado e começou aquilo que Nelson Mandela chama de "A Longa Caminhada até a Liberdade".  E desde então, nesta época do ano, nós revivemos a história deles pelo que chamamos de Pêssach, a Páscoa, a festa judaica do êxodo, e vamos comemorá-la em breve, na próxima semana.

Para mim, isso levanta uma questão fascinante. Imagine se pudéssemos voltar no tempo e conhecer o grande faraó em pessoa, Ramsés II. Eu sei o que eu diria:  "Ramsés, tenho boas e más notícias. A boa notícia é que um povo que existe hoje ainda existirá daqui a milhares de anos. A má notícia é que não será o seu. Será aquele grupo de escravos lá fora, trabalhando na construção de teus grandes templos, o povo que você chama de habiru ou hebreus, os filhos de Israel".

Nada poderia soar mais absurdo. O Egito dos faraós era o maior império do mundo antigo, e os hebreus não eram nada - faziam trabalho escravo, eram impotentes, ainda nem eram uma nação. Mas foram eles, e não os faraós, que sobreviveram e continuam até hoje.

Como isso aconteceu? Acredito que a resposta seja esta. 

O antigo Egito e a antiga Israel eram dois povos que que fizeram a mais decisiva das perguntas: como, num curto período de tempo, é possível criar algo que perdure para sempre? Como é possível conquistar a imortalidade?

Os egípcios deram uma resposta: construir grandes monumentos de pedra - templos, pirâmides - que resistirão aos ventos e areias do tempo. E assim fizeram. O que eles construíram continua em pé. Mas apenas os edifícios, e não a civilização que um dia lhes deu vida.

Os israelitas deram uma resposta diferente. Vocês não precisam criar monumentos. Tudo o que precisam fazer é contar a história de geração após geração. Vocês precisam gravar seus valores nos corações dos seus filhos e eles nos dos filhos deles, de modo que vocês vivam dentro deles, e assim por diante, até o fim dos tempos. Vocês precisam construir uma civilização centrada no lar, na escola e na educação, como uma conversa entre gerações. Vocês precisam colocar as crianças em primeiro lugar. É isso que os judeus têm feito por milhões de anos, e é por isso que estamos aqui hoje.

E se há uma mensagem que eu gostaria de gritar para todo mundo ouvir seria esta: cuidem do casamento, da paternidade e da família. Vamos passar um tempo com os nossos filhos, contando nossa história, transmitindo a eles nossas esperanças e sonhos. Nós não fazemos isso o suficiente hoje em dia, e é isso que faz toda a diferença. É isso, e somente isso, que mantém uma civilização viva.
(Retirado do Livro: Do Otimismo À Esperança - Coletânea de pensamentos do dia a dia - Rabino Lord Jonathan Sacks – Ed. Sêfer)
Coisas Judaicas

Coisas Judaicas

Blog Judaico - Tudo sobre Israel, judaísmo, cultura e o mundo judaico

Deixe seu comentário:

0 comments:

Deixe sua opinião