,

Latest News

loading...

03/02/2017

Sopa Fria


Se você perguntar a alguém saindo da igreja num domingo: “Você acredita em D’us?” a pessoa ficará chocada. “Que espécie de pergunta é essa? É claro que acredito!” Se você perguntar: “Você se considera religioso?” qual será a resposta? “Certamente. É por isso que estou aqui!”

Se você for a uma mesquita numa sexta-feira e perguntar a qualquer pessoa lá: “Você acredita em D’us?” qual será a resposta? “Com toda a certeza.”
“Você se considera religioso?” “Bem, é óbvio.”

Isso é normal. Essas conversas fazem sentido.

Agora vá a uma sinagoga em Yom Kipur. Pergunte ao judeu sentado na sinagoga em Yom Kipur, jejuando: “Você acredita em D’us?”

Você não vai conseguir uma resposta direta. “Hum, depende do que você quer dizer com “D’us”. Isso se ele for do tipo filosófico. Caso contrário ele simplesmente dirá: “O que eu sou? Um rabino? Não sei.”

Então pergunte: “Você se considera religioso?” Você já perguntou a um judeu americano se ele é religioso? Eles começam a rir. E garantem a você que são tudo, menos religiosos.

“Está brincando? Sabe o que eu como no café da manhã?”

Então cada um deles vai dizer: “Tive um avô, pelo lado da minha mãe, que era um homem religioso… Mas eu…?”
Então você faz aquela que parece uma pergunta lógica. “Então por que está aqui?”
Por algum motivo, este judeu, que não acredita em D’us e é muito não-religioso, olhará para você como se você fosse louco e dirá: “O que quer dizer? 

É Yom Kipur!”

Isso não é normal.

Vamos analisar por um momento. O que este judeu na verdade está dizendo?
Você perguntou se ele acredita em D’us e ele disse “Não”. Ou “Quando eu era mais jovem, costumava acreditar.” Ou então: “Quando ficar mais velho, começarei a acreditar.”

“Então você não acredita em D’us?”

“Não.”
“Você é religioso?”
“De maneira alguma.”
“Então por que está aqui?”
“Porque é Yom Kipur!”

O que ele está dizendo é: “Por que estou aqui? Porque D’us deseja que um judeu esteja na sinagoga em Yom Kipur. Então onde mais eu poderia estar?”
Então você diz: “Mas você não acredita em D’us.”

Ele diz; “E daí?” e ele não entende o seu problema.

Ele está dizendo: “Hoje é Yom Kipur mesmo que eu não tenha um calendário. Esta é uma sinagoga mesmo que eu não goste dela. Sou um judeu mesmo que não seja religioso, e D’us é D’us mesmo quando eu não acredito nele. Então qual é o seu problema?”

Ora, isso pode ser desconsiderado, e infelizmente muitos de nós o desconsideramos, como pura hipocrisia. Dizemos: “Você não acredita em D’us e não é religioso – não vá à sinagoga. Não venha aqui apenas para mostrar o quanto é judeu.”

O Rebe de Lubavitch tinha uma abordagem diferente. Esta insanidade é que nos torna judeus. É isso que mostra como somos especiais em nosso relacionamento com D’us. Isso se chama verdade. Não se trata de mim. Não quero ser religioso. Não quero acreditar em D’us. Não quero ouvir falar disso. Mas Ele me quer aqui, portanto aqui estou.

O mesmo acontece em Pêssach. Todo judeu se senta para um Sêder. Pergunte ao judeu médio num Sêder: “Você acredita em D’us?” Resposta: “Deixe-me em paz”. Mais uma pergunta: “Você é religioso?” Ele engasga com a matsá, rindo. “Então você está celebrando o Êxodo do Egito há 3.300 anos?” Resposta: “A história não é para mim…” As perguntas seguem… “Então por que está aqui?” seguido de “Onde eu deveria estar? É Pêssach!” É isso que é tão magnífico sobre o judeu.images (1)

Se Mashiach chegar agora, e quiser julgar, o que ele vai encontrar? Sopa fria?
Agora vamos colocar tudo no contexto. Há mais três mil e trezentos anos D’us nos perguntou se queríamos casar com Ele. Tivemos uma cerimônia de casamento extraordinária, com fabulosos efeitos especiais – fomos prometidos. Após o casamento Ele disse: “Tenho algumas coisas que gostaria que você cuidasse para Mim, por favor… Voltarei logo.” Ele não foi mais visto desde então. Durante mais de três mil e trezentos anos. Ele tem enviado mensageiros, mensagens, cartões postais… você sabe, escrevendo nos muros… mas não ouvimos uma palavra Dele durante todo esse tempo.

Imagine, um casal se casa, e o homem diz à esposa: “Você faria alguma coisa para eu comer, por favor? Volto logo.” Ela começa a preparar. O sujeito volta 3.300 anos depois, entra em casa, vai até a mesa, direto para a sua cadeira favorita, senta-se e saboreia a sopa que está sobre a mesa. A sopa está fria.

Qual será sua reação?

Se ele for um homem sábio, não reclamará. Em vez disso vai pensar que é um milagre a casa ainda estar ali, que sua mesa e cadeira favorita ainda estejam ali. Ficará encantado ao ver uma tigela de sopa à sua frente. A sopa está fria? Bem, sim, após 3.300 anos, a sopa pode esfriar.

Agora estamos esperando Mashiach. O Rebe apresentou essa noção radical de que Mashiach está para chegar agora. O que a torna tão radical? Significa que ele vai chegar sem um aviso de duas semanas. Sempre pensamos que haveria algum aviso, para que pudéssemos nos recompor antes que ele venha. Mashiach, chegando agora? Mas agora eu não estou pronto. Não quero ser julgado da maneira que sou. Preciso de um pouco de antecedência. Um pouco mais de tempo…

Se Mashiach chegar agora, e quiser julgar, o que ele vai encontrar? Sopa fria?
Se Mashiach vier agora, diz o Rebe, ele encontrará um povo judeu incrivelmente saudável. Após 3.300 anos estamos preocupados em sermos judeus, o que significa que estamos preocupados com o nosso relacionamento com D’us.
Sim, se Mashiach chegar hoje, ele encontrará nossa sopa fria. Sofremos com a ansiedade da separação. Sofremos de uma perda de conexão com nossos ancestrais. Sofremos de uma perda de conexão até mesmo com nossa família próxima. A sopa está fria. A sopa está muito fria. Mas de quem é a culpa? E quem recebe o crédito pelo fato de que há sopa, afinal?

Somos um milagre. Tudo que precisamos é entrar nele. Nós somos a cura. Não apenas para nós mesmos, mas também para o mundo inteiro. Através de nós a cura é holística, é natural, é orgânica. Nosso relacionamento com D’us é orgânico. Não é uma religião que praticamos – trata-se de nós, quem nós somos, é isso que somos.

Portanto o Rebe nos diz que a maneira de ir é direto para D’us. Pule todos os passos, pule a Cabalá, vá direto até D’us e fique em contato com o seu objetivo. O objetivo não é cabalístico. O objetivo é pessoal. D’us precisa que você cumpra uma mitsvá. Ele enviou você a este mundo para ser quem você é, porque somente você pode fazer este tipo de mitsvá. Sim, as mitsvot são as mesmas para todos nós. Mas quando você a cumpre, é diferente, porque é holística. É com suas emoções, com seus problemas passados, com sua origem familiar, com seu conhecimento e com sua ignorância. Tudo que vem junto torna a sua mitsvá holisticamente única.

Portanto, que Mashiach venha agora e nos encontre aqui com nossa sopa fria, porque não temos nada para nos envergonhar. Somos realmente incríveis. Quando D’us decidiu casar conosco, Ele sabia que estava realmente fazendo um bom negócio.

#coisas judaicas

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião

Google+ Followers

Seguidores

ormal Real Time Web Analytics