Família sitiada em Aleppo diz ser judia e pede ajuda a Israel


Uma família presa na sitiada cidade síria de Aleppo, que alega ser judia, está pedindo ao governo de Israel para resgatá-la do país devastado pela guerra, implorando ao Estado judeu "não abandonar seus correligionários".

Em uma gravação de áudio emitida pela Rádio do Exército de Israel, uma mulher usando o pseudônimo Razan chama Israel para ajudar a família a escapar da Síria. A gravação foi dada ao canal de rádio israelense pelo irmão mais novo da mulher, Salah, que fugiu de Aleppo para a Turquia, há mais de um ano e meio, e que agora mora em Londres.

"Não há ninguém que possa nos ajudar a deixar este lugar, estamos pedindo ao governo de Israel que não nos abandone e nos ajude a deixar este lugar para qualquer outro país. Eu estou pedindo ao governo de Israel para pedir ao mundo para ajudar. Todo meu amor e devoção são para esta religião – judaica", Razan pode ser ouvida dizendo em árabe.

Ela acrescenta que "o governo de Israel é um governo poderoso e creio que não abandonará nenhum judeu no mundo. Todo judeu sabe que Israel não o negligenciará, porque Israel é o país mais poderoso do mundo e não abandonará seus irmãos".

Salah disse que seu pai é muçulmano e sua mãe é judia, e que ele e suas duas irmãs, uma das quais é 'Razan', sempre se identificaram como judeus.
Família sitiada em Aleppo diz ser judia e pede ajuda a Israel

"Quando eu era criança, minha mãe me disse que eu era judeu e eu entendo isso. E antes da guerra eu disse a todos, todo mundo sabe que sou um judeu, todos os vizinhos ao meu redor. Depois da guerra, eu não poderia dizer isso, porque é muito difícil", disse ele.

Israel no passado realizou operações de extração arriscadas para resgatar judeus de países hostis. No ano passado, Israel trouxe 19 judeus do Iêmen devastado pela guerra para o Estado judeu, no que as autoridades descreveram como uma "operação complexa e secreta", com o auxílio da Agência Judaica e do Departamento de Estado dos EUA.

A Agência Judaica lançou dúvidas sobre a veracidade dos laços da família síria com o judaísmo, no entanto, dizendo que aqueles em situações semelhantes muitas vezes vão muito longe para ocultar sua identidade religiosa por medo de perseguição.

Família sitiada em Aleppo diz ser judia e pede ajuda a IsraelUma pesquisadora do think tank israelense, Elizabeth Tzurkov, no entanto, apoiou as afirmações da família, dizendo à Rádio do Exército que ela esteve em contato com "um número" de sírios em circunstâncias semelhantes que perguntaram sobre a imigração para Israel.

"Não sei em que base a agência judaica determinou que a história não é confiável", disse Tzurkov, acrescentando que "um número de sírios entrou em contato comigo, que são descendentes de mulheres judias e que se converteram ao islamismo ou que não mudou de fé e perguntou sobre imigrar para Israel. "

Em 2015, havia apenas cerca de 20 judeus vivendo na Síria depois que os últimos judeus que viviam em Aleppo, que se acredita ter hospedado uma das mais antigas comunidades judaicas do mundo, fugiram da cidade.

Formalmente, Israel declarou uma política de não-intervenção na guerra civil síria (dado que Israel e Síria ainda estão oficialmente em guerra), no entanto, o país ofereceu ajuda humanitária aos civis afetados.

Uma diretoria para oferecer ajuda humanitária aos sírios foi recentemente estabelecida e os israelenses se uniram a chamadas em todo o mundo para acabar com o derramamento de sangue na Síria, que cresceu com relatos de atrocidades contra civis em Aleppo.

Família sitiada em Aleppo diz ser judia e pede ajuda a IsraelO Ministério do Interior de Israel aprovou no mês passado o esboço de um plano que terá cerca de 100 crianças órfãs sírias trazidas para Israel. 

Israel tem tratado mais de 2.600 vítimas da guerra síria, tanto em hospitais de campo especiais montados ao longo da fronteira, como em hospitais israelenses. O Ministério de Saúde israelense anunciou, na semana passada que, devido a preocupações orçamentárias, o sistema de saúde não poderia continuar a tratar os refugiados sírios. 

Mais de 310.000 pessoas foram mortas desde o início do conflito sírio, e mais de metade da população foi deslocada, com milhões de refugiados.



Coisas Judaicas

Coisas Judaicas

Blog Judaico - Tudo sobre Israel, judaísmo, cultura e o mundo judaico

Deixe seu comentário:

0 comments:

Deixe sua opinião