,

Latest News

loading...

18/12/2016

A Luta de Yaakov

Vayishlach 
A Luta de Yaakov
A Luta de Yaakov – Parashát Vayishlach
Parashát Vayishlach (Bereshit/Genesis 32:4-36:43)

Quem é o adversário misterioso que lutou contra Jacó? E porque houve esta luta tão intensa que durou uma noite inteira? Porque Jacó foi ferido logo na coxa? Qual motivo dele ter recebido o nome de Israel?
Por Rabino Ari Kahn
Enquanto Yaakov (Jacó) está se preparando para seu confronto épico com seu irmão separado Essav (Esaú), ele tem um confronto bizarro com alguém totalmente inesperado:
E Jacob ficou só, e lutou um homem com ele até levantar-se a aurora. E viu que não podia com ele, e tocou-lhe na juntura de sua coxa, e desconjuntou-se a juntura da coxa de Jacob em sua luta com ele. E disse: Deixa-me ir, porque vem rompendo a aurora! – e disse: Não te deixarei ir, salvo se me abençoares! E disse-lhe: Qual é teu nome? – e disse: Jacob. E disse: Não, Jacob não será mais teu nome, e sim Israel, pois lutaste com o anjo de Deus e com homens e prevaleceste. E Jacob perguntou e disse: Dize-me, rogo, teu nome – e ele respondeu: Por que é que perguntas meu nome? – e ali o abençoou. E Jacob chamou o nome do lugar de Peniel (‘Face de Deus’) porque vi o anjo de Deus face a face, e minha alma foi salva. E o sol já nascia quando passou de Penuel, e ele mancava de sua coxa. [Bereshit/Gênesis 32: 25-32]

O texto parece deliberadamente enigmático e contraditório:
Diz-se que Yaakov está sozinho, mas se isso é verdade, como pode um homem lutar com ele?
Ele viu que não podia derrotá-lo, ele tocou a articulação de sua coxa.Quem é “ele” e quem é “ele”? Este versículo não pode ser entendido por conta própria; Apenas lendo o versículo seguinte podemos reconstruir o significado e preencher as identidades (como fiz acima). Por que há tanta confusão? Qual é a identidade do adversário de Jacó?
Ele disse: “Qual é o seu nome?”Ele disse ‘Jacob’. O adversário nem sabe com quem está lutando?
Ele disse: ‘ Jacob não será mais teu nome, e sim Israel, pois lutaste com o anjo de Deus e com homens e prevaleceste ‘O adversário que há alguns segundos disse que não conhece a identidade de seu inimigo, declara que Jacó foi vitorioso em sua luta com Deus e com o homem!
Jacob perguntou, e disse: ‘Por favor, me diga seu nome.’ Por que Jacob quer saber a identidade dessa pessoa?

Examinemos cuidadosamente esta passagem e vejamos como podemos decodificar o seu conteúdo misterioso e enigmático:
Jacob permaneceu sozinho, e um homem lutou com ele até o amanhecer.
Nosso problema é que se Jacob está realmente sozinho, quem pode estar lutando com ele? Uma resposta possível é – ninguém! Jacob está realmente lutando consigo mesmo. Isso explicaria a ambiguidade na passagem. No entanto, resolvendo o problema textual (se de fato estamos corretos), levantamos um problema ainda maior: por que um homem sadio lutava consigo mesmo? Uma leitura cuidadosa do texto pode dar-nos alguma introspecção.
O “homem” é referido em hebraico como um ish. E encontramos outro versículo – muito menos enigmático – no qual é evidente que o ish é claramente Jacob:
O homem prosperou muitíssimo e possuía grandes manadas, servas, camelos e jumentos. [Bereshit/Gênesis 30:43]
O contexto é fascinante: Jacob finalmente prosperou financeiramente. As bênçãos significavam para Esaú, que ele havia tomado, se concretizaram. Jacob “fez isso”. Ele completou uma metamorfose de ser um homem da tenda – um estudante de yeshiva – para se tornar um empreendedor de sucesso. No entanto, Jacob luta com seu sucesso. Uma coisa era levar as bênçãos destinadas a Essav; É bem diferente viver com os resultados dessas bênçãos. Enquanto Jacó se prepara para encontrar seu irmão, ele olha para toda a riqueza que ele acumulou e está preocupado. Ele separa tudo o que possui e tudo o que ama em diferentes campos, e ele é deixado sozinho.
Anteriormente, o texto descrevia Jacob sozinho quando ele estava fugindo de Esaú, e ele passou uma noite incrível sob as estrelas e viu a visão de sua vida – a escada para o céu. Naquela época, ele nem sequer tinha um lugar para descansar a cabeça e dormia sobre pedras. Agora, Jacó retorna com riquezas.
Mas agora ele também deve fazer a pergunta: Quem sou eu? Jacob, o homem das tendas, ou Esaú, o homem dos campos? Enquanto Jacob cruza o rio e vê seu reflexo, ele questiona sua identidade. Tinha começado a parecer-se com Essav? Se o cumprimento das bênçãos roubadas realmente o transformou em Essav?
Parece que Esaú pensava assim. Quando Esaú foi mencionado, jurou matar Jacó. E quando se encontram, Esaú está claramente preparado para a guerra:

E Jacob levantou seus olhos e olhou, e eis que Esaú vinha, e com ele havia 400 homens; e repartiu as crianças entre Lea e Raquel e entre as duas servas.. [Bereshit/Gênesis 33: 1]
Quando ele vê a abundância do acampamento de Jacó, Esaú muda a cara. Sua raiva aparentemente se dissipa. Ao invés de guerrear, ele pede a Jacob que viaje com ele – uma resposta bastante inesperada para alguém que queria se vingar. A ira de Esaú deveria ter sido exacerbada pela visão da grande riqueza de Jacó; Afinal, essa bênção de riqueza era justamente sua. O que provocou a repentina mudança de coração de Esaú?
Esaú deve ter visto algo em Jacó que nunca tinha visto antes. Esaú viu o “novo” Jacó, um homem rico, um homem que aparentemente abandonara suas atividades espirituais em favor de suas posses materiais. Na mente de Esaú, Jacó se tornou Esaú, e, no que dizia respeito a Esaú, não havia mais motivo para odiar seu irmão. As barreiras que os haviam dividido tinham desaparecido; Eles poderiam agora juntar forças. Esaú pensou ter alcançado uma vitória ideológica, que era bem mais doce do que qualquer vingança que pudesse exigir.
Esta foi precisamente a causa da luta interior de Jacó. Ele também viu em si mesmo o que Esaú viu.
… um homem lutou com ele até o amanhecer. Ele [o homem] viu que não podia derrotá-lo …
Durante toda a noite, Jacob luta com seu sucesso. Seu eu-espiritual e seu seu-físico colidem enquanto tenta determinar sua identidade verdadeira. Mas Jacó é incapaz de resolver este conflito.
… ele tocou a articulação de sua coxa. O quadril de Jacob se deslocou de lutar com ele
…E ele estava mancando por causa de sua coxa. Portanto, os filhos de Israel não comem o tendão do quadril até o dia de hoje, pois a articulação da coxa de Jacó estava aflita no tendão do quadril.
Na resolução que finalmente se consegue, o reino físico é forçado a ceder. Leis, como a do tendão do quadril, Gid HaNashe, irá criar limites espirituais dentro da experiência física, tornando possível a elevação do mundo físico para um plano espiritual.
Esta é a resolução de Jacó. Jacó pode parecer Esaú, e, na verdade, ele não é mais o mesmo Jacó. O próprio nome de Jacó – que conota um relacionamento com Esaú – será agora substituído pelo nome de Israel, que fala de sua relação com os reinos físicos e espirituais.
Agora podemos entender por que os Sábios quase uniformemente identificam o homem com quem Jacob lutou como o “anjo de Esaú”. Apesar da complexidade da passagem, os Midrashim e comentários tratam-na como se o significado fosse óbvio, e são relativamente unificados quanto à identidade do assaltante.
Quando os Sábios dizem que o adversário de Jacó era o anjo de Esaú, eles se referem ao poder de Esaú dentro de si mesmo com o qual Jacó estava lutando, esse poder que Jacó teme tomou sobre sua vida.
Na verdade, quando Esaú faz o convite para viajar juntos, Jacob diz:
“Meu senhor sabe que as crianças são tenras, e se as ovelhas e as vacas que têm cria se fatigarem um só dia, morrerá todo o rebanho. [Bereshit/Gênesis 33: 12-13]
A razão de Jacó é que suas posses são um fardo que o retarda, assim como sua lesão na perna também o retarda de outra maneira. A recompensa física com a qual ele foi abençoado é pesada para Jacob – é um fardo que o impede de alcançar seu verdadeiro passo, de realizar seu potencial espiritual.
E Esaú voltou naquele dia a seu caminho, para Seir. 17 E Jacob partiu para Sucót, e edificou para ele uma casa, e para seu gado fez cabanas; por isto chamou o nome do lugar de Sucót (Cabanas). [Gênesis 33: 16-17]
A conclusão do confronto entre Jacob e Esaú leva-os em duas direções diferentes. Esaú retorna para casa, enquanto Jacó viaja para Sucot. O destino de Jacob é chamado Succot por causa das tendas que ele fez para seus animais. É interessante que neste lugar Jacob também construiu uma casa, presumivelmente para sua família. Então por que ele preferiria nomear o lugar para os estandes feitos para os animais?
A associação evocada por esses estandes é, naturalmente, o Festival de Sucot. Os judeus são obrigados a deixar o conforto de suas casas e viver em um estande temporário, para lembrar-nos que o mundo físico é temporário. Isso também é o que está passando pela mente de Jacob.
Jacó reconhece que a recompensa física com a qual ele foi abençoado é transitória. É apenas um meio para um fim. Depois de conhecer Esaú e chegar a um acordo com sua existência material, ele nomeia sua primeira parada em Sukkot para enfatizar esta mensagem.
Se encontramos Jacob dirigindo-se para Sucot, qual é o seu ponto de partida? De onde ele vem? Por mais estranho que possa parecer, um judeu vai a Sucot imediatamente depois de Yom Kippur.
Ao tentar explicar o conceito do bode expiatório de Yom Kipur, Nachmanides puxa tudo para nós. Ele explica que, ao oferecer este sacrifício peculiar em Yom Kippur, os judeus dariam um suborno a “Samael”, a fim de apaziguá-lo e facilitar seu testemunho diante do tribunal celestial em seu favor. [Comentário a Vayikra, baseado em Pirki D`Rebbi Eliezer, Ch. 45] Quem é este “Samael?” Ninguém além do anjo de Esaú, a quem Jacó lutou. [Midrah Tanhuma Vayishlach, 8).
Podemos traçar o surgimento de um tema aqui. No Yom Kippur, todo judeu deve lutar com quem ele é ou quem ele se tornou. A Torá nos ordena no Yom Kipur para oferecer um bode expiatório, para “que é de direito”. Esse processo permite ao homem manter seu aspecto físico em perspectiva. Quando Jacó se encontrou com Esaú, ele também deu presentes; Esses dons vieram como herança como o protótipo para o sacrifício anual em Yom Kipur, que é oferecido ao poder de Esaú no mundo.
O Zohar, aparentemente consciente dessa conexão, escreve que o confronto entre Jacob e Esaú foi resolvido na hora de Neila, quando a oração final de Yom Kipur é dita. [Zohar VaYikra, Parashat Emor, p.100b] Neste ponto, Jacó parte para construir sua Sucá, sua morada temporária.
Se o confronto entre Jacob e Esaú tiver lugar no dia do Yom Kippur, então, por extensão, o confronto com seu oponente anônimo ocorre na noite anterior – noite de Kol Nidre, a Véspera de Yom Kippur. Toda aquela noite, Jacó lutou com o Esaú dentro dele: Ele ainda era Jacó ou ele se tornara Esaú? Se suas posses e sua preocupação em adquirir essas posses o mudassem? Ao tomar a bênção de Esaú, ele tinha realmente tomado a personalidade de Esaú? À luz do dia, o tempo em que o Cohen Gadol (Sumo Sacerdote) teria começado o serviço no Beit Hamikdash (Templo Sagrado), a luta deve ser resolvida.
O Zohar elabora:
E eles lutaram: A identidade do anjo era o Guardião de Esaú. E quem é ele? Samael. E é apropriado que o pó de seus pés subisse ao Trono Divino, pois esse é o lugar do juízo. [Zohar Bereshit 170a]
O Zohar entende que o juízo encheu o ar naquela noite. O Anjo de Esaú poderia atestar a inocência de Jacó como faria para gerações de judeus no futuro?
Ele [Jacó] disse: “Não te soltarei se não me abençoares”. [Bereshit/Gênesis 32:27]
Jacob quer a bênção. No final ele recebe.
Esta seção termina com Jacob nomeando o lugar Pniel, pois a auto-análise profunda de Jacob e sua luta interior o levam “cara a cara” com Deus. Aprendemos assim que o arrependimento real, que resulta de uma profunda introspecção, leva a um encontro com Deus.
Rabino Levi disse: “Grande é o arrependimento, pois alcança o Trono da Glória, como se diz: ‘Volta, ó Israel, ao Senhor teu Deus’.” [Yoma 86a]
Isso é o que Jacó sente quando despede-se pela manhã:
O sol se levantou quando ele deixou Pnuel. E estava mancando por causa de sua coxa. [Gênesis 32:32]
Jacob se afasta desse confronto, fisicamente mais fraco, mas espiritualmente transformado e fortalecido. Agora ele sabe como responder aos desafios que o aguardam tanto deste mundo quanto do outro. Sua identidade não mais seria definida ou determinada por seu relacionamento com seu irmão Esaú. Ele agora se tornou Israel. O físico e o espiritual já não estão em desacordo. Juntos, eles acompanham Jacó/Israel com cada passo que ele toma enquanto ele se move em direção ao seu destino, embora em um ritmo mais lento fisicamente, mas espiritualmente revigorado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião

Google+ Followers

Seguidores

ormal Real Time Web Analytics