,

Latest News

loading...

12/01/2017

Me'arat HaMachpelá

Resultado de imagem para Gruta de MachpeláResumo

Uma das mais famosas propriedades da terra é Meharat Machpelá (também conhecida como “A Gruta dos Patriarcas”), na cidade de Hebron, no sul de Israel.

Machpelá significa “dupla” em hebraico. Um motivo para o nome é que quatro casais famosos estão sepultados ali: Adam e Eva, Avraham e Sara, Yitschac e Rivca e Yaacov e Lea (nossa matriarca Rachel foi enterrada em outro local).

História Básica

Como é relatado em Bereshit, Avraham adquiriu a gruta e o campo circundante como sepultura para sua esposa Sara, tornando-o o primeiro pedaço de terra na Terra santa a torna-se propriedade legal do povo judeu. Isso ocorreu em 1677 AEC.
Antes de Yaacov morrer no Egito, em 1523 AEC, ele fez Yossef prometer que o tiraria do Egito e o enterraria com seus pais na Gruta de Machpelá. E de fato, eles fizeram uma viagem especial com este fim.

194 anos depois, um ano após os judeus deixarem o Egito, Caleb tornou-se o primeiro judeu registrado a fazer a jornada até esse local de repouso e rezar nele. Foi depois seguido por incontáveis outros no decorrer dos tempos.

O grande e imponente edifício de pedra que existe hoje acima da caverna foi construído por Herodes no primeiro século AEC. (Na verdade, o edifício, com paredes de pedra de quase dois metros de espessura, é a única estrutura herodiana completamente intacta.)

A gruta onde jazem nossos Patriarcas e Matriarcas está abaixo dessa estrutura. Por volta de 1490, o acesso à gruta foi fechado, e permanece assim até hoje.
Como descendentes de Ismael, filho de Avraham, os árabes também reverenciam o local do túmulo de Avraham. Não se sabe exatamente quando eles construíram a mesquita dentro das muralhas herodianas. O complexo foi tomado pelos Cruzados em 100, mas menos de 100 anos depois, foi novamente convertido em uma mesquita.

Ao final do Século Catorze, os governantes muçulmanos proibiram os judeus de entrarem no local, mas tinham permissão de se aproximarem até o 5º degrau de uma escadaria a sudeste. A certa altura, isso foi alterado para o sétimo degrau.

Há séculos existe uma comunidade judaica em Hebron. No decorrer das gerações, os judeus iam rezar na Gruta de Machpelá, mesmo que pudessem ir apenas até o sétimo degrau. Essa antiga comunidade judaica foi destruída no massacre de 1929 quando os árabes irromperam no Bairro Judeu e assassinaram muitos deles. O governo britânico então forçou todos os sobreviventes a deixarem a cidade.

Após a Guerra dos Seis Dias, a área voltou ao controle de Israel e finalmente foi cancelada a restrição que limitava a entrada dos judeus até o sétimo degrau. Os judeus mudaram-se de volta para Hebron, e foi restabelecida uma sinagoga na Gruta de nossos Patriarcas.

Importância Espiritual

Durante a longa e dolorosa jornada de nossa nação ao longo da história, os locais sagrados de repouso de nossos justos ancestrais tem servido como oásis espiritual. O túmulo de nossos Patriarcas e Matriarcas, fundadores de nossa nação, tem sido um local onde os judeus têm ido rezar desde o início dos tempos.
No exemplo mais antigo, a Torá nos relata que Caleb, um dos doze espiões que Moshê enviou para fazer um reconhecimento da Terra de Canaã, fez um desvio em Hebron. O Talmud nos conta que ele desejava rezar na gruta onde Avraham, Sara, Yitschac, Rivca, Yaacov e Lea estão enterrados. Ele implorou aos Patriarcas e Matriarcas para intercederem a D'us por misericórdia de sua alma e que o salvassem da maldosa trama criada pelos outros espiões.
Resultado de imagem para Gruta de MachpeláEste é um modelo que seguimos até os dias de hoje quando visitamos os túmulos de pessoas sagradas para invocar misericórdia a D'us em tempos difíceis.
O Zohar relata que a Gruta de Machpelá é especial não em virtude daqueles que ali repousam, mas porque é o portal para o Jardim do Éden. Adam, o primeiro homem, reconheceu a singularidade daquele local quando viu um raio de luz emanando da área. Portanto, ele cavou a gruta como túmulo para si mesmo e para sua mulher. Depois que Adam e Eva foram enterrados ali, a luz ficou oculta.
Anos depois, Avraham descobriu o segredo novamente quando por engano encontrou a gruta. Ele decidiu que queria ser enterrado ali também, no portal para o Jardim do Éden.
Nossas preces hoje, especialmente neste local sagrado, o portal para o mundo das almas, podem conseguir que nossos pais e mães intercedam em nosso favor.
Fatos Interessantes
Segundo o Midrash, Avraham, que morava em Hebron, teve um encontro sobrenatural no local da Gruta de Machpelá. Foi após sua circuncisão, e ele estava recebendo os três anjos (disfarçados de seres humanos) como convidados. Um bezerro que ele queria servir a eles saiu correndo, e enquanto tentava apanhá-lo, ele tropeçou nessa gruta e reconheceu os túmulos de Adam e Eva. Velas foram acesas e havia uma fragrância especial. Ele viu a entrada para o Jardim do Éden.
Ninguém jamais entrou nas próprias Grutas dos Patriarcas, que são subterrâneas. Diz a lenda que ninguém que tenha tentado isto conseguiu voltar. Somente um judeu, Rabi Abraham Azulai, o cabalista conhecido como “Chesed l’Avraham,” que sabe-se ter descido à gruta e voltado vivo. A história ocorreu há cerca de trezentos anos. O sultão turco tinha por engano deixado sua espada cair na Gruta. Após vários soldados do sultão terem descido para apanhá-la e terem morrido lá embaixo, o sultão ordenou que a comunidade judaica fornecesse um voluntário que pudesse recuperar a espada. Caso contrário, todos seriam mortos. Rabi Azulai, na época já idoso, resolveu o dilema oferecendo-se para ir. Quando recuperou a espada, os judeus de Hebron celebraram. Os sete dias e noites seguintes Rabi Azulai passou ensinando segredos cabalísticos aos seus alunos. Uma semana após ele ter descido à Gruta, faleceu e foi enterrado no cemitério judaico em Hebron.

Segundo fontes do midrash, quando Yaacov morreu, Essav tentou impedir os filhos de Yaacov de enterrarem o pai na Gruta de Machpelá. Enquanto o ligeiro Naftali corria até o Egito para recuperar o título de Machpelá para provar que era propriedade deles, o filho surdo-mudo de Dan, Hushim, viu a comoção e decapitou Essav. A cabeça rolou até a gruta e foi parar ao pé de seu pai Yitschac, onde permanece enterrada até hoje.

Atualmente

Em 1995, o Acordo Wye River deu o controle waqf (setor administrativo muçulmano) da maior parte da Gruta de Machpelá, incluindo a seção sudeste, que contém os cenotáfios (monumentos) de Yitschac e Rivca (“Ohel Yitschac”). Essa é também a área que contém a única entrada conhecida da Gruta, e que possivelmente está diretamente sobre a própria caverna. Os judeus rezam em outras seções do edifício na maior parte do ano, e somente têm permissão de visitar Ohel Yitschac dez dias por ano. Um desses dias é o Shabat de Chayê Sara, quando lemos a porção da Torá que descreve a compra da gruta por Avraham. Dezenas de milhares de visitantes convergem em Hebron durante esse final de semana para passarem juntos esse Shabat.

A Gruta de Machpelá está aberta para turistas e visitantes todos os dias. Muitos ônibus Egged (equipados com janelas à prova de balas) viajam diariamente das cidades mais importantes de Israel para Kiryat Arba, a comunidade judaica adjacente. Alguns prosseguem até a área judaica de Hebron e para a Gruta de Machpelá. Se você deseja caminhar de Kiryat até Hebron, é aconselhável fazê-lo com escolta armada.

Uma estadia para um Shabat em Hebron, ou na comunidade vizinha de Kiryat Arba, é realmente uma experiência elevadora e marcante. Passar algum tempo nesse local dos mais sagrados é realmente inspirador. Se você precisa de acomodação para o Shabat, ou se necessita de algum tipo de assistência enquanto estiver em Hebron, entre em contato com Rabino Danny e Batsheva Cohen, o caloroso casal que dirige as atividades de Chabad nessa cidade sagrada.

http://www.pt.chabad.org/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião

Google+ Followers

Seguidores

ormal Real Time Web Analytics