12/01/2017

Argentina deve retomar negociação por caças de Israel

Argentina deve retomar negociação por caças de Israel
Entre as décadas de 1970 e 1980, o Kfir foi o principal caça de Israel (IAF)
Os céus da Argentina são atualmente um dos mais desprotegidos entre as nações da América do Sul. Sem aeronaves de combate apropriadas desde 2016, com a desativação dos últimos Mirage III e A-4 Skyhawk, o país vem tentando desde 2015 negociar a compra de caças IAI Kfir, de estoques de Israel.
Segundo o site FlightGlobal, as negociações, abandonadas no ano passado pelo governo de Cristina Kirchner, devem ser retomadas pelo presidente Mauricio Macri. Como aponta a publicação, o país tem planos de adquirir de 12 a 14 caças Kfir, aeronave já aposentada pela força aérea de Israel, mas que já foi utilizada em combate pelo país em diversas oportunidades.
A Argentina busca adquirir o Kfir “Block 60”, a versão mais moderna do caça israelense. Fontes consultadas pela publicação afirmam que o valor das aeronaves é o principal obstáculo na negociação, mas “não o único”. Os outros motivos, porém, não foram divulgados. A negociação das aeronaves, componentes de reposição e suporte logístico é avaliada em cerca de US$ 350 milhões.
O Kfir Block 60 conta com motores mais eficientes e radar atualizado, com sistema de varredura eletrônica e “arquitetura aberta”, o que permite a instalação de novos recursos. Além disso, as aeronaves desse lote passaram por uma revisão completa, que garante mais 1.600 horas de voo, algo como cinco ou 10 anos de operações.
Leãozinho de Israel
Em 1967, logo após a Guerra dos Seis Dias, Israel enfrentou um embargo de vendas de armas imposto pela França, que era seu tradicional fornecedorde material bélico. Cercado de ameaças e precisando reforçar seu arsenal, o país, por meio da Israel Aerospace Industries (IAI), decidiu desenvolver de forma independente seu próprio caça-bombardeiro.
O Kfir, que em hebraico significa “leãozinho”, é uma transformação radical (e até mais avançada) do caça francês Dassault Mirage III/5. Seu desenvolvimento começou de forma secreta e em várias fases Israel conseguiu desenhos de projetos de sistemas e motores por meio de ações de espionagem.
A aeronave da IAI foi uma das mais letais em conflitos que aconteceram na década de 1970 e 1980, em especial da Guerra do Yom Kippur, quando os Kfir abateram mais de 100 aviões do Iraque, Síria e Egito, praticamente aniquilando as forças aéreas desses países por quase uma década. A aeronave israelense está em serviço atualmente com as forças aéreas da Colômbia, Equador e Sri Lanka.

SHARE THIS

Author:

Dúvidas, sugestões de pautas, críticas, publicidade, parcerias, etc. Entre em contato pelo seguinte email: coisasjudaicas@gmail.com

0 Comentários:

Deixe sua opinião