,

Latest News

loading...

09/12/2016

Testemunho Ocular: “e voltarão juntos formando uma grande multidão”

Testemunho Ocular: “e voltarão juntos formando uma grande multidão”Addis Ababa – Etiopia
São cerca da 11 horas da noite, em uma noite de maio em Addis Ababa e grandes partes da capital da Etiópia se encontra completamente escura, resultado dos cortes de luz que vem aumentando nos últimos meses.

Soldados e policiais patrulham as ruas em frente à Embaixada Israelense com metralhadoras kalatchnikov penduradas no pescoço. Enquanto controlam o tráfego que vem de ambas direções, um grande ônibus pára antes de estacionar na empoeirada via pública.
Quando seu ruidoso motor parecer descansar, oficiais israelenses revisam uma enorme quantidade de papeis, enquanto preparam os eventuais passageiros com destino ao aeroporto. De lá tomarão um vôo da Ethiopian Airlines com o objetivo de realizar a viagem milenar de regresso à terra de seus ancestrais à Terra de Israel.
Enquanto isso, dentro de um complexo vizinho, 42 Falash Mura (descendentes de judeus etíopes que se converteram ao cristianismo no início do século XIX), se sentam pacientemente e tranqüilamente em bancos de madeira, esperando para subir ao ônibus. Suas feições delatam uma silenciosa dignidade, mas não muito mais do que isso. Não existem suspiros emocionados ou qualquer reação do tipo emocional.
Apenas Yossi, uma criança encantadora de três anos com um contagioso sorriso, desafia todo esse ambiente, e parece perceber a importância do passo que está prestes a dar.
Há dez dias, Yossi e os outros chegaram a Addis Ababa após dois dias de viagem, desde Gondar, ao norte da Etiópia. Após recuperarem-se da longa viagem, passaram por um intensivo mini seminário organizado pelos funcionários israelenses, com o objetivo de familiarizá-los dos distintos aspectos da aliah.
Este grupo, que conta com 38 adultos, duas crianças e dois bebes, é o penúltimo grupo de Falash Mura que o governo de Israel planeja trazer ao Estado Judeu. Conforme informações dos funcionários do governo, outros 300 Falash Mura, aproximadamente, serão trazidos a Israel no fim de junho, e depois a operação estará encerrada.
Os funcionários da embaixada, já começaram a procurar emprego em outros lugares, pois existem os rumores da redução do quadro de empregados. É o fim de uma era, disse um oficial, acrescentando orgulhosamente que a antiga comunidade judaica da Etiópia encontrou finalmente o caminho de volta a sua casa.
Ativistas israelenses e norte americanos não concordam e dizem que ainda existem 8700 Falash Mura na região de Gondar. Eles acusam o governo israelense de querer encerrar o processo rapidamente sem avaliar devidamente essas pessoas. Eles ameaçam seguir pressionando até que o último membro dos Falash Mura que queira retornar ao judaísmo e ao povo judeu, tenha êxito e lhe seja permitido a aliah.
Porém estas disputas, parecem estar longe da mente daqueles presentes hoje em Addis Ababa, pois estes potenciais imigrantes caminham ao ônibus após terem recebido o visto de entrada dos funcionários israelenses.
Mesmo os mais cínicos observadores não podem deixar de ser influenciados por sua paciência e passividade, ao mesmo tempo em que deixam para trás tudo o que conhecem para enfrentar, no melhor estilo Abraham Avinu, o incerto futuro que os espera.
Quando chegam ao aeroporto, descem do ônibus, ajudando uns aos outros calmamente. Uma mãe carrega seu bebe, e o balança suavemente de um lado para o outro até que ele pega num sono profundo.
Uma senhora de idade, com muita dificuldade para ver e caminhar, é ajudada por dois jovens até o terminal de embarque.
Atrás dela, um homem com muletas tenta seguir o grupo, cada passo que dá com dificuldade, o aproxima mais a Jerusalém.
Vendo esta cena diante de meus olhos, o versículo de Jeremias (Cap. 31) me vem rapidamente à mente: “e os reunirei dos mais distantes confins da terra, e com eles trarei o cego e o coxo, a mãe e seu filho; e voltarão juntos formando uma grande multidão”.
De fato, é fácil imaginar que assim talvez tenha sido o êxodo do Egito, ao mesmo tempo em que estes remanescentes do judaísmo etíope retornam à terra prometida, escrevendo um novo capítulo na história.
Existem aqueles que vêem os Falash Mura como emigrantes com dificuldades econômicas, ou como, inclusive, gente que se aproveita do sonho sionista. E assim, dizem os críticos, sua motivação é simplesmente para elevar o nível de vida e escapar-se para o Ocidente. Porém, todo o cinismo do mundo não pode negar o fato dessas preciosas almas, estes “judeus perdidos” estarem, finalmente, regressando a sua gente e a sua terra.
É notório dizer, porém, que outro país faria semelhante esforço? No momento em que os Estados Unidos estão apertando o cerco por causa da imigração mexicana, França e Espanha combatem as ondas de imigração do Norte da África, o pequeno Estado de Israel cruza desertos para trazer de volta milhares de africanos como cidadãos com todos os direitos.
À medida que avançam e cruzam pelos guardas do aeroporto etíope, com seus poucos pertences à mão, não podemos deixar de ver na realização de seu sonho, a concretização do nosso também.

Um comentário:

  1. Parabéns ao governo de Israel pelo programa do êxodo dos etíopes judeus voltando à terra dos seus ancestrais. Chama atenção dois fatos: Muitos são cristãos convertido. Israel mesmo estando em guerra desde a sua fundação continua recebendo judeus de todas as partes. Serve de exemplo da única democracia do Oriente Médio.
    A imprensa não faz referência a esse ato solidário. Se for para criticar o Estado de Israel não falta espaço na mídia.
    Sempre tem um aiatolá; “Ativistas israelenses e norte americanos não concordam e dizem que ainda existem 8700 Falash Mura na região de Gondar”. Isso é o que Estado judeu se propôs. Por que não fazem uma vaquinha entre si e levem-nos para Israel? Todos ficarão felizes...
    Profecia de Jeremias que se cumpre: “e os reunirei dos mais distantes confins da terra, e com eles trarei o cego e o coxo, a mãe e seu filho; e voltarão juntos formando uma grande multidão”.

    ResponderExcluir

Deixe sua opinião

Google+ Followers

Seguidores

ormal Real Time Web Analytics