Republicanos estão em Jerusalém a estudando mudança de embaixada

Apesar dos avisos feitos pelo Hamas, organização sunita radical que governa a Faixa de Gaza, os Estados Unidos começaram a explorar a possibilidade de relocar a embaixada norte-americana de Tel Aviv para Jerusalém.

Segundo a Al Jazeera, que cita depoimentos da conselheira do governo israelense Ruth Lieberman ao Jerusalem Post, desde sábado que uma delegação norte-americana liderada pelo congressista republicano Ron DeSantis está em Israel a estudar "as implicações" de uma eventual mudança de embaixada de Tel Aviv para Jerusalém. "A delegação está em Jerusalém para saberem em primeira mão as implicações de uma mudança da embaixada norte-americana de Tel Aviv para Jerusalém", disse Lieberman.

Esta visita norte-americana, apura o Al Jazeera, está a enfurecer a comunidade palestina. "Relocar a embaixada é o mesmo que reconhecer Jerusalém como a capital de Israel. É um crime de guerra", disse ao Al Jazeera o antigo ministro palestino, Nabil Shaath.

Já em Janeiro, o Hamas garantira que, caso esta proposta da Administração de Trump se concretizasse, os Estados Unidos e Israel estariam a "atravessar todas as linhas vermelhas". "Advertimos para os perigos de mudar a embaixada norte-americana de Tel Aviv para a Jerusalém ", afirmou o movimento islamita num comunicado difundido em Gaza e citado pela agência espanhola Efe.

Para o Hamas, que ainda hoje se opõe a qualquer acordo formal com Israel, a Administração norte-americana atravessaria "todas as linhas vermelhas com a mudança de local da embaixada".

A eventual transferência, que Trump anunciou durante a campanha eleitoral, foi um dos assuntos abordados este domingo pelo novo Presidente e pelo primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu, numa conversa telefônica ao final do dia.
Antes, foi o líder da Autoridade Nacional Palestiniana, Mahmud Abbas, quem enviou a Washington uma mensagem de advertência, segundo a qual estarão preparadas uma série de medidas no caso da decisão se efetivar.

Abbas falou com a comunicação social em Amam, depois de se reunir com o rei da Jordânia, Abdalah II, que se comprometeu a apoiá-lo no sentido de tentar dissuadir o novo inquilino da Casa Branca dos seus planos.

No início de Janeiro, Abbas afirmou que instalar a embaixada norte-americana em Jerusalém significaria uma "agressão" e atravessar uma "linha vermelha" inaceitável.

Apesar de Israel considerar Jerusalém a sua capital, a comunidade internacional nunca reconheceu esta pretensão e nenhum país tem a sua representação diplomática nessa cidade, sendo Tel Aviv, ou localidades próximas, a sede de todas embaixadas presentes no país.

Coisas Judaicas

Coisas Judaicas

Blog Judaico - Tudo sobre Israel, judaísmo, cultura e o mundo judaico

Deixe seu comentário:

0 comments:

Deixe sua opinião