,

Latest News

loading...

09/12/2016

Neonazistas planejavam ataques a gays e judeus no Sul

Neonazistas planejavam ataques a gays e judeus no Sul
Roupas e livros com conteúdo nazista foram apreendidos
 | Polícia Civil/Divulgação
A Polícia Civil do Rio Grande do Sul deflagrou ontem a operação Azov para desarticular um grupo neonazista que atua no Estado. Ao todo, foram cumpridos oito mandados de busca nas cidades de Viamão, Canoas, Passo Fundo, Erechim, Caxias do Sul, Cruz Alta e São Nicolau. Os investigadores suspeitam que o grupo estava planejando alguma ação no Estado contra judeus e gays.
Foram apreendidos documentos, computadores e materiais de propaganda nazistas. Segundo as investigações, os gaúchos estão ligados ao Batalhão Azov, formado por militantes neonazistas que estão em combate no leste europeu, principalmente na Ucrânia. Estrangeiros do grupo, que tem células em todo o mundo, já estiveram no Estado para recrutar jovens para a luta armada na Europa. O grupo tem os mesmos ideais hitleristas de ‘limpeza’ social e pureza de raça, tendo como seus principais alvos negros, judeus e homossexuais.
De acordo com o delegado Paulo César Jardim, um dos policiais mais experientes no combate ao neonazismo, um gaúcho já esteve nesses combates. Jardim, titular da 1a Delegacia de Polícia de Porto Alegre, disse que a ideologia aproximou os grupos brasileiro e ucraniano:  “No Rio Grande do Sul, há simpatizantes do movimento neonazista. Na Ucrânia, também. Então, eles vieram ao Estado para tentar cooptar pessoas para atuar lá”, contou.
Um homem de 26 anos foi detido na operação em uma cidade da região metropolitana e levado à DP para averiguações. Há suspeita de que ele esteja envolvido com o grupo  Misanthropic Division. Entre os materiais apreendidos estão 47 estojos de munição 9mm, propaganda do White Power Sul Skin e livro sobre o nazismo, inclusive o famoso “Minha Luta”, de Adolf Hitler.
As investigações apontam que existam, pelo menos, 300 células do Batalhão Azov no Brasil. No Rio Grande do Sul, a polícia monitora grupos neonazistas há 15 anos.

Google+ Followers

Seguidores

ormal Real Time Web Analytics