02/03/2017

Avraham e Sara a jornada do monoteísmo

Avraham e Sara a jornada do monoteísmoHá 38 séculos, Avraham e Sara embarcaram numa jornada para levar a idéia e a moral do monoteísmo a um mundo predominantemente pagão. Sua jornada os levou de sua Ur Kasdim nativa até Charan (Mesopotâmia) e dali até Canaã, onde se estabeleceram primeiro em Beer Sheva e depois em Hebron. Armaram suas tendas no deserto e ofereceram comida, bebida e abrigo a todos os viajantes de toda tribo e credo. Onde quer que eles fossem, ensinavam a verdade sobre o Único D'us, Criador do céu e da terra. (Bereshit cap. 12; Talmud Sotah 10a; Midrashim).

Na tenda de Sara, um milagre especial proclamava que a Divina Presença ali habitava: a lamparina que ela acendia toda sexta-feira à noite em honra ao dia Divino de descanso milagrosamente ardia durante a semana toda, até a sexta-feira seguinte. Quando Sara faleceu, (1677 AEC), o milagre da sua lamparina de Shabat cessou. Porém no dia da morte de Sara, Rivca nasceu. E quando Rivca foi levada à tenda de Sara como a esposa do filho de Sara, Yitschac, o milagre da lamparina voltou. Uma vez mais a luz do Shabat enchia a tenda da Matriarca de Israel, irradiando sua santidade durante a semana inteira. (Midrash Rabbah, Bereshit 60) Egito, 1373 AEC.

Um Dia de Descanso

Os descendentes de Sara e Rivca estão agora no Egito, como escravos de um rei cruel. Moshê, destinado a ser o seu líder, é resgatado do rio pela filha do Faraó, sendo criado no palácio real. "Então ocorreu que naqueles dias Moshê cresceu e foi até seus irmãos, e viu seu sofrimento" (Shemot 2:11)
O Midrash relata: "Moshê viu que eles não tinham descanso, então foi ao Faraó e disse: 'Se alguém tem um escravo e não lhe dá um dia de descanso na semana, o escravo morrerá. Estes são teus escravos – se não lhes deres um dia por semana, eles morrerão.'
Disse o Faraó: 'Vai e faz com eles como dizes.' Então Moshê ordenou para eles o dia do Shabat para descanso." (Midrash Rabbah, Shemot 1:32)
Marah, 24 de Nissan/1313 AEC

Mitsvá em Marah

D'us aparece a Moshê numa sarça ardente e o incumbe de levar os Filhos de Israel para fora do Egito. Após dez pragas e muita insistência, o Faraó finalmente os deixa ir. Eles atravessam o Mar Vermelho (milagrosamente aberto) e chegam a Marah. "Ali D'us lhes deu estatutos e leis" – incluindo o mandamento de observar o Shabat ".(Shemot 15:25; Talmud Sanhedrin 56b).
Deserto de Zin, 15 de Iyar/1313 AEC

Maná duplo

Um mês depois do Êxodo, a matsá que os Filhos de Israel levaram ao sair do Egito tinha terminado. Durante os próximos 40 anos, os israelitas foram sustentados pelo maná. "Pela manhã havia uma camada de orvalho no campo. A camada de orvalho subiu e veja, sobre a superfície do deserto, havia uma substância fina, tão fina como geada no solo. Quando os Filhos de Israel viram aquilo, disseram: 'É maná', porque não sabiam o que era. E Moshê disse a eles: "Este é o pão que D'us lhes deu para comer." (Shemot 16:13-15)
O maná vinha todos os dias e fornecia exatamente as necessidades diárias. "Quem recolher muito não terá mais, e quem recolher pouco não terá menos; cada qual segundo sua capacidade de comer, eles recolhiam." De fato, era proibido deixar maná de um dia para o outro. (Shemot 16:18-19)
Todo dia, exceto sexta-feira. "Ocorreu que no sexto dia eles recolheram uma porção dupla de pão, dois ômers para cada um. Os líderes da comunidade foram relatar a Moshê. E [Moshê] disse a eles: 'Isto é o que D'us falou: Amanhã é um dia de descanso, um Shabat sagrado para D'us. Assem o que quiserem assar, cozinhem o que quiserem cozinhar, e todo o restante deixem sobrar até a manhã.' Então eles deixaram as sobras até a manhã… E Moshê disse: 'Comam hoje, pois hoje é Shabat para D'us; hoje vocês não o encontrarão no campo.'" (Shemot 16:22-26).
"Vejam D'us lhes deu o Shabat. Portanto, no sexto dia, Ele dá o pão para dois dias. Que cada homem permaneça em seu lugar; que nenhum homem deixe seu lugar no sétimo dia. Então o povo descansou no sétimo dia." (Shemot 16:29-30). Atualmente, colocamos duas chalot sobre a mesa do Shabat e as cobrimos com um pano, para representar a porção dupla de maná, coberta pelo orvalho, que caiu do céu em honra ao Shabat.
Monte Sinai, 6 de Sivan/1313 AEC

"Lembra" e "Guarda"

"Moshê levou o povo do acampamento na direção de D'us, e eles ficaram ao pé da montanha. E todo o Monte Sinai fumegou, porque D'us tinha ascendido sobre ele em fogo… e toda a montanha balançou violentamente. O som do shofar ficava cada vez mais forte… e D'us falou todas estas palavras, dizendo…"
Dez Mandamentos foram pronunciados naquele dia no Sinai, dez mitsvot que formam o âmago da Torá. O quarto mandamento era sobre o Shabat:
"Lembrem do dia do Shabat para santificá-lo. Seis dias trabalhem e realizem toda a sua obra; mas no sétimo dia é um Shabat para o Eterno seu D'us; não trabalharão – nem você, nem seu filho, nem sua filha, seu servo, sua criada, seu animal, nem o viajante que estiver em suas cidades. Pois [em] seis dias D'us fez o céu e a terra, o mar e tudo que há neles, e Ele descansou no sétimo dia. Portanto, D'us abençoou o Shabat e o santificou." (Shemot 19:17-20:1; 20:8-11)
Quando Moshê revisou os Dez Mandamentos (em Devarim 5), o quarto mandamento começa: "Guarda o dia do Shabat…" O Talmud explica: "Zachor (lembra) e Shamor (guarda) foram ditos por D'us num único pronunciamento – algo que a boca humana não pode articular e o ouvido humano não consegue ouvir…"
Nós nos lembramos do Shabat ao proclamar sua santidade sobre um copo de vinho no Kidush e na Havdalá; guardamos o Shabat abstendo-nos de trabalhar. Porém os aspectos "positivos" e "negativos" do Shabat são únicos – duas faces de sua essência singular – como é demonstrado pelo pronunciamento Divino duas-em-uma.

Deserto do Sinai, 11 de Tishrei/1313 AEC
O Tabernáculo: trabalho definido

"Não farão trabalho" foi a ordem Divina. Mas o que constitui "trabalho"?
Quatro meses depois da revelação no Sinai veio o pedido de D'us. "Eles farão para Mim um Santuário, e Eu habitarei no meio deles", acompanhado de instruções detalhadas sobre como este Santuário deveria ser construído. E na mesma ocasião, o mandamento para guardar o Shabat foi reiterado – "Seis dias o trabalho será feito, mas no sétimo dia vocês terão santidade, um dia de completo descanso para D'us" (Shemot 35:2). Isso nos ensina – explicam nossos Sábios – duas coisas: 1) Que o trabalho que estamos habilitados a fazer seis dias por semana é, na essência, o trabalho de fazer um lar para D'us com os materiais da nossa vida física; 2) Que este trabalho é o trabalho que devemos cessar no Shabat.
Ao estudar as instruções detalhadas de D'us a Moshê para a construção do Santuário, a Mishná (Talmud, Shabat 73a) identifica trinta e nove melachot – categorias de trabalho criativo – que estiveram envolvidas na construção do Santuário. Estas incluem: todos os estágios de trabalho agrícola, arar, semear, colher, joeirar e assar; tecer e costurar, escrever, construir e acender fogo.
As 39 melachot e seus derivados formam a base e a essência das leis do descanso no Shabat.

Deserto do Sinai, 11 de Tishrei/1313 AEC
É instituída a Leitura da Torá no Shabat

Para transmitir as instruções de D'us sobre a construção do Santuário e a observância do Shabat, "Moshê reuniu toda a comunidade dos Filhos de Israel."
Ao fazê-lo, "Moshê instituiu para todas as gerações que os judeus deveriam se reunir nas sinagogas para ler a Torá no Shabat" – como judeus em todo o mundo fazem exatamente neste dia. (Shemot 35:1; Yalkut Shimoni, em verso).
O ciclo anual de leitura da Torá no Shabat é mais que uma lição semanal; trata-se de como nós "vivemos com os tempos" – encontrando na porção desta semana da Torá (Parashá) orientação e inspiração para todo evento e ação de nossa vida diária. (Rabi Shneur Zalman de Liadi)

Terra Santa, 2º século AEC
A invenção do cholent

Ninguém sabe quem foi a primeira pessoa a preparar uma panela de cholent na tarde de sexta-feira. Porém este prato, marca registrada do Shabat, tem suas origens na disputa entre os judeus fiéis à Torá e uma seita judaica dissidente chamada os Tzedukim.

Os Tzedukim (também conhecido como Saduceus) aceitaram a Torá Escrita mas rejeitaram a Torá She-Baal Pê (Torá Oral) – a interpretação tradicional da Torá que Moshê recebeu no Sinai e que foi transmitida através das gerações de mestre para discípulo. Quando os Tsedukim leram na Torá, "Não acenderás qualquer fogo em sua casa no dia do Shabat" (Shemot 35:3), eles entenderam o versículo literalmente – e passavam todo o Shabat no frio e no escuro. Suas refeições do Shabat eram destituídas do brilho da luz das velas, e embora a comida preparada antes do Shabat possa guardar alguma quentura para a refeição da sexta-feira à noite, a refeição do dia do Shabat consistia apenas de alimentos frios. A interpretação tradicional, porém, é que é proibido acender um fogo no Shabat (a criação do fogo é uma das 39 melachot), mas a pessoa pode certamente derivar benefício do fogo que foi aceso antes do Shabat.

Assim, os judeus que foram fiéis à tradição do Sinai fizeram questão de incluir pelo menos um alimento quente na sua refeição do dia de Shabat, que era cozido e colocado no fogo antes do Shabat e mantido quente sobre uma chama coberta durante toda a noite –para honrar e tornar agradável o Shabat, quanto para expressar sua rejeição da falsa interpretação dos Tzedukim. Daí o cholent: um cozido (tipicamente de carne, feijão e batatas, mas também pode ser feito com grande variedade de alimentos) que é comido na refeição do dia.
"César perguntou a Rabi Yehoshua ben Chananya: Por que a comida do Shabat cheiram tão bem?" E o rabino respondeu: "Temos um tempero especial, 'shabat' é seu nome…" (Talmud, Shabat 119a)

Israel e Babilônia, 100 AEC– 300 EC
Preparando-se para o Shabat

Tanto por instrução quanto pelo exemplo pessoal, os Sábios do Talmud ensinaram a honrar e respeitar o Shabat.
"Dizia-se sobre o Sábio Shamai que todos os dias ele comia em honra ao Shabat. Como? Quando ele encontrava um item de primeira, dizia: 'Este é para o Shabat.' Depois, se encontrasse algo melhor, ele o deixava de lado para o Shabat e comia o primeiro…" (Talmud, Beitza 16b).

"Disse R. Yehuda em nome do Rav: este era o costume de R. Yehuda bar Illai: Na sexta-feira, eles levavam perante ele uma vasilha com água quente, e ele lavava o rosto e os pés; depois se embrulhava em lençóis franjados e ficava com a aparência de um anjo de D'us." (Talmud, Shabat 25b)
Rava preparava pessoalmente o peixe para o Shabat. Rav Chisda cortava os legumes, Raba e Rav Yossef cortavam lenha. Rav Nachman bar Yitschac era visto na sexta-feira carregando feixes sobre os ombros. Muitos desses eram homens ricos que tinham numerosos servos para fazerem este trabalho; porém eles insistiam em trabalhar pessoalmente em honra ao Shabat (Talmud, Shabat 119a; Shulchan Aruch, Leis do Shabat)

Mundialmente, 151 AEC até hoje
Sacrifício e Martírio

O Shabat é o eterno parceiro do povo de Israel, e nossa fonte de força e resistência. Isso foi reconhecido tanto por amigos quanto por inimigos. No decorrer das gerações, nossos inimigos tentaram repetidamente nos tirar o Shabat.
Quando os greco-sírios governavam a Terra Santa, proibiram a observância do Shabat. Muitos judeus fugiram das cidades para viver em cavernas nas colinas da Judéia, para que pudessem guardar o dia de descanso. Muitos foram descobertos e mortos. Finalmente os judeus se revoltaram e lutaram pelo direito de manter sua religião. Sua vitória milagrosa é celebrada até hoje com a Festa de Chanucá. (Livro dos Hasmoneanos; Talmud)
O judeu continuou a se sacrificar pelo Shabat durante toda a longa noite do exílio. Em Roma, os escravos judeus eram espancados por se recusarem a trabalhar no Shabat. No tempo da Inquisição na Espanha, os marranos se reuniam em porões para acender as velas do Shabat e fazer Kidush. Sob o governo soviético, os judeus sofreram fome, prisões, exílio na Sibéria por serem "parasitas religiosos" – i.e., alguém que não trabalhava no Shabat. Até em Auschwitz, os judeus fizeram esforços sobre-humanos para santificar o dia sagrado. E também foi dito que "mais do que os judeus têm guardado o Shabat, o Shabat tem guardado os judeus".

Estados Unidos, 1920-1950
O Movimento Shomer Shabat

Nas décadas que encerraram o Século Dezenove e iniciaram o Século Vinte, centenas de milhares de judeus fugiram dos pogroms, perseguições e esmagadora pobreza na Europa Oriental em busca de uma vida melhor nos Estados Unidos. Porém o "Novo Mundo" ofereceu suas oportunidades a um alto preço espiritual. O Shabat ainda era um dia normal de trabalho nos Estados Unidos; "leis azuis" proibiam a abertura dos negócios no domingo; e o "caldeirão" de credos pregava o abandono das religiões e culturas "não-americanas". A primeira vítima foi o Shabat. Muitos judeus sentiam que não podiam ganhar a vida nos Estados Unidos sem trabalhar no Shabat; outros o viam como um obstáculo ao sonho da assimilação e da aceitação pela sociedade americana. O apego tenaz que há milhares de anos os judeus tinham ao Shabat estava diminuindo.


De 1920 a 1930 a maré começou a mudar. Líderes sindicais judeus fizeram uma campanha pela semana de trabalho de cinco dias. Foram feitas passeatas em apoio à observância do Shabat. Grupos de consumidores se formaram para apoiar lojas que guardavam o Shabat; logo tabuletas de Shomer Shabat (Observante do Shabat) começaram a ser exibidas nas vitrines das lojas, Clubes de Shabat eram organizados para as crianças. Aos poucos, o impulso cresceu, sedimentando o esforço para um retorno em grande escala ao Judaísmo e observância do Shabat nas décadas que viriam.
Israel, 1948

O Shabat é legalizado

Embora fundado como um Estado "secular", o moderno Estado de Israel aprovou uma lei, logo depois de seu estabelecimento, declarando o Shabat como dia oficial de descanso. Na maioria das localidades, as empresas e lojas fecham e o transporte público não funciona no Shabat; repartições e empresas do governo são oficialmente observantes do Shabat.

Nova York, 1974
A Campanha de Acendimento das Velas do Shabat

Em 1974, o Rebe lançou uma campanha de acendimento das velas do Shabat de âmbito mundial para encorajar homens, mulheres e meninas judeus a levarem a luz do Shabat para seus lares, cumprindo a mitsvá de acender as velas do Shabat na sexta-feira à noite, 18 minutos antes do pôr-do-sol. Em especial, o Rebe fez campanha para restaurar o antigo costume (desde a época da Matriarca Rivca) de que meninas, também, devem acender sua própria vela, a partir dos três anos de idade. Numa época de crescente escuridão, o Rebe declarou, devemos reagir com um aumento da luz.
Nos anos que se seguiram, os seguidores e emissários do Rebe em todo o mundo têm distribuído milhões de kits de acendimento de velas do Shabat e introduziram incontáveis mulheres e meninas judias – e suas famílias – à beleza e santidade do Shabat.

O Futuro Imediato, em Toda Parte
O Mundo Vindouro

O Shabat, dizem nossos Sábios, é "um sabor do Mundo Vindouro". Assim como a semana de trabalho de seis dias culmina no Shabat, assim também, os seis milênios de nossa obra e trabalho para transformar o mundo numa morada para D'us, culminarão na Era Messiânica – "o dia que é todo Shabat e tranqüilidade, para todo o sempre." (Talmud, Berachot 57b; Nachmânides sobre Bereshit 1; Graças Após as Refeições).

"E naquele tempo, não haverá fome ou guerra, inveja ou rivalidade. Pois o bem será abundante, e todas as iguarias estarão disponíveis como o pó. Toda a ocupação do mundo será apenas conhecer a D'us… Pois a terra estará repleta com o conhecimento de D'us, como as águas cobrem o mar…" (Maimônides, Mishnê Torá, Leis dos Reis 12:5). Que seja já

SHARE THIS

Author:

Dúvidas, sugestões de pautas, críticas, publicidade, parcerias, etc. Entre em contato pelo seguinte email: coisasjudaicas@gmail.com

0 Comentários:

Deixe sua opinião