Coisas Judaicas : Dia Internacional da Mulher e Hannah Senesh
[ ]
Latest News Updates
Dia Internacional da Mulher e Hannah Senesh
08/03/16 Posted by Coisas Judaicas

 Dia Internacional da Mulher e Hannah Senesh







A “Hora” triste de Hannah Senesh

É uma das heroínas do Sionismo e do Judaísmo moderno.

Menina da classe media de Budapeste, Hungria, Hannah Senesh pertencia a uma família intelectualizada (o pai era jornalista e dramaturgo) de judeus cientes de suas origens, mas indiferentes a causa da construção do Estado de Israel. Já na adolescência, porem, Hannah engaja-se no movimento sionista e, em 1939, aos dezoito anos, acaba por emigrar para o então  Mandato Britânico da Palestina, território herdeiro do antigo Israel bíblico, onde ela estuda numa escola agrícola e trabalha em kibutz.


Numa das cartas enviada a sua melhor amiga Miriam em 1943, Hannah Senesh escreveu: "Shalom Miriam, vejo que estou esperando em vão sua visita tão prometida, e também não recebo nenhuma carta sua. Que pena. Em nosso breve encontro não pudemos falar de nada. É tão divertido falar muito. Às vezes eu quero te consultar ou apenas conversar com você, e eu sinto mais do que pensei que a nossa amizade não é somente o resultado das condições pelas quais ambas passávamos, mas muito mais do que isso. Devo dizer que em Israel você talvez seja a única com quem eu posso realmente me abrir. Eu também me tornei mais fechada do que era. É verdade, eu não tenho aqui uma boa amiga ou bom amigo. É difícil culpar algo ou alguém, e eu não estou procurando culpas. Aceito os fatos e vivo assim. E ao mesmo tempo, eu me sinto ligada ao grupo, vejo a necessidade, sob todos os aspectos, de viver aqui e não me arrependo de minha escolha. "

Na carta que Senesh, aos 22 anos, enviou a Miriam havia uma poesia que ela escreveu, descrevendo a tempestade em sua mente naquele momento, poucos meses antes de sair para a missão da qual não regressou. A poesia se chama "Hora” de uma jovem da diáspora."

“Hora” fervorosa, animada, ruidosa,
Irrompe agitada ao meu redor.
O ritmo é um encantamento
Que de idade e tormento
Livra meu corpo e meu coração.

O pé dá um passo, o ombro estremece,
Os versos se inflamam, o canto incandesce.
Dança e canção,
Muda oração,
Ao D-us do futuro, ao D-us da criação.

E então...
Uma imagem flutua na minha frente.
Do abraço amigo me solto de repente,
Alheio ao canto, meu coração acelera.
Próxima e distante ela me toma por inteira.

Olhos azuis, expressão inquisitiva,
Tristeza calada e boca altiva –
Parada quedei-me – o silêncio cresceu.
Sozinha entre centenas: ela – e eu.

Cesaréia, 27 de fevereiro de 1943



Coisas Judaicas

Agradecemos por sua visita! Se você gostou, use um dos botões acima e compartilhe!

Nenhum comentário:

Leave a Reply

Deixe sua opinião

Real Time Web Analytics