Coisas Judaicas : Torá de Teruma
[ ]
Latest News Updates
Torá de Teruma
12/02/16 Posted by Coisas Judaicas

Torá de TerumaO Ponto de Encontro – Comentário sobre a porção semanal da Torá de Teruma
Protótipos dos 613 Mandamentos.

No início da Parasha de Terumah, Nachmanides nos resume o que aconteceu, para nos colocar no contexto certo para compreender a razão para a construção do Tabernáculo.

E assim diz o Rabino Moshe ben Nachman Girona (Nachmanides):

“Quando o Criador falou aos filhos de Israel face a face ao entregar as Tábuas da Lei, foram ordenados alguns comandos por intermédio de Moshe, como protótipos do resto dos mandamentos, tal como nossos Sábios ordenaram fazer com os prosélitos que vêm ao abrigo das asas da Shechiná (Yevamot 47). E os filhos de Israel aceitaram tudo o que o Criador deu-lhes através de Moshe e assinaram o pacto com o Criador”.

Ou seja, os Dez Mandamentos foram apenas o protótipo do resto dos 613 mandamentos da Torá, como confere no agrupamento feito pelo rabino Seadia Gaon sobre cada um dos “dez mandamentos” (na verdade, em hebraico são chamados de “Dez Ditos”, já que o primeiro não é um mandamento, mas sim uma declaração).

Os Prosélitos

Entretanto, Nachmanides acrescenta um detalhe interessante, citando o tratado de Yevamot: Quando um prosélito vem e pede para ser recebido como um membro do povo de Israel, o Tribunal de Justiça que o recebe deve anunciar alguns mandamentos da Torá, alguns graves e outros ‘simples’, que sirvam como uma referência geral para o prosélito entender o que serão seus deveres e seus direitos, e se aceitar cumpri-los, se tornará imediatamente parte do Povo. E assim também diz que o Shulchan Aruch, que não é necessário que o prosélito saiba toda a Tora antes de mergulhar na Mikva, e sim como diz o Talmud e o Nachmanides explica aqui. O fato de que, atualmente, se exigem exames de todos aqueles que aspiram tornar-se membros do Povo Santo vai diretamente contra o que os nossos Sábios ensinaram, criticando qualquer atraso por parte do requerente e de quem deve recebê-lo em nome da Comunidade. A mudança se deve aos graves problemas que foram criados nas últimas décadas, em que um grande número de pessoas que não têm intenção de cumprir os mandamentos estão lotando as portas dos tribunais por razões não relacionadas, somando à nova condição da maioria das pessoas que, infelizmente, não conhecem os mandamentos e o simples fato de ingressar na comunidade, não fará com que aprenda por inércia o cumprimento dos seus deveres. De qualquer forma, deve-se saber que estes “exames” não são a essência da “conversão”, mas sim o fato de que o Tribunal, em nome de todo Israel o aceita dentro da Santa Congregação.

Assembléia Santa

E assim aconteceu com todo o povo 3,326 anos atrás. Nachmanides explica da seguinte forma:

“A partir daquele momento se tornaram o Seu povo, e Ele em seu D’us, como propôs antes da entrega dos Dez Mandamentos (Êxodo 19:5-6 ). ‘Agora, se você ouvir a minha voz e guardar a minha aliança, serás o meu tesouro entre todos os povos, pois toda a terra é minha. E você deve ser um reino de sacerdotes e um povo santo…’. ”

Foi uma semana de “diálogo” entre o Criador e o povo de Israel, como descreve a Torá no capítulo 19 de Êxodo, por meio de Moshe que subia e descia o Monte Sinai para transmitir as propostas do Criador para o povo e retornar a Ele com a resposta.

Devemos entender isso corretamente: ser o povo eleito significa aceitar o cumprimento da Sua vontade, expressa na Torá Escrita e na Torá Oral, explicada pelos sábios em todas as gerações, que foram desenhando novas conclusões através da evolução e da experiência espiritual e intelectual do Povo. Este Povo que recebeu uma inclinação para o bem dos Patriarcas, pode entrar em contato e conversar com o Criador, se for digno e através de um interesse genuíno, sendo assim um reino de sacerdotes e um povo santo.]

Reconexão

Isso leva à próxima fase, em que Nachmanides diz:
“E desde então eles mereceram que a Shechiná habite entre eles e, assim, deverão construir um santuário, dedicar um lugar a que Ele possa falar com Moshe.”

A Shechiná estava ‘desconectada’ do mundo. Melhor seria definir o contrário, a humanidade havia se afastado do Criador. Eles procuraram seu próprio caminho, ignorando as instruções divinas que haviam recebido do primeiro homem. Para se tornarem “independentes”, para receber sua própria personalidade humana, este desligamento temporário foi necessário, como um adolescente que se desconecta de seus pais para construir a sua própria identidade.

Mas esse desligamento foi muito doloroso para ambos, e, portanto, quando voltam a existir as condições necessárias para renovar este contato entre a humanidade e seu Criador, se trata de um evento de grande felicidade e alegria.
Como um adolescente que, quando restabelece o contato com seus pais, uma alegria indescritível é renovada. Ou assim deveria ser, se não fosse, por vezes, o pesado fardo de dor e ressentimento do jovem adolescente, que ainda não sabe como interpretar corretamente a razão por tal desligamento.

O mundo não estava preparado para este encontro com o Criador, até o Povo de Israel responder positivamente a este reencontro, que aconteceu no exato momento em que Moshe recebeu as Tábuas da Lei das mãos do Criador. Embora, em Israel, haja acontecido momentos de crises graves, como veremos com o duro evento do Bezerro de Ouro.

A Embaixada Celestial

Mas de qualquer forma se tornaram dignos de ser o ‘anfitrião do Criador’ na construção do Tabernáculo, que seria no centro do acampamento, uma “tenda de encontro” entre o homem e o Criador. Não se trata de um conceito “espiritual”, resultado da imaginação ou de sonhos utópicos, mas sim, material, físico, no centro do acampamento, uma “Embaixada do Céu” com condições e reações celestiais – milagres que se tornaram palpáveis a qualquer um que o visitasse, e que poderiam entrar em contato direto com o Criador.

Quatrocentos e oitenta anos depois, o rei Shlomo transformou o Tabernáculo Móvel em um Templo Fixo no Monte Moriá, e desde então tornou-se o único lugar que serve como ‘ponto de encontro’ entre o Criador e a humanidade, e qualquer pedido de oração deve passar por lá, por isso nos viramos para o Templo de Jerusalém ao rezar a reza da ‘Amida’, três vezes ao dia. Contudo não temos as bênçãos divinas em resposta a nossos pedidos, turvas desde a destruição do Primeiro Templo, há quase 2.500 anos atrás, e ainda mais apagadas a partir da destruição do Segundo Templo , cerca de quinhentos anos depois. Mas as bênçãos aparecem no final do dia.

Que sejamos capazes, e quanto mais cedo melhor, de recuperar a integridade essencial para a reconstrução do Terceiro Templo!

Coisas Judaicas

Agradecemos por sua visita! Se você gostou, use um dos botões acima e compartilhe!

Nenhum comentário:

Leave a Reply

Deixe sua opinião

Real Time Web Analytics